quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Gatito revela que estudou cobradores do Olimpia, e Helton enaltece parceria


Destaques na classificação do Botafogo; goleiro paraguaio diz que sabia de cobrança no meio, e brasileiro lesionado agradece homenagem do amigo: "Satisfação enorme"




Gatito defendendo os três pênaltis do Olimpia, inclusive a cobrança no meio do gol de Mendoza (Foto: Reprodução)

Gatito surpreendeu toda a América do Sul ao defender três das quatro cobranças na disputa de pênalti com o Olimpia, do Paraguai, no Defensores del Chaco na última quarta-feira, que terminou com vitória do Botafogo por 3 a 1 e a vaga garantida na fase de grupos da Libertadores. Mas o que causou maior espanto foi a convicção do goleiro nas defesas, principalmente no chute de Mendoza, quando sequer tentou adivinhar o canto e esperou a batida no meio do gol. Ao desembarcar no Rio de Janeiro, o arqueiro paraguaio admitiu ter visto vídeos do rival.


– Já conhecia um pouco ele, tinha visto vídeo. No domingo anterior ele tinha feito um gol no meio mesmo, então esperei. Ele bateu muito forte, mas graças a Deus consegui tirar e ajudar meus companheiros, que também fizeram os gols. Bateram muito bem – afirmou o arqueiro, que na véspera da partida já havia defendido três pênaltis em treino, mas não lembrou os cobradores.


– Acho que foi um do Camilo e... Não estou lembrando, mas foram três (risos). 

Paraguaio voltou ao Brasil como herói da classificação alvinegra e dividiu méritos com Helton Leite (Foto: Thiago Lima)

Na comemoração após a classificação, o herói Gatito saiu driblando todo mundo pelo caminho até encontrar Helton Leite no banco e dar um abraço no companheiro, que foi o titular na partida até sair com uma lesão na coxa direita – ele ainda será reavaliado para saber a gravidade do problema. Na chegada ao Rio na manhã desta quinta, disse que a homenagem do companheiro o fez receber várias mensagens e exaltou o clima entre os jogadores do Botafogo.


– Muito mais fácil obter o crescimento quando tem uma disputa sadia, um ambiente onde todos se respeitam. Então fiquei muito satisfeito, muitas pessoas mandaram mensagens, não estavam nem falando do jogo, da lesão. Só falaram: "Caramba, que legal que o Gatito foi te abraçar no momento de maior alegria dele". Fiquei muito feliz porque estava ali, mas senti que ele estava concluindo o trabalho que comecei na partida e me deu uma satisfação enorme – analisou.

Lesionado, mas sorridente: Helton Leite enaltece clima positivo entre os jogadores do Botafogo (Foto: Thiago Lima)


E Gatito fez coro ao companheiro ao explicar a comemoração.


– Significa a unidade do grupo. Ele estava fazendo um grande jogo, mostrando segurança para o time. Eu também me senti um pouco por causa dele. Falei que é um grupo, normal, hoje sou eu, amanhã é ele. Futebol sempre dá voltas, todo mundo tem que estar bem e preparado.


O Botafogo se classificou para o Grupo 1 da Libertadores, onde estão Atlético Nacional, da Colômbia, atual campeão, o Estudiantes, da Argentina, e o Barcelo de Guayaquil, do Equador. A estreia do Alvinegro será no dia 14 de março, contra os argentinos no Estádio Nilton Santos. Clique aqui e confira a tabela completa da fase de grupos do torneio continental. Os jogadores ganharam folga até domingo e se reapresentam na segunda-feira.


Fonte: GE/Por Thiago Lima/Rio de Janeiro

Análise: eficiente atrás, mas inofensivo na frente, Bota tem "lição Libertadores"


Ferrolho alvinegro funciona, mas time encontra dificuldades para sair em velocidade e criar. Voltas de Montillo, Luis Ricardo e Sassá vão encorpar elenco na próxima fase









Foi uma classificação heroica, de muita entrega, mas também sofrida. O Botafogo está na fase de grupo da Libertadores, mas suou para passar pelo Olimpia, em Assunção. Com desfalques e sem peças importantes como Montillo, Jair Ventura teve mais uma vez de improvisar. A estratégia em Assunção era clara: defender forte e sair em velocidade nos contra-ataques. Funcionou parcialmente. Firme na marcação, o time não teve forças para atacar. A classificação - justa, diga-se de passagem, veio, mas fica a lição.


A ideia, em Assunção, era jogar por uma bola. Afinal, um gol obrigaria o Olimpia a marcar três, devido aos critérios de desempate da Libertadores. O lance, porém, não aconteceu, e o Botafogo avançou pelas mãos de Gatito nos pênaltis. Ficou o aprendizado. Na fase de grupos, em jogos importantes, porém, sem o mesmo caráter decisivo, as chances de um tropeço são enormes se a estratégia for apenas se defender. Vale destacar, no entanto, que no Campeonato Brasileiro, nas mãos de Jair Ventura, o Alvinegro teve umas das melhores campanhas como visitante.

Sistema defensivo do Botafogo foi bem e suportou a pressão do Olimpia durante quase todo o jogo (Foto: Marcelo Baltar)

A surpreende escalação de Matheus Fernandes expôs a estratégia alvinegra. Assim como em Santiago, contra o Colo-Colo, Jair Ventura optou por quatro volantes, abriu mão de um camisa 9 (Roger) e apostou na velocidade de Pimpão. Sem Montillo (machucado), Camilo foi o parceiro de ataque do camisa 17. Desta vez, porém, não funcionou.


O Botafogo jogou com duas linhas de quatro. Marcelo - como lateral -, Carli, Emerson Silva e Victor Luís fecharam o ferrolho lá atrás e dificultaram a vida dos atacantes paraguaios. A opção pelo trio de zagueiros, segundo Jair, foi para anular a bola aérea do do adversário, um dos pontos fortes do Olimpia. Mais à frente, centralizados, Airton e Matheus Fernandes. João Paulo (direita) e Bruno Silva (esquerda) deveriam ser as válvulas de escape. Deveriam...

Isolado, Pimpão tenta puxar contra-ataque. Sistema ofensivo não funcionou em Assunção (Foto: Marcelo Baltar)

Praticamente impenetrável na defesa, o Botafogo quase não passou sustos. O problema é que os contra-ataques eram lentos e não encaixavam. Ciente, Jair inverteu as posições de Bruno Silva e João Paulo, mas a transição para o ataque continuou lenta. Sobrou para Matheus Fernandes.

- Tirei o Matheus no intervalo porque ele estava mal? Não. Eu tive dificuldades com as duas linhas de quatro. Inverti o Bruno com o João Paulo, mas continuamos com dificuldades e sem velocidade. Estávamos trazendo cada vez mais o Olimpia para o jogo. Coloquei o Gilson que tem uma saída rápida pelo corredor e o pé esquerdo. Um jogador leve. Os volantes estavam tendo dificuldades, até pelo volume de jogo do Olimpia. Conseguimos corrigir um pouco, mas não foi o ideal - analisou Jair Ventura, após a partida.

Sem companhia, Pimpão e Camilo encontraram dificuldades contra o Olimpia (Foto: Marcelo Baltar)

Gilson entrou no lugar de Matheus na volta do intervalo para dar velocidade na saída pela esquerda. A intenção foi boa, mas pouco funcionou. Camilo e Pimpão continuaram muito isolados e, por mais que a defesa estivesse segura, a pressão do Olimpia, devido ao volume de jogo, aumentou. o gol paraguaio saiu, Gatito brilhou nos pênaltis, e o resto é história.


Fato é que, vistosa ou não, a estratégia deu certo, e o Botafogo está na fase de grupos da Libertadores. Fica a lição. Na Libertadores não dá para abdicar de atacar. A expectativa, no entanto, é que com a volta de jogadores como Montillo e Luis Ricardo, além da provável inscrição de Sassá, Jair Ventura ganhe em qualidade e quantidade. No horizonte alvinegro, a tendência é evoluir.


Fonte:GE/Por Marcelo Baltar/Assunção, Paraguai

Jair exalta Gatito e diz: "Tem coisas que só acontecem com o Botafogo"


Técnico alvinegro repete mantra da torcida após lesão de Helton Leite e comemora muito a classificação diante do Olimpia: "Fomos na raça, na garra, na intensidade"






"Tem coisas que só acontecem..." O torcedor do Botafogo sabe de cor como completar a frase que Jair Ventura repetiu na coletiva de imprensa na madrugada desta terça-feira, minutos depois de classificar o Alvinegro para a fase de grupos da Taça Libertadores da América. O treinador voltou a reclamar das lesões, que dessa vez tiraram Helton leite e colocaram Gatito Fernández na fogueira no meio do segundo tempo. Mas o goleiro brilhou nos pênaltis após a derrota por 1 a 0 (veja no vídeo acima) em jogo que o comandante classificou como "na raça, na garra".


- Tem coisas que só acontecem com o Botafogo. Perdemos uma substituição por conta da lesão do Helton. Mais uma lesão atrapalhando nossos planos. Perdemos o Montillo, o Jonas (por cartão)... Difícil. Muitas coisas difíceis. Foram quatro finais em 30 dias para nos prepararmos. Fomos na raça, na garra, na intensidade. A cara do Botafogo. Hoje tivemos resiliência. Tínhamos nossa estratégia para atacar, mas não conseguimos a transição rápida. Com passes em velocidade. Foi para os pênaltis. E numa noite feliz do Gatito e dos nossos cobradores, conseguimos essa tão sonhada classificação. Pegamos dois gigantes sul-americanas. Mas o Botafogo é gigante também. Fico feliz. Agora começa a Libertadores. Fico feliz de ganhar de clubes grandes. Nos credencia a chegar mais fortes na fase de grupos.

Jair Ventura exaltou atuação do Botafogo contra o Olimpia no Defensores del Chaco (Foto: REUTERS/Jorge Adorno)


O Botafogo se classificou para o Grupo 1 da Libertadores, onde estão Atlético Nacional, da Colômbia, atual campeão, o Estudiantes, da Argentina, e o Barcelo de Guayaquil, do Equador. A estreia do Alvinegro será no dia 14 de março, contra os argentinos no Estádio Nilton Santos.


Confira outros trechos da entrevista:


DIFICULDADES
Esperávamos ter força ofensiva , mas não deu certo. Foi muito difícil jogar contra o Olimpia, minha primeira vez. Força da equipe, da torcida, soubemos sofrer, soubemos marcar. Lutamos bastante.


FASE DE GRUPOS
Dia 14/3 é a nossa estreia. Dia do meu aniversario, no nosso estádio, contra o Estudiantes. Nosso grupo é muito difícil. Vamos lá. Lutamos tanto para isso. Seria muito ruim ficar fora depois de tudo que passamos. Saímos da rebaixamento de rebaixamento e estamos aqui. Um passo gigante. Fico muito feliz. Levamos o Botafogo onde o Botafogo tem que estar.


PLANEJAMENTO
Desculpa aqueles que acharam que o planejamento não estava certo, mas o planejamento estava certo. Abrimos mão de algumas competições, do Carioca, mas nosso objetivo principal foi alcançado.


MATHEUS FERNANDES
O Matheus fez um grande jogo. Foi muito bem no clássico (contra o Flamengo) e vem conquistando seu espaço. Tirei o Matheus no intervalo porque ele estava mal? Não. Eu tive dificuldades com as duas linhas de quatro. Inverti o Bruno com o João Paulo. Coloquei o Gilson que tem uma saída rápida pelo corredor e o pé esquerdo. Um jogador leve. Os volantes estavam tendo dificuldades, até pelo volume de jogo do Olimpia. Conseguimos corrigir um pouco, mas não foi o ideal.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Assunção, Paraguai

Torcedores madrugam para receber o Bota; Jair diz: "Agora bicho vai pegar"


Cerca de 30 alvinegros chegam antes das 6h no Galeão e fazem festa de recepção à equipe após classificação. Camilo, Pimpão e cia. citam benefícios da Pré-Libertadores



Torcida faz festa na chegada do Botafogo (Foto: Thiago Lima)
O Botafogo fez muitos de seus torcedores dormirem mais tarde após os 90 minutos de jogo contra o Olimpia mais a disputa por pênaltis. Outros preferiram trocar a cama pelo aeroporto: cerca de 30 alvinegros madrugaram e chegaram antes de 6h no Galeão para recepcionar o time após a heroica classificação no Paraguai para a fase de grupos da Libertadores. Animados, eles fizeram barulho no saguão de desembarque, ensaiaram a "dancinha do Jair", cantaram a "bicicleta do Pimpão", debocharam do rival Flamengo e tietaram cada jogador que passava com fotos e autógrafos. O mais assediado foi Gatito Fernández, que defendeu três cobranças na vitória por 3 a 1 na disputa de pênaltis.


A imprensa também compareceu em peso, e vários atletas pararam para dar entrevistas numa improvisada zona mista de estádio no saguão do aeroporto. Além de Gatito, Camilo, Pimpão, Helton Leite, Bruno Silva, Victor Luis, Emerson Silva e Jair Ventura atenderam aos jornalistas. Entre comemorações e cansaço, todos exaltaram a força do grupo e, após as pedreiras na Pré-Libertadores, veem o time mais fortalecido para entrar no Grupo 1, que tem o atual campeão, Atlético Nacional, da Colômbia, o Estudiantes, da Argentina, e o Barcelona de Guayaquil, do Equador.


Confira o que eles disseram:


Jair Ventura

Descansar um pouquinho que agora que o bicho vai pegar. A gente ficou apreensivo quando pegou o Colo-Colo e o Olimpia pela frente, mas foi uma boa prova de fogo. Agora tem mais grandes equipes pela frente, mas vamos lá, vamos fortes.


Bruno Silva

Primeira meta nossa conseguimos, mas não queremos parar aqui. Vimos que temos condições de ir além, nossa equipe pode surpreender muito na competição. Pegamos dois adversários de muita tradição e mostramos que nossa equipe está forte. Esses dois jogos serviram para fortalecer a gente e para ver que a Libertadores é uma competição realmente diferente.

Rodrigo Pimpão destaca fase do Botafogo na Libertadores (Foto: Thiago Lima/GloboEsporte.com)

Rodrigo Pimpão

A gente já quebra o gelo do início do campeonato. Tem clubes que vão começar a Libertadores agora, entrar na fase de grupos. A gente já quebrou esse gelo e espera se preparar bem para fazer grandes jogos.


Camilo


Time vem vencendo na competição desde cedo, isso é legal. Já tiramos aquele peso do início de Pré-Libertadores. Então a gente está forte.


Emerson Silva

Nós pegamos Colo-Colo e Olimpia, dois grandes times. Acredito que fez com que a gente amadurecesse para o resto do campeonato.


Fonte: GE/Por Thiago Lima/Rio de Janeiro