domingo, 23 de julho de 2017

Em jogo fraco tecnicamente, Atlético-GO e Botafogo não saem do empate


Alvinegro, que atuou praticamente com todos os reservas, abriu o placar com Vinícius "Tanque", mas acabou sofrendo a igualdade após erro na saída de bola





Melhores momentos de Atlético-GO 1 x 1 Botafogo pela 16ª rodada do Campeonato Brasileiro

Em um jogo tecnicamente fraco, Atlético-GO e Botafogo, que começou apenas com um jogador titular (Bruno Silva), empataram em 1 a 1, na noite deste domingo, no Estádio Olímpico de Goiânia, em Goiás, em jogo válido pelo Brasileiro. Os gols foram marcados por Vinícius "Tanque" e Paulinho.


Como fica?


Com o resultado, o Botafogo vai aos 24 pontos, e o Atlético-GO aos nove. Na próxima rodada, o Dragão visita a Chapecoense, domingo, na Arena Conda. Já o Alvinegro recebe o São Paulo, um dia antes, no Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro.


Atlético-Go domina o primeiro tempo


Na última colocação no Campeonato, o Atlético-GO aproveitou os desfalques do Botafogo e começou melhor. Logos aos 15, Walter descolau belo lançamento para a área. Andrigo deixou escapar, mas a bola sobrou para Jorginho, que desviou e mandou para fora. O primeiro tempo foi marcado pelo domínio do Dragão, que parava na boa marcação do Alvinegro.


O único ataque do Botafogo aconteceu aos 40. ViníciusTanque recebeu na direita e achou Guilherme no meio. O atacanteu cruzado, a bola desviou e saiu pela linha de fundo.


Jogo melhora

Assim como na etapa inicial, o Atlético-GO esteve melhor no segundo tempo, tanto que quase abriu o placar aos três minutos. Walter pegou sobra na entrada da área e soltou a bomba. Jefferson espalmou para o lado.


O Botafogo respondeu com um gol aos 23. Gilson recebeu na ponta esquerda e cruzou na cabeça de Vinicius, que marcou. O Atlético-GO não se abateu e empatou sete minutos depois. Dudu Cearense saiu errado, Paulinho ficou com a bola e tocou para Jorginho. O camisa 10 rolou para o meio, e Diego Rosa, em posição duvidosa, dividiu com Emerson Silva, que cortou mal e deixou para o próprio Paulinho concluir: 1 a 1.


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com, Goiânia, GO

Rodada #16: tudo o que você precisa saber sobre Atlético-GO x Botafogo



Times se enfrentam na noite deste domingo, às 19h, no Olímpico de Goiânia. Enquanto os cariocas buscam uma vaga no G-6, o Dragão tenta se reabilitar após jejum de oito jogos




(Foto: Infoesporte)


O jogo

Atlético-GO e Botafogo se enfrentam vivendo climas totalmente diferentes. Lanterna com apenas oito pontos, o Dragão não vence há oito jogos e vem de goleada vexatória diante do Sport, no meio de semana. O técnico Doriva foi demitido e dá lugar ao assistente João Paulo Sanches. O Alvinegro, por sua vez, chega em alta. Invicto há quatro partidas, o time carioca é sétimo colocado com 23 pontos e persegue o G-6.


Transmissão: Premiere



(Foto: )


Atlético-GO - técnico João Paulo Sanches

A escalação do Dragão pode ser considerada uma incónita. A delegação rubro-negra retornou de Fortaleza apenas às 21h de sexta-feira e João Paulo Sanches comandou apenas uma atividade antes do duelo contra o Botafogo. A atividade foi realizada com portões fechados, e o treinador não revelou a equipe titular que pretende levar a campo.


Desfalques: todos à disposição.

Pendurados: André Castro, Andrigo, Walter, Igor e Marcão




(Foto: GloboEsporte.com)



Botafogo - técnico Jair Ventura

Desgastado por dois jogos nesta semana (segunda e quinta) e de olho no Atlético-MG pela Copa do Brasil, o Botafogo terá um time muito modificado neste domingo. Quatro jogadores estão suspensos: Emerson Santos, Carli, Igor Rabello e Pimpão. Além deles, a comissão técnica decidiu poupar Lindoso e Roger. Até por isso, alguns jovens do sub-20 foram chamados para compor o banco


Desfalques: Jonas, Marcinho, Airton, Gatito, Bochecha e Arnaldo (DM); Brenner e Leo Valencia (ainda não foram inscritos); Lindoso e Roger (poupados).


Pendurados: Arnaldo, Bruno Silva e Gilson




(Foto: GloboEsporte.com)




(Foto: Infografia )


Caio Augusto Vieira (RN) apita a partida em Goiânia. Flávio Barroca (RN) e Vinícius de Lima (RN) serão os auxiliares.


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com, Goiânia

sábado, 22 de julho de 2017

Do osso ao filé: Lindoso exerce liderança silenciosa e celebra renovação no Botafogo


Um dos poucos remanescentes da Série B no atual elenco, ex-meia se firma como primeiro volante e capricha na saída de bola: 92,3% de acerto de passes no Brasileirão






Rodrigo Lindoso renovou na semana passada por mais dois anos (Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo)


Jogador discreto, que não aparece tanto para a torcida, Rodrigo Lindoso pode dizer que conhece bem o Botafogo. Nos seus dois anos no clube, roeu o osso na Série B, vivenciou a ascensão na Série A e agora saboreia o "filé mignon" da Libertadores.


Um dos jogadores com mais tempo de clube no atual elenco, Lindoso renovou na semana passada por mais dois anos. O novo vínculo vai até dezembro de 2018. Ele será poupado contra o Atlético-GO, no domingo.


- Foi bom. Dá tranquilidade. Mas, é claro, traz mais responsabilidade. Como já venho desde 2015, é a minha segunda renovação. Isso faz parte do belo trabalho que eu venho fazendo e da minha dedicação ao clube. Seguiu tudo como eu planejava - disse o jogador.


Com 90 jogos e sete gols pelo Botafogo na bagagem, Lindoso, hoje, é um dos líderes do elenco. Não uma liderança de muitas palavras e cobranças, mas sim algo exercido no dia a dia, por quem é próximo de todo o grupo.


- Já vivi muita coisa. O Jair já me deu a faixa de capitão quando o Carli e o Jefferson não estão. Isso é bom, uma responsabilidade que gosto. Sinto que tenho uma parcela de importância. Mas aqui tem jogador que chegou há pouco e tem a última palavra. Não tem vaidade. Nosso capitão Jefferson, que é um ídolo do clube, não tem vaidade. Então o grupo em si é o mais importante - elogiou.


Lindoso alternou entre titulares e banco no início da temporada, mas firmou-se na equipe principal após a lesão de Airton. Desde então vem se destacando pela eficiência nos passes. No Brasileiro, ele tem 92,3% de acerto.


- É importante, até pela minha origem de meia. O meia, o camisa 10, tem que ter um passe mais apurado, saber o momento certo, a força... Então quando você recua, essa característica acaba te ajudando. Hoje em dia, mesmo ali atrás, os atacantes pressionam a saída de bola, mas é diferente. Acho que esse meu papel é importante para a equipe. Fico feliz. Tanto o passe curto, quanto o mais longo, é a minha principal característica como jogador



Rodrigo Lindoso marcou contra o Sport, na última segunda-feira (Foto: André Durão)


Confira outros trechos da entrevista.

Gol diante do Sport
Quando você trabalha e se dedica, as coisas tendem a acontecer. Aconteceu essa situação de renovação, e no jogo seguinte marquei um gol, ajudei a equipe. Quero aproveitar esse momento. A gente sabe que no futebol tudo muda rápido. Quero manter essa boa fase por mais tempo o possível.


Boa fase ajudou na renovação?
Sem dúvida. Costumo dizer que o atleta, quando joga poucos minutos, é muito complicado para mostrar o trabalho. No início do ano joguei alguns jogos e outros não. Agora estou tendo uma sequência muito boa, apesar de cansativa pela quantidade de jogos. Isso me dá confiança.


Imune a lesões?
Sempre tive o histórico de poucas lesões. Sei que estamos sujeitos a isso. No início do ano o pessoal da preparação física e o departamento médico levou muitas pancadas. Mas a culpa nunca foi deles. Creio que isso é o acaso do futebol, outros clubes também têm quatro ou cinco jogadores machucados.


Ficou um foco no Botafogo. Um dos fatores que influenciam o fato de eu não machucar é justamente a preparação. É de se elogiar o pessoal da fisiologia e da preparação física, que pouco aparece. Mas eles têm uma importância muito grande na nossa recuperação.



Apresentado ao lado de Serginho em 2015, Lindoso chegou sem badalação. Hoje, é um dos jogadores mais antigos do elenco (Foto: Marcelo Baltar / GloboEsporte.com)


Hora do filé
O Neilton, que é meu amigo particular, foi especulado no Botafogo antes de ir para o Vitória. Brinquei com ele. “Você roeu osso aqui com a gente. Vem para cá para o filé”. Eu venho desde 2015, no início da recuperação do Botafogo. Saímos da Série B, voltamos para a Série A e logo em seguida a Libertadores. Vivemos um bom momento e temos que prolongar isso. Não sabemos até quando vai durar. Temos que manter os pés no chão e tentar manter esse bom momento


O que vai acontece no final do ano?
Temos um grupo muito bom. Acho que a gente merece um título. Estamos fazendo por merecer.



Com a filha Valentina na assinatura da renovação de contrato (Foto: Divulgação)

Paixão pela filha
Fico doido para chegar em casa, ver minha filha (Valentina, de 1 ano), quando volto das viagens. Até pela idade dela. Ela é a coisa mais importante da minha vida. É claro que a gente tem nossa profissão, mas a filha é a minha vida. Tudo o que eu faço é para ela.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar, Rio de Janeiro