sexta-feira, 14 de abril de 2017

Após estreia no ano, Emerson vibra com nova chance: "Esperei esse momento"


Zagueiro é deslocado para lateral-direita e faz grande partida contra o Atlético Nacional.






Depois de meses sem ter uma chance no time titular do Botafogo, Emerson Santos ganhou essa oportunidade na noite desta quinta-feira e, mesmo em uma posição diferente, cumpriu o exigido e ganhou pontos com o técnico Jair Ventura. Após a vitória diante do Atlético Nacional, ele falou dessa volta aos jogos oficiais.


- Estou feliz demais. Esperei esse momento por muito tempo, treinei forte sem abaixar a cabeça para qualquer problema. Me preparei para, quando tivesse a oportunidade de voltar a jogar, pudesse corresponder à confiança do Jair. Poder entrar e conquistar essa vitória na Libertadores, depois de ter participado ativamente do grupo que trouxe o time até aqui, sem dúvida é muito especial.


Emerson, que ainda negocia o contrato de renovação que se encerra no fim do ano, vinha treinando com o grupo, mas sem chances. A falta de acerto entre o empresário e o Botafogo acabou prejudicando o início de temporada do zagueiro, que viu seu espaço ser ocupado por Marcelo.


Falando em defesa, Carli e Emerson voltaram a atuar juntos e muito bem. Experientes, eles não deram chances para os atacantes do Atletico Nacional. O Botafogo teve que mudar muito a dupla de zagueiros na temporada pelos constantes problemas musculares, principalmente com Carli.



Fonte: GE/Por Felippe Costa, GloboEsporte.com, Medellín, Colômbia

O demolidor de campeões: Botafogo supera dez títulos de Libertadores


Colo-Colo, uma conquista, e Olimpia, de três, foram derrubados antes da fase de grupos. Glorioso venceu ainda Estudiantes, de quatro títulos, e o Atlético Nacional, bicampeão


Roger, Rodrigo Pimpão e Camilo são alguns dos destaques do time do Botafogo nesta Copa Libertadores (AFP)

Quem diria. O ano de 2017, até aqui, vai reservando ao Botafogo uma das páginas mais bonitas de sua história. Com drama, gols de bicicleta em série, tabus sendo superados e até a necessidade de lidar com crises internas, o time vai fincando bandeira. Nesta Copa Libertadores mais longa do que de costume, ainda estamos em abril, e o time alvinegro, em busca de seu primeiro troféu da principal competição do continente, já deixou para trás de dez conquistas.

É esse o tamanho dos quatro adversários derrubados. O Colo-Colo (CHI) tem um título, conquistado em 1991, mas foi superado pelo Glorioso na segunda fase. Ainda em fevereiro, a vítima foi o paraguaio Olimpia, tricampeão (1979, 1990 e 2002). Já na fase de grupos, caíram o Estudiantes (ARG), vencedor em 1968, 1969, 1970 e 2009, e, nesta quinta, o Atlético Nacional (atual campeão e de título também em 1989).

O respeito que vai sendo obtido pelos adversários é óbvio e nítido, vistas as provocações dos dois primeiros rivais, por exemplo, e que não se repetem. Após as duas vitórias na fase de grupos, o Glorioso caminha para se classificar às oitavas de final. O último desses triunfos eliminou também o histórico de 24 anos sem vitórias fora do país. Em Libertadores, então, eram 44 primaveras.

- Sabíamos que tinha o tabu do Botafogo. Isso mostra o nosso êxito aqui (vitória sobre o Atlético, em Medellín, na Colômbia). Foi um jogo difícil, temos que exaltar a nossa vitória - entende o meia João Paulo.


Fonte: Lancenet/Felippe Rocha/Rio de Janeiro (RJ)

Jair explica receita contra o Atlético Nacional: "Tirá-los da zona de conforto"


Técnico comemora grande vitória por 2 a 0 sobre o atual campeão da Libertadores






Os gols de Atlético Nacional 0 x 2 Botafogo pela Taça Libertadores



O Botafogo não vem tomando conhecimento de seus adversários na Libertadores, nem mesmo do atual campeão. Na noite desta quinta-feira, o Alvinegro fez 2 a 0 sobre o Atlético Nacional (veja no vídeo acima) dentro de um lotado Atanasio Girardot, na Colômbia, e encerrou um jejum de 24 anos sem vencer fora do Brasil. A tática usada por Jair Ventura foi letal nos contra-ataques, mas também perfeita na defesa. E o treinador comemorou o sucesso da receita adotada em Medellín.


– A maior incidência dos gols do Nacional é por dentro, mas como abrem os dois laterais nós trabalhamos a semana isso. Sabíamos que eles teriam mais posso de bola, tentamos neutralizar marcando no tiro de meta... Nosso objetivo era tirá-los da zona de conforto. Eles arriscavam uns passes. Fico feliz por ter vencido essa equipe forte.


Com o resultado, o Botafogo soma a sua segunda vitória em dois jogos e dividindo a liderança do Grupo 1 da Libertadores com o Barcelona de Guayaquil, ambos com seis pontos. Pela competição continental, o Alvinegro volta a campo na próxima quinta, às 21h45 (de Brasília), contra o Barcelona de Guayaquil no Monumental de Barcelona. Porém, antes decide a Taça Rio neste domingo, às 16h, contra o Vasco no Nilton Santos, com um time misto.


Confira outros trechos da entrevista coletiva de Jair:

Jair concedeu entrevista coletiva na sala de imprensa do Atanasio Girardot (Foto: Divulgação / Botafogo)

CLIMA

Um clima de esporte, que não é uma guerra. Tem que prevalecer a amizade. Anunciaram nosso time e eles bateram palmas e serve de lição.


EMERSON SANTOS
Emerson fez o primeiro jogo do ano. Se ele vai mal? A culpa é do treinador. Isso mostra a força do elenco do Botafogo. Sempre falei de termos um grupo homogêneo e com isso conseguimos essa grande vitória.


EVOLUÇÃO
Somos uma equipe boa dentro de outras. A equipe do Atlético Nacional, por exemplo, é o atual campeão, tem um CT nível Europa. Ainda temos muito arroz e feijão para comer ainda. Somos um time de operários!

Em instantes, outras informações.

Fonte: GE/Por Felippe Costa, Medellín, Colômbia

Botafogo derruba tabus, supera o Atlético Nacional e lidera o grupo 1 da Copa Libertadores


Glorioso contou com o primeiro gol de Camilo após sete meses, com o primeiro de Guilherme pelo Glorioso e com uma defesa forte para voltar a vencer fora do país



Camilo fez uma boa partida, atuando pela posição que prefere. No segundo tempo, cansou com o time (AFP)

A noite desta quinta-feira derrubou tabus. Camilo não fazia gol há sete meses. Marcou. Guilherme ainda não havia marcado pelo Botafogo. Também guardou. O time não vencia jogos internacionais, fora do país, há 24 anos; pela Libertadores, há 44 anos. Tudo isso caiu por terra com o 2 a 0 sobre o Atlético Nacional, em Medellín (COL). Com seis pontos, o Glorioso lidera o grupo 1 da Copa Libertadores ao lado do Barcelona (EQU), próximo adversário.


Macnelly Torres, aos cinco minutos, chutou cruzado e Gatito Fernández espalmou. Os Verdes atacavam pela esquerda do ataque, explorando a estreia de Emerson no ano, e improvisado na lateral. Aos 10, O Glorioso tentou pela sua esquerda. Rodrigo Pimpão recebeu e chutou para fora, mas já estava marcado o impedimento.

Com o passar do tempo, o Botafogo e seu meio-campo surpreendentemente ofensivo foram tomando conta do jogo. Não era pressão, mas a bola passou a ficar mais com o time carioca. Mas, aos 22 minutos, o time colombiano quase abriu o placar. Moreno chutou cruzado e Carli precisou desviar no meio do caminho para evitar o pior.

Aos 31, depois do cruzamento da esquerda, Nájera testou para fora. Dois minutos depois, o chute cruzado foi de Camilo, mas o goleiro defendeu. Aos 37, após rebatida, Moreno cabeceou mal uma grande chance. Num contra-ataque, Rodrigo Pimpão arrancou pela esquerda, a bola foi parar em João Paulo, na direita, e o cruzamento foi na cabeça de Camilo. Aos 39, o gol que lavou a alma após dias turbulentos para o camisa 10, que voltou a fazer gol após sete meses.

O Atlético Nacional voltou mais ofensivo para o segundo tempo, apesar de ter dificuldade para passar pela marcação alvinegra. Aos 12, após troca de passes pela direita, Aldo Ramírez chutou para fora. O time de Jair Ventura estava com o contragolpe armado, mas Moreno é quem voltou a gerar perigo, aos 17. O chute, entretanto, foi para fora.

Ao contrário do que ocorreu no primeiro tempo, o Botafogo não melhorou com o passar do tempo. Aos 25, a nova chance de perigo foi mais uma vez do time da casa. Bocanegra chutou cruzado, mas a bola voou por cima do travessão, assustando Gatito. Aos 30, novo susto. Novamente Bocanegra. Filme repetido, bola para fora.

A pressão era total, mas foi inútil. Foi Guilherme quem puxou contra-ataque, aos 47, e definiu o placar com um chute rasteiro: 2 a 0.

FICHA TÉCNICA:
ATLÉTICO NACIONAL 0 X 2 BOTAFOGO


Data/hora: 13/04/2017, às 21h45 (Horário de Brasília)
Local: Atanasio Girardot, em Medellín (Colômbia)
​Árbitro: Ulises Mereles (PAR)
Auxiliares: Rodney Aquino (PAR) e Carlos Cáceres (PAR)
​Cartões amarelos: Macnelly Torres (ATL), Emerson Santos, Gatito Fernández e Sassá (BOT)
Cartões vermelhos: -
Público e renda: 40.638 presentes/ renda não divulgada.
Gols: Camilo, aos 39'/1ºT e Guilherme, 47'/2ºT.

ATLÉTICO NACIONAL: Armani, Bocanegra, Nájera (Dájome, 26'/2ºT), Heníquez e Díaz; Arias e Bernal (Aldo Ramírez, Intervalo); Dayro Moreno (Mosquera, 39'/2ºT), Macnelly Torres e Ibargüen; Luis Carlos Ruíz - Técnico: Reinaldo Rueda.

BOTAFOGO: Gatito Fernández, Emerson, Carli, Emerson Silva e Victor Luís; Rodrigo Lindoso, Bruno Silva, João Paulo e Camilo (Fernandes, 21'/2ºT); Rodrigo Pimpão (Guilherme, 5'/2ºT) e Roger (Sassá, 29'/2ºT) - Técnico: Jair Ventura.


Fonte: Lancenet/Felippe Rocha/Medellín (Colômbia)