quinta-feira, 1 de junho de 2017

Roger vê Botafogo pronto para frear Guerrero e diz: "Acho supervalorizado"


Atacante alvinegro elogia, mas vê badalação exagerada sobre centroavante do Flamengo e torce para Diego não jogar em Volta Redonda: "Esse sim faz a diferença"





Sempre sincero, Roger voltou a dar ótima entrevista coletiva no Botafogo (Foto: Divulgação / Botafogo)

As câmeras na sala de imprensa do Botafogo estavam ligadas desde cedo à espera de Roger. O centroavante que fez um golaço sobre o Sport e classificou o Botafogo para as quartas de final da Copa do Brasil sempre rende boas coletivas. Em um mar de entrevistas batidas, ele é sempre contundente ao falar, seja para desabafar, reclamar, elogiar e até cornetar.

Às vésperas do clássico contra o Flamengo no domingo, às 11h (de Brasília), no Raulino de Oliveira, o camisa 9 vê grandes chances de ser o jogo da rodada do Campeonato Brasileiro. E depois de ser vítima de Guerrero nos dois jogos em que se enfrentaram esse ano, opinou que há uma badalação exagerada sobre o peruano e garantiu que o Alvinegro está pronto para pará-lo.

– Acho ele um grande jogador, mas também acho supervalorizado. Não vejo nível que excede a todos da forma que é tratado. Temos tendência no Brasil a valorizar o que não é nosso, acho que o Fred (do Atlético-MG) é muito mais jogador que ele. Mas é bom jogador, joga em uma boa equipe, que cria chances, é perigoso dentro da área. Temos que ficar espertos com o time todo do Flamengo, não só com ele – opinou Roger, que torce para que Diego, que se recupera de lesão, não jogue.

– Esse sim eu acho diferente, arruma o time, dita ritmo. Não é à toa que está na Seleção. Muito bom jogador, teria o máximo de cuidado. Cara organizador, muito valorizado no futebol, mas estamos preparado para marcá-lo. O Conca está há muito tempo sem jogar, não sei como está. Lembro do Conca aquele argentino chato de marcar. Espero que não joguem.

O tema principal da coletiva foi o clássico, mas não só isso. O camisa 9, que agora é o vice-artilheiro do Alvinegro na temporada com sete gols – empatado com Pimpão e um atrás de Sassá – falou também sobre a boa fase do Botafogo; a amizade com o técnico Jair Ventura; o golaço feito sobre o Sport; o cartão que recebeu em reclamação com a bandeirinha, entre outras coisas.



Roger desencantou e já é o vice-artilheiro do time em 2017 (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)


Confira outros trechso da coletiva de Roger:


BOTAFOGO FEZ TANTO COM TÃO POUCO

Não é o jeito que eu penso, futebol hoje se resolve dentro de campo. Há sempre badalação para quem contrata, paga salário maior, mas isso não quer dizer muita coisa. Igualdade do futebol brasileiro, nível das equipes. Temos bom elenco, bom time, claro que se chegarem reforços vai ajudar. Jogamos de igual para igual, badalação não ganha jogo.


FOME DE TÍTULO
Cada mata-mata que consegue avançar... Você vê o nível das equipes que vão ficar. Esses jogos são bons de jogar, nós vimos com alegria a possibilidade de conquistar o título. Quando cheguei aqui disse que há tempos não encontrava equipe com tanta fome. Temos grandes chances de conquistar algo esse ano.


AMIZADE COM JAIR
É maturidade, começa a entender melhor, entende que às vezes ficar fora faz bem. Sentei com ele semana passada, falei que estava muito desgastando, dei opção de ficar fora domingo. Temos pouca diferença de idade. Dentro de campo dar o meu máximo e fora bater um bom papo. Tendência do futebol é isso, treinador falar e ouvir, ter essa dinâmica.


DIFERENCIAL DO JAIR
Eu acho que hoje no futebol não tem muita diferença entre um treinador para outro. Acho que é a formação do grupo, isso que faz e fez a diferença aqui no Botafogo. Mas tem uma coisa que procuro exaltar nele: a justiça. O Airton vinha jogando bem, não pôde ir para viagem, e o Lindoso entrou bem. Todo mundo acredita que tem chances. Nem mesmo o Gatito se garante como titular na volta do Jefferson. Esse senso de Justiça tem feito diferença para nós.


MARATONA DE JOGOS DESICIVOS
A gente acabou se preparando para isso. Nos apresentamos em janeiro já com a faca no pescoço, eliminado por muito de vocês. Aqueles 15 primeiros dias já trouxe que seria ano de decisão, e a gente acostumou. É o maior barato assim, estamos maduros para essa situação: "Olha, mais um". E domingo é mais um. Se vencer podemos ser líder ou fechar entre os 5 primeiros.


RIVALIDADE COM FLAMENGO

É sempre bom jogar um clássico, ainda mais contra eles, já que é para muitos a equipe a ser batida no Brasil. Estamos preparados, viemos bem, essas classificações nos deixaram fortalecidos. Temos nosso sistema, jeito de jogar, não abrimos mão disso, acho muito legal. Todo mundo acreditando no projeto do Jair.


CLÁSSICO EM VOLTA REDONDA

Não conheço a área ali, acho que campo neutro. Talvez a casa do Flamengo seja o Maracanã, talvez fique mais igual. Deve ter mais torcida dele,mas nosso torcedor vai também nos empurrar. Tem tudo para ser o grande jogo da rodada.


JOGO ÀS 11H

Não gosto desse horário. Talvez é ótimo para torcedor, mas para nós atletas, quero convidar a vocês a estar nessa rotina, acordar 6h30, ter que comer macarrão às 7h... Foge muito de uma rotina do que a gente vem fazendo.


Gol do Botafogo! João Paulo lança e Roger dribla marcador e marca aos 11 do 1º tempo


GOLAÇO SOBRE O SPORT

Maravilhoso, não é fácil para um camisa 9 ficar sete, oito jogos sem marcar. Gol que traz um pouco de alívio, tranquilidade, confiança volta. Dúvidas que começam a aparecer vão embora. Acabamos no final dando vaciladinha, mas valeu pela grande partida no contexto.


TIMES DA LIBERTADORES VIVOS NA COPA BR

Até pela montagem dos elencos, os clubes investem um pouco mais, trazem jogadores destaques em outras equipes. Isso não é à toa. Se parar para analisar, os investimentos são maiores, têm algo a mais. Libertadores pede isso. Na Copa do Brasil agora fica o filé, quem pode mais chora menos. Particularmente vou torcer para a Chape passar.


JOGAR FORA DE CASA

Quando joga fora de casa e sai na frente a coisa facilita, abre mais opções, pode contragolpear o tempo todo. Mas fizemos bons jogos em casa contra Bahia e Ponte, dominamos o jogo. Temos um padrão desde janeiro de marcar forte, se entregar um pelo outro, só assim vamos conquistar algo.


PAPO COM A BANDEIRINHA

Usei uma expressão que não posso falar aqui. Mas disse que tinha certeza de que ela estava fazendo um mal trabalho. O que eu falei não foi feio, mas falei que era incompetente e tinha que ser suspensa. Se a gente fosse eliminado, viria torcedor na internet xingar que Botafogo não passa de fase. Se tivesse dado o gol, teríamos que tomar quatro, a coisa facilitaria muito. Fui dar uma dura, ela não gostou muito (risos). Mas é algo que a gente faz no dia a dia, não tem como (errar), vem de trás, eu não tive dúvida, reclamei sabendo. Depois falei para o juiz: "Você me deu amarelo, tinham que ver a imagem e tirar o cartão. Porque o Bruno Silva chutou a bola e vocês deram três jogos. Mas a gente entende que é impossível isso no Brasil.


Fonte: GE/Por Thiago Lima, Rio de Janeiro

Após golaço, Roger encerra jejum de dois meses e avisa: "O meu lugar é na área"



Atacante faz o gol da classificação do Botafogo para as quartas de final da Copa do Brasil e desabafa após a partida: "Tirei um peso das minhas costas"








Gol do Botafogo! João Paulo lança e Roger dribla marcador e marca aos 11 do 1º tempo


Contratado como principal atacante do Botafogo para a temporada, Roger mostrou na noite desta quarta-feira que pode ser muito importante para o time. Com um belo gol no empate por 1 a 1 com o Sport na Ilha do Retiro, ele virou vice-artilheiro do Alvinegro no ano com seis gols e foi determinante na classificação do Alvinegro para as quartas de final da Copa do Brasil. Depois do jogo, lembrou das críticas que vem recebendo de algumas pessoas.

- Tirei um peso das minhas costas, com certeza. Não cheguei ao Botafogo à toa. Algumas pessoas têm criticado. Respeito, mas muitas vezes não concordo porque somos uma equipe que joga nos contra-golpes, e eu não tenho tido muitas oportunidades de sair cara a cara com o goleiro. Nas chances que tive, a grande maioria eu coloquei para dentro. Foi um gol bonito, um gol importante. Agora é uma fase nova, vamos desfrutar - disse para a FoxSports.


Desde que chegou, Roger teve altos e baixos, mas sempre se mostrou tranquilo quanto a isso, mesmo quando foi sacado por opção tática por Jair Ventura, por exemplo, na partida contra o Colo-Colo, no Chile, na Pré-Libertadores. Depois, ainda viu sua vaga de titular ser ameaçada pelas boas apresentações de Sassá, que acabou afastado.


Por isso, a pressão era grande. Principalmente porque Roger não maracava desde a vitória por 4 a 1 sobre a Portuguesa, em Xerém, no dia 30 de março, pelo Campeonato Carioca. Lá se iam dois meses de jejum que caiu em Recife.

- Quero marcar sempre, mas às vezes não aparece (oportunidade). Foi um golaço que eu fiz. O meu lugar é na área, eu trabalho bem e conheço ali. Tive qualidade para tocar por cima matar Magrão. Ele é um grande amigo meu da época de Sport, mas eu disse a ele que a gente ia passar.

Com o belo gol desta quarta, ele chegou a seis na temporada, empatando com o Rodrigo Pimpão e ficando apenas um atrás de Sassá, que está muito perto de deixar o Botafogo. Fora de campo, a diretoria segue a procura de outro homem de área para reforçar o elenco. O nome do atacante Luciano, ex-Corinthians, ganhou força em General Severiano.


Fonte: GE/Por Daniel Gomes, Recife

Golaço, estreia de Luxa e erro da bandeira: Bota empata com o Sport e vai às quartas


Alvinegro volta a jogar bem e elimina o Leão, que estava motivado com a chegada do novo comandante e teve jogador expulso. Gol mal anulado de Pimpão foi o destaque negativo






Classificado para as oitavas da Taça Libertadores, o Botafogo também está garantido na próxima fase na Copa do Brasil. A vaga foi conquistada após o empate em 1 a 1 com o Sport, na noite desta quarta-feira, na Ilha do Retiro, no Recife. O confronto acabou marcado por três destaques: a estreia do técnico Luxemburgo, no Leão, o golaço de Roger e o erro da bandeirinha Tatiane Camargo, que anulou um gol legítimo de Rodrigo Pimpão ainda no primeiro tempo.


Como o Botafogo havia vencido o jogo de ida, no Estádio Nilton Santos, por 2 a 1, o empate foi suficiente para colocar a equipe na próxima fase da Copa do Brasil. A Diretoria de Competições da CBF fará os sorteios dos confrontos e mandos de campo das quartas de final no dia 5 de junho, na sede da entidade, no Rio de Janeiro.


Precisando do empate, o Botafogo começou cadenciado e teve que segurar a pressão inicial do Sport, que entrou motivado com a mudança de comando. Porém, logo o Alvinegro equilibrou o jogo e deixou a vida do Leão ainda mais complicada, aos 11 minutos. João Paulo recebeu na entrada da área e deu belo passe para Roger, que driblou Matheus Ferraz e tocou na saída de Magrão para abrir o placar.


O Sport até que tentou e perdeu boa oportunidade de empatar com o atacante André. Na beira do campo, Luxemburgo, que foi apresentado nesta terça-feira, não parava de gesticular e tentava organizar o time de alguma forma. Aos 30, ele colocou Lenis no lugar de Everton Felipe, mas não adiantou. Minutos depois, o Botafogo quase chegou ao segundo, após uma bola de Pimpão no travessão. Aos 42, o atacante aproveitando um cruzamento de Roger e marcou. Porém, a bandeirinha Tatiane Camargo errou feio ao dar impedimento e anular o lance (Confira, abaixo).


Impedido?: Rodrigo Pimpão marca, mas assistente erra ao assinalar impedimento aos 42 do 1º


Sport tem jogador expulso


A missão do Sport já estava difícil e ainda piorou aos 13 minutos, quando Rogério deu uma entrada violenta em João Paulo e foi expulso. Mesmo assim, o time lutou bastante e não se entregou. Aos 22, Fabrício cobrou escanteio na cabeça de Durval, que subiu alto e empatou, colocando o time vivo no confronto. O lance agitou os torcedores e, consequentemente, os atletas em campo. A pressão foi grande, principalmente, com bolas lançadas na área do Botafogo. Mas o time carioca suportou bem e voltou para o Rio classificado.


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com, Recife, Pernambuco

Jair elogia atuação, mas aponta erros a corrigir: "Trabalho com a performance"


Técnico do Botafogo lamenta erro de arbitragem, parabeniza jogadores por classificação na Copa do Brasil e cobra defesa por bola aérea e ataque por perder chances claras




Melhores momentos: Sport 1 x 1 Botafogo pelas oitavas de final da Copa do Brasil


O Botafogo está classificado para as quartas de final da Copa do Brasil! Depois do empate por 1 a 1 com o Sport na Ilha do Retiro na noite desta quarta-feira (veja os lances no vídeo acima), Jair Ventura comemorou, mas discretamente. Como técnico, ele analisou a performance do time como um todo e viu pontos a corrigir, citando a bola aérea defensiva e, principalmente, as chances desperdiçadas no ataque. O Alvinegro teve um gol mal anulado de Pimpão e perdeu oportunidades claras de gol com Guilherme no segundo tempo. Na correria do calendário, o comandante lamentou o pouco tempo para treinar e consertar os erros, mas elogiou a evolução da equipe.


– Acabamos sofrendo gol de escanteio, chamei a atenção no intervalo, eles já tinham cabeceado três bolas livres. Mas o Botafogo fez uma boa partida, perdemos muitos gols, chances claríssimas que poderiam ter deixado a nossa vida um pouco mais fácil. E eu sempre falo, como trabalho com a performance, não é só porque classificamos que está tudo bem, não. Temos muitas coisas para corrigir, principalmente no terço final do campo, falei isso para eles: "Parabéns pela classificação, mas temos coisas para corrigir". Só não temos treinos para corrigir (risos), temos que fazer nos treinos em sala, que são os vídeos que a gente passa, consegue fazer algumas orientações. Vida do treinador é assim, tem que estar sempre corrigindo para minimizar os erros e estar evoluindo cada vez mais como equipe.



Jair Ventura na entrevista coletiva após a classificação (Foto: Divulgação / Botafogo)


Pela Copa do Brasil, o Botafogo espera agora para saber seu adversário nas quartas de final. A Diretoria de Competições da CBF fará os sorteios dos confrontos e mandos de campo na segunda-feira, na sede da entidade, no Rio de Janeiro. Antes, porém, o Alvinegro volta à carga no Campeonato Brasileiro e enfrenta o Flamengo neste domingo, às 11h (de Brasília), no Raulino de Oliveira, em Volta Redonda (RJ).


Confira outros trechos da entrevista:

ROGER

O time vai ficando maduro e eu acho que hoje o melhor disso tudo foi Roger voltar a marcar. Eu admiro e gosto muito, já virou meu amigo. Fico feliz. Depois de vitória com gols de volante, um empate com gol de atacante é bom para nós, para ele que ganha confiança. Mas Roger ajuda até quando não marca, ajuda bastante. Eu dedico a classificação para ele.


GOL MAL ANULADO

É difícil porque eu não falo de arbitragem. Mas fica claro que se a gente faz dois, eles têm de fazer quatro e a gente praticamente liquida o jogo. O Botafogo dificilmente perde de quatro. Mas vamos lá, bola para frente, ela (a assistente) não fez por maldade.


MARATONA

A gente vai sempre ir com força máxima. Perdemos Rodrigo (Lindoso), pode ser uma lesão, não sei. João Paulo também não conseguiu terminar o jogo. Existe um preço, são muitas viagens. Se a gente não se classifica, estou usando como desculpa. Mas estamos jogando muitas competições. Estamos trabalhando para estarmos nelas e vamos fazer o nosso máximo. Quando a gente faz o máximo até em nossas vidas, as coisas acontecem da melhor maneira. Vamos virar o chip porque são adversários dificílimos e vamos tentar chegar o mais longe possível nelas e fazer um ótimo 2017.


CLÁSSICO

O maior dificultador não é mudar o chip. É descanso. O jogo é domingo de manhã e vamos para Volta Redonda, que é outra viagem. Mas não uso nada como desculpa. Quando você perde, não mereceu. Pode ter mais posse de bola, ser melhor, mas do que adiantou? Claro que o Flamengo leva uma pequena vantagem por ter descansado mais. Mas o Botafogo vai se superar.


JOGO EM VOLTA REDONDA

Se fosse Maracanã ou Arena (NA Ilha do Governador), não teríamos desgaste da viagem. Muda um pouco porque existe um desgaste maior com a viagem. Lugar de clássico são nos grandes estádios. Seria melhor se a gente jogasse em um grande palco como esses.


ELOGIO DE LUXA


Você receber um elogio como o de Luxemburgo, campeão brasileiro... Eu passei por ele, falei, dei um beijo nele. Ele é um cara vitorioso, treinou seleção e Real Madrid. Se eu tiver um terço da carreira dele, estou feliz. Fico muito feliz em receber um elogio de um profissional como Vanderlei.


VIDA DE TÉCNICO


Existe uma coisa para a gente refletir: se requer um tempo para ter organização. Eu vou fazer dez meses à frente do Botafogo. Para organização requer um tempo. Quando o treinador fala que precisa de tempo não é porque quer ganhar mais salário. Ele quer colocar filosofia, metodologia e hoje a gente tem um time organizado porque estou há quase 10 meses. Eu tenho um bom tempo de trabalho e isso facilita a vida do treinador. Isso é para quem pede para um treinador ir embora logo refletir. Eu tenho certeza que Vanderlei fará um bom trabalho no Sport se tiver tempo.


Fonte: GE/Por Daniel Gomes, Recife