segunda-feira, 19 de dezembro de 2016

Botafogo encaminha contratação de Gilson para a vaga de Diogo Barbosa


Lateral, que disputou o Campeonato Brasileiro pelo América-MG, deve ser o quarto reforço para 2017. Nome do argentino Carlos Auziqui agrada, mas valores assustam



Gilson America-MG
(Foto: Leonardo Simonini/Globoesporte.com)
A expectativa é que Montillo seja a cereja do bolo, mas o Botafogo trabalha em várias frentes para se reforçar para 2017. Posição carente desde a saída de Diogo Barbosa para o Cruzeiro, a lateral-esquerda é uma das prioridades e pode ser reforçada por Gilson, do América-MG. O clube carioca tem conversas avançadas com o jogador.


A ideia é que Gilson seja contratado para fazer sombra a Victor Luís. No entanto, nem mesmo a sequência do titular é certa. O Botafogo negocia com o Palmeiras um novo vínculo com o lateral.


Gilson, de 30 anos, foi procurado pelo América-MG mas optou por não renovar com o Coelho. O lateral disputou 19 jogos e marcou um gol no Campeonato Brasileiro. Ele teve passagens recentes por Ponte Preta e Cruzeiro.


Pottker e Auzqui


Para o ataque, o principal alvo ainda é William Pottker. O Botafogo negocia com a Ponte Preta para comprar parte dos direitos econômicos do atacante, artilheiro do Campeonato Brasileiro com 14 gols, ao lado de Fred e Diego Souza. 

Carlos Auzqui foi oferecido, mas a negociação é considerada cara (Foto: JUAN MABROMATA AFP)

O clube também busca um atacante de lado e estuda vários nomes. Um deles é o do atacante argentino Carlos Auziqui. O jogador do Estudiantes foi dos muitos atletas oferecidos, e a imprensa argentina o colocou na rota de General Severiano. Segundo o clube, o nome agradou, mas os valores assustam. A equipe argentina pede cerca de U$ 2 milhões (cerca de R$ 6,7 mi).


Para 2017, o Botafogo já confirmou as contratações de Gatito Fernández, João Paulo e Roger. 


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Rio de janeiro




No papel: Jair Ventura assina contrato com o Botafogo por dois anos


Confirmado para Libertadores, contrato do técnico tem cláusulas e especificações próprias de vínculos para treinadores



O acordo verbal, enfim, virou oficial. Na tarde desta segunda-feira, Jair Ventura assinou contrato com o Botafogo por dois anos. A permanência do treinador está confirmada para disputa da Libertadores.


Antes do novo acordo, Jair trabalhava como funcionário do Botafogo, com contrato normal entre empregado e empresa, sem prazo de validade ou multa rescisória. Ele recebeu um aumento em agosto, quando foi efetivado no cargo que vinha sendo ocupado por Ricardo Gomes, que saiu para dirigir o São Paulo.


Jair assinou por dois anos com o Botafogo (Foto: MARCOS CUNHA/FATOPRESS/ESTADÃO CONTEÚDO)

O novo contrato terá cláusulas e especificações próprias de vínculos para treinadores. Jair também receberá um aumento salarial.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Rio de Janeiro

Excesso de centroavantes deve gerar saídas do Botafogo em 2017


Contratação de Roger e negociação por Pottker alteram o cenário do grupo de ataque



Luis Henrique, Vinícius Tanque, Renan Gorne e Canales: centroavantes reservas vivem momentos diferentes

O baixo rendimento do ataque do Botafogo neste ano fez com que o setor tivesse prioridade nas contratações para a próxima temporada. Porém, vai gerar, muito em breve, uma questão a ser resolvida, especialmente em relação aos centroavantes: são muitos jogadores para poucas vagas não só no time, mas no elenco.

A tendência é que alguns atletas deixem o grupo até o início do Campeonato Carioca, ou até mesmo antes da pré-temporada. Mas a conjuntura é diferente para cada jogador: Luis Henrique, por exemplo, tem vínculo até o início de maio e já pode até assinar um pré-contrato com outro clube.

Pouco aproveitado em 2016, ele terminou o ano atrás de Vinícius Tanque, que também não deverá receber tantas oportunidades em 2017; na temporada que acabou, ele já havia sido emprestado no primeiro semestre. Ainda há Renan Gorne pedindo passagem, após excelente temporada no time sub-20.

Canales chegou para ser a solução e, a princípio, permanecerá, até porque tem vínculo até o ano que vem. Mas não agradou. E ainda tem Sassá, que fez bom Brasileiro. Só que agora, com a contratação de Roger e com William Pottker na mira, a concorrência aumenta.

Nas próximas semanas, diretoria e comissão técnica do Glorioso devem definir quem poderá ser vendido ou emprestado.

SE PRECISAR...
Em determinado momento da última temporada, Rodrigo Pimpão deixou de ser o segundo atacante e assumiu a função de centroavante. Por duas partidas, ele foi bem e decidiu com gols, mas não manteve o desempenho. De todo modo, diante de tamanha concorrência, ele deve voltar a jogar de acordo com as próprias características.

Outro jogador que também pode atuar centralizado, apesar de não ser a especialidade dele é Pachu, que chegou a treinar entre os titulares pouco antes da rodada final do Campeonato Brasileiro. Ele terminou em alta com o técnico Jair Ventura.

As opções de sobra do elenco que está sendo montado contrastam com a desesperadora situação no fim de 2015. Para a montagem do grupo que disputou o ano de 2016, o Botafogo tentou Rafael Moura, Kleber, o próprio William Pottker, entre outros nomes que recusaram ofertas.

A disputa acabou ficando entre Luis Henrique e Ribamar, promovido com emergência à equipe profissional. O último foi vendido no meio do ano para o Munique 1860. Antes observado como joia, o primeiro tem cada vez menos espaço no elenco.


Fonte: GE/LANCE! Rio de Janeiro (RJ)