segunda-feira, 3 de julho de 2017

Botafogo negocia com chileno Leo Valencia e estuda nomes para camisa 9


Com saída de Montillo, Alvinegro espera encorpar elenco. Nomes como Thiago Marques, Cristian Borja e Marcos Riquelme são oferecidos. Luciano ainda em pauta, mas negócio é difícil





Meia-atacante Léo Valencia negocia com o Botafogo (Foto: EFE)


A obsessão do Botafogo é um camisa 9, porém, com a inesperada aposentadoria de Montillo, o clube busca nomes para encorpar o elenco. Um deles é o meia Leo Valencia, de 26 anos. O chileno joga no Palestino e ficou conhecido dos brasileiros, no ano passado, ao marcar o gol que eliminou o Flamengo da Sul-Americana. A informação foi primeiramente divulgada pelo Jornal "Lance!" e confirmada pelo GloboEsporte.com. O Alvinegro apresentou uma oferta e aguarda a posição dos representantes do atleta.


Valencia chegou a ser emprestado para a Universidad de Chile na temporada passada, onde marcou cinco gols em 27 jogos. De volta ao Palestino, balançou a rede mais 15 vezes em 41 partidas, o que lhe rendeu convocação para a seleção chilena que disputou a Copa das Confederações. Em fim de contrato, ele tem sido oferecido a clubes brasileiros. O Vasco, por exemplo, se interessou pelo jogador, mas se assustou pelo fato de quatro pessoas terem ofertado o atleta. O empresário pediu US$ 1,5 milhão (cerca de R$ 5,2 milhões).


Na busca por um camisa 9 para disputar posição com Roger, nomes não param de chegar. Em geral, atletas estrangeiros ou da Série B do Campeonato Brasileiro. Thiago Marques, do Juventude, está sendo avaliado.



Nome de Luciano segue em pauta, mas negociação é tratada como difícil (Foto: Daniel Augusto Jr/Agência Corinthians)


Oferecido na semana passada, o colombiano Cristian Borja, com passagem pelo Flamengo, teve o nome levado ao departamento de análise. Aos 29 anos, ele é titular do América de Cali e marcou nove gols na temporada. Marcos Riquelme, do Palestino, foi outro que teve o nome levado ao clube. No entanto, o Alvinegro trabalha com cautela e não há negociações no momento com esses nomes.


Primeiro alvo, Luciano ainda não teve o nome descartado. O Botafogo aguarda uma resposta final nessa semana. Internamente, no entanto, o negócio é tratado como “difícil”.



Ex-Ferroviária, hoje no Juventude, Tiago Marques tem o nome estudado (Foto: Thiago Carvalho)


Na saga que atravessa atrás de reforços para o setor ofensivo, o Botafogo já tentou vários nomes sem sucesso: Ábila, com o clube assumindo a dívida do Cruzeiro com o Huracán, da Argentina, mas a Raposa não aceitou; Cháves, só que o São Paulo não liberou; Cifuentes, do Universidad Católica do Equador, oferecido por U$ 2 milhões (cerca de R$ 6,5 milhões) e descartado; Brenner, vetado pelo Internacional após a lesão do titular Pottker; e Aylon, do Goiás, que acabou sendo comunicado da desistência por causa da repercussão negativa da torcida.


Maranhão, do Fluminense, esteve praticamente fechado com o Botafogo. No entanto, o Tricolor pediu como compensação dois jogos no Nilton Santos, e o Alvinegro desistiu do negócio. Erick, do Náutico, também teve conversar avançadas. Porém, com a recusa do zagueiro Renan Fonseca em se transferir para Recife, a negociação esfriou.



ERRATA: ao contrato do informado inicialmente, Chumacero não foi oferecido ao Botafogo. A informação foi corrigida às 13h40.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago Lima, Rio de Janeiro

Carli admite Botafogo mais forte na Libertadores: “Tem uma coisa diferente”


Após mais de um mês, Alvinegro volta a viver o clima da competição. Time embarca nesta terça-feira para Montevidéu e enfrenta o Nacional na quinta, pelas oitavas de final



É um fato que o Botafogo é conhecido como uma equipe valente, que supera seus limites. Não há como negar, no entanto, que o time de Jair Ventura, nesta temporada, tem dado algo a mais na Libertadores.


O Glorioso incorporou o espírito da competição e teve algumas de suas melhores atuações em 2017 na Libertadores. Nesta quinta, após mais de um mês, a equipe volta a jogar pela competição. O adversário será o Nacional, em Montevidéu, pelas oitavas.


- Inconscientemente, o jogador se prepara diferente para a Libertadores. Acho que seria muito importante conseguir isso em todos os jogos, mas a Libertadores realmente tem uma coisa diferente – reconheceu o capitão Carli, que volta ao time após ser poupado contra o Corinthians.



Carli conversou com a imprensa na tarde desta segunda-feira, no Nilton Santos (Foto: Marcelo Baltar)


Carli reiterou a importância do jogo de quinta para a temporada do Botafogo.


- Nosso foco principal é a Libertadores. Ganhar lá será difícil. O Nacional tem um time muito experiente e que joga com raça. Mas o Botafogo vai atrás de um resultado importante.


O capitão alvinegro ainda pediu atenção redobrada durante a partida. Afinal, qualquer descuido na Libertadores pode ser fatal.


- Acho que será um jogo em que temos que ficar muito ligados, não podemos relaxar nunca. Eles têm a torcida, com a arquibancada muito próxima. Bem típico de Libertadores. Mas temos jogadores muito experientes e estamos preparados para isso.


O Botafogo treina na tarde desta terça-feira e, em seguida, embarca para o Uruguai.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar, Rio de Janeiro