domingo, 21 de maio de 2017

Jair festeja atuação e atenção ao Brasileiro: "Cada ponto é importantíssimo"


Treinador elogia superação e atuação do Botafogo na vitória por 2 a 0 sobre a Ponte Preta e cogitar poupar alguns jogadores contra o Estudiantes





Jair Ventura na coletiva de imprensa após a vitória sobre a Ponte (Foto: Thiago Lima)


Apesar da classificação na Libertadores, o Campeonato Brasileiro carecia de atenção. E foi isso que o Botafogo fez neste domingo. Com os titulares, a equipe derrotou a Ponte Preta por 2 a 0 e conseguiu sua primeira vitória na competição. Motivo de comemoração e elogios do técnico Jair Ventura.


- Esse era meu maior dificultador, virar a chave da Libertadores, onde tivemos desgaste físico, psicológico... E no Brasileiro cada ponto é importantíssimo. Conversei bastante com eles, mostrei a importância de não deixar para correr atrás no final. Soubemos fazer isso, grande parabéns hoje foi isso. Fizeram grande jogo, teve controle total, muito satisfatório - elogiou o treinador.


Com o calendário repleto de jogos importantes desde o início do ano, nessa semana é hora novamente de "virar a chave". Na quinta-feira, na Argentina, o Botafogo vai em busca da primeira colocação do Grupo 1 da Libertadores. No entanto, já classificado, o Alvinegro vai estudar a possiblidade de poupar seus jogadores mais desgastados. Suspenso, Pimpão está fora.


- Situação boa virar a chave agora, brigar pelo primeiro lugar, conseguir decidir nas oitavas em casa. A gente vai sem o peso da obrigatoriedade da classificação, mas vamos para buscar o primeiro lugar. Temos que rever alguns jogadores, Pimpão está fora (suspenso), vamos avaliar o grupo - antecipou.



Melhores momentos: Botafogo 2 x 0 Ponte Preta pela 2ª rodada do Brasileirão


Outros trechos da entrevista

Estreia do Arnaldo
Acabou que o Emerson (Santos) já vinha jogando com situação de incômodo, preferimos zerar, e acabamos fazendo a estreia do Arnaldo. Chega para fortalecer, recebemos da melhor maneira, tentei dar total confiança e tranquilidade. A gente sabe que é diferente, vamos com calma, fez boa exibição junto com a equipe. Fico feliz de ganhar um jogador de ofício.


Dobradinha Gilson e Victor

A característica do jogo e dos jogadores. Fizemos isso ano passado com Victor e Diogo e deu muito certo. Não faz pelo lado direito porque não tinha nem lateral, chegou agora (risos). O Nino Paraíba é muito forte, colocamos para fechar ele, e ainda fizemos o segundo gol por ali. Sente o jogo, sabe o poder do adversário, tem que neutralizar atacando.


Airton x Lindoso
Meritocracia, né? Não posso falar aqui e não cumprir com eles. Lindoso foi muito bem, e tem também o Rabello. Aqueles que estiverem no melhor momento vão jogar. Nem sempre quando joga com três volantes é retranca, hoje nossos volantes fizeram os gols. O 10 clássico não tem, porque os volantes chegam com muita qualidade. Lindoso era o 10 do Madureira.


Igor Rabello
Óbvio que o Igor entrou na briga pelas boas atuações. Treinador vai ter que escolher (risos).


Montillo e Emerson Silva
Seguem com situação indefinida. Situação de cada dia, a gente viaja na terça. Espero que possamos estar com todos à disposição.

Sassá
Eu não falo mais sobre o atleta.


Fonte: GE/Por Thiago Lima, Rio de Janeiro

Bota confirma Pimpão suspenso contra Estudiantes e revela erro da Conmebol


Além dos jogos contra Atlético Nacional e Barcelona de Guayaquil, atacante recebeu cartão amarelo diante do Colo-Colo no Chile. Site da entidade "ignora" advertência




Rodrigo Pimpão contra a Ponte neste domingo. Atacante não viaja para a Argentina (Foto: André Durão)



Jair Ventura já confirmou a ausência de Rodrigo Pimpão contra o Estudiantes na Argentina, na próxima quinta-feira. O motivo? O atacante está suspenso da última rodada da fase de grupos da Libertadores por ter recebido o terceiro cartão amarelo diante do Atlético Nacional, da Colômbia. A notícia surpreendeu a imprensa na entrevista coletiva, uma vez que o site oficial da Conmebol aponta apenas duas advertências para o atacante, artilheiro alvinegro no torneio com quatro gols.


– O Pimpão está fora... Estamos estudando algumas situações, mas o Pimpão está suspenso por cartão – disse o técnico Jair Ventura, na coletiva após a vitória por 2 a 0 sobre a Ponte Preta.



Site da Conmebol não aponta cartão para Pimpão no jogo no Chile contra o Colo-Colo (Foto: Reprodução )


Pimpão foi punido com amarelo nos últimos dois jogos, contra o equatoriano Barcelona de Guayaquil e o colombiano Atlético Nacional, ambos no Nilton Santos. O primeiro cartão ignorado pelo site da Conmebol foi ainda na Pré-Libertadores, no empate com o Colo-Colo por 1 a 1 no Chile. O atacante fez uma falta de carrinho no meio de campo, mas o juiz deu vantagem e só o advertiu depois, aos 34 minutos do segundo tempo, um minuto antes de marcar o gol da classificação.


Como a Conmebol não divulga as súmulas das partidas, diferentemente das federações e confederações no Brasil, havia a dúvida se o juiz poderia ter esquecido de registrar o cartão no documento, ou se o erro era dos responsáveis pelo site da entidade. Mas o árbitro de fato confirmou o amarelo, e o Botafogo foi notificado na época, como pode ser visto no documento abaixo a qual o GloboEsporte.com teve acesso.


Documento da Conmebol enviado ao clube mostra cartão de Pimpão (Foto: Reprodução)


Classificado com antecedência para as oitavas de final, o Botafogo embarca na terça-feira para a Argentina, onde enfrenta o Estudiantes às 21h45 (de Brasília) de quinta, no Estádio Ciudad de La Plata. O Alvinegro ainda briga pela primeira colocação do Grupo 1 com o Barcelona de Guayaquil, o que lhe dará a vantagem de decidir em casa nas oitavas de final.


Fonte: GE/Por Thiago Lima, Rio de Janeiro

Jefferson diz que ainda pensa em seleção e admite voltar no banco do Botafogo


Goleiro botafoguense fala em entrevista ao Esporte Espetacular sobre sua contusão, as cirurgias e sobre seu iminente retorno










Jefferson, goleiro do botafogo, desabafa após quase 1 ano parado por lesão


Depois de mais de um ano sem jogar em virtude de uma contusão no braço esquerdo, Jefferson se prepara para voltar aos gramados em junho. O goleiro conversou com o Esporte Espetacular sobre a contusão, as duas cirurgias e suas angústias no período que estava machucado. O alvinegro de 34 anos revelou que ainda pensa em voltar a defender a seleção e também afirmou que não se incomodaria de retornar no banco de reservas do Botafogo. (clique no vídeo abaixo e veja a reportagem de Edson Vianna)


Todo dia Jefferson acorda e se depara com a bela paisagem da praia de Icaraí em Niterói. Apesar da vista convidativa ao relaxamento, tudo o que o goleiro quer depois de tanto tempo parado é trabalhar. O goleiro se prepara para voltar aos gramados em breve, mas o primeiro passo é reconquistar o gol alvinegro. Afinal como será que o goleiro lida com a possibilidade de ter que sentar no banco do Botafogo no seu recomeço?


- Futebol não se joga pela história, futebol é momento. Eu penso nisso, o jogador que tiver melhor no momento vai jogar. Se tiver que ir para o banco, eu vou para o banco. Quero ajudar. Não sou esse tipo de pessoa que força uma posição por status não.



Jefferson concedeu entrevista na praia de Icaraí, Niterói (Foto: Carol Andrade)


Além da ausência da equipe alvinegra a contusão fez com que Jefferson ficasse ainda mais longe da Seleção. Depois de ficar sem espaço com Dunga, perdeu a chance de ter um novo começo quando Tite assumiu a amarelinha e isso o incomodou demais.


- Quando eu machuquei houve a mudança de treinador. Eu sempre soube que o Tite, grande treinador, gostava do meu trabalho, do meu jogo. Eu sabia que eu tinha oportunidade com o Tite. Ali foi realmente que me doeu mais, saber que eu estava lesionado e não poderia ter oportunidade na seleção. Isso me doeu bastante. Respeito muito e gosto do trabalho do Tite. Sei que se eu voltar bem tenho condições de estar na Seleção.


Na reta final da preparação, o plano do goleiro é recomeçar a caminhada em junho. E a cicatriz vai ser apenas uma lembrança de mais uma vitória que ele conseguiu com o braço esquerdo.


Estou na reta final. O pior já ficou pra trás. Hoje estou com a cabeça boa e estou bem fisicamente. Tá zerado. Agora é só pegar forte aí nos treinamentos. Mais animado, mais fortalecido. Com certeza eu volto aos 34 anos, mas com juventude de uns 20 anos.



Jefferson volta em breve ao gol do Botafogo (Foto: Carol Andrade)


A pior fase da carreira do goleiro começou em 12 de maio de 2016 contra o Juazeirense pela Copa do Brasil, quando jogou todo o primeiro tempo com uma dor no braço esquerdo.


- Essa lesão não foi causada naquele jogo, ela já vinha com o desgaste durante a carreira. O doutor me disse assim: “Jefferson, seu cotovelo estava como um pneu careca, qualquer hora ia furar.”


E furou aos dez minutos do segundo tempo. Quando ele não aguentava mais a dor que era provocada por uma ruptura no tendão do tríceps. A primeira cirurgia foi feita em maio de 2016, pelo então médico do clube Luiz Fernando Medeiros. Mas quando ele voltou a treinar, a dor não passava.


- A primeira cirurgia que eu fiz foi me dado o prazo de três meses. Eu entrei na cirurgia sabendo que três meses passam rápido. Três meses pra poder jogar, né? Estava me apegando a esse prazo. Mas depois da cirurgia eu não estava tendo evolução, não conseguia fazer meu trabalho, ia para o campo e doía. Doía muito.



Jefferson na praia em Icaraí (Foto: Carol Andrade)


Ele tomou então a decisão de ouvir uma segunda opinião e para resolver o problema começar tudo de novo.


- Eu procurei um especialista em cotovelo e ombro. Doutor Márcio Shieber. Aí fizemos o exame e ele me explicou que a lesão ainda estava lá. Aí que me assustou e eu falei: “Como assim? A lesão tá aí.” Aí chamei todo mundo, presidente, empresário. E foi batido o martelo que eu deveria fazer a segunda cirurgia.


E o ídolo alvinegro que recebeu homenagens como essa ao longo dos 429 jogos com a camisa do Botafogo que tem 70 convocações pra seleção brasileira. De repente, se viu jogado numa nova vida.


- O mais triste era você ver os companheiros saindo pra jogar. Você ir ao jogo, ver aquela atmosfera e não poder estar dentro de campo né? Isso que era mais frustrante.


No dia 24 de novembro o teste de paciência recomeçou e o único lado bom de ficar longe do time foi estar mais perto das filhas.


- Fiquei três meses só esperando cicatrizar. Por outro lado foi muito bom porque eu sempre levava minhas filhas para a escola. Fico em casa todos os dias à noite.


E agora ele só pensa em voltar a jogar.


Jefferson ainda sonha com a seleção (Foto: reprodução TV Globo)


Fonte: GE/Por Esporte Espetacular, GloboEsporte.com, Rio de Janeiro, RJ