terça-feira, 6 de dezembro de 2016

Por vaga na Libertadores, Airton projeta "jogo da vida" contra o Grêmio


Volante considera positiva sua temporada de 2016 e diz que última rodada será o grande jogo do ano para o Botafogo: "Todo mundo pensava que seríamos rebaixados"



Airton em ação pelo Bota: duelo com o Grêmio é
 "jogo da vida" (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)
Airton foi o escolhido para atender a imprensa em entrevista coletiva nesta terça-feira. Assim como o Botafogo, que começou o Campeonato Brasileiro lutando contra o rebaixamento e hoje briga por vaga na Libertadores, o volante deu a volta por cima em 2016. Antes criticado, hoje é uma das referências da equipe. Às vésperas da partida decisiva na última rodada, o jogador admitiu que esse é o "jogo da vida" do clube.

- Será difícil, mas temos que nos esforçar e trabalhar forte para chegar no nosso objetivo. A gente sabe que é um jogo importante, que vai decidir o nosso ano, o jogo da nossa vida, por isso, precisamos trabalhar ainda mais forte e chegar voando para sair com a vitória. Todo mundo pensava que seríamos rebaixados e agora estamos brigando por uma vaga na Libertadores. Estamos buscando fazer o nosso melhor, sair com a vitória, os três pontos e a classificação para a Libertadores. Se a gente não se classificar, vamos ficar chateados, com certeza. Estamos brigando, demos uma arrancada, esperamos poder comemorar com a vaga na Libertadores - declarou.

Sobre o adversário, que ele conhece bem, já que jogou no arquirrival Internacional, Airton projetou um jogo truncado e muito difícil. O volante espera forte marcação do Grêmio, além de saídas rápidas de contra-ataque.

- Eles marcam muito forte. Quando perdem a bola, tentam recuperar logo, faz marcação pressão, tem jogadores de muita qualidade, leves, saem bem no contra-ataque, então a gente tem que se preocupar como fizemos no turno e sair com um bom resultado. É difícil, mas somos capazes. Temos tudo para sair com a vitória.

Perguntado se 2016 foi o melhor ano de sua carreira, o volante não cravou, mas considerou o período positivo e deu nota 7 para a sua temporada.

- Estou feliz demais. Renovei com o Botafogo até o fim de 2017, é um momento bom na minha carreira, consegui dar a volta por cima no Botafogo e na minha carreira. É um ano muito feliz, as coisas estão dando certo. Tem que ser uma nota positiva, né? (risos). Pode ser 7, acho que está bom - brincou o volante.

O Botafogo terá uma semana intensa de treinos de preparação para o jogo contra o Grêmio, no domingo, às 17h (horário de Brasília), na Arena. Com 56 pontos, o Alvinegro é o sexto colocado do Brasileirão e depende só de si para chegar à Libertadores.

Confira a íntegra da coletiva de Airton:

Tragédia envolvendo voo da Chapecoense


- Foi um caso muito triste, todo mundo ficou sentido, não só no Botafogo mas no Brasil e no resto do mundo. Isso com certeza mexe com o nosso psicológico, sentimos muito, mas temos que trabalhar e é isso, dar força aos familiares, às vítimas e torcer pelos que. Fiquei sabendo. Cada um tem seu modo de pensar, as vezes a gente tem que se colocar do outro lado, tem familias, filhos, mas a gente sabe que vai ser adiado o jogo, temos que ser profissionais e jogar esse último jogo como se fosse o jogo da nossa vida

Briga pela vaga na Libertadores

- Nossos concorrentes são grandes equipes. Não sabemos o que vai acontecer, mas independente do que acontecer, temos que buscar a vitória, os três pontos, e o resto é consequência. Nosso objetivo é fazer o nosso, vencer nosso jogo. É nisso que estamos focados.

Lado financeiro pesa na hora da decisão?

- Não. A gente entra pra conquistar nossos objetivos, sabemos da importância de vestir a camisa do Botafogo, é um clube gigante que tem sempre de estar brigando por alguma coisa, se não for título, brigar lá em cima, independente de valores financeiros e outras coisas externas.

Ausência de Neilton

- O Neilton é um jogador muito importante, jogou a maioria dos jogos do campeonato, muito rápido, ajuda na recomposição, mas temos outros jogadores que fazem essa função muito bem.

Volta de Alemão

- O Alemão está voltando agora. Quando ele voltou, encaixou muito bem no time, na marcação. Temos que ver como vai ser o jogo, sentir em campo. Os times do Sul costumam marcar muito forte, mas vamos fazer nosso melhor para sair com a vitória, os três pontos e a classificação.

Jovens jogadores em 2017

- O Botafogo tem jogadores de muita qualidade na base. Temos que ter muita paciência com os jogadores que sobem. Temos muitos jogadores de potencial e precisamos dar espaço, ter paciencia para que eles possam se desenvolver e dar alegrias ao torcedor. Chegar nos profissionais é difícil, a cobrança é muito grande em cima dos meninos. A gente sabe que eles tem qualidade, temos que ter a cabeça no lugar, buscar o espaço, dar o máximo nos treinos para poder se firmar. A concorrência é enorme em clube grande, então tem que estar sempre dando seu melhor.


Fonte: GE/Por Caio Filho*Rio de Janeiro*Estagiário, sob supervisão de Sofia Miranda.

À caça: agente sul-americano fala em achar "atletas de qualidade" para Bota


Empresário de ex-alvinegros como Lodeiro e Navarro, Gerardo Cano promete indicar gringos para fortalecer time que pode jogar Libertadores. Alvinegro já contratou Gatito



Procuram-se gringos: agente uruguaio vai vasculhar mercados
vizinhos para Botafogo (Foto: Arte Esporte)
Rio de Janeiro, sexta-feira, dia 2 de dezembro. Em um shopping da Zona Sul carioca, o Botafogo foi o tema de uma conversa informal em um restaurante. Almoço à mesa e jogadores no cardápio. Foi assim que o presidente Carlos Eduardo Pereira e o empresário uruguaio Gerardo Cano apalavraram uma parceria para buscar reforços no mercado sul-americano para 2017, ano em que o clube pode voltar a disputar a Taça Libertadores da América.


Mesmo Carli tendo sido o único dos cinco gringos a se firmar em 2016, o Alvinegro quer repetir a fórmula de apostar em jogadores dos países vizinhos ano que vem. Mas desta vez irá atrás de nomes mais experientes ou adaptados ao futebol brasileiro. A diretoria já contratou o goleiro paraguaio Gatito Fernández e abriu negociações pelo meia argentino Montillo.


Apesar de trabalhar mais com jogadores uruguaios, Cano tem muitos contatos no continente e é considerado por dirigentes alvinegros como um dos empresários mais sérios e de maior prestígio na América do Sul. Carlos Eduardo Pereira admitiu que deixou as portas de General Severiano abertas a indicações do agente, mas alegou que ainda não começaram a falar em nomes.

(...) Sou prioridade para olhar no mercado sul-americano atletas que possam ser de qualidade para o Fogão em 2017"
Gerardo Cano, empresário uruguaio


– Foi uma visita de cortesia. É claro que se ele tiver algum bom jogador vai nos indicar. Mas por enquanto não passou disso. Não tratamos de nomes – afirmou o presidente.


Cano foi o responsável pela vinda dos últimos uruguaios para o Botafogo, entre eles Lodeiro, Navarro e Salgueiro. Apesar deste último não ter se firmado e estar de saída de General Severiano, o prestígio do empresário não ficou abalado no clube. E ele já fala em buscar "atletas de qualidade" para fazer o Alvinegro ainda mais forte em 2017.


– Foi um almoço que, quando estou no Rio, nos acostumamos a fazer para falar de futebol e trocamos ideias sobre o futuro da equipe. Aí, pelo carinho e respeito que tenho pelo Carlos Eduardo, o Gustavo Noronha (diretor executivo de futebol) e o Cacá (vice de futebol), eu sou prioridade para olhar no mercado sul-americano atletas que possam ser de qualidade para o Fogão em 2017. E logo após, falar com eles e a comissão técnica sobre a possibilidade de algum deles chegar ao clube – disse ao GloboEsporte.com.

Empresário e torcedor: Gerardo Cano tem até fotos com
camisas do Alvinegro (Foto: Arquivo Pessoal)
Outros nomes que chegaram a General Severiano por intermédio de Cano foram o zagueiro Mario Risso, o volante Bazallo e o atacante sub-20 Marcelo Martínez, todos uruguaios também. Próximo do ídolo Loco Abreu, o empresário começou a negociar com o clube ainda na gestão de Maurício Assumpção e também estreitou laços com a atual diretoria. A relação com o Botafogo se tornou mais do que profissional, ele nutriu um carinho pelo time e tem até fotos com camisas do Alvinegro.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago LimaRio de Janeiro