segunda-feira, 6 de fevereiro de 2017

Botafogo x Arão: Justiça do Rio marca novo julgamento para esta terça-feira


Previsto para novembro, encontro acontece apenas esse mês, por conta do recesso no Tribunal Regional do Trabalho. Alvinegro cobra R$ 20 milhões do jogador do Fla




Willian Arão tem briga na Justiça contra o
Botafogo (Foto: André Durão)
A briga na Justiça envolvendo Botafogo e Willian Arão já tem data para um novo capítulo. O caso será julgado, em segunda instância, pelos desembargadores do Tribunal Regional do Trabalho do Rio de Janeiro, nesta terça-feira.


O julgamento estava previsto para acontecer no último mês de novembro, mas a Justiça entrou de recesso em dezembro, e o processo só pode ser analisado em 2017.

Seja qual for o resultado, ainda caberá recurso no Tribunal Superior do Trabalho, em Brasília. Há três possibilidades. Caso a Justiça dê ganho de causa a Arão ou determine que o Flamengo pague R$ 20 milhões ao Botafogo, valor previsto no contrato, as partes irão recorrer.


Existe também a possibilidade de o TRT decidir que Willian Arão retorne imediatamente ao Botafogo. Nesse caso, o jogador ficaria impedido de treinar e jogar pelo Flamengo até conseguir um efeito suspensivo. A defesa do jogador trata como improvável essa hipótese e acredita em nova vitória, uma vez que o volante venceu em primeira instância.


Arão já obteve duas vitórias na Justiça até o momento: em dezembro do ano passado, recebeu tutela antecipada que o permitiu se desligar do Alvinegro até o julgamento e deixou o caminho livre para se transferir para o Rubro-Negro. Em março, viu a juíza da 27ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro considerar nula a cláusula de renovação automática que havia em seu contrato em General Severiano.

No início de setembro, as partes se reuniram em audiência de conciliação, no Tribunal Regional do Trabalho. Na ocasião, as três partes concordaram, e o desembargador determinou que o processo fosse suspenso por duas semanas para que os clubes tentassem um acordo. Nesse período, segundo o Botafogo, o Flamengo acenou com uma proposta de R$ 3 milhões por 10 jogos no Engenhão, além do empréstimo gratuito do meia Adryan. O Alvinegro recusou.

O Botafogo promete lutar até as últimas instâncias para ser ressarcido pela perda do jogador. O fato de os advogados do Flamengo terem sido intimados a comparecer foi visto como sinal de que o desembargador poderia propor ao rival pagar uma quantia para encerrar o caso. No lado da Gávea, o departamento jurídico está tranquilo com o caso. A cláusula de quebra de contrato com o Botafogo era de R$ 20 milhões.

Em novembro do ano passado, o Botafogo chegou a fazer duas vezes o depósito de R$ 400 mil para acionar o dispositivo de renovação automática, mas ambos foram devolvidos por Arão, que já desejava se transferir para o Flamengo.

A Justiça tornou sem efeito a cláusula por entender que o contrato fere a nova resolução da Fifa, que proíbe investidores de ter direitos econômicos de atletas. Na visão da juíza da 27ª Vara do Trabalho do Rio de Janeiro, o próprio volante foi considerado seu "investidor" e dono de parte do montante econômico na renovação. O Botafogo discorda da interpretação e por isso leva o caso adiante, mas o departamento jurídico acredita que o processo pode durar meses ou anos para uma definição devido ao ineditismo da matéria.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Rio de Janeiro/futebol

Sem Camilo, Bota faz primeiro treino no Chile antes da decisão de quarta


Apoiador sente dores musculares, acaba poupado, mas não é problema para o jogo contra o Colo-Colo. Imprensa local marca presença no CT do Universidad do Chile



Depois de desembarcar em Santiago na madrugada, o elenco do Botafogo fez seu primeiro treino em terras chilenas na tarde desta segunda-feira. Sem Camilo, que sente dores musculares, mas não preocupa o departamento médico, Jair Ventura comandou um trabalho técnico no CT do Universidad do Chile antes da grande decisão da próxima quarta, contra o Colo-Colo, no Estádio Monumental, que vale uma vaga na terceira fase da Libertadores da América.

Botafogo treina em Santiago, no Chile (Foto: Twitter oficial do Botafogo)

Como acontece no Brasil, o treinador fechou parte do trabalho, que contou com a presença em bom número da imprensa chilena. Enquanto esteve aberto, uma cena curiosa chamou atenção de todos, quando três jogadores da base da Universidad do Chile passaram pelo campo e gritaram: "Vamos Montillo". O argentino teve ótima passagem pela equipe local e ainda é muito lembrado pelos torcedores, que torcem pela eliminação do rival Colo-Colo.


O Botafogo volta a treinar às 16h30 (de Brasília), desta terça-feira, mas desta vez no gramado do Estádio Municipal D.Arellano, que será palco do confronto de quarta. Com a vitória por 2 a 1 no jogo de ida, no Nilton Santos, o Alvinegro precisa de um empate para voltar ao Brasil classificado.

Imprensa chilena marca presença no treino do Botafogo (Foto: Thiago Lima)

Fonte: GE/Por Thiago Lima/Santiago, Chile

Alçapão, mística e estilo Nilton Santos: o palco da "final" do Botafogo em fotos



Casa do Colo-Colo, Estádio Monumental é customizado de alvinegro, oferece conforto maior após reforma e provoca efeito caldeirão pela proximidade da torcida com campo



Estádio Monumental estava fechado à visitação na tarde do último domingo (Foto: Thiago Lima / GloboEsporte.com)

Está chegando a hora do jogo mais importante de 2017 (até agora) para o Botafogo, decidindo contra o Colo-Colo, do Chile, uma vaga no último mata-mata da Pré-Libertadores, antes da fase de grupos do torneio. O foco é tamanho que a delegação alvinegra já chegou a Santiago na madrugada desta segunda-feira, três dias antes da partida, para se preparar melhor. Mas além das partes física, tática e técnica, o time vai precisar superar um adversário extra: o Monumental. A reportagem esteve no local no último domingo, só que não conseguiu entrar por estar fechado. Porém, o GloboEsporte.com obteve fotos para mostrar o que espera os jogadores por lá.



CUSTOMIZAÇÃO ALVINEGRA

A casa é do Colo-Colo, mas os alvinegros terão uma impressão familiar quando treinar no local e olhar para ao seu redor. Afinal, as cadeiras pintadas de preto e branco seguem o mesmo estilo do adotado nas arquibancadas Leste e Oeste inferiores e Sul do Nilton Santos. A diferença é que em um dos lados do estádio chileno, no setor chamado "Cordillera", as cores dividem espaço com um tom de bege, que forma o rosto do Cacique, símbolo do clube local. Até mesmo a capacidade é parecida: 47.174, contra 46.931 do Engenhão.

Monumental tem em sua entrada um busto do cacique que é símbolo do Colo-Colo (Foto: Diego Alvujar / Colo-Colo)

Da entrada social do estádio já é possível ver o campo e sentir o clima em dias de jogos lotados (Foto: Reprodução)

E essa customização aí, te lembra algo? Muito parecida com a Leste, Oeste e Sul do Engenhão (Foto: Reprodução)

A diferença é que no Setor "Cordillera" há cadeiras em bege para formar rosto do cacique (Foto: Diego Alvujar/Colo-Colo)

Placa no Monumental homenageia o ex-jogador David Arellano, o fundador do clube (Foto: Diego Alvujar / Colo-Colo)


FATOR CALDEIRÃO


Mas a sensação de estar em casa não vai durar muito. Com o estádio lotado então, as cores das cadeiras sequer vão aparecer. E é aí que entra outra grande desafio para o Botafogo: ignorar o alçapão. Pela proximidade da arquibancada com o campo, a torcida do Colo-Colo consegue pressionar psicologicamente seus adversários, enquanto os alvinegros estarão isolados atrás de um dos gols, no "Magallanes". Já a "Garra Blanca", maior torcida organizada do clube, fica do lado oposto aos visitantes. Como venceu o jogo de ida por 2 a 1, os brasileiros jogam pelo empate ou por derrota por um gol de diferença com placar igual ou superior a 3 a 2.

Mesmo com vidros após reforma, torcida fica muito próxima do campo e faz pressão (Foto: Diego Alvujar / Colo-Colo)

Pressão não só em quem está jogando, como também quem fica no banco: olha aí (Foto: Diego Alvujar / Colo-Colo)

A "Garra Blanca", maior organizada do Colo-Colo, fica em cima da saída dos túneis (Foto: Diego Alvujar / Colo-Colo)

Enquanto os alvinegros ficarão no lado oposto, cercado por grades, atrás de um dos gols (Foto: Diego Alvujar/Colo-Colo)

Vista que os botafoguenses que forem ao estádio terão durante o jogo é esta (Foto: Diego Alvujar / Colo-Colo)

E os jogadores, quando saírem do túnel de acesso, darão de frente para os alvinegros (Foto: Diego Alvujar / Colo-Colo)

MÍSTICA DE CAMPEÃO

Quem circula pelo estádio percebe nas pinturas nas paredes: o Colo-Colo alcançou sua maior conquista neste estádio. Foi em 1991, após empatar o primeiro jogo da final contra o Olimpia, no Paraguai, por 0 a 0, os chilenos aplicaram 3 a 0 no Monumental e foram campeões pela primeira e única vez da Libertadores. Desenhos e fotos ilustram os momentos de glória desde o vestiário passando pelo túnel de acesso ao campo. Jogar ali para a torcida é se sentir capaz de tudo.

Por dentro, paredes do Monumental recordam maior conquista do clube: a Libertadores de 1991 (Foto: Reprodução)

Desenhos e fotos recordam parte da história e a final contra o Olimpia no estádio de Santiago (Foto: Reprodução)

Túnel do Colo-Colo reforça a mística de time campeão para elevar a moral do elenco (Foto: Carlos Succo / Colo-Colo)

Nas paredes do túnel de acesso, mensagens de ex-jogadores sobre postura ideal (Foto: Carlos Succo / Colo-Colo)

No vestiário do Colo-Colo, armários personalizados para cada jogador eleva autoestima (Foto: Carlos Succo/Colo-Colo)

Monumental conta também com um museu de sua história e de construção do estádio (Foto: Diego Alvujar / Colo-Colo)

REFORMA E CONFORTO

O Monumental começou a ser construído nos anos 50 para virar uma das sedes da Copa do Mundo de 1962, disputada no país, mas só foi inaugurado em 1989. Em 2015, com a Copa América no Chile, o estádio passou por reforma – assim como o Nilton Santos para a Olimpíada de 2016. As grades que separavam o campo da arquibancada foram substituídas por vidros de alta resistência; o vestiário visitante foi equiparado em tamanho e conforto com o do mandante; banheiros foram renovados, além de aumentar a capacidade e estrutura para a imprensa.

Vestiário visitante foi reformado para ficar igual ao do mandante para a Copa América (Foto: Diego Alvujar / Colo-Colo)

Estrutura para a imprensa também melhorou no Monumental após a última reforma (Foto: Diego Alvujar / Colo-Colo)

Banheiros novos foram instalados antes da competição de seleções em 2015 (Foto: Diego Alvujar / Colo-Colo)

No anel superior do estádio, várias lanchonetes atendem ao público em dias de jogo (Foto: Diego Alvujar / Colo-Colo)

ACESSOS

O Monumental possui 16 portões e nove setores, mas o do Botafogo é um só: portão 5 "Magallanes". Os demais são "Galvarino", "Cordillera", "Lautaro", "Arica", "Tucapel", "Oceano", "Caupolican" e "Rapa-Nui". Os arredores do estádio oferecem vários locais de estacionamento para quem for de carro. Para ir de metrô, o torcedor tem que pegar a linha 5 e descer na estação "Pedrero". O endereço do palco é Avenida Marathon nº 5300, Macul, Santiago.

Estádio Monumental possui 16 portões de acesso ao todo para nove setores da arquibancada (Foto: Reprodução)

Entrada dos alvinegros será feita pelo portão 5 "Magallanes", à direita da portaria social do estádio (Foto: Reprodução)






Fonte: GE/Por Thiago Lima/Santiago, Chile