sábado, 19 de novembro de 2016

Bruno Silva não se recupera de virose e vira o terceiro desfalque do Botafogo


Volante fica fora do treino deste sábado, é vetado da viagem e, junto dos suspensos Airton e Victor Luis, não enfrenta o Palmeiras. Fernandes é o seu provável substituto



Bruno Silva, Botafogo (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)
O Botafogo embarcou na tarde deste sábado para São Paulo com mais um desfalque na bagagem: Bruno Silva não se recuperou a tempo de uma virose, ficou fora do último treino, pela manhã em General Severiano, e acabou vetado pelo departamento médico e cortado da viagem. O volante virou a terceira baixa do time, que já não poderá contar com os suspensos Airton e Victor Luis, sem contar os jogadores que se recuperam de cirurgias há mais tempo, casos de Jefferson, Luis Ricardo e Canales.

Com Dudu Cearense na vaga de Airton, e Diogo Barbosa de volta à lateral esquerda, o provável substituto de Bruno Silva é Fernandes. Outros volantes do elenco, Diérson não embarcou, e o jovem Bochecha, de 20 anos, dificilmente seria testado de titular nesta partida pela pouca experiência. Outra opção é improvisar Emerson no meio de campo, posição que ele já jogou na base, e voltar com a dupla Carli e Emerson Silva. O zagueiro prata da casa não embarcou com o time devido ao falecimento de um familiar, mas deve viajar até domingo pela manhã.

A maior dúvida é no ataque. Sassá, Pimpão e Neilton disputam duas vagas. Com 55 pontos, o Botafogo segue em quinto lugar no Campeonato Brasileiro e encara o líder Palmeiras neste domingo, às 17h (de Brasília), na Arena Palmeiras. Restando três rodadas para o fim da competição, e com dois jogos fora de casa, o Alvinegro se vê pressionado para somar pontos fora do Rio de Janeiro na briga por uma vaga na Taça Libertadores de 2017. O time tem 86% de chances de se classificar segundo cálculos do matemático Tristão Garcia.

PALMEIRAS X BOTAFOGO
Local: Arena Palmeiras, São Paulo (SP)
Data e horário: domingo, 17h (horário de Brasília)
Escalação provável: Sidão; Alemão, Carli, Emerson e Diogo Barbosa; Lindoso, Dudu Cearense, Fernandes (Emerson Silva) e Camilo; Neilton e Pimpão (Sassá)
Desfalques: Jefferson, Canales, Luis Ricardo e Bruno Silva (DM), além de Airton e Victor Luis (suspensos)
Pendurados: Sidão, Carli, Emerson, Neilton, Pimpão, Bruno Silva, Dudu Cearense, Emerson Silva, Anderson Aquino, Fernandes, Renan Fonseca e Tanque
Transmissão: TV Globo (com Cleber Machado, Casagrande, Juninho Pernambucano e Leonardo Gaciba) e Premiere e Premiere HD (com Milton Leite e Mauricio Noriega)
Arbitragem: Elmo Alves Resende Cunha (GO) apita o jogo, auxiliado por Fabricio Vilarinho da Silva (GO) e Bruno Raphael Pires (GO)


Fonte: GE/Por Thiago Lima/Rio de Janeiro

Sassá é alvo de cobiça, e Botafogo monitora mercado por mais atacantes


Alvinegro recebe sondagem por camisa 9, que tem futuro indefinido em 2017. Após Roger, clube busca outro centroavante e tem concorrência do Flamengo por Marinho




Sassá é o artilheiro do Botafogo na atual temporada com
13 gols (Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo)
O ataque é a prioridade do Botafogo para 2017. Apesar de já ter contratado Roger, que estava na Ponte Preta, o clube segue atrás de mais um centroavante. O motivo? Valorizado, Sassá tem recebido sondagens e sua permanência em General Severiano é incerta, embora tenha mais um ano de contrato. Corinthians, em um primeiro momento, e depois São Paulo e Cruzeiro procuraram os representantes do jovem de 22 anos, artilheiro da equipe na temporada com 13 gols. Nos últimos dias, chegou à diretoria através de empresários o interesse do Lokomotiv Moscow, da Primeira Divisão da Rússia. No entanto, ainda não houve uma proposta.

O Botafogo nega que tenha interesse em se desfazer de Sassá e diz que ele faz parte dos planos para o ano que vem. No entanto, o Alvinegro ainda não o procurou para renovar, e internamente há quem defenda uma negociação para o exterior, desde que os valores agradem, por ser o último ano de contrato. O atacante é um dos maiores ativos do clube, por mais que as vendas normalmente sejam muito abaixo dos valores das multas, que no seu caso é de R$ 30 milhões – Ribamar, por exemplo, custava R$ 24 milhões e foi negociado por R$ 9 milhões.


O mercado está sendo monitorado por mais reforços para o setor – coincidentemente, o mais criticado do time atualmente pelo jejum de três partidas sem marcar. A diretoria vem recebendo a indicação de vários nomes, de dentro e fora do país, mas age com cautela. Uma classificação, ou não, para a Taça Libertadores de 2017 vai definir os rumos do investimento.

O sonho de consumo é Marinho, destaque do Vitória no Campeonato Brasileiro. Mas a concorrência é alta, e no Rio de Janeiro o Flamengo também tem interesse no jogador – na semana passada seu empresário, Jorge Machado, esteve na cidade para ouvir propostas. O atacante, de 26 anos, teve parte dos direitos econômicos comprados pelo Rubro-Negro baiano junto ao Cruzeiro, tem mais dois anos de contrato e multa de € 5 milhões (cerca de R$ 17,6 milhões). Como tem eleições no clube em dezembro, nenhuma definição deve acontecer antes.

Embora priorize o ataque, o Botafogo também vai tentar mais um meia além de João Paulo, do Santa Cruz – o jogador já está acertado com o Alvinegro para assinar por três anos –, e um lateral-esquerdo, já que Victor Luis deve voltar ao Palmeiras. Por conta disso o clube tenta manter Diogo Barbosa e já apresentou uma proposta pelo ala a seus representantes – ele tem 50% atrelados ao Coimbra EC, de Minas Gerais, parceiro do banco BMG, e outros 50% ligados a uma empresa particular. O Cruzeiro, patrocinado pelo banco, também está em negociação.


Fonte: GE/

Por Marcelo Baltar e Thiago Lima/Rio de Janeiro

Fifa julga em dezembro recurso do Botafogo de R$ 2,7 mi por Arévalo


Quatro anos depois, Alvinegro ainda tenta receber dívida sobre venda do volante uruguaio. Audiência será no dia 20 do mês que vem, na Corte Arbitral do Esporte





Arévalo jogou com Loco Abreu no Botafogo, mas não teve
 mesmo sucesso (Foto: Satiro Sodré / Ag. Estado)
A Fifa marcou para o dia 20 de dezembro, na Corte Arbitral do Esporte (CAS) a audiência final do "caso Arévalo Rios", uruguaio que defendeu o Botafogo em 2011. O clube, que liberou o volante na época para o Tijuana, do México, entrou com um recurso na entidade alegando que havia um acordo que lhe dava direito a 25% de uma futura transação. Em julho de 2012, o jogador foi comprado pelo Palermo, da Itália, por € 3 milhões, o que renderia ao Alvinegro € 750 mil (cerca de R$ 2,7 milhões no câmbio atual). Mas os mexicanos nunca reconheceram a dívida.


Quatro anos depois de muitas cobranças, a Fifa agendou o julgamento e convocou Botafogo e Tijuana ao tribunal. O Alvinegro deve ser representado pelo advogado Eduardo Carlezzo, que costuma defender o clube em instâncias internacionais. Como por exemplo: na dívida de R$ 800 mil adquirida com o Vitória, pelo "mecanismo de solidariedade", referente à venda de Elkeson para o Guanghzou Evergrande, da China, em 2012; e em outro débito do mesmo valor junto ao Kashima Antlers, do Japão, pela compra de Fellype Gabriel, também em 2012.


Arévalo chegou ao Botafogo com status de titular da seleção do Uruguai e defendeu o clube na mesma época do ídolo Loco Abreu. Porém, diferente do compatriota, ele não deixou saudades em General Severiano: disputou apenas 17 jogos e rompeu um contrato de dois anos por falta de adaptação ao Brasil. Depois das passagens por Tijuana e Palermo, o experiente volante passou ainda pelo Chicago Fire, dos Estados Unidos, antes de retornar ao México, onde está até hoje. Desde então, defendeu o Tigres, o Atlas e, aos 34 anos, está no Chiapas.


Se ganhar no CAS, o Botafogo vai engordar mais um pouco os cofres do clube, que vem tendo bastante movimentação. Nos últimos meses entraram R$ 9 milhões da venda de Ribamar para o TSV Munique 1860, da Alemanha; R$ 7,3 milhões da segunda parcela da venda de Dória para o Olympique de Marseille, da França; R$ 5 milhões do Comitê Olímpico da Áustria pelo aluguel de General Severiano durante a Olimpíada; R$ 500 mil pelo aluguel do Estádio Nilton Santos para a banda americana Guns N`Roses, fora os R$ 1,4 milhão da "Caixa Econômica Federal" que cairá até janeiro e os R$ 12 milhões pelo patrocínio master com o banco para o ano que vem.


Fonte: GE/Por Amanda Kestelman, Marcelo Baltar e Thiago Lima/Rio de Janeiro