terça-feira, 15 de agosto de 2017

Mais um! Botafogo renova contrato com Luis Ricardo até o fim de 2019


Lateral-direito assina novo vínculo e vira o sexto jogador a renovar contrato





Luis Ricardo ao lado de Cacá Azeredo e de seu empresário (Foto: Divulgação / Botafogo)


Depois de Bruno Silva, Pimpão, Igor Rabello, Jefferson e Lindoso, o Botafogo acertou a renovação de mais um de seus jogadores que ficam sem vínculo em dezembro: agora é a vez de Luis Ricardo. O lateral-direito, um dos mais experientes do elenco com 33 anos, estava livre para assinar pré-contrato com outro time desde o dia 1º de julho, mas já vinha tendo conversas com a diretoria para estender o compromisso. E nesta terça-feira, as partes chegaram a um acordo.


A negociação foi conduzida pelo vice-presidente de futebol do Botafogo, Cacá Azeredo, e Luis assinou por mais dois anos, até o fim de 2019. Segundo o portal de transparência do site oficial, o Botafogo tem 100% dos direitos econômicos do jogador, que recentemente se recuperou de uma grave fratura no tornozelo e voltou a jogar depois de 10 meses parado. Desde 2015 no Alvinegro, ele tem dois gols e está perto da marca dos 100 jogos: faltam apenas 16 partidas.


O Botafogo ainda tem outros 13 jogadores que possuem contrato só até dezembro. São eles: Airton, Arnaldo, Dudu Cearense, Emerson Santos, Emerson Silva, Gilson, Guilherme, Jonas, Renan Fonseca, Roger, Saulo, Victor Luis e Vinicius Tanque. A diretoria já procurou Airton e Emerson Santos para negociar a renovação, mas as situações não evoluíram. O zagueiro negocia com o Palmeiras.


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com, Rio de Janeiro

Jair explica comentários sobre atuação de técnicos estrangeiros no Brasil


Um dia após se posicionar contra a contratação de gringos por clubes brasileiros, técnico do Botafogo emite comunicado oficial: "Talvez não tenha sido bem claro quando me expressei"





Nesta segunda-feira Jair Ventura deu polêmica declaração a respeito da contratação de Reinaldo Rueda, novo técnico do Flamengo. Com discurso em prol do "mercado nacional", o comandante do Botafogo criticou a contratação de estrangeiros para assumir clubes do Brasil. Após a repercussão negativa dos comentários, Jair se pronunciou em nota oficial.


- Não que eu seja contra os estrangeiros trabalharem aqui, mas estamos perdendo mercado já fora. Daqui a pouco perdemos o interno. [...] Desejo sorte ao Rueda, mas temos que repensar. Estão tirando o espaço dos outros que querem trabalhar - comentou Jair, em entrevista ao canal Fox Sports.



Jair Ventura (Foto: André Durão)


Em comunicado, Jair Ventura esclarece que se expressou mal ao ser questionado sobre Reinaldo Rueda e defende a legitimidade de uma contratação internacional. Em meio à tentativa de explicar seus comentários, Jair mantém posicionamento sobre a desvalorização de técnicos brasileiros.


- O que questiono e me deixa triste é ver que treinadores brasileiros são vistos com desconfiança e encontram dificuldades para trabalhar no exterior.


Leia o comunicado enviado pelo técnico na íntegra

"Observando a repercussão de minha declaração sobre a contratação do treinador colombiano Reinaldo Rueda, avaliei que talvez não tenha sido bem claro quando me expressei.


Quero esclarecer que acho legítimo o direito de qualquer clube brasileiro contratar um treinador estrangeiro. Há muitos profissionais competentes em outros países, com condições de repetirem aqui o sucesso que tiveram em outros lugares, como é o caso de Reinaldo Rueda, que tem um currículo admirável.


O que questiono e me deixa triste é ver que treinadores brasileiros são vistos com desconfiança e encontram dificuldades para trabalhar no exterior. Além de questões legais, como não reconhecimento de nossa habilitação profissional no mercado europeu. Nossa licença não é aceita na Europa, ao contrário da dos argentinos, por exemplo. Temos que refletir, discutir e buscar maneiras de mudar essa situação.


E como posso criticar os estrangeiros, se convivo com vários no Botafogo? Eu mesmo morei mais de nove anos fora do país quando jogador e tive essa vivência. Reitero que defendo uma maior valorização dos treinadores brasileiros, de competir em igualdade de condições com os estrangeiros no mercado externo. Infelizmente, a nossa licença ainda não nos dá esse direito.”


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com, Rio de Janeiro