domingo, 11 de dezembro de 2016

Jair Ventura, do Bota: "Não gosto de vender sonhos. Gosto de concretizar"


Técnico que levou o Botafogo à Libertadores de 2017 comemora vaga e evita prolongar comentários sobre a briga entre Sassá e Aírton no primeiro tempo




O técnico Jair Ventura levou o Botafogo, mesmo com um orçamento modesto, à Libertadores de 2017. E, agora, com a vaga garantida, diz que prefere "fazer do que falar". Na sua coletiva após a partida, o treinador comemorou a classificação e afirmou que não gostar de "vender sonhos". Ele reconheceu ter ficado nervoso com a confusão entre Sassá e Aírton que terminou com a expulsão do volante no fim do primeiro tempo, e se limitou a dizer que foi uma "situação de jogo".

- Algumas pessoas me criticavam porque eu não tinha ambição. O que eu mais tenho na vida é ambição. Não gosto de vender sonhos. Gosto de concretizar. O objetivo interno sempre foi esse, por isso eu não falava a palavra. Mas como é bom falar Libertadores. Melhor estar do que falar. Prefiro fazer do que falar.

Após classificar o Bota, Jair Ventura pretende estudar (Foto: MARCOS CUNHA/FATOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO)

Ao comentar a briga entre atletas da própria equipe, Ventura, que foi contido por Camilo no intervalo quando se dirigia a Sassá, disse buscar o equilíbrio:

- A função do treinador é buscar o equilíbrio. Na hora fiquei nervoso, lógico, mas foi uma situação de jogo. Vamos falar de coisa boa. Já foi resolvido. Lógico que não foi certo, mas é coisa de vestiário. Nunca expus nenhum atleta. Vou estar sempre por eles. Eles são os grandes responsáveis por o Botafogo estar na Libertadores.

Mesmo sendo apontado como revelação do campeonato, e os resultados no campo, Ventura mantém os pés no chão, avisa que está começando e que pretende estudar:

- As férias não vão acontecer. O meu objetivo era fazer o curso da Uefa no ano que vem. Já estou perdendo o curso da CBF, que começou na sexta. Segunda-feira estou indo para Granja. Quero estudar. Estou apenas começando. Quero buscar novos conhecimentos e me aprimorar.


Agradecimento aos jogadores
Hoje eu iniciei o jogo de maneira diferente. O irmão do Guilherme Marques (repórter da TV Globo que faleceu no acidente da Chape) falou algo que me marcou no velório. Às vezes é difícil, mas eu agradeci aos jogadores por tudo o que eles fizeram comigo, pela minha carreira. Se eu perco dois ou três jogos, eu não estaria aqui. Treinador jovem não tem jeito. A gente cobra renovação, mas não tem jeito. Abracei cada um deles antes da reza, parabenizei, agradeci por terem comprado a causa.


ContrataçõesA torcida quer grandes nomes, o Botafogo quer grandes nomes, mas temos que pensar na realidade do Botafogo. No ano passado a gente estava na Série B. Agora vamos para Libertadores. Essa nova gestão pegou uma terra arrasada, está arrumando a casa. Temos que ver a realidade do Botafogo. O que o clube passar, vamos sentar e ver o que dá para contratar dentro da realidade do clube.


Psicólogo
Ajuda sempre é bem vinda, mas controlamos bem essa situação. Isso é mais a característica de cada atleta. É difícil mudar certas pessoas. A gente tenta. Não vejo essa necessidade de psicólogo. Mas se chegar para ajudar, será bem-vindo. Prefiro contratar jogadores do que psicólogos nesse momento. Pode ajudar, mas não vejo como essencial para Libertadores


Oportunidade
Ainda nem falei com meu pai. Já tem um tempinho que eu não falo. Ontem teve uma festa linda para ele no Leme. O futebol nos deixa muito distante da família. Mas é nossa paixão. Amo isso aqui. Me preparo há 11 anos para essa oportunidade.


Sassá
Temos que conversar. Mudar a partir da idade, não muda. Tem o caso do Flávio Tênis (preparador de goleiros). Ele era cheio de manias e mudou depois de certa idade. A pessoa tem que querer ajuda. Tivemos o Jobson aqui, passou por vários profissionais e foi difícil. Enquanto a pessoa não quiser ajuda, não tem jeito.


Jogar após a tragédia
Eu tentei trabalhar a parte psicológica nessa a semana. Nos primeiros dias, deixei eles no momento deles, não falei de tática. Cancelamos o primeiro treino. Não tínhamos cabeça. Essa cicatriz vai ficar nos nossos corações. O Caio Júnior era um amigo particular. A comoção foi muito grande. A gente não consegue mensurar a dor de cada um. Como eu falaria de tática? Não fiz. Fizemos de maneira gradativa, fui sentindo.


Fonte: GE/Por Marcelo BaltarPorto Alegre, RS

Golaço garante Bota na Libertadores, e gremistas festejam queda do Inter


Bruno Silva assegurou quinto lugar para os alvinegros com a vitória por 1 a 0. Após título da Copa do Brasil. torcida tricolor na arena comemora rebaixamento do rival




Sassá e Aírton quase atrapalharam a vida do Botafogo discutindo entre si no fim do primeiro tempo - lance que provocou a expulsão do volante -, mas a equipe comandada por Jair Ventura confirmou a classificação para a pré-Libertadores de 2017. A vitória por 1 a 0 com um golaço de Bruno Silva - que aproveitou a comemoração para homenagear a Chapecoense e o amigo Cleber Santana - fez com que os alvinegros sequer precisassem se preocupar com o resultado do Corinthians diante do Cruzeiro. O Grêmio, por sua vez, cumpriu tabela, em jogo que pouco significou na tabela do Brasileiro, mas que serviu para os mais de 15 mil presentes na arena continuassem a comemorar o título da Copa do Brasil e vibrassem sacudindo letras "B" com o anúncio do empate em Édson Passos, no Rio de Janeiro. O resultado diante do Fluminense decretou o rebaixamento do Internacional.

O Botafogo entrou em campo com faixa em agradecimento à Colômbia e camisa especial em homenagem à Chapecoense, com a mensagem "#forçachape" na parte traseira superior do uniforme, números verdes e os nomes dos jogadores que não sobreviveram ao desastre em Medellín. Na parte frontal, havia ainda o escudo da Chape no centro, o que também foi adicionado no uniforme do Grêmio. No centro do gramado, a marcha fúnebre foi tocada por um militar em frente às bandeiras do Brasil, da Colômbia e da equipe catarinense.

Bruno Silva tirou a camisa alvinegra e fez homenagem à Chapecoense (Foto: ROBERTO VINICIUS/ESTADÃO CONTEÚDO)

Logo aos três minutos, o Botafogo chegou com perigo. Sassá recebeu de Camilo na área e assustou o goleiro Leo. Mas os minutos seguintes não acompanharam o início em alta velocidade. Não houve oportunidades reais até os 16 minutos, quando Camilo levantou e Emerson Silva ajeitou para o volante Bruno Silva marcar um golaço com um sem-pulo. Ex-Chapecoense, ele tirou a camisa alvinegra e mostrou outra do clube de Santa Catarina que usava por baixo.

O Botafogo seguiu buscando o ataque, com Pimpão e Diogo Barbosa, enquanto o Grêmio tentava responder com Everton, mas os goleiros seguiam trabalhando pouco na arena. Até os 31, quando Kaio assustou em batida da entrada da área e, dois minutos depois, deu um presente para Bolaños, que perdeu cara a cara em grande defesa de Sidão. O time carioca teve chance de ampliar com Camilo, que sobrou livre na frente aos 36, mas a zaga gremista se recuperou. Ainda houve tempo para uma trapalhada dos jogadores do Botafogo. Após entrada forte de Negueba em Victor Luís, os alvinegros Sassá e Aírton discutiram, levaram amarelo, e o volante, como já havia sido advertido, acabou expulso.

O técnico Jair Ventura, que teve de ser contido por Camilo no intervalo, trocou Sassá por Lindoso com um a menos para a etapa final. O segundo tempo começou com boa movimentação de ambas as equipes, mas nenhuma chance de maior perigo nos primeiros minutos. Aos 10, Henrique de Almeida tentou, mas Sidão pegou com segurança. O Grêmio cresceu e passou a pressionar, tocando bola no campo do rival, mas com dificuldade no último passe.

Camilo, aos 26, encheu os olhos da torcida: uma cobrança de falta com muita categoria bateu no travessão. Quatro minutos depois, quase o empate. Guilherme cruzou para o desvio de Batista, mas Sidão novamente apareceu bem. No rebote, Bolaños marcou, mas estava impedido e o gol foi anulado. Aos 34, novo milagre de Sidão, desta vez em tentativa de Kannemann.O ritmo da partida caiu, o Botafogo administrou bem o resultado mesmo com um a menos, e a torcida da casa, mesmo com a derrota, saiu em festa. Afinal, o maior rival estará na Série B em 2017.


Fonte: GE/Por GloboEsporte.comPorto Alegre, RS