sexta-feira, 3 de março de 2017

Carli fala da crise no futebol argentino e já projeta o confronto contra Verón


Zagueiro lamenta situação econômica vivida em seu país, mas acha que problema não vai afetar muito o Estudiantes na partida contra o Botafogo no próximo dia 14



Carli, Botafogo (Foto: Divulgação / Botafogo)
O jogo de estreia na fase de grupos da Libertadores da América é só dia 14, mas o confronto já vem mobilizando os jogadores do Botafogo, principalmente Joel Carli. Argentino, ele comentou na manhã desta sexta-feira sobre o confronto diante do Estudiantes de La Plata e também a respeito da crise financeira que vive o futebol em seu país.


Os atrasos salariais e, consequentemente, a greve instalada pelos jogadores estão ameaçando a realização do Campeonato Argentino. Além disso, um problema envolvendo o estatuto da Federação pode fazer com que a Seleção e os clubes sejam proibidos de jogar por um período de um mês. Sendo assim, os que disputam a Libertadores da América, como o Estudiantes, seriam afetados diretamente.


- Tenho acompanhado de perto essa situação e muito ligado no que está acontecendo na Argentina. É uma situação difícil. É preciso de união para sair dessa. Não é a mesma coisa jogar amistosos do que partidas oficiais pelo campeonato. Mas quando os jogadores entram em campo todas esses problemas econômicos ficam para trás.


Falando em confronto, Carli não deixou de comentar sobre a partida do próximo dia 14, diante do Estudiantes, no Estádio Nilton Santos. O zagueiro sabe que, mesmo com todos esses problemas envolvendo o futebol por lá, o Botafogo não terá moleza, principalmente se o experiente meia Juan Sebastián Verón estiver em campo.

É um cara muito importante no futebol mundial. Sua volta aos campos de jogo dará muita qualidade ao futebol
Carli

- Conheço muito bem do Estudiantes e também o técnico (Nelson Vivas). É um time que costuma brigar muito pela bola. Agora com a possibilidade de ter o Verón. É um cara muito importante no futebol mundial. Sua volta aos campos de jogo dará muita qualidade ao futebol. Será muito bom poder enfrentá-lo.

Confira mais assuntos abordados na coletiva:


TEMPO A MAIS PARA OS TREINAMENTOS


- O futebol é ingrato. Perdi muitos dias de férias para condicionar minha forma física e logo no início das atividades no Botafogo senti um incômodo. Fiquei em recuperação muitos dias, mas agora já estou bem, treinando forte com os companheiros. O período será importante.


MUITAS OPÇÕES NA DEFESA

- Estamos no Botafogo. Time grande precisa que a briga interna seja boa. Temos um grupo com grandes pessoas, grandes jogadores e todos treinam forte para o melhor para o Botafogo.

PAIZÃO DOS MAIS JOVENS

- Quando comecei me ajudaram muito, pedindo para que eu assistisse os vídeos dos adversários. Hoje tento fazer o mesmo com esses jovens. Que eles escutem mais, aprendam... Brinco muito com o Emerson (Santos).


VOLTA DO SASSÁ

- É bom ter o Sassá de volta. Espero também pelo regresso de Emerson (Santos) ... Conheço muito meus companheiros desde o ano passado. Quero o melhor para eles e para o Botafogo.
Sassá durante um treino do Botafogo no campo anexo do Estádio Nilton Santos (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)


CANALLES

- É um jogador que em toda sua carreira fez muitos gols, ganhou muitas coisas... Falo muito com ele e sei que pode ajudar muito o Botafogo. Somos jogadores.. A gente treina forte, e o Jair é quem decide.


RÁPIDA ADAPTAÇÃO AO CLUBE

- Desde que cheguei, eu disse que meu rendimento foi graças ao apoio que recebi dos companheiros e de todos que trabalham aqui no Botafogo. Para um jogador, isso é muito importante.


Fonte: GE/Por Felippe Costa/Rio de Janeiro

Bem protegido: Botafogo eleva multa da joia Marcelo para R$ 132,5 milhões


Após colocar Paredes e Roque Santa Cruz no bolso, zagueiro de 21 anos vira xodó. Clube se resguarda e oferece aumento e bônus por produtividade em novo contrato




A renovação de contrato de Marcelo, no início do mês passado, foi publicada no Boletim Informativo Diário (BID) da CBF nos últimos dias. Lá, consta o aumento salarial e o vínculo até dezembro de 2020. O que registro não mostra é o valor da multa rescisória do zagueiro, que tem só 21 anos e na primeira temporada como profissional colocou o chileno Esteban Paredes e o paraguaio Roque Santa Cruz no bolso durante os confrontos na Pré-Libertadores. Precavido, o Botafogo ofereceu um compromisso melhor e elevou o preço para quem quiser tirá-lo de General Severiano: U$ 42 milhões (cerca de R$ 132,5 milhões) para transferências internacionais e R$ 100 milhões para dentro do país.

Sorrindo à toa! Marcelo renovou contrato e já virou titular do Botafogo de Jair Ventura (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

Há sempre dois valores nesses casos porque, no mercado interno, a multa deve estar sempre atrelada ao salário do jogador, enquanto para o exterior não existe esta regra. Marcelo subiu com contrato ainda da base, ganhando cerca de R$ 10 mil, mas após se destacar recebeu um aumento parecido com o que foi oferecido a Emerson Santos, mas tendo ainda bônus por produtividade – pela quantidade de vezes que entrar em campo. Com Carli de volta, Jair Ventura já o escalou até como lateral-direito improvisado para não tirá-lo do time titular.


>>> Marcelo queria foto com Santa Cruz e projeta duelo com Verón: "Via na TV"
>>> Que é isso, menino? Marcelo supera dúvidas e joga como gente grande
>>> Concorrentes ou parceiros? Carli volta com Marcelo "na janela" e gera dilema


Sob o novo contrato, Marcelo passa a ser o maior ativo do clube, com multa duas vezes maior do que tinha Luís Henrique, atacante avaliado em R$ 60 milhões antes de trocar o Botafogo pelo Atlético-PR ao escolher sair e não renovar no final do vínculo. Obviamente, a diretoria não espera vender a joia tão cedo e nem por esse preço, mas os valores ajudam a proteger o Alvinegro e evitar um novo "caso Vitinho". Em 2013, o CSKA Moscou, da Rússia, pagou a multa de € 10 milhões (então R$ 31,6 milhões) e o tirou da concentração sem precisar sequer negociar.




Marcelo é de Resende (RJ), passou quase três anos no Fluminense e foi contratado por empréstimo no primeiro semestre do ano passado. Logo nos primeiros meses em General Severiano, virou destaque, teve 60% de seus direitos comprados pelo Alvinegro e se tornou campeão brasileiro sub-20. O jovem, que recebia o salário padrão de quem sobe da base, não tinha empresário, mas nos últimos meses passou a ser representado pela "GMR Sports". Ele tem mútua confiança de Manoel Renha, diretor da base e um dos homens fortes do clube.


Fonte: GE/Por Felippe Costa, Marcelo Baltar e Thiago Lima/Rio de Janeiro

Jefferson faz treino leve com as mãos e Victor Luís dá susto em atividade


Capitão alvinegro veste a luva pela primeira vez após cirurgia e faz treino rápido de encaixe de bola. Enquanto isso, lateral lesiona o dedo indicador direito e deixa atividade mais cedo



Jefferson trabalhando com as mãos na atividade desta sexta-feira, no Nilton Santos (Foto: Reprodução/Twitter)

No treino pela manhã desta sexta-feira, no campo anexo do Nilton Santos, o grande destaque do elenco alvinegro foi o goleiro Jefferson. Além do habitual treino com os pés, o arqueiro e ídolo do Botafogo participou, pela primeira vez desde a cirurgia, de uma atividade utilizando as mãos. Apesar do trabalho leve, foi mais um passo do longo caminho até o retorno do capitão aos gramados.

O elenco alvinegro foi dividido entre duas atividades: enquanto duas equipes disputavam um coletivo em campo reduzido, outro grupo trabalhava nos gols menores do campo anexo. Na divisão do grupo, uma das equipes foi composta por Jonas, Carli, Emerson Silva, Gilson, Camilo, Montillo e Rodrigo Pimpão.

O ponto negativo da atividade ficou por conta de Victor Luís, que sofreu um trauma no dedo indicador da mão direita. Apesar de ter saído no começo do treino, o lateral não deve preocupar para a sequência da temporada, já tendo iniciado o tratamento da lesão no momento que deixou o campo do Nilton.


Fonte: Lancenet/Vinícius Britto/Rio de Janeiro (RJ)