sexta-feira, 7 de julho de 2017

Jair revela que explorar lado direito do Nacional foi estratégia para vitória


Botafogo construiu gol e melhores jogadas nas costas de Fucile, lateral-direito do time uruguaio. Treinador disse que já visava aproveitar fraqueza antes mesmo da partida







O Botafogo obteve mais um excelente resultado contra campeões da Libertadores ao bater o Nacional por 1 a 0, mesmo jogando em Montevidéu. A partida deixou o clube alvinegro próximo da vaga nas quartas de final da competição. Para isso, foi necessária uma estratégia capaz de vencer a valente equipe uruguaia. O Botafogo achou o "caminho das pedras" pelo lado direito, com investidas sobre o lateral-direito Fucile. Por lá, saíram as principais jogadas do Bota na partida, apesar do jogo truncado. Em entrevista ao SporTV, o treinador Jair Ventura avaliou a estratégia e elogiou o grupo, fundamental para a aplicação da tática (assista ao vídeo acima)..


- Eu fui analista de desempenho e observador por muitos anos, e eu sempre procuro o ponto frágil da equipe adversária. Minha preleção, na verdade, foi em cima desse lado. O Fucile não tem uma boa recomposição e o zagueiro pelo lado direito não é tão forte no um contra um, então era o lado que a gente ia explorar. Fico feliz de ter conseguido o gol e as maiores chances ali.


- Você tem que passar na leitura as coisas que acontecem, que vão acontecer. E as coisas acontecem. Cada dia eu fico mais grato de trabalhar com esse grupo maravilhoso, eles me escutam, entendem, correspondem, lutam bastante. E o mais importante de tudo: compram minha ideia. E com essa ideia nós conseguimos levar essa ideia para o jogo da volta - analisou.




O gol da partida saiu após inversão de jogo de Rodrigo Pimpão para Bruno Silva, que estava na ponta direita: justamente o local do campo onde Fucile atua. Em um contra-ataque mortal, Bruno saiu na cara do goleiro, como um elemento surpresa. Ele perdeu o gol, mas João Paulo estava lá para conferir.


Bruno Silva e João Paulo foram protagonistas de mais uma situação tensa vivida pelo Botafogo na partida. No primeiro tempo, o autor do gol levou cartão amarelo. Já na etapa final, foi a vez de Bruno Silva parar nas anotações do árbitro. Com a chance de ver um jogador expulso, Jair Ventura resolveu tirar João Paulo e deixar Bruno Silva no risco. Risco que foi agravado pela situação de Matheus Fernandes, que acabava de voltar de lesão e sairia do jogo no segundo tempo em condições normais.


- É a vida do treinador. Eu já estava com uma substituição por conta da volta do Matheus Fernandes de lesão, não tinha certeza se ele ia aguentar os 90 minutos, estava pensando em tirá-lo. Mas aí essa situação do João e depois vem a do Bruno. Então eu pensei: “Não posso correr riscos”. Aí a gente acaba tirando o João, fazendo um dez por outro dez com a entrada do Camilo, e tem que correr risco com a situação do Bruno. Uma pressão muito forte em cima da arbitragem, da gente, é sempre muito difícil jogar aqui.


Jair Ventura descobriu o "caminho das pedras" para a
vitória no Uruguai (Foto: Reuters/Andres Stapff)
Jair também respondeu sobre a situação enfrentada pelo clube, que precisa de algumas peças para compor o elenco, mas que está vivo em três competições importantes. O técnico afirmou que a prioridade da equipe é mesmo a Libertadores, e relembrou a partida contra o Corinthians, onde poupou cinco jogadores em um jogo difícil. Tudo para focar no sonho continental.


- Há muitos anos que o Botafogo não chega em uma fase tão importante da Libertadores, e o nosso investimento não foi para fazer frente em todas as competições. A ente tem nossas limitações financeiras, o Carlos Eduardo faz um trabalho maravilhoso, vem organizando o clube em todos os segmentos. É um trabalho gradativo, lógico que se a gente tiver que escolher, vai escolher a Libertadores. Já fizemos isso contra o Corinthians, nós poupamos cinco jogadores. Você jogar contra o líder do campeonato, na sua casa com menos cinco é bem complicado. (...) A gente vai ter que, em horas, correr riscos em certas competições, a gente vai priorizar a Libertadores sim e isso não tem como esconder - considerou.


O Botafogo parte com boa vantagem na busca por uma vaga nas quartas de final do torneio, mas terá que esperar um mês para poder confirmar a classificação. O próximo confronto contra o time do Nacional será apenas no dia 10 de agosto. O jogo será no Nilton Santos, a partir das 19h15.


Fonte: Por SporTV.com/Rio de Janeiro

Cristaldo é oferecido, e Botafogo conversa, mas acerto com Rios deve atrapalhar


Empresário do ex-palmeirense afirma ser representante de reforço alvinegro e atrela uma negociação à outra. Clube garante não conhecer o agente e se diz tranquilo





Cristaldo foi oferecido e agradou. Com esposa grávida, argentino tem vontade de retornar ao futebol brasileiro (Foto: Giuliano Gomes/PR PRESS)


Andrés Rios não era o único argentino que interessava ao Botafogo. Jonathan Cristaldo é outro nome no radar e poderia chegar por empréstimo de um ano. Poderia. O problema é que uma negociação pode atrapalhar a outra. Um imbróglio envolvendo a situação de Rios deve dar fim a qualquer possibilidade de negociação com o ex-palmeirense. A história não é simples.


O Botafogo já dá o acerto com Rios como alinhado e aguarda o atacante na próxima semana para exames médicos. No entanto, um impasse envolvendo dois empresários argentinos deve esfriar as conversas com Cristaldo. Até porque, após os acertos com Rios e Valencia, o clube aguarda o ok de Luciano para fechar o elenco.


O início
Um grupo de empresários procurou o Botafogo para oferecer Centurión, em fim de contrato com o Boca Juniors. O Alvinegro, no entanto, demonstrou interesse em outro ex-são-paulino: Andrés Chávez.


Chávez tem os direitos econômicos divididos entre Boca Juniors e Banfield. Dono de 50% dos direitos federativos do argentino, o Banfield não aceitou a oferta de empréstimo. Foi daí que surgiu o nome de Cristaldo, oferecido.


Conversas por Cristaldo

O Botafogo mostrou interesse. Emprestado pelo Cruz Azul ao Monterrey, Cristaldo não quer seguir no México, onde pouco tem atuado. O ex-palmeirense é agenciado pelo argentino Martín Guastadisegno, mas a negociação com o Alvinegro se dá por intermediários brasileiros.


Não dá para dizer que a negociação estava avançada, mas caminhava bem. A expectativa era que um encontro no fim de semana pudesse encaminhar o acordo. Até surgir o nome de Andrés Rios...



Andrés Rios é aguardado pelo Botafogo na próxima semana (Foto: EFE/Juan Ignacio roncoroni)


Rios e os dois empresários
Nesta terça-feira, Martín Guastadisegno foi surpreendido com a notícia na imprensa de que o Botafogo estaria negociando com Rios. Afinal, o agente diz ser o empresário do argentino do Defencia y Justicia.


Acontece que Rios foi oferecido ao Botafogo por outros dois agentes da Argentina, que têm posse e mostraram ao clube procuração e documentos do atacante os autorizando a fechar o negócio. A contratação é dada como certa, e o argentino é aguardado no Rio de Janeiro na próxima semana para assinar contrato.


O que diz o empresário argentino?
Irritado com a situação, Martín Guastadisegno ameaça melar as duas negociações. Ele não descarta os atacantes no Botafogo, mas quer que o clube tenha a iniciativa de o procurar.


- Não gostei da forma como a situação foi conduzida. Não é por dinheiro. Se o Botafogo não me ligar, não há negócio com ninguém. Estou aguardando uma ligação do presidente. Se esclarecer a situação, podemos negociar Rios e Cristaldo – disse Guastadisegno, por telefone. O agente está na Itália.


O que diz o Botafogo?
O Botafogo está tranquilo quanto à situação e afirma nunca ter negociado com Martin. De fato, a negociação com Cristaldo está sendo conduzida por um intermediário brasileiro, e o argentino – empresário do ex-palmeirense – não se envolveu nas conversas.


- Nunca conversei com esse empresário. Não tenho o que comentar sobre o assunto – frisou o presidente Carlos Eduardo Pereira, que também não quis comentar a negociação com Cristaldo.


- Não comento contratações que não foram concretizadas. Não quero iludir o torcedor.

E os outros reforços?

Além de Rios, o Botafogo já trata como certa a contratação de Léo Valencia. O chileno, que também interessa o Vasco, é aguardado pelo clube no fim de semana para realizar exames médicos e assinar por três anos.


Luciano é o outro alvo. O Botafogo trata com otimismo o acerto, mas ainda não dá o atacante como certo.


Fonte: GE/Por Felippe Costa, Marcelo Baltar e Thiago Lima, Rio de Janeiro

Foste herói! Bota vence o Nacional-URU e fica a um empate das quartas de final


Com um gol de João Paulo no primeiro tempo, Alvinegro supera os uruguaios e precisa de um empate no Estádio Nilton Santos para avanças às quarta de final da Taça Libertadores






Jogadores do Botafogo comemoram o gol de João Paulo (Foto: Reuters/Andres Stapff)

Madura, quase perfeita taticamente e cirúrgica. Assim podemos definir a atuação do Botafogo na vitória por 1 a 0 diante do Nacional-URU, na noite desta quinta-feira, no Estádio Parque Central, em Montevidéu, pelo jogo de ida das oitavas, da Libertadores. Sem ser muito ameaçado, o Alvinegro aproveitou a chance que teve com João Paulo e volta para o Brasil precisando de um empate para avançar de fase.


O jogo da volta será realizado apenas no dia 10 de agosto, no Estádio Nilton Santos. Até lá, o técnico Jair Ventura espera contar com reforços, como Valencia, que está muito perto do clube.


Golaço de João Paulo

O Botafogo começou o jogo sem um armador. Ao deixar Camilo no banco, Jair Ventura mostrou que iria buscar fortalecer a marcação no meio e aproveitar um contra-ataque para surpreender o Naciona. O início do jogo foi truncado, com poucas chances de gols e com os uruguaios pressionando. Aos 28 minutos, os jogadores no Nacional reclamaram de um toque de mão do lateral Victor Luis, que levantou muito os braços para tirar um cruzamento.


Como na maioria dos jogos da Libertadores, o Botafogo se mostrou muito seguro em campo, principalmente na marcação. Aos 37, na primeira grande chance que teve, não falhou. Pimpão recebeu lançamento pela esquerda e achou Bruno Silva na área. O volante bateu errado, mas a bola sobrou para João Paulo que, com categoria, tocou por cima do goleiro e abriu o placar.


Pressão até os 49 minutos do segundo tempo


O Botafogo voltou para o segundo tempo aproveitando o placar. Enquanto o Nacional-URU saia ao ataque, o alvinegro buscava os contra-ataques e tocava melhor a bola. Um dos melhores jogadores em campo, João Paulo pediu para sair e teve Camilo como substituto. Jair ainda colocou Guilherme no lugar de Pimpão, que correu muito para ajudar na marcação.


A pressão do Nacional-URU foi intensa até o final. O Botafogo se segurou como pode até os 49 minutos e conseguiu a importante vitória no Parque Central. Após o jogo, o elenco foi comemorar o resultado com os torcedores, que apoiaram o time do início ao fim.


Fonte: GE/Por GloboEsporte.com, Montevidéu, Uruguai