sábado, 5 de novembro de 2016

Sabores distintos: empate afasta Fla do topo, e Bota aumenta invencibilidade


Rubro-Negro chega a quatro jogos sem vitória e não consegue encostar no líder Palmeiras. Glorioso atinge sete partidas sem perder, confortável no G-6


Camilo e Rafael Vaz disputam a bola durante clássico
no Maracanã: empate sem gols (Foto: André Durão)
A igualdade no placar do Maracanã não condiz com o significado do empate em 0 a 0 para Flamengo e Botafogo, neste sábado. O resultado complicou o Rubro-Negro, que desperdiçou chance de encostar no líder Palmeiras. Para o Glorioso, que teve apenas 10% da torcida no estádio, o ponto conquistado aumentou a atual sequência invicta para sete jogos, numa campanha que deixa o time no G-6 do Campeonato Brasileiro.


Enquanto o Botafogo curte a invencibilidade e se mantém na zona de classificação para a Libertadores, o Flamengo continua em queda livre na reta final da Série A. O time de Zé Ricardo chegou a quatro jogos sem vencer, amargou outro empate no Maracanã e pode ver a diferença para o Palmeiras aumentar em sete pontos - agora, são 67 contra 63, mas os paulistas jogam no domingo, contra o Internacional, em casa.


Botafogo à la visitante

Sem o mando de campo, o Botafogo portou-se no Maracanã como se fosse realmente visitante. A estratégia de marcar forte e sair no contra-ataque rendera quatro vitórias nos últimos cinco jogos fora, e aposta funcionou no primeiro tempo. O Flamengo teve muita dificuldade na saída de bola e só conseguia clarear o jogo quando Diego assumia o comando.


Foi pelos pés do camisa 35 que o Rubro-Negro teve suas melhores chances, seja em arrancadas, passes decisivos ou mesmo finalizações, como o chute de canhota que obrigou Sidão a fazer boa defesa.


Pressa atrapalha Flamengo
O Botafogo ameaçou no primeiro minuto do segundo tempo, em chute de Neílton que Muralha foi buscar no canto. Mas logo o jogo voltou ao roteiro inicial, com o Flamengo tomando a iniciativa, mas sofrendo com a marcação do rival. Diego caiu de rendimento e não teve a liberdade de antes, o que limitou um apressado Rubro-Negro a cruzamentos e chutes de longe.


Confortável com o resultado, o Glorioso manteve a postura e chegou a ser mais perigoso: Rodrigo Pimpão, nos acréscimos, invadiu a área livre, mas chutou para froa. De qualquer forma, os 10% presentes no Maracanã saíram mais felizes do estádio.


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com/Rio de Janeiro

Jair valoriza invencibilidade, mas deixa Maracanã insatisfeito com empate


Técnico do Botafogo comenta 0 a 0 contra o Flamengo: "Empatar há dois jogos não é nada bom, mas também são sete jogos sem perder







Com os dois times brigando na parte de cima da tabela do Campeonato Brasileiro, o empate por 0 a 0 no clássico entre Flamengo e Botafogo pela 34ª rodada (veja os melhores momentos no vídeo acima) pode ter sido mais prejudicial aos rubro-negros, que perderam oportunidade de encostar ainda mais no líder Palmeiras, mas com certeza também não deixa os alvinegros com sorriso no rosto. Foi o que disse o técnico Jair Ventura em entrevista coletiva após o duelo deste sábado no Maracanã. Mesmo valorizando o aumento da invencibilidade de seu time, ele lamentou o placar.


- (Sai satisfeito?) Não porque o Botafogo joga sempre para ganhar. Para levar o Botafogo o mais alto na tabela com o empate não é possível. Então não saio satisfeito, não. Para quem não empatava, empatar há dois jogos não é nada bom, mas também são sete jogos sem perder.


Confira a entrevista:

Diogo na lateral

O Zé botou o Cirino em cima do Victor Luis, que já tinha cartão. Achei melhor deixar o Diogo ali, estava descansado, para acompanhar o Cirino que é muito rápido. O Victor iria ter dificuldade, principalmente pela situação do cartão. Então a gente só inverteu.

Estreia no Maracanã
Bom, é um estádio emblemático. Venho desde criança assistir aos jogos aqui. Estive presente no antigo Maracanã, a gente fala que esse era o emblemático. Em 2010 foi o último título aqui, e eu era o auxiliar do Joel Santana. Hoje passou um filme na cabeça, fico feliz de estar nesse grande palco mundial, mas triste pelo resultado. Até pelas situações claras de gol que o Botafogo teve.

Libertadores
Não posso falar em Libertadores e 2017. Estou muito focado no próximo jogo.

Pimpão x Sassá
Parte tática. Com o Pimpão a gente ganha mais mobilidade e velocidade no terço final do campo. O Flamengo sai com os dois zagueiros, sabia que iria acontecer o que aconteceu com a entrada do Pimpão no fim. Se ele faz o gol, a estratégia deu certo. Quando não sai, deu meio certo. Não fomos felizes para concluir a gol hoje.

Jair Ventura analisou o clássico e o resultado em 0 a 0
 com o Flamengo (Foto: André Durão)
Sobre o empate
Não tem momento para empatar, para perder... A gente joga para vencer, empatar e perder nunca é bom. A gente tenta o máximo, hoje a gente não conseguiu de novo. Todos os times têm suas pretensões, os jogos ficam com uma atmosfera de final, vai ficando difícil. Não é pela situação do nosso time, mas os adversários vão dando a vida.

Clássico pegado
Esse lance (Sheik x Carli) fica muito longe para ver. O Carli já tinha zerado a bola, depois o Sheik o atingiu. Tirando esse lance, acho que foi um jogo na bola, clássico disputado, jogo aberto, bom para quem veio assistir. Faltou o gol, que o torcedor gosta, mas fico feliz com mais um jogo sem tomar gol. Nossa defesa vem muito bem.

Gol perdido por Pimpão
Eu estou com eles sempre, nos momentos bons e ruins. É a situação do treinador, faz parte. Tem vezes que também vou errar, é um esporte coletivo. Quem perdeu o gol ali não foi o Pimpão, foi o Botafogo. Então a gente está junto, tem meu pé naquela bola também e o pé de todos nós.

Pausa no campeonato
A gente bate sempre nesta situação da tabela, jogo atrás de jogo, mas tudo em exagero é ruim. (Muito tempo sem jogar) Perde um pouco, seria melhor um jogo por semana, mas ainda é melhor assim do que o excesso. A gente já teve uma semana em que fizemos três jogos, segunda quarta e domingo.

Chuva atrapalhou?

Atrapalhou, mas para eles também. O Fernandinho, que é muito rápido, o Gabriel... Mas o gramado está excelente, é um palco maravilhoso, grande estádio. Mas a chuva... Se fosse um dia mais bonito de repente jogo seria melhor.

Marcação em Diego
Ele fez um belo jogo. É muito difícil marcar um craque, comentamos no vestiário que ele está sempre arrumando um espaço vazio. Quando estava com o Airton, ele olhava e já estava nas costas do Rodrigo (Lindoso), do Bruno (Silva)... Difícil marcar, tem que tenta minimizar. Se tivesse marcação perfeita não sairiam os gols. Deu certo porque ele não fez nenhum passe decisivo.

Saída de Airton
Foi física. O Airton paga um preço pelo ano que ficou parado. Fico triste, mas que partida que ele fez. Que jogador! É tentar cada vez mais a parte física e fisiológica para ele jogar os 90 minutos.


Fonte: Ge/Por Thiago Lima/Rio de Janeiro

Vale até engordar o bicho: Fla e Botafogo revivem clima de decisão





Willian Arão tenta escapar da marcação na partida entre Fla e Botafogo no primeiro turno (Alex Carvalho/Agif)

Flamengo e Botafogo se enfrentam neste sábado (5), às 17h (de Brasília), no Maracanã, em mais um duelo decisivo, o que se tornou comum nos últimos anos. O pano de fundo do encontro é a crescente rivalidade. As diretorias não falam a mesma língua e a situação ficou praticamente insustentável após a contratação do volante Willian Arão pelo Rubro-negro.

Se o clube da Gávea busca a conquista do sétimo título do Campeonato Brasileiro, o de General Severiano quer frustrar os planos do rival e garantir uma vaga no G-6 para disputar a Copa Libertadores em 2017. O desejo é tamanho que o presidente Carlos Eduardo Pereira até dobrou o bicho dos jogadores - divisão de R$ 200 mil - em caso de vitória no clássico.

O mandatário alvinegro não se preocupou em alfinetar o rival, assim como também fizeram Neilton e Sassá, todos apostando no triunfo sobre o Rubro-negro.

"É importante essa rivalidade. O Botafogo deixou de cultivar, mas tem que cultivar, investir e quebrar a polarização Flamengo e Vasco. O Botafogo é um participante importantíssimo historicamente e nossa gestão nunca perdeu para eles. Vamos colocar a invencibilidade em jogo", disse Pereira à Rádio Globo.

A iniciativa de dobrar o bicho e as declarações otimistas em General Severiano foram ignoradas na Gávea. Os rubro-negros optaram por não responder, mas utilizaram as afirmações como mais um fator motivacional para o duelo. Só a vitória interessa ao Flamengo na perseguição ao líder Palmeiras.

"Não tenho muito o que comentar sobre essas coisas, esse não é o nosso foco. Antes de jogos existe essa promoção. O Botafogo tem uma grande camisa, é um grande time. Vamos entrar respeitando muito, mas cientes do que precisamos fazer. O presidente falou de uma estatística", ponderou o técnico Zé Ricardo.

O fato é que a rivalidade com o Flamengo por parte dos alvinegros aumentou muito após o tri-vice do Campeonato Carioca (2007, 2008 e 2009). Tanto que o título de 2010, evitando o tetracampeonato é um dos mais exaltados pela torcida, que trata o Rubro-negro como o maior rival, mesmo a recíproca não sendo verdadeira.

O retrospecto recente do Botafogo contra o Flamengo em momentos decisivos não é positivo. Além da sequência ruim no Carioca, o Alvinegro acumulou uma dolorosa eliminação na Copa do Brasil de 2013, quando tinha Seedorf no elenco. Não foi o suficiente, o Rubro-negro goleou por 4 a 0 em um dos duelos e sagrou-se tricampeão.

Além dos péssimos resultados em campo, a rivalidade ficou ainda mais intensa por conta do relacionamento ruim nos bastidores. A primeira polêmica ocorreu no lançamento de uma camisa do Flamengo. A promoção se deu através de um vídeo no canal "Porta dos Fundos" para mostrar a peça em primeira mão. O problema é que a esquete de humor tirou sarro do Botafogo, que na ocasião estampava patrocínios de varejo na camisa. O caso está na Justiça.

Em seguida, o problema envolvendo o volante Willian Arão. O Alvinegro pagou pela renovação automática do contrato por mais um ano, mas o volante preferiu jogar no Rubro-negro, que leva a melhor por enquanto nos tribunais. O Botafogo não teve qualquer ressarcimento pelo atleta. Os rivais estão cada vez mais distantes e os duelos ganham contornos decisivos por tudo o que cerca os clubes. Por essas e outras, conquistar os três pontos é apenas um dos objetivos no Maracanã.

FLAMENGO X BOTAFOGO


Data/hora: 05/11/2016, às 17h (de Brasília)
Local: Maracanã, no Rio de Janeiro (RJ)
Árbitro: Jean Pierre Goncalves Lima (RS)
Auxiliares: Kleber Lucio Gil (SC) e Fabricio Vilarinho da Silva (GO)

Flamengo
Alex Muralha; Pará, Réver, Rafael Vaz e Jorge; Márcio Araújo, Willian Arão e Diego; Gabriel, Fernandinho e Guerrero
Técnico: Zé Ricardo

Botafogo
Sidão; Alemão, Joel Carli, Emerson e Victor Luís; Airton, Rodrigo Lindoso, Bruno Silva e Camilo; Neilton e Sassá
Técnico: Jair Ventura


Fonte: Bernardo Gentile e Vinicius Castro/Do UOL, no Rio de Janeiro