sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Ufa! Após maratona e emoções, Bota tem tempo para respirar e tratar lesões


Alvinegro, que realizou dez jogos em um mês, terá quatro dias de descanso e só volta a jogar em duas semanas. Elenco ganha primeiras folgas após pré-temporada



MARATONA EM UM MÊS

22/1 - 4 x 0 Rio Branco (Cariacica)
25/1 - 0 x 2 Madureira (Bangu)
28/1 - 1 x 1 Nova Iguaçu (Rio)
01/2 - 2 x 1 Colo-Colo (Rio)
04/2 - 2 x 1 Macaé (Rio)
08/2 - 1 x 1 Colo-Colo (Santiago)
12/2 - 1 x 2 Flamengo (Rio)
15/2 - 1 x 0 Olimpia (Rio)
19/2 - 3 x 2 Boavista (Bacaxá)
22/2 - 0 x 1 Olimpia (Assunção)


A classificação para a fase de grupos foi recheada de euforia, mas também de um certo alívio. Além da conseguir o primeiro objetivo da temporada, o Botafogo, enfim, terá tempo para descansar. Afinal, depois uma maratona intensa de jogos e emoção, o elenco ganhou quatro dias de folga. Algo raríssimo em 2017.

Incluindo o amistoso contra o Rio Branco, em 22 de janeiro, o Botafogo entrou em campo dez vezes em um mês. Jair Ventura alternou a equipe, fez rodízio, mas a sequência não permitiu folgas. Desde que retornou da pré-temporada no Espírito Santo, no dia 24 de janeiro, o Alvinegro treinou ou jogou todos os dias. Ao retornar do Paraguai, o elenco ganhou folga até segunda-feira.

Além da pesada carga de trabalho, houve também o peso emocional. Eliminação precoce na Taça Guanabara, clássico contra o Flamengo e quatro jogos de caráter decisivo seguidos pela Libertadores. O objetivo principal – classificação para a fase de grupos – foi atingido.

- Tirou aquele peso, dei uma respirada. Mas foi o que escolhi para a minha vida. Agora vou passar o Carnaval tranquilo, dar folga aos jogadores. Depois vamos nos preparar para fase de grupos, que será muito forte – disse Jair Ventura, aliviado e feliz após a classificação em Assunção. O treinador ainda não decidiu se vai acompanhar os desfiles das escolas de samba na Sapucaí. 

Jogadores do Botafogo antes das cobranças de pênaltis contra o Olimpia (Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo)

Valeu a pena? É claro que sim. A maratona foi exaustiva, mas o Botafogo passou por clubes tradicionais como Colo-Colo e Olimpia e está na fase de grupos da Libertadores. A sequência, porém, também causou danos. Carli, Montillo (duas), Helton Leite e Gatito sofreram lesões musculares. Camilo e Bruno Silva sofreram com dores. Bochecha rompeu os ligamentos do joelho e foi operado. Airton também teve um problema no cotovelo, mas não chegou a desfalcar a equipe.

- Agora a gente vai ter tempo para nossa pré-temporada. Período curto, perdemos bastantes jogadores por lesão, cansaço... Entregar os primeiros dias ao nosso departamento físico e de fisiologia para que a gente possa fazer um grande ano - disse Jair, na chegada ao Rio.

O tempo, que era o grande vilão, agora é aliado do Botafogo. Fora da fase decisiva da Taça Guanabara, o Botafogo terá mais de duas semanas de descanso. O próximo jogo previsto é contra o Volta Redonda, na estreia na Taça Rio, em 11 de março. Até lá a comissão técnica terá tempo para ajustar o time e recuperar jogadores.

- Agora a gente vai ter uma folguinha, mas semana que vem volta a trabalhar e focar no restante da temporada - comemorou Airton.

Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago Lima/Rio de Janeiro

Vem, Estudiantes! Jair projeta fase de grupos e estreia no seu aniversário


Comandante lembra toda trajetória vivida pelo Botafogo para chegar na Copa Libertadores e espera noite especial no dia 14 de março, contra o time argentino, no Nilton Santos



O primeiro objetivo de Jair em 2017 foi cumprido: a fase de grupos da Libertadores (Foto:Satiro Sodré/SSPress)


Depois da classificação no Paraguai, o primeiro objetivo do Botafogo para 2017 foi cumprido: a entrada na fase de grupos da Libertadores. Com tempo maior de preparação até a sua estreia, o Glorioso poderá agora recuperar jogadores lesionados e dar ao técnico Jair Ventura mais tempo para acertar detalhes da sua equipe. Até porque, o jogo contra o Estudiantes - no Estádio Nilton Santos -promete ser especial para o comandante alvinegro, que fará 38 anos no dia.

- Dia 14/3 é a nossa estreia. Dia do meu aniversario, no nosso estádio, contra o Estudiantes. Nosso grupo é muito difícil. Vamos lá. Lutamos tanto para isso. Seria muito ruim ficar fora depois de tudo que passamos. Saímos da rebaixamento de rebaixamento e estamos aqui. Um passo gigante. Fico muito feliz. Levamos o Botafogo onde o Botafogo tem que estar - comemora Jair.

Além do clube argentino, o atual campeão Atlético Nacional-COL e o Barcelona de Guayaquil-ECU completam o grupo A, um dos mais difíceis da atual edição. Para Jair, será mais uma oportunidade de seguir brilhando com o Botafogo na Libertadores para, quem saber, sonhar com vôos mais altos no final do ano.

Desde quando assumiu o Glorioso, em meados de agosto do ano passado, Jair comandou a equipe em 32 jogos, com 17 vitórias, cinco empates e 10 derrotas. O seu aproveitamento é de 58%. O técnico - filho do ídolo do clube Jairzinho - ficou marcado pela arrancada que tirou o Botafogo dá zona de rebaixamento do Brasileirão e o classificou para a Copa Libertadores do ano seguinte.


Fonte: Lancenet/Rio de Janeiro (RJ)

Atual campeão, Verón, caldeirão: os rivais do Botafogo na Libertadores


Botafogo entra no Grupo 1 com Estudiantes (Argentina), Atlético Nacional (Colômbia) e Barcelona de Guayaquil (Equador). Veterano pode aparecer na estreia dia 14/03




Depois da suada e empolgante classificação para a fase de grupos da Libertadores da América, quando eliminou os tradicionais Colo-Colo (Chile) e Olimpia (Paraguai), o Botafogo já começa a pensar nos adversários da próxima fase. E ela não será nada fácil.

O caminho do brasileiro terá dois clubes que foram campeões da competição, sendo que um é o atual, e outro que chegou em duas oportunidades na final: Estudiantes (Argentina), Atlético Nacional (Colômbia) e Barcelona de Guayaquil (Equador), respectivamente.






Já na estreia no próximo dia 14 de março, o Botafogo recebe a equipe mais vitoriosa do grupo e favorita para conseguir a classificação: O Estudiantes de La Plata. Com quatro títulos da Libertadores (1968, 1969, 1970 e 2009), os argentinos chegam motivados com a possibilidade de contar em campo com o eterno ídolo e atual presidente do clube, Juan Sebastián Verón. Após anunciar aposentadoria em 2014, o dirigente "se contratou" para atuar mais 18 meses.


O Estudiantes ainda não jogou partidas oficiais em 2017. Foram três amistosos e um confronto por um torneio de verão. Perdeu uma e empatou três. Está em quarto lugar no Campeonato Argentino, que está parado. Em 14 jogos, foram oito vitórias (sendo cinco em casa), três derrotas e três empates. Os destaques ficam para o próprio Verón, o goleiro Mariano Andújar e o zagueiro Leandro Desábato, que, em 2005, se envolveu em uma polêmica no Morumbi. Ele foi acusado de racismo pelo atacante Grafitte, então no São Paulo, e acabou detido por dois dias na polícia.


Sergio Maffei, do Diário Esportivo Olé, da Argentina.


- A grande notícia de 2017 é que Juan Sebastián Verón, presidente do clube, voltará a jogar profissionalmente aos 41 anos. Ele só foi inscrito para atuar na Libertadores. O capitão que levantou a Copa em 2009 será a grande figura da equipe, mas precisa recuperar sua forma física. Além dele, o Estudiantes trouxe um jogador apenas para a competição, que é Javier Iritier (Huracán). E outros três para para a temporada toda: Sebastián Dubarbier (Almería), Augusto Solari (continúa) y Juan Otero (Fortaleza de Colombia).

Verón assina contrato com o Estudiantes (Foto: Divulgação / Estudiantes)


Atlético perdeu Borja para o Palmeiras

Atual campeão da Libertadores, o Atlético Nacional chega sem o artilheiro Borja, que acertou com o Palmeiras. Além dele, outros oito atletas saíram (Davinson Sánchez, Berrío, Guerra, Mejía, Marlos Moreno, Rescaldani, Luis Martinez, Gilberto Garcia, Luis Enrique Martinez e Tomás Maya). Por outro lado o clube contratou Dayro Moreno, considerado um dos melhores jogadores colombianos da atualidade e que se destacou no futebol mexicano. Outra novidade é Valencia, ex-jogador do Fluminense. Na temporada, o time atuou em três partidas, vencendo duas e empatando uma.


Fora de campo, o Atlético Nacional se tornou um clube querido dos brasileiros no fim do ano passado após a tragédia com o avião da Chapecoense. O clube, que seria o adversário da Chape na final da Sul-americana, fez uma grande homenagem no Estádio Atanasio Girardot, em Medellín.


- O Nacional tem uma grande folha de pagamento. Perdeu o artilheiro Borja, mas trouxe Dayro Moreno, que se destacou no México. Além dele, jogadores da seleção também se destacam como Aldo Leal Ramirez e Edwin Valencia. E conta com um técnico (Reinaldo Rueda) que já ganhou a Copa e isso faz diferença - lembrou Francisco Henao, do equatoriano El País.

Reforços chegaram para a disputa da Libertadores (Foto: Divulgação: Site Oficial do Atlético Nacional)

Barcelona aposta na torcida


Em nono no Campeonato Nacional, o Barcelona de Guayaquil chega apostando na força de sua torcida para voltar a disputar uma final de Libertadores. O clube atuou em apenas cinco jogos em 2017, sendo três pelo Equatoriano e dois pela Florida Cup. E foi justamente na competição em nos Estados Unidos que eles enfrentaram o Vasco, rival da decisão de 1998. Confira, abaixo, o gol de Vera diante dos cariocas.


Na eleição dos melhores da última temporada no Equador, o Barcelona teve sete representantes na seleção do campeonato. Para esse ano, o treinador Guillermo Almada ganhou o reforço do zagueiro colombiano Jefferson Mena, que estava no New York City. A equipe de Guayaquil ainda tem no elenco o volante brasileiro Gabriel Marques, ex-Furacão e Paraná.




Fonte: GE/Por Alexandre Ribeiro * e Felippe Costa/Rio de Janeiro
* Estagiário, sob a supervisão de Felippe Costa