terça-feira, 15 de novembro de 2016

Bota provoca Fla com "homenagem" no dia do aniversário, e rival responde


No Twitter, Alvinegro relembra, com imagens de jornais antigos, goleada por 6 a 0 em 1972; Rubro-Negro rebate com jogo de mesmo placar, mas de 1981 e cita "chororô"





Provocações entre os clubes (Foto: Reprodução / Twitter)
A troca de provocações entre os clubes de futebol em suas redes sociais oficiais já virou costumeira. Neste dia 15 de novembro, aniversário de 121 anos do Flamengo, foi a vez de o Botafogo fazer uma "homenagem" no Twitter para o rival. O Alvinegro, com imagens de matérias antigas de jornal, relembra a goleada por 6 a 0 aplicada sobre o Rubro-Negro em 1972, no dia do 77º aniversário do clube.


O Twitter oficial do Flamengo, em tom irônico, agradeceu a postagem do Botafogo e afirmou que não deu para convidar o rival para a festa, fazendo referência ao "chororô". O Rubro-Negro também postou imagens em provocação ao Alvinegro, sobre a goleada por 6 a 0 devolvida em 1981.


Além disso, o Flamengo postou uma capa do jornal "O Dia", em que a estrela solitária do Botafogo aparece fora do escudo, caída, e imagens após o título rubro-negro do Campeonato Carioca de 2008. Desde manhã, o Fla está, nas redes sociais, comemorando o aniversário e relembrando ídolos da história do clube.

Fonte: GE/Por GloboEsporte.com/Rio de Janeiro

Jair vê renovação perto no Botafogo: "Não tem como não ser a prioridade"


Técnico, que negocia novo contrato com Alvinegro, imagina estreia na Libertadores e revela que permanência está encaminhada: "Feliz por ter sido procurado e valorizado"



Pode sorrir, Jair? Técnico vê permanência no Botafogo bem
encaminhada (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)
Jair Ventura está valorizado. Com a segunda melhor campanha do returno do Campeonato Brasileiro, tirou o Botafogo do risco de rebaixamento, está perto de garantir uma vaga na próxima Taça Libertadores e vem despertando interesse e sondagens no mercado. Mas os torcedores alvinegros podem ficar tranquilos, pois o técnico se vê em General Severiano em 2017. Em entrevista coletiva na manhã desta terça-feira, o comandante revelou que as conversas com a diretoria para sua permanência no cargo estão bem avançadas.


– O Cacá (Antônio Carlos Azeredo, vice-presidente de futebol) já me procurou, está bem encaminhada a minha permanência. Fico feliz por ter sido procurado e valorizado pelo clube que me abriu as portas. Não tem como não ser a prioridade o Botafogo hoje – afirmou.


Atualmente, Jair ainda é um funcionário do Botafogo, com contrato normal entre empregado e empresa, sem prazo de validade ou multa rescisória. Ele recebeu um aumento em agosto, quando foi efetivado no cargo que vinha sendo ocupado por Ricardo Gomes, que saiu para dirigir o São Paulo. Para o ano que vem, a intenção é firmar um novo contrato, com cláusulas e especificações próprias de vínculos para treinadores. E, evidentemente, uma outra promoção com salário no patamar de outros técnicos que passaram por General Severiano.


A confiança em ficar é tanta que Jair já imagina a chance de disputar uma Libertadores, já que em 2014, quando era auxiliar técnico de Oswaldo de Oliveira, foi demitido junto com a comissão técnica após classificar o time no Brasileirão de 2013. Agora no comando da equipe, ele tem 95% de chances de garantir uma vaga no torneio do ano que vem, segundo o matemático Tristão Garcia, e não esconde a satisfação que terá caso alcance o final feliz nesta temporada.


– Muito gostoso, gratificante. O Botafogo só foi na Libertadores em quatro oportunidades, muito pouco. Estamos a um passo de conseguir a classificação, sabemos o equilíbrio do campeonato.

Jair está com moral no clube e sonha em disputar a Taça Libertadores em 2017 (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)


Aos 37 anos, Jair vive a sua primeira experiência efetivado à frente de uma equipe. Nesses quase três meses, o trabalho é só de elogios internamente, na opinião pública e da imprensa – inclusive já foi destaque do jornal português "A Bola". Entre jogadores e funcionários, o termo "intensidade" é usado a todo momento para explicar o estilo do treinador, que gosta de fazer treinos sempre pela manhã e de fechar a maioria das atividades da imprensa. Na formação da equipe, ele tem se mostrado um estrategista e encontrado variações táticas na forma de jogar.


Filho do ídolo Jairzinho, Jair está há oito anos no Botafogo: chegou em 2008, foi demitido no fim de 2013, pela antiga gestão, e recontratado no início de 2015, já sob a atual administração de Carlos Eduardo Pereira. No clube, já foi estagiário de preparação física, técnico do sub-20, treinador interino e auxiliar permanente antes de chegar a comandante do elenco profissional.

Fonte: GE/Por Thiago LimaRio de Janeiro

Menos posse, mais eficiência: meias e força pela esquerda são trunfos de Jair


Treinador deve abrir mão de três volantes e promover volta de Diogo ao meio de campo para ajudar Camilo na armação. Invicto há sete jogos, time não marca há dois





Jair e Diogo conversam. Lateral deve voltar ao meio contra
 a Chape (Vitor Silva / SSpress / Botafogo)
Jair Ventura ainda não confirmou o time para o jogo contra a Chapecoense. Porém, se repetir o que treinou ao longo de toda semana, o Botafogo voltará a atuar com dois meias, com Diogo Barbosa auxiliando Camilo na armação. A formação não é novidade, mas não é usada desde a vitória sobre o Corinthians, há 40 dias, quando o lateral se lesionou.

Laterais de origem e concorrentes naturais, Diogo Barbosa e Victor Luís são entrosados dentro e fora de campo. Juntos, começaram quatro partidas como titulares. Os números comprovam a eficiência da dupla. Em quatro jogos, foram três vitórias (Cruzeiro, Vitória e Corinthians) e uma derrota (Santos). O aproveitamento é de 75%.

- Com a volta do Diogo, o time não perde nada. Só acrescenta por conta da ofensividade dele. Isso facilita muito. O Sidão até brincou, pelo fato de os dois serem laterais, um procura o outro. Temos entrosamento, e espero que possamos fazer grandes jogos juntos. O Jair nos dá total liberdade. Sabe do nosso potencial e confia em nós – disse Victor Luís, após o treino do último sábado.


Com oito treinos até o jogo contra a Chapecoense, Jair Ventura está tendo tempo para trabalhar e se desapegar do esquema com três volantes. A ideia é dar mais poder de fogo ao ataque, que não marca há dois jogos. Bruno Silva e Rodrigo Lindoso disputam uma vaga no time.


Ofensividade e entrosamento
Com liberdade para avançar, Diogo transforma-se numa espécie de ponta-esquerda e forma com Camilo e Neilton uma terceira linha para municiar o ataque, que não marca há dois jogos. Victor Luís é um lateral mais defensivo, mas é eficiente quando avança. Por vezes, eles inverte com Diogo, confunde a marcação e chega ao ataque como elemento surpresa. Foi assim na vitória por 2 a 0 sobre o Cruzeiro, no Mineirão, quando Victor deu assistências para os gols de Canales e Camilo.

Menos posse, mais contra-ataques
Com Victor Luís e Diogo Barbosa em campo, o Botafogo fica menos com a bola. Com a dupla, o time teve menos posse do que Cruzeiro, Vitória e Corinthians, mas venceu as três partidas. O Alvinegro ganha, no entanto, nos contra-ataques. Foram nove jogadas construídas dessa forma.

Marcação dupla

Com a dupla, o lado esquerdo do Botafogo fica muito forte. Com características mais defensivas, Victor Luís marca melhor e dá uma proteção maior à defesa. Diogo, porém, também volta para ajudar a defesa e reforça a marcação pelo setor. Com os dois em campo, o Alvinegro sofreu apenas um gol em quatro partidas.

Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Rio de Janeiro