terça-feira, 28 de fevereiro de 2017

Sem jogos até dia 12, Bota faz "mini pré-temporada" antes de maratona


Clube tem 17 dias sem partidas, mas a partir de 12 de março terá quatro jogos em 11 dias, sendo dois clássicos e a estreia na fase de grupos da Libertadores





O Botafogo, ao contrário dos demais grandes clubes cariocas, iniciou o ano com uma decisão. Jair Ventura precisou priorizar a classificação para a fase de grupos da Libertadores, a pré-temporada ficou apertada, e o time acabou eliminado na Taça Guanabara. Mas o prêmio veio: a classificação nos pênaltis diante do tradicional Olimpia no Defensores del Chaco.

A saída precoce no primeiro turno do Carioca também teve lado positivo: da partida no Paraguai até a primeira rodada da Taça Rio são 17 dias livres, que o clube aproveitará como uma "mini pré-temporada". Isso porque o que vem a seguir é certeza de dificuldades: serão quatro jogos em 11 dias, sendo dois clássicos e a estreia na fase de grupos da competição continental.

Parte física tem sido prioridade no reinício de treinamentos do Botafogo (Foto: Vitor Silva /SSPress/Botafogo)


No dia 12, o Botafogo receberá o Volta Redonda, no Engenhão. No mesmo local, enfrenta o Estudiantes, da Argentina, no dia 14. Já no dia 19, o rival é o Vasco, em jogo marcado para o Maracanã, bem como o do dia 22, contra o Fluminense.

O preparador físico Ednilson Sena explica que a pré-temporada do clube, por conta da disputa da pré-Libertadores, foi reduzida, o que fez com que etapas importantes da preparação para o ano fossem puladas de olho no objetivo imediato. São essas etapas que Sena pretende recuperar agora, o "lastro", como explicou após mais um treino físico durante o carnaval:

- O Botafogo fez 10 jogos em 30 dias. Começamos 2017 disputando uma final de campeonato, que foi a pré-Libertadores. Jogamos contra equipes que já estavam com ritmo, disputando o segundo turno de suas competições, Colo Colo e Olimpia, e foi muito difícil. O nosso calendário de pré-temporada foi reduzido e quando você não consegue dar um lastro ao atleta, corre risco o tempo todo. Então tivemos de pular algumas valências físicas importantes para a temporada.

Botafogo só volta a jogar no dia 12 (Foto: Vitor Silva /SSPress/Botafogo)

Sena não comemora, claro, a eliminação na primeira fase da Taça Guanabara, mas enxerga um lado positivo, justamente para a sua área de trabalho:

- Claro que queríamos estar disputando as finais. Por outro lado, além do lado ruim de estar fora da semifinal, vamos ter um tempo para trabalhar. Vamos reequilibrar os atletas para ter uma melhora significativa na parte física, porque às vezes o torcedor tem de entender que o que aplicamos aqui leva um tempo para colher os frutos. Nada melhor do que avaliar todo o grupo para ver em que nível físico se encontram para que a gente possa atingir nosso objetivo agora mais profundamente. É uma mini pré-temporada.

Ele não se arrisca a dizer que a equipe estará no seu auge físico quando entrar em campo contra o Volta Redonda, no dia 12, no Engenhão. Mas garante que o período sem jogos trará uma melhora física relevante:

- O meu planejamento é macro, não pode ser micro, porque trabalho para o ano inteiro. O que posso dizer é que nossa equipe vai estar bem melhor, e a cada semana, mês, vamos ter um ganho significativo.


Fonte: GE/Por Vicente Seda/Rio de Janeiro

Gatito torce por recuperação de Helton e valoriza oportunidade no Botafogo


Goleiro tem uma lesão grave na coxa direita e vira desfalque, mas departamento médico não divulga prazo. Gatito espera aproveitar espaço


Gatito falou com os jornalistas nesta segunda-feira
(Foto: Vicente Seda)
A grave lesão na coxa direita de Helton Leite abrirá espaço para Gatito Fernández voltar a ser titular do Botafogo. Apesar disso, o goleiro paraguaio está torcendo pela rápida recuperação do companheiro, que se machucou durante a partida contra o Olimpia, pela terceira fase da Libertadores.


Enquanto Helton Leite se recupera, Gatito terá ainda mais espaço: ele havia perdido a vaga no time titular por causa de uma lesão, também, e garantiu a classificação à fase de grupos da competição sul-americana ao pegar três pênaltis contra os paraguaios.


- Fiquei sabendo agora do Helton. Espero que se recupere rápido. Sei que os fisioterapeutas vão fazer o melhor para o Helton. Esse tempo de trabalho agora vai ser importante para mim, para voltar ao meu nível do ano passado, é isso que estou tentando. Essa semana vai me ajudar a me preparar para esses jogos que estão por vir - disse Gatito Fernández nesta segunda-feira, no Nilton Santos.


LEIA MAIS: Helton Leite tem lesão grave na coxa e vira desfalque no Botafogo


Já com Gatito como titular, o Botafogo entra em campo novamente só no dia 12 de março (domingo), pela Taça Rio, contra o Volta Redonda, no Nilton Santos.


Confira mais trechos da entrevista de Gatito Fernández:



Tempo no Botafogo
- Em pouco tempo no clube já passei um pouco de tudo. É um momento muito bom e feliz, não só pessoal, mas pelo grupo. Acho que foi o primeiro título do ano para o nosso time. E me deixa tranquilo saber que em pouco tempo conseguimos essa meta que tínhamos.


Partida contra o Olimpia
- No momento que eu tinha de entrar em campo, procurei ficar tranquilo. Estava consciente de que o Olimpia fazia um bom jogo, melhor até do que a gente. Tentei passar tranquilidade para os nossos companheiros. Depois do gol, torci para ir para a disputa para alongar nossa esperança.


Preparação para os pênaltis
- O pessoal do clube passou alguns pênaltis, foi uma parte isso, e um pouco do meu trabalho. Fiquei observando quando iam bater para conseguir pegar o pênalti. O mais desafiador foi do meio. Se ele bate do lado, ia ficar um pouco feio. É difícil o goleiro ficar parado . Eu vi que no domingo anterior ele bateu daquele jeito


Abraço em Helton
- Senti de ir abraçar o Helton, sabia o quanto ele queria estar no campo. Fui dar um abraço para passar que a vitória era de todo mundo, de todo o time. Ele fez um grande trabalho, estava muito seguro. Aqui no Botafogo é um elenco inteiro. Quem entrar tem de dar conta.


Fonte: GE/Por Vicente Seda/Rio de Janeiro

segunda-feira, 27 de fevereiro de 2017

Sem folia! Depois de quatro dias de folga, Botafogo volta aos trabalhos


Jogadores puderam aproveitar o final de semana de Carnaval e agora viram a chave para a sequência da temporada. Na reapresentação, um trabalho físico leve no Nilton Santos



Nada de bola: treino desta segunda-feira priorizou a recuperação física (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

Passado o final de semana do Carnaval, o Botafogo se reapresentou na tarde desta segunda-feira, no Estádio Nilton Santos. Em campo, os atletas realizaram apenas um trabalho físico, visando a recuperação para a sequência do ano. Desde que o time retorna do Paraguai, os atletas receberam quatro dias de folga para descansar e recuperar as energias, visto que a equipe só volta a entrar em campo no dia 12 de março, contra o Volta Redonda, na Taça Rio.

O grande destaque da atividade foi a presença de Montillo em campo. O meia - que havia sido cortado da viagem para o Paraguai por conta de lesão - está recuperado e já treinou com o restante dos seus companheiros. O goleiro Jefferson subiu ao campo antes do restante do grupo e fez um treino à parte.

O técnico Jair Ventura já havia destacado que, nessas quase duas semanas sem jogos, a expectativa é de realizar uma espécia de "nova" pré-temporada com o elenco, já que o período em Domingos Martins foi encurtado pela participação nas fases inicias da Libertadores. Assim sendo, ele poderá recuperar atletas antes lesionados e testar novas alternativas de jogos para o seu Botafogo.

Fonte: GE/LANCE! Rio de Janeiro (RJ)

Com hiato entre jogos, Botafogo volta a focar no Carioca e na Libertadores


Primeira jogo da competição internacional é no dia 14 de março. Depois, somente no meio de abril. Nesse meio tempo, Glorioso terá calendário livre na fase decisiva da Taça Rio


Em meio a maratona de jogos, elenco alvinegro resistiu e se classificou na Libertadores (Foto: Divulgação)


Se na Taça Guanabara o Glorioso entrou quase em todos os jogos com o time reserva - salve a exceção da estreia nela, contra o Madureira - na Taça Rio a tendência é de que o Botafogo jogue com o que tem de melhor no torneio que vai definir os semifinalistas do Campeonato Carioca. E isso se dá por conta de um hiato que o clube terá entre os jogos da competição e a partida no torneio que é prioridade dos comandados de Jair em 2017: a Copa Libertadores.

Depois da estreia contra o Estudiantes-ARG, no dia 14 de março, no Estádio Nilton Santos, o Glorioso só volta a entrar em campo pela competição um mês depois, no dia 13 de abril, contra o Atlético Nacional, na Colômbia. Nesse meio tempo entre os jogos, o Botafogo fará as cinco partidas finais da Taça Rio, que vão decidir os semifinalistas do Estadual, que se classificam pela soma dos pontos. A tendência é de ver um time mais focado no Carioca nesse período.

- Desculpa aqueles que acharam que o planejamento não estava certo, mas o planejamento estava certo. Abrimos mão de algumas competições, do Carioca, mas nosso objetivo principal foi alcançado - disse Jair Ventura depois da vaga no Paraguai, contra o Olimpia, lembrando dos reservas na Taça Guanabara.

Vale ressaltar que a classificação para a fase decisiva do Carioca se dá pelo acumulo de pontos do clube nos dois turnos da competição. Por enquanto, o Botafogo está com sete pontos somados, na quinta colocação, atrás do Madureira, que tem 10. Para chegar as semifinais, o Alvinegro precisaria cortar essa vantagem nas seis rodadas que tem por disputar agora, na Taça Rio.

Mesmo sem ser a prioridade alvinegra em 2017, o time segue vivo nas duas competições do início de temporada. Em uma, com muito suor e eliminando dois gigantes do continente. Na outra, cambaleando com os reservas. Agora, o mês de março pode ser a chance de entrar com tudo nas duas frentes.

A SEQUÊNCIA DE JOGOS DO BOTAFOGO:

​14.03 - Estudiantes-ARG - Libertadores
19.03 - Vasco - Taça Rio
22.03 - Fluminense - Taça Rio
26.03 - Bangu - Taça Rio
29.03 - Portuguesa - Taça Rio
​02.04 - Resende - Taça Rio
​09.04 - Semifinal - Taça Rio
13.04 - Atlético Nacional - Libertadores


Fonte: LANCE! Rio de Janeiro (RJ)

Helton Leite ou Gatito? Fartura de goleiros contrasta com drama de 2007


Com dupla em alta, disputa pela camisa 1 do Botafogo - enquanto Jefferson não volta -, está acirrada. Há uma década clube vivia situação bem diferente debaixo das traves



A classificação contra o Olimpia em Assunção abriu novamente o debate. Afinal, quem deve ser o titular do gol do Botafogo? Enquanto Jefferson se recupera de uma lesão no braço esquerdo, Helton Leite e Gatito se alternam debaixo das traves. Fartura? Situação bem diferente da de uma década atrás.

Hoje, somente Jair Ventura pode responder quem é o camisa 1 do Botafogo. Gatito foi contratado para ser titular, perdeu a posição para Helton Leite, que foi bem, mas se lesionou e abriu brecha para o paraguaio brilhar em Assunção. Com três defesas de pênaltis, Gatito voltou como herói do Paraguai. Como Jefferson só deve retornar no Campeonato Brasileiro, a disputa está aberta. 

Helton Leite e Gatito. Ambos foram bem contra o Olimpia (Fotos:Vitor Silva / SSpress / Botafogo)

Situação bem diferente da de dez anos atrás. Em 2007, o Botafogo formou um bom time, liderou por várias rodadas o Campeonato Brasileiro, mas pecou pela de segurança embaixo das traves. Foram quatro tentativas de goleiros. Nenhuma vingou.


Relembre os goleiros do Botafogo em 2007

Max foi uma das tentativas do Botafogo em 2007
(Foto: Agência O Globo)
Max - Falhou na Copa Sul-Americana, na derrota para o River Plate, em Buenos Aires por 4 a 2. O resultado eliminou o time carioca na Copa Sul-Americana. No Brasileiro, falhou até mesmo numa cobrança de pênalti - contra o Náutico em Recife.

Roger - começou a jogar logo depois da derrota para o River Plate, mas também não passou confiança. Quando contratado, havia a suspeita de uma lesão no ombro. Roger ficou muito tempo no departamento médico. Quando jogou, não foi bem.

Julio César - Hoje no Fluminense, era visto como promessa do clube e variava atuações. Grandes defesas e falhas. Falhou no gol de Cleiton Xavier na Copa do Brasil de 2007, no Maracanã - partida que ficou marcada pelo erro da auxiliar Ana Paula de Oliveira. Também falhou feio num gol do Náutico (no Maracanã) no Brasileirão daquele ano.

Marcos Leandro - foi contratado às pressas junto ao Olaria durante o Brasileiro em meio à crise dos goleiros do Botafogo. A estreia foi justamente no jogo que valia a liderança da competição, contra o São Paulo, no Maracanã. O Botafogo perdeu, e ele falhou no gol da equipe paulista. Depois teve raras chances. Era um nome totalmente desconhecido na ocasião.


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com/Rio de Janeiro

domingo, 26 de fevereiro de 2017

Botafogo pode inscrever cinco atletas na próxima fase da Libertadores


Com chegada na fase de grupos, Glorioso aumentará o número de opções no seu elenco. Sassá e Canales são dois que devem ser inscritos. Luis Ricardo também pode retornar


Sassá e Canales devem ser inscritos pelo Botafogo na fase de grupos da Libertadores (Foto: Montagem - Lance!)

Depois da epopeia no Chile e no Paraguai, o Botafogo agora pensa na fase de grupos da Libertadores. E também nas possibilidades que esse novo estágio abre no elenco alvinegro. O Glorioso poderá inscrever mais cinco nomes na próxima fase da competição, fechando o elenco de 30 jogadores. E, na disputa, alguns nomes do elenco buscam a afirmação.

Na frente, a grande expectativa é pela inscrição de Sassá e Canales. No caso do artilheiro do Botafogo no ano passado - com 14 gols - a inscrição é certa. Depois de problemas extra-campo, Sassá recebeu uma segunda chance no clube. Inclusive, ele viajou com a delegação na última quarta-feira, para o Paraguai. Será nova opção para Jair Ventura no setor de frente.

Canales também é outro que deve receber uma nova chance. O experiente centroavante chileno foi contratado como um grande nome para o ataque e - recuperado de cirurgia que realizou no ano passado - ele seria o segundo nome na nova lista do Botafogo.

No meio-campo, a grande novidade deve ser Fernandes. O volante recebeu chance no Campeonato Carioca e se destacou na última vitória, contra o Boavista, quando marcou dois gols. Ele fora elogiado por Jair e deve ser nova opção para a sequência, podendo atuar mais adiantado, como um meia.

Na defesa, a expectativa é por Luis Ricardo. O lateral - que passou por cirurgia em setembro do ano passado - está no processo final de recuperação e pode se tornar um reforço importante para a sequência. Contra o Olimpia, no Defensores del Chaco, Jair preferiu improvisar um zagueiro na posição com a ausência de Jonas, que esteve suspenso.

OS 25 INSCRITOS NAS PRIMEIRAS FASES:

Goleiros: Gatito Fernández, Helton Leite e Saulo

Laterais: Jonas, Marcinho, Victor Luís e Gilson

Zagueiros: Emerson Silva, Marcelo, Renan Fonseca, Carli e Igor Rabello

Volantes: Airton, Bruno Silva, João Paulo, Dudu Cearense, Rodrigo Lindoso e Matheus Fernandes

Meias: Montillo, Camilo e Leandrinho

Atacantes: Roger, Rodrigo Pimpão, Guilherme e Joel


Fonte: LANCE! Rio de Janeiro (RJ)

Botafogo negocia renovação de Bruno Silva até 2018; veja outras tratativas


Tratativas com o empresário do jogador acontecem desde janeiro. Volante tem contrato até dezembro. Ideia é renovar por mais uma temporada





Após acertar com Marcelo e abrir negociações com Airton, o Botafogo tem tratativas para renovar com mais um titular da equipe: Bruno Silva. As conversas acontecem desde janeiro, e a expectativa é que o acordo seja selado em março. O volante tem contrato até dezembro.


Quem está à frente da negociação é o gerente Antônio Lopes. Houve um primeiro encontro com Carlinhos Sabiá, empresário de Bruno, em janeiro. O agente retorna ao Rio de Janeiro no início de março para mais uma conversa com o Botafogo. A ideia é estender o vínculo até dezembro de 2018.


- Estamos conversando. O Botafogo demonstrou interesse, e o Bruno Silva também quer ficar. Vou ao Rio de Janeiro depois do Carnaval. A ideia é que tudo esteja resolvido antes do jogo contra o Estudiantes, o primeiro do Botafogo na fase de grupos da Libertadores – disse Carlinhos Sabiá.
 
Bruno Silva tem contrato com o Botafogo até dezembro (Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo)
Bruno, de 30 anos, foi contrato pelo Botafogo em janeiro do ano passado, e deste então é um dos jogadores mais assíduos em campo. Titular com Ricardo Gomes e Jair Ventura, ele disputou 59 jogos e marcou cinco gols nesse período. Um deles, contra o Grêmio, selou a classificação para a Libertadores.

Outras negociações

Sem acordo, Emerson não vem sendo aproveitado
(Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo)
Para evitar perder destaques com contrato até o fim do ano, o Botafogo iniciou a temporada negociando a renovação de alguns de seus destaques. Marcelo foi o primeiro a acertar e estendeu seu vínculo até 2020. No caso de Airton, os valores ainda estão distantes, mas a intenção das duas partes é renovar por mais dois anos.


Sassá é outro que tem contrato até dezembro. O atacante, que chegou a ser afastado no início do mês, foi reintegrado. A ideia era vendê-lo, mas a proposta de 1,5 milhão de Euros (cerca de R$ 5 milhões) do Lokomotiv Moscou não agradou. O desempenho em campo e fora dele definirá o rumo do jogador. Lesionado, Jefferson também tem contrato até dezembro. O goleiro deixou claro que só vai sentar para negociar quando estiver recuperado. A expectativa é que ele retorne aos gramados em maio.


O caso de Emerson Santos é o mais complicado. Também com contrato até dezembro, o zagueiro pede R$ 1 milhão de luvas, além de 25% dos direitos econômicos em uma futura negociação. O Botafogo considera os valores abusivos, e o atleta não vem sendo aproveitado. Emerson não está inscrito no Carioca nem na Libertadores.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Rio de Janeiro

sexta-feira, 24 de fevereiro de 2017

Ufa! Após maratona e emoções, Bota tem tempo para respirar e tratar lesões


Alvinegro, que realizou dez jogos em um mês, terá quatro dias de descanso e só volta a jogar em duas semanas. Elenco ganha primeiras folgas após pré-temporada



MARATONA EM UM MÊS

22/1 - 4 x 0 Rio Branco (Cariacica)
25/1 - 0 x 2 Madureira (Bangu)
28/1 - 1 x 1 Nova Iguaçu (Rio)
01/2 - 2 x 1 Colo-Colo (Rio)
04/2 - 2 x 1 Macaé (Rio)
08/2 - 1 x 1 Colo-Colo (Santiago)
12/2 - 1 x 2 Flamengo (Rio)
15/2 - 1 x 0 Olimpia (Rio)
19/2 - 3 x 2 Boavista (Bacaxá)
22/2 - 0 x 1 Olimpia (Assunção)


A classificação para a fase de grupos foi recheada de euforia, mas também de um certo alívio. Além da conseguir o primeiro objetivo da temporada, o Botafogo, enfim, terá tempo para descansar. Afinal, depois uma maratona intensa de jogos e emoção, o elenco ganhou quatro dias de folga. Algo raríssimo em 2017.

Incluindo o amistoso contra o Rio Branco, em 22 de janeiro, o Botafogo entrou em campo dez vezes em um mês. Jair Ventura alternou a equipe, fez rodízio, mas a sequência não permitiu folgas. Desde que retornou da pré-temporada no Espírito Santo, no dia 24 de janeiro, o Alvinegro treinou ou jogou todos os dias. Ao retornar do Paraguai, o elenco ganhou folga até segunda-feira.

Além da pesada carga de trabalho, houve também o peso emocional. Eliminação precoce na Taça Guanabara, clássico contra o Flamengo e quatro jogos de caráter decisivo seguidos pela Libertadores. O objetivo principal – classificação para a fase de grupos – foi atingido.

- Tirou aquele peso, dei uma respirada. Mas foi o que escolhi para a minha vida. Agora vou passar o Carnaval tranquilo, dar folga aos jogadores. Depois vamos nos preparar para fase de grupos, que será muito forte – disse Jair Ventura, aliviado e feliz após a classificação em Assunção. O treinador ainda não decidiu se vai acompanhar os desfiles das escolas de samba na Sapucaí. 

Jogadores do Botafogo antes das cobranças de pênaltis contra o Olimpia (Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo)

Valeu a pena? É claro que sim. A maratona foi exaustiva, mas o Botafogo passou por clubes tradicionais como Colo-Colo e Olimpia e está na fase de grupos da Libertadores. A sequência, porém, também causou danos. Carli, Montillo (duas), Helton Leite e Gatito sofreram lesões musculares. Camilo e Bruno Silva sofreram com dores. Bochecha rompeu os ligamentos do joelho e foi operado. Airton também teve um problema no cotovelo, mas não chegou a desfalcar a equipe.

- Agora a gente vai ter tempo para nossa pré-temporada. Período curto, perdemos bastantes jogadores por lesão, cansaço... Entregar os primeiros dias ao nosso departamento físico e de fisiologia para que a gente possa fazer um grande ano - disse Jair, na chegada ao Rio.

O tempo, que era o grande vilão, agora é aliado do Botafogo. Fora da fase decisiva da Taça Guanabara, o Botafogo terá mais de duas semanas de descanso. O próximo jogo previsto é contra o Volta Redonda, na estreia na Taça Rio, em 11 de março. Até lá a comissão técnica terá tempo para ajustar o time e recuperar jogadores.

- Agora a gente vai ter uma folguinha, mas semana que vem volta a trabalhar e focar no restante da temporada - comemorou Airton.

Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago Lima/Rio de Janeiro

Vem, Estudiantes! Jair projeta fase de grupos e estreia no seu aniversário


Comandante lembra toda trajetória vivida pelo Botafogo para chegar na Copa Libertadores e espera noite especial no dia 14 de março, contra o time argentino, no Nilton Santos



O primeiro objetivo de Jair em 2017 foi cumprido: a fase de grupos da Libertadores (Foto:Satiro Sodré/SSPress)


Depois da classificação no Paraguai, o primeiro objetivo do Botafogo para 2017 foi cumprido: a entrada na fase de grupos da Libertadores. Com tempo maior de preparação até a sua estreia, o Glorioso poderá agora recuperar jogadores lesionados e dar ao técnico Jair Ventura mais tempo para acertar detalhes da sua equipe. Até porque, o jogo contra o Estudiantes - no Estádio Nilton Santos -promete ser especial para o comandante alvinegro, que fará 38 anos no dia.

- Dia 14/3 é a nossa estreia. Dia do meu aniversario, no nosso estádio, contra o Estudiantes. Nosso grupo é muito difícil. Vamos lá. Lutamos tanto para isso. Seria muito ruim ficar fora depois de tudo que passamos. Saímos da rebaixamento de rebaixamento e estamos aqui. Um passo gigante. Fico muito feliz. Levamos o Botafogo onde o Botafogo tem que estar - comemora Jair.

Além do clube argentino, o atual campeão Atlético Nacional-COL e o Barcelona de Guayaquil-ECU completam o grupo A, um dos mais difíceis da atual edição. Para Jair, será mais uma oportunidade de seguir brilhando com o Botafogo na Libertadores para, quem saber, sonhar com vôos mais altos no final do ano.

Desde quando assumiu o Glorioso, em meados de agosto do ano passado, Jair comandou a equipe em 32 jogos, com 17 vitórias, cinco empates e 10 derrotas. O seu aproveitamento é de 58%. O técnico - filho do ídolo do clube Jairzinho - ficou marcado pela arrancada que tirou o Botafogo dá zona de rebaixamento do Brasileirão e o classificou para a Copa Libertadores do ano seguinte.


Fonte: Lancenet/Rio de Janeiro (RJ)

Atual campeão, Verón, caldeirão: os rivais do Botafogo na Libertadores


Botafogo entra no Grupo 1 com Estudiantes (Argentina), Atlético Nacional (Colômbia) e Barcelona de Guayaquil (Equador). Veterano pode aparecer na estreia dia 14/03




Depois da suada e empolgante classificação para a fase de grupos da Libertadores da América, quando eliminou os tradicionais Colo-Colo (Chile) e Olimpia (Paraguai), o Botafogo já começa a pensar nos adversários da próxima fase. E ela não será nada fácil.

O caminho do brasileiro terá dois clubes que foram campeões da competição, sendo que um é o atual, e outro que chegou em duas oportunidades na final: Estudiantes (Argentina), Atlético Nacional (Colômbia) e Barcelona de Guayaquil (Equador), respectivamente.






Já na estreia no próximo dia 14 de março, o Botafogo recebe a equipe mais vitoriosa do grupo e favorita para conseguir a classificação: O Estudiantes de La Plata. Com quatro títulos da Libertadores (1968, 1969, 1970 e 2009), os argentinos chegam motivados com a possibilidade de contar em campo com o eterno ídolo e atual presidente do clube, Juan Sebastián Verón. Após anunciar aposentadoria em 2014, o dirigente "se contratou" para atuar mais 18 meses.


O Estudiantes ainda não jogou partidas oficiais em 2017. Foram três amistosos e um confronto por um torneio de verão. Perdeu uma e empatou três. Está em quarto lugar no Campeonato Argentino, que está parado. Em 14 jogos, foram oito vitórias (sendo cinco em casa), três derrotas e três empates. Os destaques ficam para o próprio Verón, o goleiro Mariano Andújar e o zagueiro Leandro Desábato, que, em 2005, se envolveu em uma polêmica no Morumbi. Ele foi acusado de racismo pelo atacante Grafitte, então no São Paulo, e acabou detido por dois dias na polícia.


Sergio Maffei, do Diário Esportivo Olé, da Argentina.


- A grande notícia de 2017 é que Juan Sebastián Verón, presidente do clube, voltará a jogar profissionalmente aos 41 anos. Ele só foi inscrito para atuar na Libertadores. O capitão que levantou a Copa em 2009 será a grande figura da equipe, mas precisa recuperar sua forma física. Além dele, o Estudiantes trouxe um jogador apenas para a competição, que é Javier Iritier (Huracán). E outros três para para a temporada toda: Sebastián Dubarbier (Almería), Augusto Solari (continúa) y Juan Otero (Fortaleza de Colombia).

Verón assina contrato com o Estudiantes (Foto: Divulgação / Estudiantes)


Atlético perdeu Borja para o Palmeiras

Atual campeão da Libertadores, o Atlético Nacional chega sem o artilheiro Borja, que acertou com o Palmeiras. Além dele, outros oito atletas saíram (Davinson Sánchez, Berrío, Guerra, Mejía, Marlos Moreno, Rescaldani, Luis Martinez, Gilberto Garcia, Luis Enrique Martinez e Tomás Maya). Por outro lado o clube contratou Dayro Moreno, considerado um dos melhores jogadores colombianos da atualidade e que se destacou no futebol mexicano. Outra novidade é Valencia, ex-jogador do Fluminense. Na temporada, o time atuou em três partidas, vencendo duas e empatando uma.


Fora de campo, o Atlético Nacional se tornou um clube querido dos brasileiros no fim do ano passado após a tragédia com o avião da Chapecoense. O clube, que seria o adversário da Chape na final da Sul-americana, fez uma grande homenagem no Estádio Atanasio Girardot, em Medellín.


- O Nacional tem uma grande folha de pagamento. Perdeu o artilheiro Borja, mas trouxe Dayro Moreno, que se destacou no México. Além dele, jogadores da seleção também se destacam como Aldo Leal Ramirez e Edwin Valencia. E conta com um técnico (Reinaldo Rueda) que já ganhou a Copa e isso faz diferença - lembrou Francisco Henao, do equatoriano El País.

Reforços chegaram para a disputa da Libertadores (Foto: Divulgação: Site Oficial do Atlético Nacional)

Barcelona aposta na torcida


Em nono no Campeonato Nacional, o Barcelona de Guayaquil chega apostando na força de sua torcida para voltar a disputar uma final de Libertadores. O clube atuou em apenas cinco jogos em 2017, sendo três pelo Equatoriano e dois pela Florida Cup. E foi justamente na competição em nos Estados Unidos que eles enfrentaram o Vasco, rival da decisão de 1998. Confira, abaixo, o gol de Vera diante dos cariocas.


Na eleição dos melhores da última temporada no Equador, o Barcelona teve sete representantes na seleção do campeonato. Para esse ano, o treinador Guillermo Almada ganhou o reforço do zagueiro colombiano Jefferson Mena, que estava no New York City. A equipe de Guayaquil ainda tem no elenco o volante brasileiro Gabriel Marques, ex-Furacão e Paraná.




Fonte: GE/Por Alexandre Ribeiro * e Felippe Costa/Rio de Janeiro
* Estagiário, sob a supervisão de Felippe Costa

quinta-feira, 23 de fevereiro de 2017

Gatito revela que estudou cobradores do Olimpia, e Helton enaltece parceria


Destaques na classificação do Botafogo; goleiro paraguaio diz que sabia de cobrança no meio, e brasileiro lesionado agradece homenagem do amigo: "Satisfação enorme"




Gatito defendendo os três pênaltis do Olimpia, inclusive a cobrança no meio do gol de Mendoza (Foto: Reprodução)

Gatito surpreendeu toda a América do Sul ao defender três das quatro cobranças na disputa de pênalti com o Olimpia, do Paraguai, no Defensores del Chaco na última quarta-feira, que terminou com vitória do Botafogo por 3 a 1 e a vaga garantida na fase de grupos da Libertadores. Mas o que causou maior espanto foi a convicção do goleiro nas defesas, principalmente no chute de Mendoza, quando sequer tentou adivinhar o canto e esperou a batida no meio do gol. Ao desembarcar no Rio de Janeiro, o arqueiro paraguaio admitiu ter visto vídeos do rival.


– Já conhecia um pouco ele, tinha visto vídeo. No domingo anterior ele tinha feito um gol no meio mesmo, então esperei. Ele bateu muito forte, mas graças a Deus consegui tirar e ajudar meus companheiros, que também fizeram os gols. Bateram muito bem – afirmou o arqueiro, que na véspera da partida já havia defendido três pênaltis em treino, mas não lembrou os cobradores.


– Acho que foi um do Camilo e... Não estou lembrando, mas foram três (risos). 

Paraguaio voltou ao Brasil como herói da classificação alvinegra e dividiu méritos com Helton Leite (Foto: Thiago Lima)

Na comemoração após a classificação, o herói Gatito saiu driblando todo mundo pelo caminho até encontrar Helton Leite no banco e dar um abraço no companheiro, que foi o titular na partida até sair com uma lesão na coxa direita – ele ainda será reavaliado para saber a gravidade do problema. Na chegada ao Rio na manhã desta quinta, disse que a homenagem do companheiro o fez receber várias mensagens e exaltou o clima entre os jogadores do Botafogo.


– Muito mais fácil obter o crescimento quando tem uma disputa sadia, um ambiente onde todos se respeitam. Então fiquei muito satisfeito, muitas pessoas mandaram mensagens, não estavam nem falando do jogo, da lesão. Só falaram: "Caramba, que legal que o Gatito foi te abraçar no momento de maior alegria dele". Fiquei muito feliz porque estava ali, mas senti que ele estava concluindo o trabalho que comecei na partida e me deu uma satisfação enorme – analisou.

Lesionado, mas sorridente: Helton Leite enaltece clima positivo entre os jogadores do Botafogo (Foto: Thiago Lima)


E Gatito fez coro ao companheiro ao explicar a comemoração.


– Significa a unidade do grupo. Ele estava fazendo um grande jogo, mostrando segurança para o time. Eu também me senti um pouco por causa dele. Falei que é um grupo, normal, hoje sou eu, amanhã é ele. Futebol sempre dá voltas, todo mundo tem que estar bem e preparado.


O Botafogo se classificou para o Grupo 1 da Libertadores, onde estão Atlético Nacional, da Colômbia, atual campeão, o Estudiantes, da Argentina, e o Barcelo de Guayaquil, do Equador. A estreia do Alvinegro será no dia 14 de março, contra os argentinos no Estádio Nilton Santos. Clique aqui e confira a tabela completa da fase de grupos do torneio continental. Os jogadores ganharam folga até domingo e se reapresentam na segunda-feira.


Fonte: GE/Por Thiago Lima/Rio de Janeiro

Análise: eficiente atrás, mas inofensivo na frente, Bota tem "lição Libertadores"


Ferrolho alvinegro funciona, mas time encontra dificuldades para sair em velocidade e criar. Voltas de Montillo, Luis Ricardo e Sassá vão encorpar elenco na próxima fase









Foi uma classificação heroica, de muita entrega, mas também sofrida. O Botafogo está na fase de grupo da Libertadores, mas suou para passar pelo Olimpia, em Assunção. Com desfalques e sem peças importantes como Montillo, Jair Ventura teve mais uma vez de improvisar. A estratégia em Assunção era clara: defender forte e sair em velocidade nos contra-ataques. Funcionou parcialmente. Firme na marcação, o time não teve forças para atacar. A classificação - justa, diga-se de passagem, veio, mas fica a lição.


A ideia, em Assunção, era jogar por uma bola. Afinal, um gol obrigaria o Olimpia a marcar três, devido aos critérios de desempate da Libertadores. O lance, porém, não aconteceu, e o Botafogo avançou pelas mãos de Gatito nos pênaltis. Ficou o aprendizado. Na fase de grupos, em jogos importantes, porém, sem o mesmo caráter decisivo, as chances de um tropeço são enormes se a estratégia for apenas se defender. Vale destacar, no entanto, que no Campeonato Brasileiro, nas mãos de Jair Ventura, o Alvinegro teve umas das melhores campanhas como visitante.

Sistema defensivo do Botafogo foi bem e suportou a pressão do Olimpia durante quase todo o jogo (Foto: Marcelo Baltar)

A surpreende escalação de Matheus Fernandes expôs a estratégia alvinegra. Assim como em Santiago, contra o Colo-Colo, Jair Ventura optou por quatro volantes, abriu mão de um camisa 9 (Roger) e apostou na velocidade de Pimpão. Sem Montillo (machucado), Camilo foi o parceiro de ataque do camisa 17. Desta vez, porém, não funcionou.


O Botafogo jogou com duas linhas de quatro. Marcelo - como lateral -, Carli, Emerson Silva e Victor Luís fecharam o ferrolho lá atrás e dificultaram a vida dos atacantes paraguaios. A opção pelo trio de zagueiros, segundo Jair, foi para anular a bola aérea do do adversário, um dos pontos fortes do Olimpia. Mais à frente, centralizados, Airton e Matheus Fernandes. João Paulo (direita) e Bruno Silva (esquerda) deveriam ser as válvulas de escape. Deveriam...

Isolado, Pimpão tenta puxar contra-ataque. Sistema ofensivo não funcionou em Assunção (Foto: Marcelo Baltar)

Praticamente impenetrável na defesa, o Botafogo quase não passou sustos. O problema é que os contra-ataques eram lentos e não encaixavam. Ciente, Jair inverteu as posições de Bruno Silva e João Paulo, mas a transição para o ataque continuou lenta. Sobrou para Matheus Fernandes.

- Tirei o Matheus no intervalo porque ele estava mal? Não. Eu tive dificuldades com as duas linhas de quatro. Inverti o Bruno com o João Paulo, mas continuamos com dificuldades e sem velocidade. Estávamos trazendo cada vez mais o Olimpia para o jogo. Coloquei o Gilson que tem uma saída rápida pelo corredor e o pé esquerdo. Um jogador leve. Os volantes estavam tendo dificuldades, até pelo volume de jogo do Olimpia. Conseguimos corrigir um pouco, mas não foi o ideal - analisou Jair Ventura, após a partida.

Sem companhia, Pimpão e Camilo encontraram dificuldades contra o Olimpia (Foto: Marcelo Baltar)

Gilson entrou no lugar de Matheus na volta do intervalo para dar velocidade na saída pela esquerda. A intenção foi boa, mas pouco funcionou. Camilo e Pimpão continuaram muito isolados e, por mais que a defesa estivesse segura, a pressão do Olimpia, devido ao volume de jogo, aumentou. o gol paraguaio saiu, Gatito brilhou nos pênaltis, e o resto é história.


Fato é que, vistosa ou não, a estratégia deu certo, e o Botafogo está na fase de grupos da Libertadores. Fica a lição. Na Libertadores não dá para abdicar de atacar. A expectativa, no entanto, é que com a volta de jogadores como Montillo e Luis Ricardo, além da provável inscrição de Sassá, Jair Ventura ganhe em qualidade e quantidade. No horizonte alvinegro, a tendência é evoluir.


Fonte:GE/Por Marcelo Baltar/Assunção, Paraguai

Jair exalta Gatito e diz: "Tem coisas que só acontecem com o Botafogo"


Técnico alvinegro repete mantra da torcida após lesão de Helton Leite e comemora muito a classificação diante do Olimpia: "Fomos na raça, na garra, na intensidade"






"Tem coisas que só acontecem..." O torcedor do Botafogo sabe de cor como completar a frase que Jair Ventura repetiu na coletiva de imprensa na madrugada desta terça-feira, minutos depois de classificar o Alvinegro para a fase de grupos da Taça Libertadores da América. O treinador voltou a reclamar das lesões, que dessa vez tiraram Helton leite e colocaram Gatito Fernández na fogueira no meio do segundo tempo. Mas o goleiro brilhou nos pênaltis após a derrota por 1 a 0 (veja no vídeo acima) em jogo que o comandante classificou como "na raça, na garra".


- Tem coisas que só acontecem com o Botafogo. Perdemos uma substituição por conta da lesão do Helton. Mais uma lesão atrapalhando nossos planos. Perdemos o Montillo, o Jonas (por cartão)... Difícil. Muitas coisas difíceis. Foram quatro finais em 30 dias para nos prepararmos. Fomos na raça, na garra, na intensidade. A cara do Botafogo. Hoje tivemos resiliência. Tínhamos nossa estratégia para atacar, mas não conseguimos a transição rápida. Com passes em velocidade. Foi para os pênaltis. E numa noite feliz do Gatito e dos nossos cobradores, conseguimos essa tão sonhada classificação. Pegamos dois gigantes sul-americanas. Mas o Botafogo é gigante também. Fico feliz. Agora começa a Libertadores. Fico feliz de ganhar de clubes grandes. Nos credencia a chegar mais fortes na fase de grupos.

Jair Ventura exaltou atuação do Botafogo contra o Olimpia no Defensores del Chaco (Foto: REUTERS/Jorge Adorno)


O Botafogo se classificou para o Grupo 1 da Libertadores, onde estão Atlético Nacional, da Colômbia, atual campeão, o Estudiantes, da Argentina, e o Barcelo de Guayaquil, do Equador. A estreia do Alvinegro será no dia 14 de março, contra os argentinos no Estádio Nilton Santos.


Confira outros trechos da entrevista:


DIFICULDADES
Esperávamos ter força ofensiva , mas não deu certo. Foi muito difícil jogar contra o Olimpia, minha primeira vez. Força da equipe, da torcida, soubemos sofrer, soubemos marcar. Lutamos bastante.


FASE DE GRUPOS
Dia 14/3 é a nossa estreia. Dia do meu aniversario, no nosso estádio, contra o Estudiantes. Nosso grupo é muito difícil. Vamos lá. Lutamos tanto para isso. Seria muito ruim ficar fora depois de tudo que passamos. Saímos da rebaixamento de rebaixamento e estamos aqui. Um passo gigante. Fico muito feliz. Levamos o Botafogo onde o Botafogo tem que estar.


PLANEJAMENTO
Desculpa aqueles que acharam que o planejamento não estava certo, mas o planejamento estava certo. Abrimos mão de algumas competições, do Carioca, mas nosso objetivo principal foi alcançado.


MATHEUS FERNANDES
O Matheus fez um grande jogo. Foi muito bem no clássico (contra o Flamengo) e vem conquistando seu espaço. Tirei o Matheus no intervalo porque ele estava mal? Não. Eu tive dificuldades com as duas linhas de quatro. Inverti o Bruno com o João Paulo. Coloquei o Gilson que tem uma saída rápida pelo corredor e o pé esquerdo. Um jogador leve. Os volantes estavam tendo dificuldades, até pelo volume de jogo do Olimpia. Conseguimos corrigir um pouco, mas não foi o ideal.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Assunção, Paraguai

Torcedores madrugam para receber o Bota; Jair diz: "Agora bicho vai pegar"


Cerca de 30 alvinegros chegam antes das 6h no Galeão e fazem festa de recepção à equipe após classificação. Camilo, Pimpão e cia. citam benefícios da Pré-Libertadores



Torcida faz festa na chegada do Botafogo (Foto: Thiago Lima)
O Botafogo fez muitos de seus torcedores dormirem mais tarde após os 90 minutos de jogo contra o Olimpia mais a disputa por pênaltis. Outros preferiram trocar a cama pelo aeroporto: cerca de 30 alvinegros madrugaram e chegaram antes de 6h no Galeão para recepcionar o time após a heroica classificação no Paraguai para a fase de grupos da Libertadores. Animados, eles fizeram barulho no saguão de desembarque, ensaiaram a "dancinha do Jair", cantaram a "bicicleta do Pimpão", debocharam do rival Flamengo e tietaram cada jogador que passava com fotos e autógrafos. O mais assediado foi Gatito Fernández, que defendeu três cobranças na vitória por 3 a 1 na disputa de pênaltis.


A imprensa também compareceu em peso, e vários atletas pararam para dar entrevistas numa improvisada zona mista de estádio no saguão do aeroporto. Além de Gatito, Camilo, Pimpão, Helton Leite, Bruno Silva, Victor Luis, Emerson Silva e Jair Ventura atenderam aos jornalistas. Entre comemorações e cansaço, todos exaltaram a força do grupo e, após as pedreiras na Pré-Libertadores, veem o time mais fortalecido para entrar no Grupo 1, que tem o atual campeão, Atlético Nacional, da Colômbia, o Estudiantes, da Argentina, e o Barcelona de Guayaquil, do Equador.


Confira o que eles disseram:


Jair Ventura

Descansar um pouquinho que agora que o bicho vai pegar. A gente ficou apreensivo quando pegou o Colo-Colo e o Olimpia pela frente, mas foi uma boa prova de fogo. Agora tem mais grandes equipes pela frente, mas vamos lá, vamos fortes.


Bruno Silva

Primeira meta nossa conseguimos, mas não queremos parar aqui. Vimos que temos condições de ir além, nossa equipe pode surpreender muito na competição. Pegamos dois adversários de muita tradição e mostramos que nossa equipe está forte. Esses dois jogos serviram para fortalecer a gente e para ver que a Libertadores é uma competição realmente diferente.

Rodrigo Pimpão destaca fase do Botafogo na Libertadores (Foto: Thiago Lima/GloboEsporte.com)

Rodrigo Pimpão

A gente já quebra o gelo do início do campeonato. Tem clubes que vão começar a Libertadores agora, entrar na fase de grupos. A gente já quebrou esse gelo e espera se preparar bem para fazer grandes jogos.


Camilo


Time vem vencendo na competição desde cedo, isso é legal. Já tiramos aquele peso do início de Pré-Libertadores. Então a gente está forte.


Emerson Silva

Nós pegamos Colo-Colo e Olimpia, dois grandes times. Acredito que fez com que a gente amadurecesse para o resto do campeonato.


Fonte: GE/Por Thiago Lima/Rio de Janeiro

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Um dia para mudar a história: Botafogo joga a vida contra o Olimpia


Jogadores enxergam a possibilidade de avançar à fase de grupos da Copa Libertadores como a oportunidade de fazerem do clube e de si mesmos mais respeitados futuramente


Botafogo busca a última comemoração antes de disputar a fase de grupos (AFP PHOTO / CLAUDIO REYES)

Pode parecer óbvio, mas esta quarta-feira, cercada de tanta expectativa para o Botafogo e seus torcedores, é também o dia mais importante para a maioria dos jogadores do atual elenco. Internamente, superar o Olimpia (PAR) e chegar à fase de grupos da Copa Libertadores da América é considerado um feito capaz de mudar as vidas de tais atletas. O duelo é no Estádio Defensores del Chaco, em Assunção, às 21h45 (horário de Brasília). O site do LANCE! transmite em tempo real.

- Podemos ter esse ambiente positivo o ano inteiro. Esse dia 22 pode transformar o Botafogo em algo bem diferente daqui a alguns anos. O clube já é grande, mas todos podem passar a respeitá-lo de maneira diferente. Os atletas serão mais respeitados. A leitura é de um dia tão especial, que todos podem aproveitar, vivenciar tudo. Vamos para uma guerra - avisa o volante Dudu Cearense.

Mesmo com 33 anos e participação e Liga dos Campeões da Europa, Dudu nunca havia disputado a Libertadores. O caso é o mesmo da esmagadora maioria dos jogadores do elenco botafoguense. Mesmo outros experientes, como Carli e Emerson Silva, também não tinham o principal torneio do continente no currículo. Agora, eles querem chegar longe.

- É um jogo diferente, todos os jogadores gostam de atuar. Trata-se de classificação. Sabemos da dificuldade, mas mostramos que temos qualidade para consegui-la, mesmo na casa deles. Nós vamos com nossos poucos torcedores, mas levando os daqui no coração. Em campo, vamos procurar fazer o nosso melhor. É bastante difícil, mas o grupo mostrou, Contra o Colo-Colo, no Chile, que vem amadurecendo, crescendo. Podemos fazer outro bom jogo e nos classificarmos - entende Emerson Silva.

Os três jogos anteriores do Glorioso nesta Libertadores foram cercados de muita tensão. Os dois duelos contra o Colo-Colo e o primeiro contra o rival paraguaio tiveram festa de torcida, desafios físicos e dramas em busca de gols (assim como para evitá-los). Contudo, Bruno Silva lembra que de nada vai valer o que aconteceu nas últimas semanas se não for bem finalizado esta noite.

- Não vai adiantar termos superado o Colo-Colo e o Olimpia no Rio... vai decidir quarta (hoje). Sabemos que é um jogo importante. Se queremos a fase de grupos, esse jogo resume tudo. A verdadeira final. Estamos motivados e confiantes acima do normal. Sabemos que é um grande jogo. O jogo das nossas vidas, realmente - vibra o volante.

FICHA TÉCNICA:
OLIMPIA X BOTAFOGO


Local: Estádio Defensores Del Chaco, em Assunção (PAR)
Horário: 21h45 (de Brasília)
Árbitro: Julio Bacuñán (CHI)
​Auxiliares: Christian Schiemann (CHI) e Marcelo Barraza (CHI)

OLIMPIA (PAR): Azcona; Benítez, Cañete. Pellerano e Giménez; Fernández, Ortiz, Riveros e Benítez; Mouche e Montenegro - Técnico: Pablo Repetto.

BOTAFOGO: Gatito Fernández (Helton Leite), Marcelo, Carli (Marcinho), Emerson Silva e Victor Luís; Airton, Bruno Silva e João Paulo; Camilo e Rodrigo Lindoso (Roger); Rodrigo Pimpão - Técnico: Jair Ventura.


Fonte: Lancenet/Felippe Rocha/Rio de Janeiro (RJ)

A um passo do paraíso: contra Olimpia, Bota tenta concluir 1ª missão na Liberta


Após superar Colo-Colo e vencer o jogo de ida no Rio, Alvinegro reencontra time paraguaio, em Assunção, no último ato antes da desejada fase de grupos




Desde 11 de dezembro do ano passado não se fala em outro assunto no Botafogo: Libertadores, Libertadores e mais Libertadores. De volta após quatro anos, ir bem no torneio tornou-se uma obsessão. Vem dando certo. Nesta quarta-feira, às 21h45 (horário de Brasília), no Defensores Del Chaco, em Assunção, no Paraguai, o Alvinegro joga por um empate contra o Olimpia para avançar à fase de grupos e cumprir sua primeira meta na competição.

A vantagem é pequena (vitória por 1 a 0 no Rio), mas o fato de não ter sofrido gol no Rio de Janeiro é um grande aliado do Botafogo. O Alvinegro avança com vitória ou empate. Caso consiga ao menos um gol, avança até mesmo com uma derrota por um gol de diferença. Caso o Olimpia vença por 1 a 0, a vaga será decidida nas cobranças de pênaltis. Quem passar entra no Grupo 1, com Atlético Nacional (COL), Estudiantes (ARG) e Barcelona de Guayaquil (EQU).

Treino Botafogo Assunção Ednilson Sena (Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo)

- É um jogo muito importante, até por ser o ultimo (da Pré-Libertadores), para coroar a entrega desse grupo. Uma equipe que teve pouco tempo de preparação e passou pelo Colo-Colo, uma equipe muito qualificada, que nos deu muito trabalho. Agora temos mais um gigante da América pela frente. Um clássico, tudo pode acontecer, vamos fazer de tudo para passar. É uma final - descreveu Jair Ventura.


Caminho ingrato e mistério sem Montillo

O sorteio não foi generoso, e o Botafogo, desde o início do mês, vem superando obstáculos ingratos semanalmente. Foi assim contra o tradicional Colo-Colo e agora contra o gigante Olimpia, tricampeão da Libertadores. Tamanhas dificuldades fizeram Jair Ventura abrir mão do Campeonato Carioca, mas não de suas convicções. Além de deixar o artilheiro Sassá fora da relação, tomou atitudes incomuns e deixou peças importantes de fora, quando julgou necessário.

As lesões têm sido um obstáculo a mais. Nesta quarta-feira, por exemplo, Jair Ventura não contará com Montillo, principal contratação para a temporada. Com lesão na panturrilha, o argentinos sequer viajou para Assunção. Jonas, suspenso, é outro desfalque certo.

Artilheiro do Botafogo na Libertadores, Pimpão é a esperança de gols nesta quarta (Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo)

Mais uma vez o treinador adotou o mistério como arma para confundir o adversário. No gol, Helton Leite deve ser mantido, apesar da recuperação de Gatito. Marcelo é o favorito para assumir a vaga de Jonas, com Carli retornando ao time titular. João Paulo será o substituto de Montillo. Roger é o favorito para atuar ao lado de Pimpão, mas não será surpresa se Jair optar por Rodrigo Lindoso, reforçando o meio de campo e repetindo o esquema que deu certo contra o Colo-Colo, em Santiago.


Olimpia x Botafogo

Data e Local: quarta, às 21h45, no Defensores Del Chaco, em Assunção, no Paraguai

Provável escalação: Helton Leite (Gatito), Marcelo, Carli, Emerson Siva, Victor Luis; Airton, Bruno Silva, João Paulo, Camilo, Pimpão e Roger (Lindoso).
Desfalques: Jefferson, Luis Ricardo e Montillo (DM); Jonas (suspenso)
Arbitragem: o trio de arbitragem é chileno. Julio Bascuñan apita o jogo, auxiliado por Christian Schiemann e Marcelo Barraza
Transmissão: TV Globo para RJ, MG (Juiz de Fora, Uberaba, Uberlândia e Ituiutaba), ES, GO, TO, MS, MT, SE, AL, PB, RN, PI, MA, PA (menos Santarém), AM, RO, AC, RR, AP e DF (com Luis Roberto, Junior, Juninho Pernambucano e Arnaldo Cezar Coelho) e SporTV (com Luiz Carlos Jr e Lédio Carmona)


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Assunção, Paraguai

terça-feira, 21 de fevereiro de 2017

Jair Ventura fecha treino e esconde o time para sua final: “Tudo é possível”


Treinador (mais uma vez) adota o mistério na véspera da partida sobre o Olimpia e fala em classificação para “coroar a entrega” do Botafogo




Segredo, segredo e mais segredo. É essa (mais uma vez) a receita de Jair Ventura na véspera da partida contra o Olimpia. Na tarde desta terça-feira, o treinador fechou o treino no Estádio do Sportivo Luqueño, em Luque, no Paraguai. E não disfarçou sua intenção: esconder a escalação do Botafogo para a partida que descreveu como “uma final”.
 
Jair Ventura durante coletiva de imprensa na tarde desta terça-feira, no Paraguai (Foto: Marcelo Baltar)

- É uma surpresa. Também não vou falar sobre o gol. Assim como todas posições, já definimos. A gente quer de alguma maneira tentar não dar armas ao adversário. Só por isso não revelamos a equipe. Peço a compreensão de todos – esquivou-se o treinador alvinegro.


São três as dúvidas. Helton Leite e Gatito Fernandéz disputam uma vaga no gol, com leve favoritismo para o brasileiro. Com Jonas suspenso, Marcelo deve ser deslocado para a direita, com Carli voltando ao time. Marcinho corre por fora. No ataque, Roger deve formar dupla com Pimpão. É possível, no entanto, que Jair abra mão do camisa 9 para reforçar o meio de campo, como fez contra o Colo-Colo, em Santiago. Nesse caso, Lindoso entraria no time.


- É possível. Tudo é possível no futebol – brincou Jair.


A provável escalação para o jogo desta quarta é Helton Leite (Gatito), Marcelo, Carli, Emerson Silva, Victor Luis; Airton, Bruno Silva, João Paulo, Camilo; Rodrigo Pimpão e Roger (Lindoso).


Após a partida, o Botafogo poderia ir ao Defensores del Chaco reconhecer o gramado. No entanto, devido à distância e ao horário, o clube abriu mão da visita.
 
Botafogo treina na tarde desta terça-feira um dia antes da partida decisiva contra o Olimpia (Foto: Divulgação / Botafogo)


Outros trechos da entrevista


O que significa o jogo de amanhã?

- É um jogo muito importante, até por ser o ultimo, para coroar a entrega desse grupo. Uma equipe que teve pouco tempo de preparação e passou pelo Colo-Colo uma equipe muito qualificada, que nos deu muito trabalho. Agora temos mais um gigante da América pela frente. Um clássico, tudo pode acontecer, vamos fazer de tudo para passa. É uma final.


Clima hostil no estádio


- Temos a essa preocupação. Sabemos que esse é um dos grandes dificultadores da Libertadores. Mas faz parte. Estamos preparados, com a cabeça boa. Foi assim fora contra o Colo-Colo. Mesmo sofrendo o gol no inicio, a equipe não se desorganizou. A palavra chave é o equilíbrio. Temos que ter atenção redobrada do inicio ao fim”.


Atitude

- Se você olhar nossa equipe, temos algumas maneiras de jogar. Dentro da partida mudamos de acordo com o que se desenha. Em alguns momentos somos um pouco mais ofensivo, em outros defensivos. A gente passa isso para os atletas.


Pênaltis

- Pensamos em tudo. Estamos super otimistas, mas temos que estar preparados para todas situações. Treinamos hoje, mas também em outros vários dias. Estamos preparados para tudo o que pode acontecer durante a partida.


Descanso


- Trabalhamos muito na situação de recuperação, mesclamos na partida contra o Boavista. Quero ressaltar a força do elenco. Não é todo dia que a gente via uma partida perdendo de dois a zero. Sempre dando oportunidade. Por essa a questão o Leandrinho viajou conosco. Fica clara a questão de meritocracia”.


Olimpia


- É uma equipe muito competitiva, sabe jogar a competição, tricampeã da Libertadores. Me preocupa bastante. Mas estudamos bastante, a gente conhece.


Sassá

- Mais um jogador, mais uma força, apesar de não estar inscrito, um cara muito querido no grupo, cara alegre, que todos gostam bastante. Passa um pouco de alegria e motivação.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Luque, Paraguai

Experiente, Emerson pede cautela ao time na quarta: "Não dá para se atirar"


Zagueiro sabe da importância de ter inteligência e apostas nos contra-ataques para sair de Assunção com a classificação para a fase de grupos da Libertadores




Um dos jogadores mais experiente do elenco do Botafogo, Emerson Silva, de 33 anos, falou momentos antes da viagem ao Paraguai, sobre a postura que o Botafogo precisa ter diante do Olimpia, nesta quarta-feira, para voltar ao Brasil com a classificação para a tão sonhada fase de grupos da Libertadores da América. Segundo o zagueiro, o time vai ter que ter paciência para suportar a pressão da torcida no Estádio Defensores del Chaco e, dentro de campo, buscar os contra-ataques para surpreender.

Emerson Silva durante o treino do Botafogo (Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo)


Estamos levando uma pequena vantagem e não podemos tomar gols.
Emerson

- A gente sabe que nãos será nada fácil. Tem muitas cosias negativas extracampo, e esperamos não encontrar isso. Torço para que tenha somente o jogo e que possamos sair com a vitória. Estamos levando uma pequena vantagem e não podemos tomar gols. O Jair vem trabalhando isso na semana. É muito melhor organizar o time e sair nos contra-ataques. Não da para se atirar em um jogo tão complicado como esse. Temos que dar a vida.


Emerson também falou da boa fase do zagueiro Marcelo e da volta de Carli, que tem grandes chances de começar jogando na próxima quarta-feira, deslocando o jovem para a lateral direita. Jonas está suspenso e não viajou com a equipe.

- Marcelo é uma promessa que se tornou realidade nesses jogos. Estamos entrosados, Carli vem conversando com ele. O Jair vem dando oportunidades a todos. Carli voltando é um jogador a mais na parte defensiva para nos ajudar. Ano passado tivemos grandes resultados e esse ano não será diferença. Estamos bem servidos de zagueiros.


Confira outros assuntos na entrevistas:


Pressão no Defensores del Chaco


- É um jogo diferente onde os jogadores gostam de atuar. Tiramos uma grande equipe que foi o Colo-Colo. Esse jogo será importante, pois trata-se de uma classificação. Eles estarão com os torcedores, mas nós também. A gente sabe que será um jogo bastante difícil.

Defensores del Chaco costuma ser um verdadeiro caldeirão na Libertadores (Foto: Daniel Mundim)

Defensores del Chaco costuma ser um verdadeiro caldeirão na Libertadores (Foto: Daniel Mundim)



Ausência de Montillo

- É um cara diferenciado. Quando o Camilo ficou fora também fez falta. Agora é hora de superação. Quem entrar vai ter que suprir essa falta do Montillo, e temos que superar mais essa barreira.

Perigos do Olimpia

- O joga aéreo é o ponto forte deles. Precisamos posicionar a melhor maneira possível para ão sermos surpreendidos.


Fonte: GE/Por Felippe Costa e Thiago Lima/Rio de Janeiro

segunda-feira, 20 de fevereiro de 2017

Marcelo deve ser lateral contra o Olimpia; outra vaga está em aberto


Contra o Olimpia, nesta quarta-feira, o zagueiro deve iniciar improvisado na posição em que estreou como profissional. Roger pode ser sacado, repetindo a estratégia do Chile



Marcelo caiu nas graças da torcida com poucos jogos, e deve ter nova função (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)

O zagueiro Marcelo precisou de poucos jogos para fazer muito e se tornar titular e xodó da torcida do Botafogo. Mas ele deve mudar de função contra o Olimpia, nesta quarta-feira, pela Copa Libertadores da América. Com Jonas suspenso, deve caber o papel de lateral-direito, com Carli retornando ao time titular após estrear na temporada contra o Boavista, no último domingo.

Pode parecer uma grande novidade, mas, na verdade, não é. Se confirmada a opção por improvisar o camisa 14, Marcelo não vai desempenhar a função pela primeira vez. Na estreia dele como profissional, contra o Fluminense, no ano passado, ele atuou alguns minutos na vaga, após a lesão de Luis Ricardo.

O segundo jogo do argentino no ano ser logo no dia mais importante da temporada botafoguense até aqui também é um risco calculado. Apesar da possível falta de ritmo, a conhecida força no jogo aéreo de Carli, aliada ao poder de marcação da revelação da base alvinegra, tende a ser importante: o Botafogo imagina que o time paraguaio vai abusar dos cruzamentos.

- O Jair não passou ainda. Temos um treino e ele vai decidir. Contra o Fluminense ele (Marcelo, na lateral) foi bem. Tem o retorno do Carli, mas o Jair não decidiu nada. Temos que esperar até amanhã (terça-feira). Para mim, o Carli posiciona mais. O Marcelo tem a velocidade como ponto forte. Cada um tem a sua virtude - disse Emerson Silva, sobre quem prefere como parceiro.

Marcinho ficaria como opção para o segundo tempo. A estratégia será bastante semelhante à utilizada contra o Colo-Colo, no Chile, se Roger for sacado mais uma vez - o que pode acontecer, conforme o LANCE! apurou. A diferença é que, em Santiago, Camilo não jogou. Agora, Montillo é quem está lesionado. João Paulo e Rodrigo Lindoso se revezaram na armação, e o time teve três volantes.

- Ano passado fomos muito bem assim. É claro que mudou bastante o elenco, mas a nossa vontade é a mesma do ano passado. Não vejo o time com três volantes como defensivo, Airton já fez gol, eu chego na frente e o João Paulo também. Se o Jair for com três volantes, não sei o que ele está pensando - desconversou Bruno Silva.

Fonte: Lancenet/Feilppe Rocha/Rio de Janeiro (RJ)

Martelo batido: Canales se reúne com o Botafogo e decide por permanência


Em reunião com a diretoria alvinegra, centroavante decide continuar e recebe garantia de novas chances. Chileno será inscrito na Libertadores se clube for à fase de grupos



Canales seguirá treinando à espera de uma chance no time
 (Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo)
Martelo batido: Canales vai continuar no Botafogo. Nesta segunda-feira, o centroavante chileno e seu empresário, Marcelo Rodríguez, reuniram-se com a diretoria alvinegra e selaram a permanência após uma conversa com o presidente Carlos Eduardo Pereira. O gringo, que não joga desde setembro do ano passado e passou por uma cirurgia no tornozelo esquerdo no fim de 2016, recebeu garantias de que terá novas oportunidades e será inscrito na Libertadores se o time chegar à fase de grupos.

– Teve a reunião, ele segue no clube. Tem contrato até o final com o Botafogo, segue treinando, aguardando apenas a oportunidade para ser inscrito. Enquanto isso ele vai aperfeiçoando a forma física – disse o presidente, após reunião sobre o Campeonato Brasileiro na sede da CBF.


Canales vem treinando normalmente desde a pré-temporada no Espírito Santo, mas segundo o clube ainda precisa melhorar a parte física. Porém, o chileno de 34 anos já confessou a pessoas próximas que não entende o motivo de não jogar. Ele estava inicialmente na lista do Carioca formulada pela comissão técnica. Sua exclusão, no entanto, foi um pedido do presidente Carlos Eduardo Pereira, que optou por dar oportunidades ao jovem Renan Gorne. Jair Ventura acatou.


O gringo chegou a cair em desgosto em General Severiano. No Campeonato Carioca, que seria uma espécie de laboratório, ele sequer foi inscrito. Como o atacante tem o terceiro maior salário do elenco, atrás apenas de Montillo e Jefferson, sem ser aproveitado, alguns dirigentes e conselheiros defendiam a rescisão de contrato, que vai até dezembro, só que teria que ser amigável para não pagar multa. Muito se especulou sobre interesse de clubes do futebol chileno, onde é ídolo, porém, seu empresário garantiu não ter nenhuma oferta pelo jogador.

Canales foi contrato pelo Botafogo em maio do ano passado para ser o dono da camisa 9 (o chileno, na verdade, usa a 19). No entanto, chegou ao clube com uma lesão no pé e levou um mês para começar a treinar. No ano passado, disputou 11 jogos e marcou apenas um gol. Em outubro, lesionou o tornozelo, passou por cirurgia e não jogou desde então.


Fonte: GE/Por Igor Rodrigues, Martín Fernandez e Thiago Lima/Rio de Janeiro

CBF define tabela do Brasileirão. Palmeiras estreia contra o Vasco


Entidade apresentou jogos aos clubes em reunião nesta segunda-feira



Taça de campeão brasileiro  (Foto: Rafael Ribeiro/CBF)

A CBF apresentou nesta segunda-feira aos 20 clubes da Série A a tabela do Brasileirão-2017. A competição começa no dia 13 de maio. O atual campeão Palmeiras vai estrear em casa, contra o Vasco. Vice-campeão em 2016, o Santos estreia fora de casa, contra o Fluminense. Terceiro colocado, o Flamengo recebe o Atlético-MG no primeiro jogo.

A terceira rodada já terá clássicos estaduais: Vasco x Fluminense e São Paulo x Palmeiras.

1ª RODADA DA SÉRIE A-2017 (13 ou 14/5)

Fluminense x Santos
Flamengo x Atlético-MG
Palmeiras x Vasco
Corinthians x Chapecoense
Cruzeiro x São Paulo
Coritiba x Atlético-GO
Grêmio x Botafogo
Bahia x Atlético-PR
Ponte Preta x Sport
Avaí x Vitória

2ª RODADA (20 ou 21/5)

Botafogo x Ponte Preta
Vasco x Bahia
Santos x Coritiba
São Paulo x Avaí
Atlético-MG x Fluminense
Atlético-PR x Grêmio
Sport x Cruzeiro
Vitória x Corinthians
Atlético-Go x Flamengo
Chapecoense x Palmeiras

3ª RODADA (27 ou 28/5)

Botafogo x Bahia
Vasco x Fluminense
Santos x Cruzeiro
São Paulo x Palmeiras
Atlético-MG x Ponte Preta
Atlético-PR x Flamengo
Sport x Grêmio
Vitória x Coritiba
Atlético-GO x Corinthians


Fonte: Lancenet/Igor Siqueira/Rio de Janeiro (RJ)

Não deu tempo: lesão tira Montillo da viagem e da decisão contra o Olimpia


Com um problema na panturrilha direita, meia ficará no Rio de Janeiro em tratamento enquanto delegação embarca para o Paraguai na noite desta segunda. Gatito retorna



O Botafogo bem que tentou. Na semana passada, um tratamento intensivo conseguiu colocar Montillo em condições de jogo seis dias após uma lesão na coxa direita. Porém, o camisa 7 alvinegro sentiu uma nova contusão na última quarta-feira, agora na panturrilha direita, e desta vez não conseguiu se recuperar a tempo. Com isso, ele está fora do jogo decisivo contra o Olimpia, do Paraguai, valendo uma vaga na fase de grupos da Taça Libertadores da América. O meia argentino ficará em tratamento no Rio de Janeiro enquanto a delegação embarcará para Assunção na noite desta segunda-feira, após o treino no Estádio Nilton Santos.

Montillo desolado no banco de reservas após sentir a nova lesão após 14 minutos contra o Olimpia (Foto: André Durão)

Quem também não viaja é Jonas. O lateral-direito recebeu o terceiro cartão amarelo e está suspenso na Libertadores. Por outro lado, Bruno Silva pode voltar. O volante, substituído no intervalo do jogo da última quarta-feira com dores musculares, não teve contusão detectada no exame de imagem. Além dele, Gatito Fernández está recuperado da lesão no músculo adutor da coxa direita que o tirou dos últimos três jogos do Botafogo, contra Flamengo, Olimpia e Boavista, e está pré-relacionado para a viagem.


O Botafogo volta a campo na próxima quarta-feira, às 21h45 (de Brasília), contra o Olimpia no Defensores del Chaco, em Assunção, no Paraguai. Como venceu o primeiro duelo por 1 a 0 no Estádio Nilton Santos, o Alvinegro tem a vantagem do empate e pode até perder por um gol de diferença, desde que balance a rede ao menos uma vez, para chegar à fase de grupos da Libertadores. Se perder por 1 a 0 a decisão vai para os pênaltis.


Fonte: GE/Por Felippe Costa, Marcelo Baltar e Thiago Lima/Rio de Janeiro

Após gols, Fernandes sonha entrar na lista da Libertadores: "Grande passo"


Meia volta a jogar com a camisa do Botafogo depois de sofrer duas lesões que o tirou dos gramados por um longo tempo. Cria do clube, ele quer seguir ajudando a equipe





Se a vitória do Botafogo por 3 a 2 na tarde deste domingo, em Bacaxá, não valeu para classificar o time para as semifinais da Taça Guanabara, valeu para aumentar as expectativas do meia Fernandes, autor de dois gols. Depois de ficar afastado se recuperando de torção no joelho esquerdo sofrida na pré-temporada, ele voltou a ter uma oportunidade, se destacou e agora espera conquistar seu grande objetivo que entrar na lista do clube da Libertadores da América.

Agora é manter o foco. Dei um grande passo para que possa ser inscrito.
Fernandes

- Fiquei muito feliz. Acho que é um momento bom para mim, voltar assim e marcar dois gols. Estou brigando para entrar nessa lista da Libertadores. Venho treinando forte. Agora é manter o foco. Dei um grande passo para que possa ser inscrito.


Lesão na temporada passada
(Foto: Divulgação)
Na libertadores desse ano, os times tiveram de inscrever 25 jogadores para as fases iniciais. Quem passar para o mata-mata, pode colocar mais cinco nomes na lista, sem precisar substituir quem já estava, totalizando 30 inscritos. Até 48h antes da semifinal, os classificados podem substituir até três atletas. Não serão permitidas alterações antes da decisão - goleiros lesionados são as únicas exceções em todas as fases.

Antes da lesão no joelho, Fernandes passou um longo período se recuperando de uma entorse grave no tornozelo esquerdo, sofrida diante do Grêmio, no dia 04 de setembro de 2016. Ele lembra do período difícil que passou na fisioterapia, mas também do apoio recebido pelos funcionários do Botafogo.

- Foi um período difícil, que me pegou em um momento que estava crescendo. Fiquei chateado, mas nunca deixei de acreditar. As pessoas do clube sempre me mantiveram tranquilo e com foco na recuperação. Sabia que voltaria bem - afirmou o meia.

Para seguir sonhando com um lugar na lista da Libertadores da América, Fernandes vai ter que torcer muito pelos companheiros pela televisão na próxima quarta-feira, quando o Botafogo enfrenta o Olimpia, às 21h45 (de Brasília), no Paraguai. Depois da vitória por 1 a 0, no Estádio Nilton Santos, no Rio de Janeiro, o Alvinegro precisa de um empate para voltar ao Brasil com a vaga garantida na fase de grupos da competição.


Fonte: GE/Por Felippe Costa/Bacaxá, RJ

domingo, 19 de fevereiro de 2017

Fernandes e Leandrinho comandam virada do Botafogo contra Boavista


Com dois gols do primeiro e participação do camisa 10 em todos os tentos, reservas do Glorioso encerram a Taça Guanabara com dignidade em vitória por 3 a 2 em Bacaxá



Veja imagens da vitória do Botafogo em Bacaxá (Vítor Silva/SSPress/Botafogo)


Se a Taça Guanabara não foi das melhores para o Botafogo, ela serviu para moldar o elenco e encontrar nomes que possam contribuir no time principal alvinegro. Marcelo e Matheus Fernandes foram casos que agradaram Jair Ventura e receberam chances na Libertadores depois. Agora, Fernandes e Leandrinho aproveitam a oportunidade na vitória de virada por 3 a 2 contra o Boavista, neste domingo, no Elcyr Resende, em Bacaxá, pelo Carioca.

O primeiro tempo foi para lá de apático. Nem mesmo o retorno de Carli - que fazia seu primeiro jogo na temporada - colaborou para maior organização da defesa alvinegra. Com Marcinho e Igor Rabello batendo cabeça, o time de Joel Santana logo achou o primeiro gol, com Pedro Botelho aparecendo livre na área. Em quatro minutos, a vantagem era logo aumentada por Marcelo Nicácio.

Enquanto isso, o lado ofensivo do Botafogo pouco aparecia, com Joel - este ainda mais enrolado - e Vinícius Tanque pouco criando. Foi aí que a dupla de meias entrou em ação para reduzir o dano do placar: Fernandes recebeu linda bola de Leandrinho, fintou o ex-botafoguense Antônio Carlos e levou o 2 a 1 para o final da primeira etapa de um futebol abaixo da crítica do Botafogo.

Sabe-se lá o que foi conversado no vestiário alvinegro, mas a postura foi outra na segunda etapa. Dominante e chegando a frente com volume, o Glorioso logo empatou aos 4, em bela trama que envolveu Leandrinho, Vinícius Tanque e passe de Lindoso para Fernandes, que balançou as redes pela segunda vez.

Dando início aos dois primeiros gols, Leandrinho não queria ficar fora da festa. Aproveitou sobra na área aos 17 e chutou prensado para marcar a virada do Botafogo. Depois, o alívio do jovem que, contra o Flamengo, havia acertado duas vezes o travessão. Desta vez, foi decisivo, assim como no ano passado, quando marcou o gol do triunfo em Bacaxá. No laboratório para a temporada, os comandados de Jair Ventura terminam a Taça Guanabara com sete pontos somados. Agora, virar a chave para a principal competição: a Libertadores.

FICHA TÉCNICA
BOAVISTA 2 X 3 BOTAFOGO


Local: Estádio Elcyr Resende, em Bacaxá (RJ)
Data-hora: 19/02/2017, às 17h (de Brasília)
Árbitro: Carlos Eduardo Nunes Braga (RJ)
Assistentes: Daniel do Espírito Santo Parro e Flávio Manoel da Silva (RJ)
Renda/Público: R$ 19.620,00 - Público pagante: 1.009
Gols: Pedro Botelho (27'/1ºT), Marcelo Nicácio (31'/1ºT), Fernandes (39'/1ºT), Fernandes (3'/2ºT) e Leandrinho (17'/2ºT)
Cartões amarelos: Fernandes e Marcinho (BOT)

BOAVISTA: Felipe, Thiaguinho, Gustavo Geladeira, Antônio Carlos e Maicon (Lucas Perdomo - 31'/2ºT); Lucas Rocha, Willian Maranhão (Fellype Gabriel - 30'/2ºT), Pedro Botelho e Erick Flores; Mosquito e Marcelo Nicácio (Tiago Amaral - 21'/2ºT) - Técnico: Joel Santana.

BOTAFOGO:
Helton Leite, Marcinho, Carli, Igor Rabello e Gilson; Rodrigo Lindoso, Dudu Cearense, Fernandes (Pachu - 25'/2ºT) e Leandrinho (Yuri - 33'/2ºT); Joel e Vinícius Tanque (Sassá - 20'/2ºT) - Técnico: Jair Ventura.


Fonte: Lancenet/Vinícius Britto/Rio de Janeiro (RJ)

Jair Ventura festeja gols de jogadores formados na base em vitória de virada


Eliminado da disputa da Taça Guanabara, técnico do Botafogo lamenta calendário que o forçou a poupar jogadores no Campeonato Carioca




Em alta, técnico Jair Ventura fez "selfie" com torcedores após a vitória de
 virada em Bacaxá (Foto: Vitor Silva /SSPress/Botafogo)
Após a vitória de virada sobre o Boavista na última rodada da fase de grupos da Taça Guanabara, o técnico do Botafogo, Jair Ventura, lamentou o calendário que o forçou a poupar jogadores no Campeonato Carioca. Eliminado no primeiro turno, o treinador evitou usar a palavra teste ao ser questionado se aproveitou a partida para avaliar os atletas que estão fora da equipe titular. Ele ressaltou o fato de os três gols da equipe terem sido marcados por jogadores formados na base do clube - Fernandes fez dois e Leandrinho marcou o gol da virada.

- Me perguntaram antes do jogo se serviria como um teste, mas acho que é muito pesado usar o Campeoanto Carioca como teste. Nós tivemos que poupar alguns jogadores por conta dessa loucura de calendário. Hoje, a estreia do Fernandes no ano e ele acaba fazendo dois gols. Três dos nossos gols foram de meninos da base e ficamos muito felizes por isso - disse Jair Ventura.

O técnico aproveitou ainda para elogiar Leandrinho, que disse ter um "potencial gigante":

- O Leandro colocou duas bolas na trave no clássico. Falei com ele hoje que estava no caminho certo, que a bola entraria. Ela entrou. É um menino com potencial gigante, uma qualidade técnica muito boa.

Confira os melhores trechos da entrevista coletiva de Jair Ventura:

Primeiro tempo

Fizemos um primeiro tempo muito ruim. Um time apático, que não condiz com a característica da nossa equipe. Voltamos para o segundo tempo com outra postura. Estão todos de parabéns pela reação. Tivemos forças e conseguimos conquistar nosso objetivo.

Presente para o presidente?

Então. Queria aproveitar a oportunidade, já que hoje é aniversário do nosso presidente. Liguei para ele antes da partida e na verdade eu é que ganho o presente. Ele me deu essa responsabilidade de ser o comandante do time do Botafogo e quero dar os parabéns, desejar essa vitória para ele e agradecer pelo meu trabalho.

Sassá


Eu costumo dizer que o jogador é que se escala, com os treinamentos e conduta. O Sassá tem as mesmas chances dos demais. Cabe a ele treinar bem, fazer os gols, ajudar a equipe. Assim, vai ter chance como os outros. Fica muito claro isso de dar oportunidade para todos.

Fonte: GE/Por Felippe Costa/Bacaxá, RJ