domingo, 16 de outubro de 2016

Jair diz que vitória nos acréscimos tem a cara do Botafogo: "No sacrifício"


Treinador enaltece os jogadores por entrega, diz que ainda não pode contar com Sassá o jogo todo e evita fazer previsões: "Não sei onde vamos chegar"





Não foi só o torcedor do Botafogo que sofreu na Ilha na tarde deste domingo, com o gol da vitória por 3 a 2 diante do Atlético-MG acontecendo nos acréscimos. De acordo com o técnico Jair Ventura, os jogadores sofreram e se sacrificaram dentro de campo. Por isso, segundo o treinador, que o triunfo foi obtido com o gol de Dudu cearense. (Veja os melhores momentos acima)


- O Botafogo está de parabéns. Jogou com a nossa cara. Intensidade, entrega.... Mais um gol no fim do jogo. Por que isso? Porque nos entregamos muito. Três jogadores pediram para sair. Por que isso? Porque jogamos sempre com intensidade, no sacrifício. O Dudu entrou e fez o gol.

Jair Ventura à beira do campo na vitória do Botafogo contra o Atlético-MG (Foto: André Durão / GloboEsporte.com)


Confira a entrevista completa:

Time não empata. É tudo ou nada?


Penso dessa maneira. No jogo contra o Figueirense, o Emílio Faro (auxiliar) me alertou que o jogo estava muito aberto no segundo tempo. Que bom. É lógico que jogando dessa maneira você também pode perder. Tem vezes que temos que optar por ir para cima. Hoje foi um jogo diferente do que contra o Inter. O Inter esperou mais. O Atlético-MG queria a vitória. Sabíamos que seria um jogo aberto. O Botafogo teve um jogo coletivo, a equipe muito organizada. Por mais que busquemos o gol, estamos organizado. Não podemos buscar o gol do qualquer maneira.

Sequência

Ganhar quatro jogos seguidos no Brasileiro é difícil demais. O time está de parabéns. Agora vamos para mais uma batalha no Recife (quarta, contra o Santa Cruz)

O céu é o limite?

A gente tinha o primeiro objetivo que era nos livrar matematicamente do rebaixamento. Conseguimos com oito rodadas de antecedência. Muita gente não acreditava. Agora vamos buscar o máximo possível. Não sei onde vamos chegar, mas vamos buscar o máximo. O mais gostoso é que não precisamos fazer nada de diferente. Temos que manter o que estamos fazendo. Mas o Brasileiro é muito difícil. A gente não consegue saber o que vai acontecer. A gente consegue cuidar da performance. Vontade e sacrifício eu vou cobrar nesses sete jogos que restam.

Arbitragem


Eu não vi os lances ainda. Não sei do que o Atlético-MG está reclamando. Não tenho nada para falar da arbitragem.

Lesões

Se a gente perde, fica como desculpa. É difícil. Sempre temos em mente algumas substituições. Na leitura do jogo o treinador tem que ver como melhorar. Hoje eu queria fazer outras coisas, mas alguns jogadores pediram para sair. Tenho que parabenizar a preparação física.

Gols no fim

A gente vem fazendo gols no final da partida. Mérito de todo grupo, da preparação física, do Ednislon (Senna, chefe da preparação), da fisiologia. Não adianta eu querer intensidade por 90 minutos, e o time não responder

Confiança

Ajuda. Em tudo você precisa de confiança. Com os resultados, isso ajuda. O time está mais leve, já nos livramos do rebaixamento. Mas estamos com os pés nos chão. Cada jogo será assim, com muita entrega. Temos que jogar 110%

Sassá

Ainda não posso contar com ele por 90 minutos. Não quero perder meu artilheiro. Perdemos o Diogo, o Luis Ricardo. Temos que elogiar a força do grupo. Estamos nos reinventando a cada partida. O Pimpão, hoje, jogou como falso 9. Se perde, iam falar que eu estava inventando.

Momento

Foram 11 anos esperando por esse momento. Estudei por 11 anos, e não podia reprovar na prova. É assim o futebol, mas me preparai bastante para esse momento. Passei por todas categorias, fui auxiliar, interino. Foi de maneira gradativa. Meu trabalho demorou para acontecer. Mas não me iludo com esse momento bom. Ninguém vive só de vitórias no futebol, ainda mais no Brasil. Queria que as pessoas lembrassem desse momento quando os resultados não vierem. Tem que avaliar o trabalho durante a semana, no dia a dia.

Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Rio de Janeiro

Com gol no fim e polêmica, Botafogo bate o Galo e vence quarta seguida


Dudu Cearense desvia cobrança de escanteio nos acréscimos e decreta o 3 a 2 na Ilha do Governador. Galo reclama de toque de mão de Bruno Silva no primeiro gol





Teve emoção, teve polêmica e, como virou hábito, teve vitória do Botafogo na Ilha do Governador neste domingo. Imparável, o Glorioso fez 3 a 2 sobre o Atlético-MG, pela 31ª rodada, e conquistou o quarto triunfo consecutivo no Brasileirão, consolidando-se no G-6. Os cariocas abriram 2 a 0 no primeiro tempo com Bruno Silva, em lance muito contestado, e Pimpão, permitiram a reação do Galo, com Fred e Leonardo Silva, mas a cabeçada certeira de Dudu Cearense, já nos acréscimos, deu números finais ao jogo. Ao apito final, muita reclamação dos mineiros com o trio de arbitragem.


Jogadores do Botafogo comemoram o polêmico gol de Bruno Silva (Foto: André Durão / GloboEsporte.com)

O resultado leva o Botafogo aos 50 pontos, na quinta colocação. Quarta-feira, o compromisso será contra o Santa Cruz, às 21h45 (de Brasília), no Arruda, em Recife. O Atlético-MG, terceiro colocado, viu as chances de título se reduzirem com a vitória do Palmeiras. Agora, a diferença é de oito pontos: 64 a 56. Domingo, o Galo recebe o Figueirense, às 19h30, no Independência.


Fred volto a marcar contra o Botafogo,
mas não conseguiu impedir derrota
do Galo (André Durão)
Chama a atenção como o Botafogo transformou a Ilha do Governador em sua casa. Se o Atlético-MG não sabia disso, não precisou de muito para tomar conhecimento. O Glorioso se mandou para o ataque, adiantou a marcação e abriu o placar aos quatro em lance polêmico. Após escanteio, Emerson Santos desviou no segundo pau e Bruno Silva fez o gol. O volante, no entanto, dominou com a mão. Mesmo em vantagem, os cariocas se aproveitavam de um adversário desorganizado e tinham Camilo em boa tarde. O Galo até tinha território, se mantinha no ataque, mas era incapaz de colocar Sidão para trabalhar. O Bota, do outro lado, foi mortal. Lindoso desarmou Urso, Alemão tabelou com Neílton e descolou linda assistência para finalização ainda melhor de Pimpão: 2 a 0 justo no intervalo.


O segundo tempo começou na mesma toada: o Botafogo no ataque com finalização de Camilo. Quem marcou o gol, no entanto, foi o Galo, em bela tabela de seus principais jogadores, aos cinco. Fred, Robinho, Fred, gol. Carrasco nos tempos de Flu, o artilheiro do Brasileirão reencontrou sua vítima preferida. O lance mudou o panorama do jogo. Os cariocas recuaram e apostaram no contra-ataque. Estratégia que só não deu certo porque Camilo chutou para fora com o gol vazio após furada de Victor fora da área. Quatro minutos depois, o castigo veio em forma de cabeçada de Léo Silva: 2 a 2. Nos 20 minutos finais, o a partida ficou aberta, com boas chances e finalizações ruins até os acréscimos, quando Camilo cobrou escanteio no primeiro pau e encontrou Dudu Cearense. Desvio certeiro, festa botafoguense. Na Ilha, quem manda é o Botafogo.


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com/Rio de Janeiro

Chuva de gols? Duelo entre Bota e Galo reúne três artilheiros do Brasileiro


Com Sassá, Fred e Robinho e campo, jogo na Ilha do Governador tem previsão de tempestade de bolas na rede. Vaga na Libertadores e disputa de título estão em jogo



O jogo, por si só, já é uma atração. Dois grandes clubes do Brasil, terceiro e quinto colocados do Brasileiro, que disputam uma vaga na Libertadores e o título, respectivamente. No entanto, o duelo entre Botafogo e Atlético-MG, neste domingo, às 17h, no Estádio Luso-Brasileiro tem um tempero a mais. A previsão é de um domingo de sol no Rio de Janeiro, mas com chuva de gols na Ilha do Governador. Ou é normal uma única partida reunir três artilheiros do campeonato?

Sassá, Fred e Robinho. Cada um deles marcou 11 gols no Campeonato Brasileiro e divide a artilharia com Gabriel Jesus, do Palmeiras. Com os três em campo, o jogo deste domingo, sem dúvida, gera a expectativa de muitos gols. No encontro do primeiro turno, na vitória do Atlético-MG por 5 a 3 no Mineirão, os três marcaram. (Veja os gols no vídeo abaixo).


Outro fato curioso aumenta a expectativa por gols. Fred é o maior carrasco da história do Botafogo, e o Glorioso é a maior vítima da carreira do atacante. No total, Fred já marcou 15 gols contra o Alvinegro carioca.


- O Fred é um exímio finalizador, um jogador que precisa de uma bola. Atenção especial nele. O Botafogo é o clube que ele mais marcou na carreira. Chega, né? - brincou o técnico Jair Ventura.

Montagem Sassá, Fred e Robinho Atlético-MG X Botafogo (Foto: Editoria de arte)
Do lado do atleticano, a briga interna pela artilharia é deixada em segundo plano. Fred, que assim como Sassá marcou seu 11º gol na última rodada, não esconde a felicidade de ser um dos principais goleadores do Campeonato Brasileiro, mas garante foco principal no título. Ainda mais agora, que a diferença para o líder Palmeiras caiu para cinco pontos, restando ainda o confronto direto entre os dois times, em Belo Horizonte.


- É sempre prazeroso para mim, porque demonstra que as coisas estão acontecendo bem. Estou feliz também pelo Robinho, que está jogando muito, fazendo gols e brigando pela artilharia lá em cima, mas o objetivo principal nosso é o título - revelou Fred.


Um novo momento

O jogo no primeiro turno foi animado, mas o momento, no entanto, é outro. Se no encontro no dia 30 de junho o Botafogo entrou em campo na zona de rebaixamento, hoje é o time carioca é o quinto colocado, com a terceira melhor campanha do returno. Contra o Galo, Alvinegro busca sua quarta vitória seguida.

Apesar da expectativa por muitos gols, há um porém. Segundo melhor ataque do Campeonato Brasileiro, com 49 gols, o Atlético-MG terá um desafio e tanto. Em 11 rodadas do returno, o Botafogo foi vazado apenas três vezes. Neste domingo, no entanto, o Alvinegro não terá seu xerife Joel Carli, suspenso. Emerson Silva e Renan Fonseca disputam a vaga.




O histórico de gols no clássico deste domingo é grande. Em 1998, Botafogo e Atlético-MG protagonizaram um dos grandes jogos da história do Brasileiro. No Mineirão, a equipe carioca abriu 2 a 0, mas o Galo virou para 5 a 2. O Glorioso, no entanto, ainda teve forças para buscar o empate. Placar final? 5 a 5.

Na única vez que se enfrentaram no Estádio Luso-Brasileiro, o Botafogo levou a melhor. Em 2005, o clube carioca venceu por 2 a 1, com gols de César Prates e Túlio. Euller descontou para o Galo.

A expectativa é de casa cheia nesse domingo. Da carga de quase 15 mil ingressos, mas de 10 mil foram vendidos antecipadamente. O jogo também é de suma importância para as pretensões dos clubes. Após chegar pela primeira vez ao G-6, o Botafogo (5º colocado) tenta fincar raiz na zona de classificação para a Libertadores. Na perseguição dos líderes Palmeiras e Flamengo, o Galo (3º colocado) espera vencer para seguir vivo na briga pelo título do Campeonato Brasileiro.

BOTAFOGO x ATLÉTICO-MG

Local: Arena Botafogo, Rio de Janeiro (RJ)
Data e horário: domingo, 17h (horário de Brasília)
Escalação provável do Botafogo: Sidão, Alemão, Emerson Silva (Renan Fonseca) Emerson, Victor Luís; Airton, Rodrigo Lindoso, Bruno Silva, Camilo; Neilton e Sassá (Tanque)
Desfalques: Carli (suspenso), e Diogo Barbosa, Jefferson, Luis Ricardo e Saulo (machucados)
Pendurados do Botafogo: Anderson Aquino, Dudu Cearense, Fernandes, Renan Fonseca, Rodrigo Pimpão, Sassá, Sidão e Vinícius Tanque.
Escalação provável do Atlético-MG: Victor, Carlos César, Leonardo Silva, Erazo, Fábio Santos, Rafael Carioca, Júnior Urso (Leandro Donizete), Cazares (Rómulo Otero), Clayton, Robinho e Fred (Lucas Pratto)
Desfalques: Dátolo, Maicosuel, Marcos Rocha e Carlos (lesionados)
Pendurados do Atlético-MG: Carlos, Fábio Santos, Gabriel, Rafael Carioca e Robinho.
Arbitragem: Wagner Reway (MT), auxiliador por Eduardo da Cruz (MS) e Fábio Rubinho (MT)
Transmissão: Premiere F.C. para todo o Brasil ;Rádio Globo / CBN (Edson Mauro, Dé e Francisco Aiello /Globo AM 1220 e CBN FM 92,5). O GloboEsporte.com acompanha em Tempo Real, com vídeos.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Rafael Araújo/Rio de Janeiro e Belo Horizonte