sábado, 12 de janeiro de 2019

Conselho de preparador faz "sniper" Jean selecionar momentos para evitar lesões


Intenso, jogador de 24 anos fala que tem aprendido a dosar a força e reitera felicidade pela permanência em General Severiano






Fred Gomes/GloboEsporte.com


Muitos dentro do Botafogo afirmam que palestras dadas por Ivan Blaz e Luciano Pedro, majores da PM e ex-membros do Bope, foram um dos combustíveis para a arrancada alvinegra no fim do ano.


Em sua primeira coletiva em 2019, Jean, feliz pela renovação com o Glorioso, usou um termo que remete a ações policiais. Ao comentar a luta contra lesões (em 2018, sofreu com dores na coxa esquerda), disse ter ouvido do preparador físico Felippe Capella que é preciso ser um "sniper" (atirador de elite) e selecionar momentos.


- O Capella fala pra gente ser mais sniper (atirador de elite), selecionar os momentos. Estou mais concentrado em relação a isso. Tenho aprendido muitas coisas aqui no Botafogo, principalmente ser atleta.


- Ano bem atípico. Tive oportunidade de parar e pensar em outras coisas. Quando cheguei, a preparação, o Capella e o Zé me chamaram. Eu tinha que mudar alguns conceitos meus, você não pode ser 140 (km/h) o tempo inteiro, porque fisiologicamente você não vai render.


Confira outros tópicos da conversa:

Você ter citado a necessidade de ser "sniper" tem a ver com a palestra de ex-integrantes Bope?


- Para ser igual aos caras do Bope é surreal (risos), foi muito motivadora a palestra. A gente sabe que o mercado é estreito em todas as carreiras. Abriu nossos olhos que a gente tem de selecionar o momento para viver como se fosse o último de nossas vidas.


- Viver intensamente não significa você ir de peito aberto. Você tem que ser estrategista. Depois que você traça, você toma decisão. Pode ser que você tenha um tiro só.


- Graças a Deus, a gente não precisa dar tiro, é só roubar bola, dar passe para gols e correr (risos).


Renovação: a melhor escolha


- Dezembro foi superlongo, mas eu sempre deixei clara a minha vontade. Conversei com o Anderson Barros, presidente, mas outras questões extracampo estavam envolvidas. Demorou (a oficializar a renovação), tive que ficar resolvendo questão de casa, me readaptar ao Rio. Mas repito: a melhor escolha que eu poderia ter feito, eu fiz.


- Estou feliz por estar aqui e de ter tomado a decisão correta. No Botafogo não tenho só vivido a parte de jogar no clube, mas a parte de crescer como atleta. Aprendo muito como atleta.


Fonte: GE/Por Fred Gomes — Rio de Janeiro