sábado, 11 de março de 2017

Montillo dá a receita para classificação na fase de grupos: "Vencer em casa"


Argentino elogia Estudiantes, mas sabe que o Botafogo tem totais condições de passar pelo adversário na terça. Ele também fala do entrosamento com o meia Camilo



Depois do jogo diante do Volta Redonda, pelo Carioca, o Botafogo já volta suas atenções para a estreia na fase de grupos da Libertadores da América diante do Estudiantes, na próxima terça-feira, às 21h (de Brasília), no Estádio Nilton Santos. Experiente na competição, Montillo falou da partida após o treino da manhã desta sexta e alertou para a importância de uma vitória, ainda mais sabendo que os dois próximos confrontos do Alvinegro serão fora de casa.

Montillo durante o treino do Botafogo no campo anexo d Estádio Nilton Santos (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)


Estamos preparados para enfrentar qualquer time. Sempre vamos trabalhar para ganhar. Em casa, temos que ser fortes.
Montillo

- Talvez no final da fase de grupos você possa até pensar em empate, dependendo dos resultados anteriores. Mas no começo tem que ganhar. Vamos jogar o primeiro em casa e depois dois jogos fora. Estamos preparados para enfrentar qualquer time e sempre vamos trabalhar para ganhar, mas quem garante que vamos conseguir bons resultados lá? Em casa, temos que ser fortes. Para se classificar na fase de grupos tem que vencer em casa.


E para vencer, o Botafogo terá que passar por umas das equipes mais tradicionais da Taça Libertadores da América, com quatro títulos em sua história. Argentino, Montillo conhece muito bem o estilo de jogo do Estudiantes de La Plata e sabe que o Alvinegro precisa tomar muito cuidado, principalmente se Verón estiver em campo.


- O Estudiantes sabe jogar a Libertadores e tem um time muito experiente. Vai ser um jogo muito difícil e, como diz a torcida, será uma verdadeira guerra. Tem jogadores que quando entram em campo ajudam os restantes. Os companheiros crescem. Acontece isso com o Verón... Aconteceu com o Ronaldinho no Atlético-MG. Com uma jogada parada, um passe longo pode decidir. Não sei se ele jogará.


Confira os outros tópicos abordados na entrevista:

SURPRESA COM ADERROTA DO SAN LORENZO


- Eles jogaram muitos amistosos, coisa que nós não conseguimos fazer. Acho que o San Lorenzo tinha jogado uns dez amistosos antes do jogo contra o Flamengo, mas o resultado surpreendeu. O San Lorenzo tem um time muito experiente e não tem muita diferença com o time do Flamengo. No segundo tempo ficaram sem pernas.... Mas o problema é deles.


PARCERIA COM CAMILO

- Aos poucos vamos nos entendendo melhor. O Camilo é um jogador experiente, importante no esquema do Jair. Tomara que aos poucos nós possamos nos entender melhor. O último jogo não foi como gostaríamos. Espero que possamos também ter mais sequência de jogos. Sabemos que somos os caras que precisam pensar dentro de campo. Tenho certeza que o Botafogo será um time muito forte.


FORMA FÍSICA

- Sempre tem que melhorar. Tinha ficado três semanas fora e a ideia não era atuar o jogo inteiro, mas tivemos algumas substituições inesperadas e acabei ficando. O importante é que não senti nada e estou pronto para terça-feira.


ANIVERSÁRIO LONGE DE CASA

- Na data que faço aniversário (14 de abril) sempre tem jogo. Fico triste quando passo o aniversário de um filho fora. Ano passado quando machuquei o ombro, passei meu aniversário no hospital. Estou trabalhando e faz parte. (Botafogo enfrenta o Atlético Nacional dia 13, na Colômbia).


ADAPTAÇÃO AO RIO DE JANEIRO

- Me receberam muito bem. Sou um cara que procuro me adaptar o maior rápido possível. Talvez tenha facilitado pelo fato de eu já ter jogado no Brasil. Parece que as pessoas te abraçam aqui no Rio de Janeiro, respeitam sua família...


Fonte: GE/Por Felippe Costa/Rio de Janeiro

Lesões tiram Matheus Fernandes e Leandrinho de ação por duas semanas


Exames de ressonância magnética realizados na última sexta apontaram estiramento leve nos dois jogadores. Ambos já iniciaram trabalho de recuperação



O técnico Jair Ventura ganhou dois desfalques certos para a sequência dos jogos do Botafogo no Campeonato Carioca e na Taça Libertadores. Com estiramentos na coxa, Matheus Fernandes e Leandrinho ficarão fora por até duas semanas.

Matheus Fernandes (foto) e Leandrinho se machucaram contra o Volta Redonda (Foto: Satiro Sodré/SSPress/Botafogo)

A confirmação foi feita após exames de ressonância magnética aponta realizados na última sexta-feira, um dia após o jogo contra o Volta Redonda, quando os dois saíram de campo lesionados.

Matheus Fernandes teve um estiramento grau 1 (mais leve) na coxa direita. Leandrinho teve a mesma lesão, mas no músculo posterior da coxa esquerda. Os dois já começaram os trabalhos de recuperação para voltar o mais rapidamente possível aos gramados.


Jonas também preocupa

Outro que está entregue ao departamento médico é Jonas. O lateral sofreu uma entorse no joelho e ainda não sabe se poderá atuar na próxima terça contra o Estudiantes, pela Libertadores da América. Caso não jogue, Marcelo poderá ser deslocado para a lateral.


Fonte: GE/Por Felippe CostaRio de Janeiro

Sem acordo, Emerson Santos já deixou de levar R$ 1 milhão; detalhes da oferta


Quantia é referente ao que zagueiro deixou de receber desde que recusou primeira proposta de renovação do Botafogo em 2016. Defensor pede mesmo valor em luvas



Emerson Santos voltou a sorrir ao ser inscrito na fase de grupos da Taça Libertadores da América. Mas seu impasse com o Botafogo continua. A renovação de contrato pode até evoluir nos próximos dias após a "trégua" da diretoria em tirar o jogador da geladeira, mas por enquanto o panorama em nada mudou. Após a última recusa, no início da semana, muitos dirigentes perderam a paciência (e a esperança) internamente com a negociação, que se arrasta desde maio do ano passado. Sem acordo, o zagueiro de 21 anos já deixou de ganhar uma bolada.


É justamente a parte financeira o maior entrave para a renovação – com salário de júnior desde quando subiu para o profissional, Emerson Santos tem a remuneração mais baixa do elenco, em torno de R$ 10 mil. O curioso é que, neste período, por não ter aceitado a primeira oferta, ele deixou de receber, por baixo, R$ 440 mil, quase a metade das luvas exigidas para prorrogar o vínculo: R$ 1 milhão. O valor que o jovem ficou sem ganhar, no entanto, é ainda maior.

Emerson ainda não participou de jogos oficiais em 2017 (Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo)

A primeira oferta do Botafogo, em maio do ano passado, foi de R$ 50 mil por mês, com aumento em caso de produtividade, quando ele completasse 30 jogos, o que ocorreu em agosto. Se tivesse aceitado, hoje ele estaria recebendo cerca de R$ 100 mil mensais. Nesse caso, além dos R$ 440 mil, Emerson deixou de ganhar R$ 630 mil, totalizando mais de R$ 1 milhão.

Diante do bom momento, o Botafogo voltou a procurar Emerson em outubro. Desde então, no entanto, as partes não falam a mesma língua, e há um abismo entre as propostas. O vínculo com o clube vai até dezembro, e o zagueiro poderá assinar pré-contrato com outro clube em julho.


Veja os detalhes do que pede Emerson e da proposta do Botafogo

O que quer Emerson?

- Contrato de três anos
- Luvas de R$ 1 milhão na assinatura
- Salário de R$ 200 mil em 2017
- Salário de R$ 220 mil em 2018
- Salário de R$ 250 mil em 2019
- 10% de comissão para o empresário
- Bônus de 500 mil Euros (cerca de R$ 1,7 milhão)
- Manutenção de 25% dos direitos federativos

O que oferece o Botafogo?

- Contrato de três anos
- Salário de R$ 100 mil em 2017
- Salário de R$ 130 mil quando completar 30 jogos
- Salário de R$ 160 mil quando completar 60 jogos

Tua estrela solitária nos conduz, faça parte deste time - CLIQUE AQUI (Foto: Divulgação)


Fonte: GE/Por Felippe Costa, Marcelo Baltar e Thiago Lima/Rio de Janeiro