sábado, 22 de abril de 2017

Cansaço? Jair garante força máxima contra Flamengo: "Vamos novinhos em folha"


Técnico minimiza desgaste do Botafogo após jogo na noite de quinta e mais de 10h de viagem de sexta para sábado, adia volta de Airton e admite atenção especial a Guerrero







Em meio à maratona de jogos e viagens, o Botafogo não vem conseguindo tempo para descanso. No meio de semana, que poderia ser uma pausa entre Carioca e Libertadores, já vai começar para o Alvinegro a Copa do Brasil. Por conta disso, muitos torcedores nas redes sociais têm dado de ombros para a fase final do estadual, mas Jair Ventura pensa diferente e garantiu que vai com a força máxima que tem disponível para a semifinal contra o Flamengo, neste domingo, às 16h (de Brasília), no Maracanã. O técnico reconheceu que há um peso do desgaste, mas minimizou o problema e prometeu um time "novinho em folha" em campo.


– Difícil, muito tempo de viagem, quase 14 horas desde a saída do hotel (em Guayaquil, no Equador) até a chegada. Mas não trabalhamos com desculpas. Vamos com força máxima para chegar à final. A gente tem o cansaço natural, mas quando é clássico, decisão, isso acaba quando o juiz apita. Some tudo, é colocar o coração na ponta da chuteira e ir para o jogo. Quem viajou sabe que é bastante cansativo, mas temos que dar nosso máximo. Será um jogo estudado. Eles estão achando que podem tirar algum proveito do nosso cansaço, mas nosso time é de entrega, de garra. Vamos estar novinhos em folha para fazer o nosso melhor. Temos a nossa estratégia para vencer a forte equipe do Flamengo – disse o treinador.


> Força-tarefa: staff alvinegro intensifica recuperação dos atletas


Jair garantiu até mesmo Carli, único dos jogadores que viajaram que foi poupado do treino na noite deste sábado, no campo anexo do Nilton Santos, e só vetou a volta de Airton, recém-recuperado de um problema no adutor da coxa esquerda, volante que será preparado para o jogo contra o Sport na quarta-feira, na estreia alvinegra na Copa do Brasil. O técnico falou ainda sobre a atenção especial que pediu em cima do peruano Guerrero, do Flamengo, e sobre conntratações.


Confira outros trechos da entrevista de Jair:


FLAMENGO FAVORITO?

Não, clássico não tem favoritismo. Até pela equipe do Flamengo, bem armado pelo Zé Ricardo, não é uma equipe que vai jogar pelo empate, não. Vai ser um bom jogo, eles têm característica ofensivas, assim como as nossas, e quem for mais eficiente no terço final do campo vai conseguir jogar a final.


DESVANTAGEM DO EMPATE
Direito que eles têm pela melhor campanha. Mas o Botafogo joga sempre para vencer, vencemos o Fluminense e não sentamos na vantagem. O Flamengo é ofensivo e não vai abdicar de atacar, expectativa de grande jogo.



ATENÇÃO ESPECIAL COM GUERRERO?
É um jogador diferenciado, aquele 9 que mesmo quando não faz os gols participa muito da partida. É difícil roubar a bola dele. Então temos que ter atenção especial sim, com ele, mas com todos também.



Jogadores treinaram à noite, 12h após desembarcar no Rio (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)


AIRTON
Ele vem de uma transição, ficou muito em cima para esse jogo, é correr risco, ainda não está na melhor forma. Vamos ver se consegue contra o Sport.


CARLI
Foi poupado (do treino), todos estão cansados, mas ele vem de uma situação de lesão, por isso preservamos. Mas joga, vai para o jogo. Tirando o cansaço, vamos com todos os nossos atletas. Com as baixas que vocês já sabem: os laterais, o Bruno e o Emerson (Santos).


CONTRATAÇÕES PARA MAIS SETORES?No momento não, nossa prioridade é a lateral mesmo.


Fonte: GE/Por Thiago Lima, Rio de Janeiro

Carlos Eduardo abre o jogo sobre o Bota e espera reforços até terça-feira


Presidente alvinegro participa de evento "Abrace o Botafogo" em Friburgo e fala sobre problemas financeiros do clube, situação de Sassá e conversa com três novidades



Crise financeira, reforços e até mesmo a reintegração do atacante Sassá. Para cerca de 100 torcedores do Botafogo de Nova Friburgo, na Região Serrana do Rio, a tarde do feriado de Tiradentes foi especial e dedicada a um bate-papo com o presidente do clube do coração. Carlos Eduardo Pereira esteve na cidade ao longo do dia para conversar com os botafoguenses, tirar dúvidas sobre a administração do clube e ouvir os participantes da iniciativa "Abrace o Botafogo". O movimento, que busca aproximar gestores e ídolos da Estrela Solitária dos torcedores do município serrano foi realizado em um complexo esportivo.


Carlos Eduardo Pereira participa de palestra em Nova Friburgo (Foto: Felipe Basilio/GloboEsporte.com)


Um dos temas de maior interesse por partes dos alvinegros foi a crise financeira do clube. Sem esconder o jogo, Carlos Eduardo Pereira foi franco e passou detalhes da gestão do clube. De acordo com o presidente, as más administrações passadas estão fazendo com que o Alvinegro sofra principalmente com as sucessivas penhoras, que acabam afetando diretamente o orçamento destinado ao futebol. Segundo ele, o clube não tem recebido nenhum tipo de "alívio" de nenhuma parte para tentar se reestruturar financeiramente.


- A situação é difícil, sem dúvidas. Estamos vivendo, hoje, a principal crise, depois de termos vencido, na última quinta-feira, no TRT-RJ, a questão do ato trabalhista. Tem a situação das penhoras cíveis, que vêm de várias origens. São dívidas feitas fora da nossa gestão, e os credores tem sido muito rigorosos com o Botafogo, têm atuado duramente. Com as penhoras, eles têm conseguido criar algumas dificuldades. Só neste ano, apesar de todo empenho do nosso departamento jurídico, tivemos um impacto significativo em nosso orçamento - disse.

Tem negociações em andamento... Não dá para falar em nomes, tem três sendo tratados. Vamos ver aquele que chega em nossas condições"
Carlos Eduardo Pereira

Outro ponto de muita relevância para os botafoguenses no encontro foi a questão dos reforços e a até mesmo a manutenção de jogadores como o atacante Sassá - um dos destaques da equipe no momento após passar por problemas extra-campo.


E a notícia foi boa. De acordo com o homem forte do Glorioso, o clube vive a expectativa de anunciar nos próximos dias novidades para o elenco - vale lembrar que o time busca um nome para a lateral direita, já que Luis Ricardo, Jonas e Marcinho estão lesionados.


- Tem negociações em andamento. Estamos correndo, pois o nosso prazo pra inscrição é a próxima segunda-feira. Estamos tentando agilizar essas conversas para que na segunda a gente possa finalizar esse processo e anunciar na terça-feira. Vamos ver se a gente consegue. Não dá pra falar em nomes, têm três sendo tratados. Vamos ver aquele que chega em nossas condições. Não dá para contratar aquele que você gostaria, mas aquele que junta as capacidades de jogador com a nossa de pagamento - disse o presidente Carlos Eduardo Pereira, em entrevista sobre o Botafogo que você confere outros trechos abaixo.


Botafogo na Libertadores

- Estou confiante, a avaliação é a melhor possível. As pessoas achavam, em um primeiro momento, que o Botafogo tinha chegado à Libertadores pelo acaso. Depois, que não passaríamos pelo Colo Colo, em seguida, não íamos passar pelo Olímpia. Jogamos quatro decisões, quatro clássicos importantíssimos no mês de fevereiro. Passamos. Mas "aí vem a fase de grupos, vem o grupo da morte, não vai dar". E o Botafogo é o líder do grupo. Temos, na sequência, dois jogos em casa dos três restantes, e fizemos uma viagem internacional para dois jogos. Conquistamos quatro pontos. A expectativa é a melhor possível, para que obtenhamos a classificação para as oitavas de final.


Aproximadamente 100 torcedores estiveram presentes no evento (Foto: Felipe Basilio/GloboEsporte.com)


Situação do atacante Sassá

- O Sassá é um ótimo rapaz, é um garoto formado no Botafogo. Sempre demonstrou interesse em continuar jogando. É natural, para um jovem, é normal que a noite, algumas amizades, um pouco mais de empolgação (atrapalhem o desempenho)... A gente confia muito na capacidade profissional dele, é um grande talento. Não podemos esquecer que foi vice-artilheiro do Brasileiro em 2016. Vamos fazer o possível para que ele continue no Botafogo por muito tempo


Sassá recebeu elogios do presidente do Botafogo em
Nova Friburgo (Foto: Alexandre Durão)
Situação do futebol carioca

- O Campeonato Carioca é fundamental para nós. É o nosso estado, e os clubes de menor investimento devem ser valorizados. São clubes formadores, e possuem uma capilaridade que vai muito além do que os clubes da capital conseguem atingir. Deve ser sempre uma prioridade da Federação atender esses clubes, realizar campeonatos que permitam a eles ter uma constância nas atividades durante o ano. Neste ano, foi feita uma tentativa de aumentar o número de clássicos. Infelizmente, parece que os resultados não foram os melhores. Isso tudo está sendo analisado. Ano que vem teremos um campeonato melhor.



Clássico com o Flamengo

- Vai ser muito importante avaliar o grupo após a chegada de Guayaquil. Vamos ver com quem o Jair (Ventura) vai poder contar. Certamente, ele vai colocar a equipe em melhores condições. É um clássico regional, o nosso de maior rivalidade. A gente não vai colocá-lo de lado, não, é uma vitória muito importante para nós.


Evento em Nova Friburgo

- Eu acho que é um reconhecimento do clube por esse grupo fantástico, que vem realizando grandes eventos e grandes mobilizações na região serrana. Eu mesmo sou morador de Itaipava, e vejo que é muito importante o clube interiorizar as suas ações. O morador das cidades do interior está bem próximo da capital, e é importante que a gente leve o clube até ele, e não fique em uma situação passiva. Então, esses eventos vão se reproduzir, e clube tem o interesse de estar cada vez mais próximo dos torcedores.


Botafogo na Serra

- É sempre possível. A gente tem um calendário muito rigoroso, o Botafogo vive um ano de grandes competições. A Libertadores tem sido um grande sucesso de público, sempre reunindo entre 30 ou 32 mil pessoas em nosso estádio. E existe a questão de prestigiar o sócio torcedor que compra os planos. Mas, eventualmente, em amistosos ou a presença da equipe na cidade pode ser considerada, é só uma questão de oportunidade.


Carlos Eduardo Pereira conversa com torcedores em palestra em Nova Friburgo (Foto: Felipe Basilio/GloboEsporte.com)


Fonte: GE/Por Felipe Basílio e Gustavo GarciaNova Friburgo, RJ

Força-tarefa: staff do Botafogo intensifica recuperação dos jogadores para semifinal


Contra o tempo, preparador físico, fisioterapeuta, fisiologista e nutricionista tentam minimizar efeitos da desgastante maratona de jogos e viagens para deixar atletas aptos em 48h




Saem os jogadores, entra o staff do Botafogo. A delegação alvinegra que desembarcou no início da manhã deste sábado no Rio de Janeiro segue a sua maratona e, às 16h (de Brasília) deste domingo, já tem pela frente o Flamengo na semifinal do Campeonato Carioca. Nos últimos 30 dias, foram oito jogos e trajetos desgastantes pela Libertadores – só para voltar do Equador a viagem teve mais de 10 horas. Nos dois dias entre o empate por 1 a 1 com o Barcelona de Guayaquil e o clássico, entram em cena preparadores físicicos, fisiologistas, fisioterapeutas e nutricionistas para otimizar o tempo e deixar todo mundo à disposição de Jair Ventura.


Logo depois de um jogo, esses profissionais se reúnem com os médicos e comissão técnica para decidir a ordem das tarefas dos jogadores. Sem tempo a perder, o trabalho é praticamente integral até mesmo em hoteis e aeroportos. Após o desembarque pela manhã, os atletas foram orientados a dormir e se reapresentarem à tarde para um treino fechado no Nilton Santos, onde inclusive os titulares são esperados em campo.



Confira como é feita a recuperação:


– Exame CK: calcula os níveis sanguíneos de creatina quinase (CK), que dão um panorama do desgaste e é um indicador de dano muscular;



Pimpão registrou seu exame CK ainda em Guayaquil (Foto: Reprodução)


– Banheira de gelo: crioimersão que ajuda na drenagem metabólica, aplicada após os jogos e ao longo da semana;



Camilo na banheira de gelo após o jogo com o Barcelona de Guayaquil (Foto: Reprodução)



– Academia: trabalho de reforço da musculatura;



Dudu Cearense na academia do hotel do Botafogo em Guayaquil (Foto: Reprodução)


– Banheira de hidromassagem: possibilita a vasodilatação e o relaxamento muscular, além de acelerar metabolismo e gerar a queima de calorias;



Gatito Fernández durante atividade na banheira de hidromassagem do hotel (Foto: Reprodução)


– Botas de compressão: câmara de ar que faz uma compressão e ajuda a drenar o "lixo metabólico" gerado no esforço do jogo;



Camilo também postou seu tratamento com as botas de compressão (Foto: Reprodução)


– Calça de compressão: espécie de meia muito usada durante viagens de avião capaz de minimizar o efeito da perna flexionada, que prejudica a circulação do sangue.



Calça de compressão são muito utilizadas durante longas viagens (Foto: Divulgação)


– Suplementação: ingestão de complexos vitamínicos, Vitamina C e Ômega 3;


Palavra dos especialistas:

– Ednilson Sena (preparador físico): "Fizemos trabalho na academia, de CK, fortalecimento muscular, corrida contínua de 15 minutos, crio e termoterapia... Começamos a suplementar os atletas para acelerar a recuperação. Amanhã (sábado) será feito um trabalho funcional, mais moderado, sem nenhum tipo de carga. Vamos ver os que têm condições de fazer trabalho com bola no campo. Consequentemente todos terão, eles estão aptos, sem nenhuma queixa de dor".


– Manuel Coutinho (fisiologista): "É uma logística complicada, mas não há como não levar nossos equipamentos de controle. São os instrumentos que temos para minimizar o impacto das viagens e quantidade de jogos nesses espaço curto de tempo. A primeira coisa é o sono, que desregula um pouco e é o principal fator na recuperação. Temos o cuidado na programação para que o atleta possa ter um turno vazio para poder dormir, recuperar e chegar o mais descansado possível".



Fisioterapeuta Guilherme Bianchi e nutricionista Rodrigo Vilhena em Guayaquil (Foto: Felippe Costa)


– Guilherme Bianchi (fisioterapeuta): "A recuperação pós-jogo começa no hotel com banheiras e os aparelhos que a gente dispõe. Monta uma estrutura no quarto, como se fosse um departamento médico, e já começa a recuperar os atletas tanto de desgaste do jogo quanto de eventuais dores musculares. Tivemos ainda um fator incomum: ficou um grupo, outro teve que voltar ao Rio, então montamos uma logística para receber os atletas que vieram e continuar tratando os outros".


– Rodrigo Vilhena (nutricionista): "Os cardápios são elaborados com 20 dias de antecedência e são enviados ao hotel para que eles possam se programar. Sempre acompanho a delegação, mas em viagens chego um dia antes para os ajustes finais. E fora do hotel a gente procura sempre ter um local adequado para refeições nos aeroportos e suplementação, que é individualizada para cada atleta, treino, jogo ou viagem".



Fonte: GE/Por Felippe Costa e Thiago Lima, Guayaquil, Equador, e Rio de Janeiro