quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Jair minimiza status de "azarão" e dedica vitória à torcida: "Nosso 12º jogador"


Treinador enaltece feito do grupo, lembra orçamento menor e comemora apoio dos torcedores no Nilton Santos


O Botafogo que venceu o Nacional-URU por 2 a 0, no Nilton Santos, teve a cara do time de Jair Ventura (veja os melhores momentos no vídeo acima). Com muita entrega durante os 90 minutos, a equipe bateu mais um campeão da Libertadores e avançou para encarar o Grêmio. A distância do "status" de favorito não incomoda o treinador, mas sim dá mais valor ao feito do grupo na competição internacional.


- Não temos que ficar chateados quando não nos colocam como favoritos. Não temos orçamento para isso. Mas conseguimos equiparar os orçamentos com trabalho. Estamos junto com o Grêmio dentro das mais importantes competições. Isso é prazeroso. Queremos sempre fazer o nosso melhor par anos, para nossa torcida e para nossa família.
Jair Ventura elogia postura da torcida no Nilton Santos (Foto: Marcelo Baltar/GloboEsporte.com)Jair Ventura elogia postura da torcida no Nilton Santos (Foto: Marcelo Baltar/GloboEsporte.com)Jair Ventura elogia postura da torcida no Nilton Santos (Foto: Marcelo Baltar/GloboEsporte.com)


Mesmo com investimento menor e problemas durante a temporada, o Botafogo bate no peito ao lembrar da campanha na Libertadores. O grande aliado, segundo Jair, é o torcedor. Nesta quinta-feira, recorde de público do Nilton Santos (40.050) em 2017 e festa do início ao fim.


- A gente não se apega aos tabus. Mas automaticamente com o bom rendimento vamos quebrando eles. Essa felicidade é para essa torcida maravilhosa, que fez essa festa. Seria frustrante não conseguir a classificação com mais de 40 mil presentes. Foram nosso 12º jogador.

Veja outros trechos da coletiva:

Gatito x Jefferson

O Jefferson tem uma história linda dentro do Botafogo. Não é só um companheiro de trabalho, é um grande amigo. Mas ele ficou 3 jogos fora. Seria um pouco arriscado coloca-lo em campo. Por que o Gatito? O Jefferson tem um história linda e um presente lindo. Temos dois grandes goleiros. Mas o momento é do Gatito. Ele roeu o osso conosco lá atrás. Perdeu a posição para o Helton e recuperou. Mas isso não o credencia a ser o titular absoluto. Aqui ninguém é titular absoluto. Está em aberto. Não tenho nada definido. Para esse jogo, a escolha foi o Gatito.


Sobre a marca igualada por Pimpão (maior artilheiro do clube na Libertadores, ao lado de Jairzinho e Dirceu, com cinco gols)

Está barrado. Não joga mais. Não vai passar meu pai, não (risos).


Postura dos uruguaios após a derrota
É inadmissível em 2017 a gente só saber ganhar. É só ver o que aconteceu em Peñarol e Palmeiras. Não pode perder? Cheio de crianças aqui. Temos que dar exemplo. E o pior é que não acontece nada. E olha que eu sou o cara mais competitivo que conheço. Mas tem que saber perder. Perdi o Victor Luis por causa de provocação. Mas ele é homem. Isso é uma vergonha, tem que acabar.


Eliminações de Palmeiras e Atlético-MG

Fica uma situação chata comparar com Palmeiras e Atlético-MG. Não gosto de falar da equipe dos companheiros. Sabemos da diferença de investimento. Mas lá tem trabalho. Eles poderiam ter passado também. Seria desrespeito falar algo agora. Sei que trabalham. O Cuca faz um grande trabalho e tenho certeza que o Micale deu seu máximo. Prefiro falar do Botafogo.


Vai poupar no domingo?

Sobre domingo, contra o Grêmio, vou estudar com a fisiologia.


Má fase no Brasileirão


Não deixamos essas situações penetrarem no grupo (derrotas no Brasileiro). Quando perdemos os jogos, o grupo é o mesmo. Por que vou olhar de cara feia para o Pimpão? O Montillo falou sobre isso. A gente procura trabalhar. Os grandes responsáveis são os jogadores, eles que se entregam.


Grêmio

Vejo o Grêmio como a equipe que joga o melhor futebol do brasil. É o futebol mais vistoso e envolvendo. Perdemos de 2 a 0 lá e fomos muito envolvidos. Teremos muito trabalho. É a única equipe que está, ao nosso lado, nas três frentes (Brasileiro, Copa do Brasil e Libertadores). Não quero sair de nenhuma competição. O Grêmio hoje tem o melhor futebol dos times brasileiros. Mais um campeão. Mais uma vez seremos os azarões. Vamos fazer o nosso melhor e ver no que dá.


Quem está despontando é o Grêmio. Estamos igual mineirinho, pelas beiradas. Lógico que eles são os favoritos, pelo futebol e pelo investimento, mas vamos vender caro.


Sentimentos a Abel Braga

Quando aconteceu a situação do Abel, estávamos chegando a um jogo (contra o São Paulo). Foi muito difícil trabalhar no jogo. Nunca trabalhei com o Abel. Mas você não precisa conhecer a pessoa para sentir a dor dela. Como no avião da Chape. Não consegui ir ao enterro. Então fUi na missa. Era o mínimo. Nesse momento que as pessoas precisam de força. Nunca pensei que o tocaria de alguma forma. Que bom que conseguir tocar o coração dele. É um cara que já mora no meu coração.


Fonte: GE/Por Felippe Costa, Marcelo Baltar e Thiago Lima, Rio de Janeiro

Com festa e recorde, Botafogo despacha o Nacional-URU e pega o Grêmio nas quartas


Pimpão e Bruno Silva marcam, Glorioso extermina mais um campeão continental e segue vivo na disputa pelo inédito título da Libertadores. Nilton Santos tem recorde de público no ano




Tirem o chapéu para esse Botafogo. Com orçamento limitado, um treinador em seu primeiro trabalho na carreira e após perder Montillo e Camilo, seus dois principais jogadores no meio da temporada (o camisa 10 virou o lateral-direito), o Alvinegro não cansa de se reinventar. E de dar show. Principalmente quando o assunto é Libertadores.


As caixas de som do Nilton Santos informam na noite desta quinta-feira: senhoras e senhores, o Glorioso está entre os oito melhores times da América do Sul. Com mais um gol de Pimpão (e Bruno Silva). Com mais uma festa regada a mosaico. Com mais um campeão ficando pelo caminho. Depois de Colo-Colo, Olimpia, Estudiantes e Atlético Nacional, agora foi a vez do Nacional-URU: 2 a 0. E que venha o Grêmio nas quartas de final, outro campeão continental.



Pimpão comemora muito o segundo gol alvinegro (Foto: André Durão / GloboEsporte.com)


A Conmebol ainda vai marcar as datas dos confrontos com o Grêmio nas quartas de final, mas o primeiro jogo será no Rio. Por ter tido melhor campanha na fase de grupos, o Tricolor tem a vantagem de decidir em sua casa. Antes, porém, o Alvinegro terá a semifinal da Copa do Brasil contra o Flamengo na próxima quarta-feira e neste domingo o próprio Grêmio pelo Campeonato Brasileiro. Ambos no Nilton Santos.


O Nilton Santos recebeu seu maior público no ano: 40.050 presentes (36.133 pagantes), com renda de R$ 2.479.795,00. Superou a marca anterior, que era da estreia na Libertadores, contra o Colo-Colo, do Chile: 38.357. Mas ainda não bateu o recorde do estádio, que segue o da inauguração em 2007, de 43.810.


Começou com a torcida, continuou com os jogadores. O Botafogo não deixou o Nacional respirar. Em cinco minutos já estava 2 a 0. Fora o baile. O primeiro em jogada ensaiada, João Paulo cobra o escanteio para Bruno Silva, que chega livre de trás. E o segundo em bobeada de Rogel, que deve ter ficado admirando a festa alvinegra e recuou mal para o goleiro. Pimpão, na raça, se antecipou e fez gol de carrinho.


Os uruguaios, invictos fora de casa na Libertadores, não conseguiam trocar três passes. O tal do Aguirre não viu a cor da bola. Estava fácil, ou Jair e Cia. fizeram a vaga ficar mais perto? Com ampla vantagem no placar agregado, o Glorioso tirou o pé. Ainda assim esteve mais perto do terceiro do que o adversário do primeiro.


Roger também queria o dele, mas parou duas vezes em Conde. O centroavante estava mais para garçom e quase deixou Lindoso e Victor Luis, em lances distintos, na cara do gol. O Nacional foi para o tudo ou nada no segundo tempo e cresceu com o recuo do Botafogo para tentar matar o jogo no contra-ataque no embalo do ensaboado Guilherme.


Mas Gatito, que deixou o ídolo Jefferson no banco, tratou de virar um paredão nas poucas vezes em que o Alvinegro foi assustado de fato. No fim, muita confusão em campo. Nervosos, Polenta e Rodríguez ainda foram expulsos, junto com Victor Luis. Mas nada podia estragar a noite perfeita alvinegra.


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com, Rio de Janeiro

#Libertadores: tudo o que você precisa saber sobre Botafogo x Nacional-URU


Com vantagem por ter vencido jogo em Montevidéu, Alvinegro joga para voltar às quartas de final após 44 anos. Nilton Santos terá noite de casa cheia contras os uruguaios






(Foto: Infografia )



É notório que o Botafogo vem escrevendo uma trajetória bonita em 2017. Nesta quinta-feira, no entanto, o time entra em campo para fincar seu nome na história do clube. Com a previsão de um Nilton Santos abarrotado – todos os ingressos destinados à torcida alvinegra foram vendidos -, o Glorioso joga contra o Nacional-URU, às 19h15, para voltar após 44 anos às quartas de final da Libertadores.


Não vale taça, mas não dá para tratar como uma partida qualquer. O Botafogo e seus jogadores vêm vivendo uma atmosfera especial com a torcida em 2017. E a Libertadores é o carro chefe. Seguir na competição é a certeza de que a chama continuará acesa. Quem avançar pega o Grêmio na próxima fase.


A missão é simples? Não, é duríssima. Sobra tradição ao Nacional, tricampeão da Libertadores. Porém, a vantagem construída em Montevidéu é boa. Por ter vencido o jogo de ida por 1 a 0, o Alvinegro avança com um empate, por exemplo. Jair Ventura, entretanto, avisou que o regulamento só será usado, em caso de necessidade, nos minutos finais.


Transmissão: SporTV (com Julio Oliveira e Ricardo Rocha)


(Foto: Infografia )


Botafogo - técnico Jair Ventura


Como de costume, Jair Ventura manteve a tradição e fechou os treinos que antecederam a partida. Com as contratações de Leo Valencia e Brenner e a volta de Jefferson, o treinador ganhou opções. O treinador fez testes, mas a tendência é que o time não tenha surpresas.



Em relação à equipe que venceu em Montevidéu, Luis Ricardo e Igor Rabello serão as únicas novidades. Eles substituem Arnaldo e Emerson Silva, respetivamente. Emerson Santos, que poderia ser outra opção para a lateral, sequer foi relacionado. Mesmo com Jefferson à disposição, Gatito segue no gol.


Quem está fora: Arnaldo (entregue à preparação física); Airton, Jonas e Marcinho (departamento médico)



Campinho Botafogo x Nacional (Foto: GloboEsporte.com)


Nacional - técnico Martín Lasarte


Assim como o Botafogo, o Nacional terá poucas mudanças em relação ao jogo de ida, mas com o diferencial do retorno de seu principal jogador: o artilheiro Aguirre, que tem causado preocupação a Jair Ventura. Além do atacante, Arismendi herda a vaga de Santiago Romero no meio, e Agustín Rogel entra no lugar de Rafael García na zaga. A única dúvida é se o técnico vai com Carballo ou Rodríguez de volante.


Quem está fora: Martín Ligüera está lesionado. O trio de reforços formado pelo zagueiro Erick Cabaco, o lateral-direito Matías Zunino e o atacante Gonzalo Bueno foram inscritos no apagar das luzes e não vieram para o Rio.



(Foto: GloboEsporte.com)


(Foto: Infografia )


O trio de arbitragem é colombiano. Wilmar Roldán apita o jogo, auxiliado por Wilmar Navarro e John Alexander Leon.


Fonte: GE