sábado, 30 de setembro de 2017

Botafogo diz que tumor tem alta chance de cura, e Roger avisa: "Vou vencer a doença"


Atacante de 33 anos esteve no Estádio Nilton Santos neste sábado, onde recebeu muito carinho





Roger agradece apoio e carinho: "Tenho certeza que vou superar"


A notícia de que o atacante Roger, do Botafogo, foi diagnosticado com um tumor renal (clique aqui e leia) chocou o futebol brasileiro e provocou uma corrente positiva a favor do atleta. Torcedores alvinegros, rivais e os maiores clubes se mobilizaram com mensagens de apoio.


Ainda neste sábado, mesmo dia da divulgação do problema, já veio a primeira notícia positiva: segundo nota oficial do Glorioso, o tumor tem"alta chance de cura".


À Botafogo TV (veja o vídeo no topo da matéria), Roger demonstrou gratidão pela corrente de apoio, muito otimismo e garantiu: "Vou vencer a doença".


- Gravei esse vídeo para agradecer. A palavra que tenho para dizer para todo o Brasil, para todos os amigos e para todo mundo: Muito obrigado! Deus abençõe vocês. É um momento muito complicado da minha vida, mas tenho certeza que vou superar com as forças de Deus.


- Quero agradecer cada mensagem, foto postada, manifestação de carinho e cada ligação. Deus abençoe. Logo logo estou de volta, se Deus quiser. Vou batalhar, vou vencer essa doença. Se Deus quiser, em janeiro nós estaremos na pré-temporada para fazer um grande ano novamente. Deus abençoe. Fica aqui meu abraço e minha gratidão. Beijão.



Loco Abreu deseja força a Roger em seu Twitter (Foto: Reprodução/Twitter)

+Rivais e vários clubes do país dão apoio a Roger; mande sua mensagem


Confira a nota abaixo:


"O Botafogo de Futebol e Regatas informa que o atleta Roger iniciou um quadro de dor lombar atípica, sendo então encaminhado para um hospital para investigação. Ao realizar alguns exames foi constatado a presença de um tumor no polo inferior do rim direito.


Por isso o atleta foi encaminhado para uma primeira avaliação com um urologista, que caracterizou o tumor como de tratamento cirúrgico com alta chance de cura.


Ainda será complementado com novos exames para uma definição mais precisa e estabelecimento de conduta.


O clube tem dado todo o apoio para o atleta e está acompanhando tudo de perto através do seu Departamento Médico.


O atleta Roger esteve hoje no estádio Nilton Santos com otimismo e recebeu todo o apoio do treinador Jair Ventura, Comissão técnica e de seus companheiros".


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com, Rio de Janeiro

Drama alvinegro: tumor renal tira Roger de campo e comove o Botafogo


Atacante de 33 anos deve ser operado nos próximos dias e não joga mais na temporada 2017. Jogador é o artilheiro alvinegro no ano, com 17 gols - sendo 10 no Brasileirão




O atacante Roger, 33 anos, enfrenta um problema grave de saúde. Exames realizados nesta semana detectaram tumor renal. O departamento médico do Botafogo aguarda novos resultados para divulgar detalhes do caso. O atleta deve ser operado nos próximos dias.


O assunto é tratado com extrema cautela no Botafogo. Há um clima de comoção em General Severiano. O clube vai conversar com o jogador e deve se manifestar em breve. Roger não joga mais nessa temporada.



Roger em ação contra o Coritiba. Atacante marcou 17 gols pelo Botafogo na temporada (Foto: Giuliano Gomes/Agência PR Press)


Contratado em dezembro, Roger é o principal goleador do Botafogo no ano. Em 49 jogos, marcou 17 gols – sendo 10 deles no Brasileirão. O centroavante ganhou projeção por se destacar nos clássicos estaduais. Foram oito gols contra os três principais rivais do alvinegro no Rio de Janeiro.


Roger tem contrato com o Botafogo até 31 de dezembro neste ano.


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com, Rio de Janeiro

sexta-feira, 29 de setembro de 2017

Montillo repensa aposentadoria e cogita volta em 2018: “Só no Botafogo ou na La U”


Recuperado de lesão na panturrilha, argentino mantém rotina intensa de treinos no Rio 3 meses após deixar o futebol: "Pensando friamente, não era essa a imagem que eu queria deixar no final"






A aposentadoria de Montillo dos gramados aparentemente terá vida curta. O (por enquanto) ex-jogador está feliz, sereno e “com a cabeça boa” após a série de problemas físicos que enfrentou no Botafogo no primeiro semestre, mas não esconde a saudade do futebol. Aos 33, planeja escrever um novo final para sua história no esporte.


- Estou me sentindo muito bem, feliz e forte. Vamos ver o que vai acontecer no ano que vem.


O retorno em 2018 é certo? 
Ainda não. Mas o argentino quer está preparado caso seja essa sua decisão. A rotina no Rio de Janeiro, que inclui academia, personal trainer, aulas de tênis, corrida, treinos na praia e mais recentemente com bola, só dá descanso aos domingos.



Montillo fala sobre aposentadoria e possível volta como jogador


Exatos três meses após anunciar seu adeus ao futebol, Montillo recebeu o GloboEsporte.com em sua casa, nesta sexta-feira. Após evitar entrevistas por um tempo, decidiu que era hora de falar. O retorno ao futebol ainda não está definido, mas parece próximo. Certo apenas é que, caso venha a acontecer, será com a camisa do Botafogo ou da Universidad de Chile.


Como foram esses primeiros meses como aposentado?
Bem, muito tranquilo. A mesma coisa de antes, mas agora com mais tempo para os meus filhos. Estou treinando, mas eu determino os horários, então é mais tranquilo. Estou com a cabeça boa.


Você tem postado muitos vídeos de treinos. Qual a sua rotina?

Estou treinando todos os dias. Treino de segunda a sábado. Só descanso aos domingos. Até brinco com a minha esposa. Estou treinando mais do que quando jogava (risos). Sempre gostei de treinar, não gosto de ficar parado.


A lesão na panturrilha está curada?

Sim, já passou. Está tudo bem. Também fiz uma programação para ganhar força, que eu tinha perdido na época que joguei na China. Lá não tem muitos jogos, então a gente perde um pouquinho. Fizemos um planejamento para recuperar tudo certinho. Estou me sentindo muito bem, feliz e forte. Vamos ver o que vai acontecer no ano que vem.



Montillo treina com bola após anúncio de aposentadoria no Botafogo


Estou seguindo uma programação. Fui à Argentina conversar com pessoas de confiança, que sempre me ajudaram ao longo da carreira. Ninguém acreditava que eu parei de jogar. Fizemos uma série de exames com o pessoal que trabalha na seleção argentina. Todos concordaram que talvez eu não tenha dado o tempo necessário de recuperação entre uma lesão e outra. Foi tipo uma bola de neve que não parou mais. Me tratei primeiro para ficar bem. E depois, se surgir a possibilidade de voltar a jogar no ano que vem, estarei preparado.


Na pressa de jogar acabou precipitando seu retorno após a primeira lesão?
Sim, parece que foi. Eu queria voltar logo para ajudar o Botafogo. Não gosto de ficar machucado. Pode ser uma das causas. Aconteceu, já passou, tomei a minha decisão. Mas todos que gostam de mim querem um outro final para a minha história no futebol. Que não fique esse final ruim que ficou para todos, para o torcedor. Vamos ver o que acontece no ano que vem.


Todos pedem um final diferente da sua história no futebol. Você também quer outro final?
Se eu me sentir à vontade e perceber que estou bem para voltar, acho que seria uma boa. Pensando friamente, não era essa a imagem que eu queria deixar no final. Aconteceu, eu precisava de tempo para me recuperar, e o Botafogo não tinha tempo para esperar. Eu também não queria esperar para tentar jogar os últimos dois meses do ano.



Montillo (Foto: Reprodução / Twitter)


Arrepende-se da decisão?

Não me arrependo. Acho que fiz a coisa correta. Saí do Botafogo, fiz meu planejamento por fora, sem receber salário de ninguém. Contratei profissionais da minha confiança para voltar no ano que vem. A ideia é essa. Se aparecer alguma coisa boa, estarei preparado. E se eu voltar, com certeza, a prioridade é do Botafogo.


E sempre falei da Universidad de Chile. O Botafogo porque sempre me tratou muito bem, tenho que tirar o chapéu para os dirigentes, para o presidente (Carlos Eduardo Pereira) e para o Jair Ventura. Já a Universidad de Chile porque sempre falei que voltaria para encerrar a carreira lá. Se eu voltar, será para um dos dois.


Então Botafogo e Univesidad de Chile são os únicos clubes que te interessam em um eventual retorno ao futebol?
Sim. Mas ninguém me procurou, não falei com ninguém. É muito cedo ainda para ficar aparecendo. A imprensa sempre me chama, pede entrevistas... Mas sou um cara bem tranquilo. Não gosto de aparecer, não estou jogando, os protagonistas são outros. Agora que o Botafogo saiu da Libertadores, ficou um pouco mais tranquilo, resolvi falar. Mas gosto de ficar na minha tranquilo e atender um ou outro jornalista (risos).


Você não gosta muito de entrevistas, mas nas redes sociais tem interagido bastante com os torcedores.
Sim. Acho que quem me segue é porque gosta de mim. Então eles ficam curiosos, perguntando se vou voltar a jogar. Eu gosto de postar para eles acompanharem um pouco o meu dia a dia, o que faço nos treinos, mostrar a minha vontade de treinar. Acho que isso pode servir de exemplo para outros jogadores. Como pessoa pública, acho legal dar o exemplo. Não sou muito das redes sociais, mas estou melhorando aos poucos (risos).



Montillo treina durante passagem pela Argentina (Foto: Intagram)


Há pressão para voltar a jogar?
Ninguém concordou com o fato de eu ter parado de jogar. Está todo mundo me “enchendo” para voltar, especialmente minha esposa, que está comigo desde os 18 anos. Ela fala muito que eu não deveria parar assim. Estou treinando para ficar pronto. Ainda não sei se vou voltar. Mas não posso chegar a novembro ou dezembro e decidir voltar do nada. Então por isso estou me preparando.


Você teve problema com alguns torcedores nas redes sociais na época de Botafogo. Hoje o pessoal está animado com seu possível retorno.
É difícil agradar todo mundo. Mas sempre tentei ser o mais profissional o possível, sem sacanear ninguém. Com certeza a torcida esperava mais de mim no Botafogo. Eu também esperava mais. Não consegui e decidi sair. Não fiquei atrapalhando e cobrando um salário que eu não considerava justo. Sempre dei o meu máximo.


No Botafogo não deu certo, mas a torcida sabe que dei o meu máximo. A vida às vezes te dá uns socos. Estou tranquilo. Hoje, alguns torcedores pedem para eu voltar. Mas o Botafogo tem uma torcida muito grande, e não sei se esse é o pensamento de todos. Se eu voltar a prioridade é do Botafogo, por respeito ao clube, aos companheiros. Mas ainda estamos no final de setembro. Até janeiro tem muita coisa para rolar.



Montillo em sua casa nesta sexta-feira. Volta ao futebol em 2018 é uma possibilidade real (Foto: Marcelo Baltar)


Em recente entrevista, o presidente Carlos Eduardo Pereira e com o vice-geral e candidato a presidente, Nelson Mufarrej, disseram que as portas estão abertas para o seu retorno.
Temos um relacionamento muito bom. Foi sincero da minha parte, e deles também. Todos foram muito honestos e deixaram as portas abertas para eu voltar ao clube. Não sei o que vai acontecer, mas tenho que estar preparado.


Só tenho elogios para o pessoal do Botafogo. Todos foram muito bons comigo. O presidente, o Gustavo Noronha (diretor jurídico responsável pela negociação com Montillo)... Foi uma situação diferente, não lembro de outro jogador ter feito essa loucura que fiz (risos).


Confira a entrevista em que os dirigentes abrem as portas do Botafogo a Montillo


O Carli falou que vai convencê-lo a voltar.
(risos). Ele não concordou com a minha decisão. Quando decidi parar, ele foi o primeiro a falar comigo: “Cara, você está maluco, não pode fazer isso”. Foi um pensamento egoísta meu. Mas o Carli nunca concordou. Falo sempre com ele, saímos para jantar com o Gatito, temos um bom relacionamento. Moramos próximos, saímos com as famílias. Ele sempre me pressiona para voltar. Ele é muito gente boa.


Tenho acompanhado o Botafogo. Fiquei feliz pelo João Paulo. É um cara nota 10, que está jogando muito bem. Ficou muito feliz mesmo. Talvez, se eu ficasse, ele não teria tantas chances. Ele pegou a camisa 10 e está muito bem. É um menino tranquilo, trabalhador, que sempre está de cara boa, querendo ajudar. É uma pessoa que conheci neste ano, mas gosto muito. Um menino do bem. Fico muito feliz por ele. Meteu um golaço no fim de semana contra o Coritiba.


O Camilo também disputava posição contigo. Quando saiu do Botafogo, ele disse que se sentiu mal com a sua aposentadoria pelo fato de ter cobrado o Jair pela questão de posicionamento.
Não tem isso. Foi uma questão dele com o Jair. Ele não gostava de jogar pelos lados. Eu não tinha nada a ver. Sempre que fui escalado pelo Jair em uma posição diferente, eu não falei nada, até porque nunca fiz isso na minha vida.


É claro que nós temos uma ou duas posições preferidas. Foi um problema do Camilo com o Jair. Mas eu nunca tive problema com ele. É um cara muito tranquilo. É claro que são 30 jogadores no elenco, e alguém vai ficar no banco chateado. Mas isso é normal no futebol. Aconteceu, e agora desejo toda a sorte para o Camilo no Inter.


Tem acompanhado futebol na televisão?
Sim, acompanho. Não todos, mas vejo os jogos do Botafogo. Também gosto de assistir futebol argentino. Mas acompanho mais o Botafogo. Tenho muitos amigos no clube e fico torcendo.


Como viu as campanhas do Botafogo na Libertadores e na Copa do Brasil?
Fiquei muito feliz. Acompanhei em silêncio. O Carli sempre me chamava para os jogos. Não sou louco. Não queria ser “pé-frio” para ninguém (risos). Estava dando certo, melhor assim. Ficava em casa torcendo.


Mas sempre acompanhei. O Carli me chamava para ir ao vestiário, mas sou muito supersticioso. Por isso nunca coloquei nada em redes sociais durante os jogos. Infelizmente o Botafogo saiu, mas não merecia. Jogou muito bem. Acho que o Grêmio foi um pouquinho melhor no Rio, mas lá o Botafogo merecia mais. O Grêmio não conseguiu jogar como vinha jogando. O Botafogo é um time muito chato de se enfrentar. Ainda mais fora de casa. Merecia algo a mais.



Carli, Montillo, Gatito. Amigos tentam convencer o meia argetino a voltar ao futebol. De preferência, ao Botafogo (Foto: Divulgação)


Deu vontade de estar em campo?

Com certeza. Dá vontade de ajudar. Os caras que eram meus companheiros há três meses estavam dando a vida dentro de campo. É claro que eu queria estar lá dentro ajudando. Mas eles são os protagonistas agora. Eu fico na minha torcendo de fora.


O projeto do Botafogo é voltar à Libertadores em 2018. Quem sabe com você em campo...(risos). 
Tomara que o Botafogo consiga essa vaga. Acho que vai conseguir. O time é bom, está bem encaixadinho, o Jair está armando bem a equipe. Merece. Teve um ano muito corrido e difícil. Todos estão de parabéns.


E a Universidad de Chile? 
Recentemente você foi ao Chile acompanhar um jogo.
Fomos ao Chile porque meu filho queria ver um jogo da La U. Foi muito lindo, tenho lembranças muito boas. Fui muito feliz lá, meus filhos são chilenos. Sempre falei que voltaria para encerrar a carreira. Por isso que eu falo, se eu voltar, a prioridade também é deles.


Eu não voltaria para outro time que não seja a La U ou o Botafogo. Penso assim. Não quero rodar por outro clube. O Botafogo porque não consegui mostrar tudo o que eu queria. Ficou esse sentimento de que eu poderia ter feito mais. E na La U todos gostam de mim, e eu gosto muito deles.


Teve algum tipo de conversa para o futuro?

Não, fomos apenas assistir ao jogo. Também é cedo. Estamos chegando a outubro. Em novembro ou dezembro a gente conversa com os times.



Há três meses Montillo chorou ao anunciar o adeus ao futebol (Foto: Satiro Sodré/SSPress/Botafogo)


E o Cruzeiro?
Só tenho boas lembranças. Mas saí há muito tempo de lá. Fiquei feliz pelo título da Copa do Brasil porque sou muito amigo do Henrique. Recentemente fui a Belo Horizonte jantar com ele. Um menino muito bom de bola. Fui muito feliz no Cruzeiro. Sai com uma diferença com o presidente (Gilvan Tavares), que ainda está no clube. Mas gosto muito dos funcionários do clube.


Qual é a porcentagem de você voltar a jogar?
Difícil falar. Não falei com nenhum time ainda. Vamos deixar sem porcentagem. Em novembro ou dezembro falamos novamente. Mas estou me sentindo bem, no peso correto. Estou bem. Isso é o melhor, poder treinar sem dor. Não sabia o que era isso há muito tempo. Estou feliz.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar, Rio de Janeiro

quinta-feira, 28 de setembro de 2017

Céu é o limite? Matemático indica chances de G-7, G-4 e até título do Botafogo: confira!


Tristão Garcia apresenta cálculos das pontuações necessárias para as pretensões alvinegras no Brasileiro. Por Libertadores sem depender dos outros, time precisa manter "média de campeão"






Melhor do returno, Botafogo venceu cinco dos seis jogos disputados (Foto: Divulgação)


Melhor time do returno, com vaga no G-6 e foco exclusivo no Campeonato Brasileiro, o Botafogo não esconde de ninguém que a meta para os últimos meses do ano é carimbar a passagem para a Libertadores de 2018. Mas a confiança é tanta que o presidente Carlos Eduardo Pereira comentou durante a semana que "o céu é o limite", citando a queda de rendimento do líder Corinthians.


Com a Copa do Brasil nas mãos do Cruzeiro, ele já se garantiu na Libertadores do ano que vem, e o Brasileirão passa a ter um G-7 como zona de classificação para a Pré-Libertadores, uma vez que o time mineiro está entre os seis primeiros – voltará a ser G-6 se a Raposa perder posição. Porém, o G-4 é que segue dando vaga direta na fase de grupos da principal competição da América do Sul.


Para saber qual o limite do céu do Botafogo no campeonato, restando 13 rodadas, o GloboEsporte.com consultou os números. O matemático Tristão Garcia, do site "Infobola" e especialista em probabilidades no futebol, fez os cálculos e apresentou as chances alvinegras tanto para G-4, G-7, contra Z-4 e até de título. Impossível? Praticamente. Mas aquele 1%...



Após boa participação, meta do time é voltar à Libertadores em 2018 (Foto: Giuliano Gomes/Agência PR Press)


TÍTULO

São 14 pontos de distância para o Corinthians. Dá para sonhar? O momento dos dois clubes deixa um fio de esperança vivo: o líder atravessa uma má fase e vem perdendo pontos, enquanto o Botafogo é o melhor time do returno com cinco vitórias em seis jogos.


Mas para Tristão Garcia, o Alvinegro tem apenas 1% de chances de ser campeão. Embora reconheça que a média da equipe no returno seja fantástica, mesmo conseguindo o improvável desafio de mantê-la até o final, dificilmente irá ultrapassar o rival paulista.


– Essa média é excelente, isso é um espetáculo. Com ela estamos falando em G-3, G-2... Mas isso é difícil de manter. O Corinthinas está dando um alento, embora não ache que perca de jeito nenhum esse título – opinou o matemático.


Pelos seus cálculos, um time garante o título sem depender de outros resultados com 76 pontos. Com mais 39 em disputa, o Botafogo só conseguiria alcançar o número se vencer 12 das 13 partidas restantes.


CHANCES DE TÍTULO


TIME PORCENTAGEM
Corinthians 84%
Palmeiras 6%
Grêmio 4%
Santos 3%
Cruzeiro 1%
Botafogo 1%
Flamengo 1%


G-4

Se para título é algo muito difícil, para a vaga na Libertadores já passa a ser algo bem mais palpável para o Alvinegro, embora ainda seja menor que 50%. Segundo o matemático, o time de Jair Ventura tem 43% de chances de beliscar uma vaga direta na fase de grupos. O que é a meta do elenco, da torcida e da diretoria para o fim do ano.


O número mágico que garante o G-4 sem depender de outros resultados é de 64 pontos. Ou seja, o Botafogo precisaria de 24 em 39 disputados, uma média de quase dois pontos por jogo. Mas tendo em conta que terá três jogos seguidos no Rio de Janeiro agora (contra Vitória e Chapecoense no Nilton Santos e Vasco em São Januário), se ganhá-los ficará bem na fita.


– Não tem ninguém garantido no G-4, salvo o Corinthians praticamente. Então são três vagas em aberto. Para não depender de ninguém, o Botafogo precisa de uma média de excelência, de campeão, que é de dois pontos por jogo.


– Mas se vencer as próximas três, chegará a 49 pontos e poderá ganhar uma e perder outra até o final que terminará com 64 pontos –observou.


CHANCES DE G-4


TIME PORCENTAGEM
Corinthians 99%
Palmeiras 76%
Santos 70%
Grêmio 69%
Botafogo 43%
Flamengo 27%


PRÉ-LIBERTADORES*

Já quando o assunto é a zona de classificação para a Pré-Libertadores, que pode variar de G-6 a G-9 se dois times brasileiros conquistarem a Libertadores e a Sul-Americana e juntos com o Cruzeiro terminarem entre os seis primeiros do Brasileiro, o Botafogo vai muito bem, obrigado.


A matemática aponta para 59 pontos o necessário para garantir a classificação à fase prévia da Libertadores sem depender de outros resultados. Com isso, o Alvinegro só precisaria conquistar mais 19 pontos, ou seja, praticamente metade do que resta a disputar. Nesse caso, as chances de classificação do time sobem para 77%.


CHANCES DE PRÉ-LIBERTADORES

TIME PORCENTAGEM
Corinthians 99%
Palmeiras 95%
Santos 93%
Grêmio 92%
Botafogo 77%
Flamengo 64%


Z-4

E por último, mas não menos importante, os riscos de rebaixamento. Diferente dos últimos anos, o Botafogo versão 2017 briga lá em cima, e não contra a degola. Porém, ainda não alcançou a pontuação necessária que a matemática garante o alívio sem depender dos outros: 47 pontos.


Este ano a pontuação de corte está um pouquinho mais alta, mesmo assim o Alvinegro está perto de atingi-la com mais sete pontos. Segundo Tristão Garcia, não é algo para se preocupar. Os cálculos do matemático apontam 0,1% de risco de rebaixamento.


*Obs: a porcentagem pode aumentar caso um brasileiro conquiste a Libertadores ou a Sul-Americana, o que abriria mais vagas no torneio via Campeonato Brasileiro.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago Lima, Rio de Janeiro

Conmebol divulga calendário de 2018 com "eventual final única" para Libertadores


Com quatro meses de antecedência, entidade anuncia cronograma, deixa aberta possibilidade de decisão com só um jogo e ainda marca data: 1º de dezembro, em um sábado








Além de ampliar os ganhos para seus torneios a partir de 2019, a Conmebol também anunciou o calendário de suas competições de clubes para 2018. Nas datas anunciadas, uma chama atenção. A entidade deixou marcada uma eventual final única para a Libertadores para o dia 1º de dezembro do próximo ano, um sábado. No entanto, a mudança no formato do torneio ainda não está garantida, e os dias 7 e 28 de novembro estão reservados para os dois jogos da decisão, caso o regulamento seja mantido (veja o calendário completo mais abaixo).


A final única é um desejo do presidente da Conmebol, Alejandro Domínguez. O martelo sobre a adoção ou não do modelo europeu na decisão será batido no final deste ano. Quatro cidades surgiram como candidatas a receber o evento: Lima, São Paulo, Rio de Janeiro e Miami.


O calendário foi aprovado em reunião do Conselho da Conmebol, nesta quarta-feira, em Bogotá. Pela primeira vez, a entidade divulgou o cronograma com tanta antecedência. A Libertadores começará no dia 22 de janeiro de 2018, com os jogos de ida da primeira de três fases anteriores à fase de grupos. A segunda fase, onde entram os primeiros brasileiros na disputa, está marcada para os dias 31 de janeiro e 7 de fevereiro.


Os jogos da fase de grupos terão seu pontapé inicial no dia 28 de fevereiro e irão até o dia 23 de maio. Devido à Copa do Mundo, o mata-mata da Libertadores só será disputado a partir de agosto. Portanto, a competição ficará parada por quase três meses. O jogo de ida das oitavas de final está marcado para o dia 8 de agosto.


A Recopa Sul-Americana, que reúne os vencedores da Libertadores e da Copa Sul-Americana do ano anterior, será disputada nos dias 7 e 21 de fevereiro. Em 2018, a taça pode ter dois brasileiros, com o Grêmio de um lado, e Sport, Flamengo ou Fluminense de outro. A Copa Sul-Americana começará no dia 14 de fevereiro, com seis partidas da primeira fase, e tem seus dois jogos da final marcados para os dias 5 e 12 de dezembro.


CONFIRA O CALENDÁRIO COMPLETO:



Confira o calendário completo da Conmebol em 2018 (Foto: Divulgação/Conmebol)


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com, Assunção





quarta-feira, 27 de setembro de 2017

Olho no General: Botafogo recusa oferta de R$ 11 milhões da Udinese por Igor Rabello


Representante do clube italiano no Brasil procura diretoria alvinegra, que considera valores muito baixos, mas uma nova investida pode ser feita pelo zagueiro de 22 anos. Multa é de R$ 40 milhões





Joia, Igor Rabello é titular absoluto do Botafogo ao lado de Carli (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)


A bela campanha do Botafogo na Libertadores repercutiu não só dentro, como também fora do Brasil. E alguns jogadores se valorizaram no torneio, como por exemplo Igor Rabello. O jovem zagueiro, de 22 anos, chamou a atenção do futebol italiano pelo perfil, e a Udinese correu à frente para tentar contratar o defensor, que ganhou o apelido da torcida de "General".


Luciano Ramalho, representante da Udinese no Brasil, procurou o empresário do zagueiro, Anselmo Paiva, e a diretoria do Botafogo e apresentou uma proposta inicial de cerca de € 3 milhões (aproximadamente R$ 11,2 milhões). Mas os dirigentes alvinegros consideraram o valor muito baixo e recusaram a oferta. Rabello tem contrato atéo fim de 2019 e multa de € 10 milhões (R$ 40 mi).


– Tivemos uma reunião na semana passada com a pessoa que faz as operações da Udinese no Brasil. Vimos uma boa perspectiva para ele. Conversamos com o Botafogo, que achou o valor inviável no momento. Foi uma primeira conversa – confirmou Paiva, procurado pelo GloboEsporte.com.



Zagueiro tem 38 jogos e um gol marcado pelo profissional do Alvinegro (Foto: Divulgação)

Nas bastidores, porém, o Botafogo não descarta vender sua joia se subirem a proposta. Apesar de estar em dia com todas as suas obrigações, o clube ainda se vê enforcado financeiramente e prevê 2018 ainda mais difícil com os aumentos das parcelas do Profut e do Ato Trabalhista. Fazer caixa com jogadores faz parte dos planos, embora o clube não colocar a pretensão no orçamento.


Procurado pela reportagem, Ramalho deu a entender que a Udinese não desistirá, apesar da negativa inicial do Botafogo. O agente, que já levou os zagueiros Danilo (ex-Palmeiras) e Samir (ex-Flamengo) para o clube italiano, disse que Rabello tem o perfil de jogador que agrada no país.


– O Igor é um jogador que tem o perfil e vínhamos monitorando. Foi uma primeira conversa, mas respeitamos o momento importante do Botafogo, que estava envolvido em jogos decisivos da Libertadores e da Copa do Brasil. É um jogador que agrada e estamos trabalhando para o que for melhor para os clubes e para o jogador – explicou o agente.


A janela de transferências internacionais da Itália fechou no final de agosto e só reabre dia 3 de janeiro. Com isso, a ideia de contratar o zagueiro seria só para 2018. Outros clubes italianos também monitoram o zagueiro, como por exemplo o Atalanta, e podem fazer ofertas. O Botafogo protege o seu "General" enquanto monitora a situação.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago Lima, Rio de Janeiro

Intensidade: Jair aproveita semana cheia e testa variações no Botafogo


Com raro tempo sem jogos, comissão técnica promove atividade de mais de duas horas e faz testes. Pimpão vai a campo, mas não treina com bola. Guilherme e Luis Ricardo são poupados





A semana sem jogos no Campeonato Brasileiro proporcionou ao Botafogo algo raro: tempo para treinar. E Jair Ventura vem aproveitando bem a semana cheia. Nesta quarta-feira, o trabalho em campo no Nilton Santos durou mais de duras horas, com treinos físico e técnico.


Foi uma atividade intensa, debaixo de um sol escaldante e muito calor. Poupados na terça-feira, Victor Luis, Rodrigo Lindoso e Bruno Silva participaram normalmente. Por outro lado, Luis Ricardo e Guilherme ficaram na academia e não foram a campo. Pimpão, em recuperação de uma pancada no joelho, participou de todo o trabalho físico, mas não trabalhou com bola.


Primeiro o preparador físico Ednilson Sena “arrancou o couro” da rapaziada. Na sequência, a comissão técnica teve tempo para trabalhar fundamentos, como cruzamentos e finalizações, com os jogadores.



Apesar do calor no Rio de Janeiro, jogadores fizeram treino intenso nesta quarta-feira (Foto: Marcelo Baltar)


Em seguida, mais trabalho técnico, com uma atividade de dois toques em campo reduzido. No treino, Jair Ventura testou variações. Provável substituto de Roger (suspenso) contra o Vitória, Brenner ficou o tempo todo entre os titulares. Marcos Vinícius e Leo Valencia também tiveram oportunidade na equipe principal.


Foi uma das raras oportunidades que a imprensa teve para acompanhar o treino na íntegra. Jair, no entanto, só deve começar a esboçar a equipe que enfrenta o Vitória nesta quinta-feira. Sexto colocado, com 40 pontos, o Botafogo enfrenta os baianos no domingo, às 16h, no Nilton Santos.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar, Rio de Janeiro

terça-feira, 26 de setembro de 2017

Líder do returno, presidente do Bota cita queda do Corinthians: "Céu é nosso limite"


Alvinegro ocupa a sexta posição do Campeonato Brasileiro, com 40 pontos, e vem de quatro vitórias seguidas; mandatário ainda revela detalhes finais para aquisição de CT




Cep, sobre o Brasileiro: "O Corinthians perdeu pts importantes.
O céu é o nosso limite: #gebota https://t.co/QT55mSXMyr
Ao menos no discurso, a eliminação na Libertadores é coisa do passado no Botafogo. O bom momento no Campeonato Brasileiro tem ajudado o clube a esquecer a derrota para o Grêmio. Líder do returno com 15 pontos, com quatro vitórias seguidas, o Alvinegro está na zona de classificação para a Libertadores. Motivos para sonhar alto? O presidente Carlos Eduardo Pereira acredita que sim.


- O Corinthians perdeu pontos importantes. O céu é o nosso limite. Temos que seguir trabalhando duro e buscar o melhor resultado possível sem estabelecer metas. Confio muito no que esse elenco do Botafogo pode realizar – disse Carlos Eduardo Pereira, durante o lançamento do projeto “O Rio planta, e o Botafogo cuida”, nesta terça-feira, no Nilton Santos.


No momento, o Botafogo soma 40 pontos e está a 14 do líder Corinthians. Falta 13 rodadas para o fim do Campeonato Brasileiro.


Detalhe burocrático atrasa anúncio de CT

Sobre a aquisição do Centro de Treinamento em Vargem Pequena, o presidente reiterou que um detalhe burocrático está atrasando o anúncio. O dirigente, no entanto, está otimista em um desfecho rápido e positivo da transação.


- Estamos na reta final de um detalhe burocrático porque algumas construções não estavam registradas na Prefeitura. Então estamos avaliando o custo disso com os proprietários e como fazer a negociação com os proprietários. São detalhes burocráticos, mas que que são importantes e precisam atender os irmãos Moreira Salles. Mas estamos confiantes e como temos um prazo relativamente folgado, é importante avaliar os custos do projeto, uma vez que ele não será adquirido se não estiver legalizado – concluiu.


O Botafogo negocia a aquisição do Espaço Lonier, em Vargem Pequena, por R$ 20 milhões. O clube ainda terá R$ 5 milhões obras no local.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar, Rio de Janeiro

Arnaldo confirma renovação próxima com o Botafogo: "Só falta assinar"


Negociação com representantes do lateral-direito já está em estágio avançado para um contrato de dois anos, e o pagamento de R$ 300 mil à Penapolense deve ocorrer de forma parcelada




Do ano passado para cá, a lateral direita do Botafogo vem passando por muitas mudanças, desde a lesão de Luis Ricardo. Na época, Alemão chegou do Bragantino, agradou, mas os clubes acabaram não se acertando e o atleta foi para o o Internacional. Agora, para o filme não se repetir, o Alvinegro busca acordo de renovação com Arnaldo, que chegou do Ituano ainda desconhecido, mas que conquistou a torcida e time rapidamente. Se depender do atleta, não será uma missão das mais complicadas:


- Falta assinar. Praticamente assinar. As partes já se acertaram, faltam detalhes. Eu quero ficar. Estou ambientado, correu tudo bem. Tem tudo para o Arnaldo seguir no Botafogo - disse o lateral.



Arnaldo vem se destacando e revela desejo de seguir no Botafogo (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)


O Botafogo tem um acordo verbal com o agente Eduardo Madeira e o grupo de empresários da Elenko por Arnaldo. Eles acertam os detalhes para o pagamento parcelado dos R$ 300 mil à Penapolense, e as tratativas estão avançadas para um contrato de dois anos.


Nesta terça-feira, Arnaldo e o restante do elenco do Botafogo se reapresentaram após a vitória sobre o Coritiba. O bom resultado trouxe de volta os sorrisos que andavam sumidos desde a eliminação na Libertadores.


- Esquecer a Libertadores é meio difícil. Mas temos que tocar a bola para frente. Aqui foi o clube mais “família” que joguei. O clube me acolheu muito bem quando cheguei. Tem essa alegria, esse algo a mais que é sempre bom. Acho que saímos da Libertadores de cabeça erguida. Chegar às quartas de final é para poucos.


Suspenso pelo terceiro cartão amarelo, Arnaldo não enfrenta o Vitória, no domingo. Luis Ricardo será seu substituto.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar, Rio de Janeiro

segunda-feira, 25 de setembro de 2017

Vida pós-Libertadores: Botafogo começa a testar alternativas no esquema de jogo


Com mais tempo para treinar agora, Jair apresenta variações táticas no Alvinegro e tenta voltar a surpreender adversários depois de ficar com a formação do meio campo de volantes previsível




Melhores momentos: Coritiba 2 x 3 Botafogo pela 25ª rodada do Brasileirão


Há vida fora da Libertadores, até para se chegar na próxima. Agora que só restou ao Botafogo o Campeonato Brasileiro para disputar nos últimos meses do ano, Jair Ventura terá o que sempre se queixou no apertado calendário de 2017: tempo para treinar. Não só os fundamentos, mas principalmente variações táticas para voltar a surpreender os adversários.


O meio de campo que se formou na emergência das saídas de Camilo e Montillo, com quatro volantes, sendo João Paulo improvidado mais à frente, encaixou bem para os jogos mata-mata, tanto da Libertadores quanto da Copa do Brasil. Mas o Botafogo passou a ser mais visado e estudado, e adversários como Flamengo e Grêmio conseguiram marcar o esquema, que ficou previsível.




Gilson não conseguiu render mais uma vez pelo meio (Foto: Giuliano Gomes/Agência PR Press)


Encontrar variações e novos fatores surpresas passou a ser uma necessidade, e Jair já testou um esquema diferente na vitória sobre o Coritiba por 3 a 2 no Couto Pereira, no último domingo (veja os lances no vídeo acima). Curiosamente, foi uma formação mais defensiva, com Gilson improvisado como meia no luar do poupado Pimpão, saindo de um 4-3-1-2 para um 4-3-2-1.


A dobradinha de laterais-esquerdos, que funcionou no ano passado com Diogo Barbosa, não foi a primeira vez a ser testada com Victor Luis e Gilson. Mas ainda não foi agora que ela funcionou. O time fez um primeiro tempo muito abaixo da média e só melhorou na etapa final após a entrada de mais opções de frente. E a tendência é que o técnico teste esquemas mais ofensivos também.




Valencia e Marcos Vinícius e Lindoso e Matheus Fernandes podem disputar posição (Foto: GloboEsporte.com)


Diferentemente do que parte da torcida pensa, Jair prefere jogar para frente, mas encontrou um melhor equilíbrio com a tática deixada por Ricardo Gomes. No primeiro semestre do ano, chegou a usar em várias partidas três atacantes, mas foi alvo de críticas porque a marcação não encaixou na formação, deixando o meio campo aberto e o time exposto.


Muitos alvinegros estranharam o fato de Valencia, contratado para ser o que Montillo não foi, ter ficado o tempo todo no banco contra o Coritiba. Mas o meia chileno deve ganhar nova chance no time titular em breve. A formação que tinha o gringo na armação e rendeu grande atuação nos 2 a 0 sobre o Flamengo é uma das favoritas para jogos no Nilton Santos.



Botafogo voltou a sofrer gol de bola parada e chuveirinho na área


O setor que menos precisa de ajustes é a defesa, ponto forte do time. A dupla de zaga Carli e Igor Rabello vem funcionando muito bem, enquanto Arnaldo e Victor Luis conseguem tantor fechar as laterais quanto atacar. A única correção a ser feita é na marcação por zona na bola parada, que mais uma vez ocasionou em gol para o adversário, assim como na eliminação da Libertadores.


Para enfrentar o Vitória no domingo, às 11h (de Brasília) no Nilton Santos, Jair já vai ser forçado a duas mexidas no time: Arnaldo e Roger estão suspensos e provavelmente darão vagas a Luis Ricardo e Brenner, respectivamente. Mas outras mudanças por opção podem ocorrer. Há margem para testes, porém, não para erros. Com 40 pontos, o Botafogo defende sua posição no G-6.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago Lima, Rio de Janeiro

domingo, 24 de setembro de 2017

Botafogo faz pazes com a rede, vira sobre o Coritiba e toma lugar do Flamengo no G-6


Melhor time do returno do Brasileiro, Alvinegro volta a balançar a rede após passar em branco nos jogos com Grêmio na Libertadores, faz 3 a 2 no Couto Pereira e usa de novo remédio contra ressaca






Os gols de Coritiba 2 x 3 Botafogo pela 25ª rodada do Brasileirão


Libertadores? Ela ainda é assunto no Botafogo, mas não a que passou, e sim a edição de 2018. O Alvinegro espantou a ressaca da eliminação para o Grêmio com uma vitória maiúscula por 3 a 2 sobre o Coritiba no Couto Pereira. Roger, Guilherme e João Paulo marcaram (veja no vídeo acima).


O time de Jair Ventura segue como o melhor do segundo turno do Campeonato Brasileiro e entrou no G-6 com 40 pontos, pegando a vaga que estava com o Flamengo na zona de classificação para o torneio continental. Distância para o G-4, meta do clube agora, segue de três pontos.



Roger chegou a 17 gols no ano e está a 5 de sua melhor marca (Foto: Giuliano Gomes/Agência PR Press)


NOVA REAÇÃO-RELÂMPAGO
A eliminação da Libertadores ainda dói, mas o Botafogo versão 2017 deu mais uma prova de sua maturidade na temporada. Mais uma vez, o time teve uma reação-relâmpago após um trauma. Depois de vencer Sport e Bahia logo após as eliminações no Carioca e na Copa do Brasil, desta vez o remédio para a ressaca do torneio internacional foi um triunfo fora de casa sobre o Coritiba.


PAZES COM A REDE
Depois de passar os dois jogos das quartas de final contra o Grêmio sem marcar, o Botafogo fez as pazes com a rede neste domingo. E foi em dose tripla: Roger, Guilherme e João Paulo. Por sinal, o camisa 9, maior artilheiro dos clássicos no Brasil, voltou a deixar a sua marca sem ser contra os rivais cariocas e chegou a 17 gols na temporada. Sendo 10 no Brasileiro, onde retornou à briga pelo posto de goleador, atualmente com Henrique Dourado, do Fluminense, com 14.



NOVA FORMAÇÃO
Jair Ventura surpreendeu ao escalar Gilson no lugar do poupado Pimpão. Com um segundo lateral-esquerdo, o time saiu do 4-3-1-2 para um 4-3-2-1, mas a dobradinha que já deu certo no ano passado (só que com Diogo Barbosa) ainda não surtiu o mesmo efeito em 2017. O ala não entrou no mesmo ritmo dos demais e errou passes e finalizações. O time só melhorou com as mexidas no segundo tempo e a mudança de tática.



Formação com Gilson improvisado no meio não funcionou (Foto: Giuliano Gomes/Agência PR Press)


FANTASMA CONTINUA

Pelo segundo jogo seguido, o Botafogo sofreu gols de bola parada. Assim como Barrios, do Grêmio, eliminou o Alvinegro da Libertadores na última quarta-feira, neste domingo Werley também achou espaço na marcação alvinegra por zona. Mas desta vez não fez tanto estrago, já que o time buscou a virada. Já são 13 gols levados de faltas indiretas ou escanteios dos 20 sofridos em chuveirinhos na temporada.


GATITO X PÊNALTIS
O goleiro paraguaio já tinnha um aproveitamento espantoso nos pênaltis, e mesmo assim ele consegue melhorar sua marca. Neste domingo, pegou a cobrança de Thiago carleto e defendeu o oitavo de 13 pênaltis batidos contra ele em 2017. Um aproveitamento de 61,5%. É realmente um monstro no desafio da marca da cal, só não teve uma tarde perfeita porque aceitou a cobrança de falta do próprio Carleto depois.


AGENDA
O Botafogo volta a campo no próximo domingo, quando receberá o Vitória às 11h (de Brasília), no Nilton Santos.


ATUAÇÕES

Gatito [GOL]: 6,5
Arnaldo [LAD]: 7,0
Carli [ZAG]: 7,0
Igor Rabello [ZAG]: 6,5
Victor Luis [LAE]: 6,0
Matheus Fernandes [VOL]: 5,5
(Marcos Vinícius [MEI]): 6,5
Bruno Silva [VOL]: 7,0
(Dudu Cearense [VOL]): 6,0
Lindoso [VOL]: 6,0
João Paulo [MEI]: 7,5
Gilson [MEI]: 5,0
(Guilherme [ATA]): 7,0
Roger [ATA]: 7,0


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com, Curitiba

sábado, 23 de setembro de 2017

Pe$o no bol$o: Botafogo lucra mais do que marketing de 2016 só com a Libertadores


Participação rendeu R$ 25,7 milhões, cerca de R$ 1 mi a mais do que receita de publicidade e venda de atletas no ano passado. Vice financeiro cita importância do torneio em 2018: "Ano mais apertado"






A Libertadores acabou precocemente para o Botafogo nas quartas de final, mas vai ser difícil esquecer a campanha alvinegra. Tanto em campo, pelos grandes jogos e festas da torcida, quanto no bolso: só com os 14 jogos disputados no torneio, de fevereiro a setembro, o clube teve uma receita bruta maior do que obteve com marketing e venda de jogadores nos 12 meses da temporada de 2016.


Ao todo, o Alvinegro recebeu cerca de R$ 13,5 milhões em premiações desde a Pré-Libertadores, mais um lucro de R$ 12.295.035,00 da bilheteria de 222.817 pagantes nas sete partidas como mandante no Nilton Santos. Somadas as fontes de renda, o valor ficou aproximadamente em R$ 25,7 milhões. Um milhão a mais do que a receita de marketing do ano anterior e quase três vezes o patrocínio master da Caixa Econômica Federal para 2017 (R$ 10 milhões).


Em 2016, segundo balanço financeiro do clube, o Botafogo arrecadou R$ 14.515.000,00 com publicidade, patrocínio, locação e participação – incluindo vendas de jogos para outras praças e aluguel de General Severiano para a Áustria nos Jogos Olímpicos. Com mais R$ 1.256.411,08 do programa de sócio-torcedor e R$ 9 milhões da venda de Ribamar para o Munique 1860, da Alemanha, o total ficou em R$ 24,7 milhões – sem considerar cotas de TV.



Botafogo teve R$ 12,2 milhões só com bilheteria em sete jogos no Nilton Santos (Foto: Thiago Lima)

Claro, há uma diferença do valor bruto para o líquido, que de fato entra nos cofres do clube. Dos R$ 25,7 milhões da Libertadores se descontam as despesas de logísticas com as viagens, as penhoras judiciais sobre bilheterias, repasse para abatimento de dívidas e pagamento de bichos por classificação – a diretoria dividia os prêmios com o elenco e comissão técnica.


A Libertadores proporcionou esse lucro todo mesmo sem ir à final. Se tivesse passado pelo Grêmio, se vingasse contra o Barcelona de Guayaquil e chegado até à grande decisão, seriam pelo menos mais R$ 8,6 milhões garantidos só de premiação, ou R$ 13,2 milhões em caso de título. Isso sem contar a bilheteria de mais dois jogos em um Nilton Santos lotado.


Não há como negar a importância da Libertadores para a saúde dos cofres de General Severiano, segundo o vice-presidente financeiro do Botafogo, Luiz Felipe Novis. O dirigente cita que uma nova classificação poderá ajudar o clube a respirar em 2018, ano que promete ser mais complicado, principalmente devido ao aumento das parcelas do Profut e do Ato Trabalhista.



Luiz Felipe Novis espera voltar à Libertadores em 2018 para ajudar nas finanças (Foto: Thiago Lima)


– Realmente é um torneio importante, que paga prêmios interessantes, tem uma bilheteria positiva, isso fora o prestígio da marca, que atrai patrocinadores e tudo mais. E se torna ainda mais importante em um ano onde reconhecidamente será mais apertado em termos financeiros – disse Novis, que explicou estar elaborando o orçamento de 2018 sem prever a Libertadores.


– Na elaboração do orçamento para 2018 estamos sendo extremamente conservadores e não estamos considerando qualquer tipo de premiação, seguindo orientação do presidente, Carlos Eduardo Pereira, e com a concordância do vice geral, Nelson Mufarrej. Mas a expectativa é bastante grande do próprio time, torcida e diretoria de garantir a classificação para o ano que vem.


O orçamento de 2017 também foi previsto sem o fator da classificação para a Libertadores, o que só foi confirmado na última rodada do Campeonato Brasileiro do ano passado. Desta forma, toda a receita que entrou através do torneio foi um extra que permitiu o pagamento de bichos e contratações pontuais, como a do chileno Valencia, sem comprometer as contas do clube.


Fonte: GE/Por Thiago Lima, Rio de Janeiro

quinta-feira, 21 de setembro de 2017

Jogadores do Botafogo admitem "gostinho de quero mais" e projetam volta à Liberta


Mosaicos, estádios cheios, clima de final... Ingredientes seduzem alvinegros, e João Paulo, Victor Luis, Gatito e Pimpão reforçam confiança em vaga: "É clube para jogar a Libertadores, como nós vimos"





Mosaicos, festas, grandes jogos... Libertadores vai deixar saudades (Foto: Satiro Sodré / SSpress / Botafogo)


Estádios cheios, mosaicos, ingressos e copos personalizados, clima de final a cada jogo... A Libertadores vai deixar saudades não só nos torcedores, como também entre os próprios jogadores. Em General Severiano ou Nilton Santos, nunca foi proibido admitir que disputar o principal torneio da América do Sul tinha uma sensação diferente.


E agora, após 14 jogos eletrizantes e a dolorosa eliminação nas quartas de final para o Grêmio, os atletas alvinegros não escondem que ficou um "gostinho de quero mais". Como por exemplo Pimpão, que aguçou sua veia goleadora na Libertadores e se tornou o maior artilheiro do clube na história do torneio com cinco gols, empatado com Jairzinho e Dirceu na década de 70.


– Do tanto que a gente lutou, batalhou para chegar onde chegou, nós não merecíamos sair como saímos. Mas de cabeça erguida, é pensar no Brasileiro para conquistar a vaga novamente. Porque o Botafogo é clube para jogar a Libertadores, como nós vimos – disse o atacante.


– Temos que buscar de novo, vamos batalhar para conseguir essa classificação, estamos pertos, não abandonamos o Brasileiro. É gratificante ver um grupo como esse, estar disputando uma Libertadores com homens, com jogadores que lutaram do início ao fim.

Gatito se consagrou na Libertadores e virou titular do Botafogo até com a volta de Jefferson (Foto: Reprodução)Gatito se consagrou na Libertadores e virou titular do Botafogo até com a volta de Jefferson (Foto: Reprodução)Gatito se consagrou na Libertadores e virou titular do Botafogo até com a volta de Jefferson (Foto: Reprodução)
Outro que teve enorme destaque na Libertadores e se valorizou foi Gatito Fernández. O goleiro paraguaio brilhou em vários jogos, em especial na classificação do Alvinegro para a fase de grupos após superar o Olimpia, do Paraguai, na disputa por pênaltis: ele defendeu três cobranças.


– Todos não davam nada por nós, e chegamos até esta fase, vencendo adversários grandes, com histórias. A gente vinha fazendo um bom campeonato na Libertadores, mais uma vez o time mostrou que tem muita qualidade. Estamos tristes, mas orgulhosos do grupo. Temos que levantar a cabeça e continuar buscando o lugar mais alto no Brasileiro, e novamente no ano que vem poder estar na Libertadores – projetou o goleiro.


Victor Luis disputou sua primeira Libertadores. O lateral-esquerdo estava no Palmeiras durante a participação do Alviverde no torneio do ano passado, porém, não entrou em campo nenhuma vez. A oportunidade apareceu no Botafogo, onde o ala disputou 13 das 14 partidas do Alvinegro na competição e correspondeu. Apesar do futuro ainda incerto no clube, ele quer voltar ao torneio.




– Nosso objetivo é classificar novamente porque sabemos que podemos. A equipe tem que se fortalecer cada vez mais, mostrar nossa força e classificar de novo, pois é onde o Botafogo merece estar – destacou um emocionado lateral, que elogiou o plantel.


– Esse grupo aqui é de homens, de guerreiros. Temos orgulho de olhar para o lado, de trabalhar com cada um aqui dentro. Perdemos a batalha? Perdemos, mas o que nos dá ânimo é ter um companheiro forte do lado Temos que nos dar as mãos e continuar firmes e fortes.


João Paulo foi o maior investimento do clube para a Libertadores (Foto: Thiago Lima)João Paulo foi o maior investimento do clube para a Libertadores (Foto: Thiago Lima)João Paulo foi o maior investimento do clube para a Libertadores (Foto: Thiago Lima)
Maior investimento do Botafogo para a Libertadores, João Paulo, contratado por R$ 3 milhões junto ao Santa Cruz, também ficou marcado pela garra na competição, terminando por vezes os jogos com ferimentos e toucas de natação na cabeça. O volante, que vem sendo improvisado como meia, pediu desculpas ao torcedor pela eliminação, mas já vislumbra a chance de retornar ao torneio.


– Fica o nosso pedido de desculpas ao torcedor, a gente também queria muito passar para a semifinal. Era muito possível, a gente enxergava isso. Mas já foi feito um trato no vestiário para buscar a Libertadores em 2018. É possível, estamos bem colocados e temos jogado bem.



O Botafogo pode sonhar com a Libertadores? Claro, afinal, o time é sétimo colocado no Campeonato Brasileiro e já está na zona de classificação para a competição do ano que vem – apesar de ser G-6, como Flamengo ou Cruzeiro, ambos na frente do Alvinegro na Série A, conquistará a Copa do Brasil, uma vaga a mais se abre.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago Lima, Porto Alegre

quarta-feira, 20 de setembro de 2017

Quartas da Libertadores: tudo o que você precisa saber sobre Grêmio x Botafogo


Após 0 a 0 no Nilton Santos, equipes decidem vaga na semifinal a partir das 21h45 desta quarta-feira, na Arena; Tricolor aguarda Luan, e Jair tem alternativas para armar time




(Foto: Infoesporte)


Após um empate em 0 a 0 de muita luta e cautela no Estádio Nilton Santos, Grêmio e Botafogo voltam a se enfrentar no "jogo do ano", válido pela volta das quartas de final da Libertadores, nesta quarta-feira, às 21h45, na Arena. Em condições de igualdade e com a disputa bem aberta, as duas equipes duelam não só para avançar à semifinal, mas para manter vivo o sonho de fazer história com um título continental e, assim, coroar a temporada.


O embate tem tudo para ser bem mais franco e menos estudado do que a partida da ida. Os estilos de jogo distintos das duas equipes, aliás, devem prevalecer ao longo dos 90 minutos. A tendência é de que o Grêmio, dono de um futebol de posse de bola e ofensividade, tente propor o jogo contra um Botafogo disciplinado e com muita marcação para buscar o contra-ataque. Após o empate sem gols no Rio, o Tricolor precisa vencer para avançar. O Glorioso se classifica com qualquer empate com gols marcados. Um novo 0 a 0 leva a decisão para os pênaltis.


Transmissão: TV Globo para RJ, RS, SC, MG, ES, GO, TO, MS, MT, BA, SE, PB, RN, CE, PI, MA, PA, AM, RO, AC, RR, AP e DF (com Luis Roberto, Junior, Maurício Saraiva e Leonardo Gaciba) e SporTV (com Milton Leite e Mauricio Noriega)




(Foto: Infografia)


Grêmio - técnico Renato Portaluppi

Após ver a distância ao líder Corinthians voltar a ser de 10 pontos no Brasileirão, o Grêmio dirige todas as suas energias para o sonhado tri da América. E com dois focos bem específicos, capazes de atrair todas as atenções nos últimos dias. O Tricolor trabalha pesado para garantir a recuperação de Pedro Geromel e Luan, baixas no jogo de ida, para esta quarta-feira. A amostra dos treinos indica o zagueiro como presença quase certa na decisão. O camisa 7, porém, apresenta estágio mais atrasado e segue o tratamento intensivo até a partida. Seu retorno – a confirmar – é vital para fomentar o setor de criação e reverter o retrospecto recente com gols marcados em apenas um dos últimos sete jogos.



Grêmio x Botafogo campinho Grêmio (Foto: Reprodução)


Quem está fora: Maicon e Douglas (lesionados); Cristian (não está inscrito)

Pendurados: não há


Botafogo - técnico Jair Ventura

Se o Grêmio tem problemas, o Botafogo terá força máxima - apenas quem está há muito tempo no departamento médico não estará à disposição. Cabe a Jair Ventura escolher seus titulares. O treinador, no entanto, faz mistério. Após cumprir suspensão no primeiro jogo, Victor Luis tem o retorno garantido. O meio de campo, no entanto, ainda é uma incógnita. Lindoso deve recuperar a posição. Nesse caso, Leo Valencia e João Paulo disputam uma vaga.

Quem está fora: Airton, Jonas, Marcinho e Leandrinho (DM).


Pendurados: João Paulo e Matheus Fernandes.



Campinho Botafogo x Grêmio (Foto: GloboEsporte.com)





(Foto: Infografia )


Patrício Loustau apita a decisão, auxiliado por Juan P. Belatti e Ezequiel Brailovsky. O trio é da Argentina.


Fonte: GloboEsporte.com, Porto Alegre