segunda-feira, 10 de abril de 2017

Montillo, Airton e Marcelo estão fora contra o Atlético Nacional; Carli viaja


Argentino tem lesão no ísquio tibial e também preocupa para o jogo contra o Barcelona de Guayaquil, no dia 20. Botafogo embarca nesta terça para Medellín






A segunda-feira foi dia de comemorar a vitória sobre o Fluminense e a vaga na decisão da Taça Rio, mas também reservou notícias ruins para o Botafogo: Airton, Montillo e Marcelo estão fora da viagem para a Colômbia e não enfrentam o Atlético Nacional, na quinta-feira, em Medellín. Por outro lado, Carli está relacionado e tem chances de voltar ao time.


As situações de Montillo aparenta ser a mais grave. O argentino tem uma lesão no músculo que liga o quadril à perna, e não tem previsão de retorno. Airton, por sua vez, sofreu lesão muscular no músculo adutor da coxa esquerda. A dupla passou por exames nesta segunda-feira, foi vetada da viagem e também preocupa para a partida contra o Barcelona de Guayaquil, no dia 20, em Quito. Poupados contra o Fluminense, os dois sentiram desconforto muscular no treino de domingo.

Carli está relacionado e viaja nesta terça para Medellín (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)


Há um mês em recuperação de uma lesão muscular na coxa direita, Marcelo já voltou a treinar, mas ficará fora da viagem para Medellín. O zagueiro deve voltar ao time no domingo, na final da Taça Rio contra o Vasco, e viajar em seguida para Guayaquil, para o jogo contra o Barcelona.


Por outro lado, Carli tem boas chances de voltar ao time. Fora desde a partida contra o Fluminense, no dia 23 de março, o xerife argentino treinou normalmente nesta segunda-feira, foi relacionado para a viagem e pode retornar ao time na quinta, contra o Atlético Nacional.


Fonte: Por GloboEsporte.com, Rio de Janeiro

Agora é Libertadores: veja como estão os rivais do grupo do Bota após pausa


Após 27 dias desde a estreia na fase de grupos, Atlético Nacional, por exemplo, venceu quatro partidas em cinco disputadas. Estudiantes também se destacou






Depois de praticamente um mês da primeira rodada da fase de grupos da Libertadores, o Botafogo volta a pensar exclusivamente na principal competição da América do Sul a partir desta segunda-feira. Assim como o clube brasileiro, durante esse período seus adversários do Grupo 1 (Barcelona de Guayaquil-EQU, Estudiantes-ARG e Atlético Nacional-COL) atuaram em outros campeonatos. E o time colombiano, justamente o rival da próxima quinta-feira, se destacou mais e vive em ótima fase.


ATLÉTICO NACIONAL


Líder isolado do Campeonato Colombiano, com 29 pontos em 33 disputados, o time de Reinaldo Rueda ainda não sabe o que é perder na competição. Nesses 27 dias entre os confrontos da Libertadores, por exemplo, venceu quatro partidas em cinco disputadas. Os resultados positivos vieram exatamente em seu país. A única derrota aconteceu na primeira partida da Recopa, contra a Chapecoense, em Chapecó: 2 a 1.


Atlético Nacional desde a última rodada da Libertadores: quatro vitórias e uma derrota


Jogadores do Atlético Nacional comemoram vitória pelo Campeonato Colombiano (Foto: Site oficial do Atlético Nacional)

A prova mais clara do bom momento vivido pelo Atlético Nacional foi a posição do clube no ranking da Federação Internacional de História e Estatística do Futebol (IFFHS) divulgado na semana passada. Pela primeira vez em 25 anos, um europeu não lidera. A entidade soltou a lista de 2016 com os colombianos no topo. O time verdolarga deixou Real Madrid, Barcelona, PSG e Shakhtar Donetsk para trás.


Reinaldo Rueda gosta de jogar no esquema 4-2-3-1. A zaga é composta por praticamente remanescentes do título da Libertadores em 2016. O goleiro Armani, os laterais Bocanegra e Farid Diaz, e o zagueiro Alexis Henriquez. Outro grande destaque é o meia Macnelly Torres, constantemente convocado para a seleção colombiana.


Para poupar os titulares, o técnico Reinaldo Rueda escalou um time misto na partida da última sexta-feira, contra o Millonarios. Mesmo assim, o Atlético se manteve invicto na competição e venceu por 1 a 0 (gol de Ramirez).


ESTUDIANTES


O time do presidente Sebastián Verón também foi muito bem nesse período, conquistando 10 pontos em 12 disputados pelo Campeonato Argentino. O bom rendimento levou o Estudiantes para a terceira colocação geral. Na última sexta-feira, mesmo com um time repleto de jogadores da base, goleou o Aldosivi por 4 a 1 fora de casa.


Estudiantes desde a última rodada da Libertadores: três vitórias e um empate

Jogadores do Estudiantes comemoram vitória pelo Campeonato Argentino (Foto: Divulgação/Estudiantes)

Derrotado pelo Botafogo no Nilton Santos, o Estudiantes joga nesta terça pressionado por uma vitória sobre o Barcelona de Guayaquil em casa. Para o confronto, o time deverá ter a volta do atacante Lucas Viatri, que está quase 100% recuperado de um problema muscular.


Além disso, o técnico Nelson Vivas enfim poderá contar com o ídolo do clube e atual presidente Verón. Depois de cumprir uma suspensão diante do Alvinegro no Brasil (punição acumulada da Sul-Americana de 2011), o veterano volante de 42 anos estará à disposição e se tornará o argentino mais velho a disputar a Libertadores. Ele vai se aposentar definitivamente após o torneio.


BARCELONA DE GUAYAQUIL


O Barcelona de Guayaquil é o time do Grupo 1 com a maior inatividade no período. Desde que venceu o Atlético Nacional na rodada de abertura, o time do técnico Guillermo Almada só voltou a campo mais duas vezes, ambas pelo Campeonato Equatoriano: com time misto, perdeu para o Universidad Católica por 3 a 1 e ganhou, com os titulares, do Independiente Del Valle por 2 a 0. Porém, é apenas o quinto colocado no país, sete pontos atrás do líderes Emelec e Delfin.


Barcelona de Guayaquil desde a última rodada da Libertadores: uma vitória e uma derrota


Jogadores do Barcelona de Guayaquil comemoram vitória no Campeonato Equatoriano (Foto: Divulgação/Barcelona SC)

A longa inatividade também se deve ao jogo contra a LDU, que seria no dia 30 de março pelo campeonato local, mas foi adiado. Com fôlego acumulado para a Libertadores, a delegação, que conta com o meio-campo brasileiro Gabriel Marques, desembarcou no fim de semana em solo argentino para encarar o Estudiantes nesta terça. Porém, chegou com problemas na bagagem.


São três desfalques importantes: o volante Damián Díaz, suspenso pela Conmebol por quatro rodadas após ter sido expulso contra o Atlético Nacional; o atacante uruguaio Jonatan Álvez, que por problemas pessoais não pode sair do Equador; e o lateral-direito Pedro Pablo Velasco, com problemas musculares.


MANDANTES EM VANTAGEM


Os jogos do Grupo 1, realizados no último dia 14 de março, foram marcados pelas vitórias da equipes anfitriãs. O Botafogo, por exemplo, recebeu o Estudiantes e fez 2 a 1, no Estádio Nilton Santos. Em Guayaquil, o Barcelona repetiu o placar ao superar o Atlético Nacional. Com os resultados, brasileiros e equatorianos lideram a chave com três pontos, enquanto colombianos e argentinos, que jogam em casa nesta segunda rodada, permaneceram com zero


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com, Rio de Janeiro

Análise: Camilo rende melhor de volta ao meio e reabre dilema no Botafogo


Sem Montillo, camisa 10 joga centralizado contra Fluminense, sem precisar marcar, e aparece mais do que últimos jogos tanto na criação quanto na conclusão de jogada



Faltou o gol? É verdade. O jejum de sete meses continua, mas Camilo teve motivos para sorrir no Nilton Santos além da classificação para a final da Taça Rio. Sem Montillo, poupado contra o Fluminense, o camisa 10 do Botafogo pôde voltar a jogar centralizado, conforme gosta. E de fato rendeu bem melhor do que como ponta-esquerda nos últimos jogos. Solto, sem responsabilidade de marcar, ele se mostrou à vontade, aplicou chapéu e foi mais participativo tanto na criação quanto na conclusão de jogadas (veja no vídeo acima), reabrindo o dilema: como fazer para os dois meias encaixarem no retorno do argentino?


Eis a questão que Jair Ventura tenta responder desde o início do ano. O esquema escolhido foi um pentágono no meio de campo, com Airton e Bruno Silva de volantes, Camilo aberto na esquerda, Pimpão na direita e Montillo centralizado, mais perto de Roger. O camisa 10 jogou assim na Seleção quando foi convocado por Tite, mas não esconde de ninguém que não se sente à vontade nesta função, onde precisa voltar para marcar e não tem a velocidade necessária para explorar os flancos.


Mapa de calor de Camilo no Clássico Vovô (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo / mapa de calor: Footstats)

No meio, por ser sua posição original, Camilo tem a agilidade de raciocínio e distribui mais o jogo. Pelo seu mapa de calor no site "Footstats", é possível notar que o meia flutuou por todas as regiões do campo e não prendeu muito a bola, priorizando os passes: foram 16 certos e quatro errados na partida. Conseguiu alguns bons lançamentos para Sassá no primeiro tempo. Mais desgastado na etapa final, ele se aproximou dos atacantes e foi quando deu suas duas finalizações. Camilo ainda teve uma roubada de bola, um impedimento, cometeu uma falta e sofreu quatro.



É justamente a questão de seu posicionamento que causou um mal-estar interno no Botafogo nos últimos dias. Ao saber que estava escalado no time misto para o Carioca, com os que teoricamente não seriam titulares no próximo jogo da Libertadores, Camilo se irritou por ter sido barrado fora de sua posição. O meia cobrou Jair e sequer treinou sexta e sábado. Mas reapareceu na concentração e aparou as arestas após reunião com o técnico e o gerente de futebol, Antônio Lopes.


Ainda não é certo que Montillo jogue contra o Atlético Nacional na Colômbia, na quinta-feira, na volta da Libertadores. Com dores musculares, o argentino é dúvida para a viagem e será reavaliado nesta segunda, junto com Airton, Marcelo e Carli. Com ou sem o camisa 10, a tendência é que Jair volte ao esquema com três volantes, formação que deu certo no ano passado e deixa o time mais cauteloso fora de casa. Desta forma, Camilo e Montillo disputariam a posição de único meia.


Fonte: GE/Por Thiago Lima, Rio de Janeiro