sexta-feira, 15 de dezembro de 2017

Definidos confrontos da primeira fase da Copa do Brasil 2018; veja


Equipes conhecem os rivais na fase que abre o torneio na próxima temporada



Foram definidos nesta sexta-feira os confrontos da primeira fase da Copa do Brasil de 2018. O sorteio foi realizado na sede da CBF, no Rio de Janeiro. A etapa inicial tem 80 participantes e será disputada entre 31 de janeiro e 7 de fevereiro. Os duelos serão em jogos únicos fora de casa para os times de maior expressão, com vantagem do empate para classificação.


CLIQUE E VEJA TABELA DA COPA DO BRASIL 2018



Troféu da Copa do Brasil 2018 (Foto: Felippe Costa / GloboEsporte.com)


Confrontos da primeira fase (em negrito, timesdo pote A):


Madureira-RJ x São Paulo-SP
Caldense-MG x Fluminense-RJ
Boavista-RJ x Internacional-RS
Globo-RN x Vitória-BA
Santos-AP x Sport-PE
Caxias-RS x Atlético-PR
Aparecidense-GO x Botafogo-RJ
Nacional-AM x Ponte Preta-SP
Atlético-AC x Atlético-MG
Parnahyba-PI x Coritiba-PR
Inter de Limeira-SP x Rio Branco-AC
Ituano-SP x Uberlândia-MG
Aimoré-RS x Cuiabá-MT
Tubarão-SC x América-RN
Ferroviário-CE x Confiança-SE
Floresta-CE x Botafogo-PB
Manaus-AM x CSA-AL
Corumbaense-MS x ASA-AL
Novo-MS x Salgueiro-PE
Atlético-ES x Remo-PA
São Raimundo-RR x Vila Nova-GO
Vitória da Conquista-BA x Boa Esporte-MG
Brasiliense-DF x Oeste-SP
Cordino-MA x Náutico-PE
Real Desportivo-RO x Londrina-PR
Independente-PA x Sampaio Corrêa-MA
Interporto-TO x Juventude-RS
Dom Bosco-MT x CRB-AL
Nova Iguaçu-RJ x Bragantino-SP
Cianorte-PR x ABC-RN
Criciúma-SC x São Caetano-SP
Novo Hamburgo-RS x Paysandu-PA
Ceilândia-DF x Avaí-SC
Altos-PI x Atlético-GO
URT-MG x Paraná-PR
Treze-PB x Figueirense-SC
Itabaiana-SE x Joinville-SC
Brusque-SC x Ceará-CE
Sinop-MT x Goiás-GO
Fluminense de Feira-BA x Santa Cruz-PE



Sorteio Copa do Brasil foi realizado nesta sexta-feira na sede da CBF (Foto: Felippe Costa)


No próximo ano, a competição passará a pagar R$ 50 milhões para o campeão e R$ 20 milhões para o vice. O atual dono do troféu é o Cruzeiro, que venceu o Flamengo na decisão de 2017.


- A Copa do Brasil entra em uma nova era, competição que ao longo dos anos vem se ajustando, melhorando, sendo mais competitiva. A grande novidade é a premiação, iremos divulgar oficialmente na segunda-feira, mas a competição passa a ter um benefício financeiro aos clubes sem parâmetros eu diria no futebol da América do Sul - disse Manoel Flores, diretor de competições da CBF.


O dirigente foi questionado também se a suspensão do presidente Marco Polo del Nero atrapalha o planejamento:


- A coisa continua. E qualquer assunto dessa natureza a nossa assessoria de imprensa vai tratar de forma oficial, como tem que ser.


Outra novidade do torneio é que, a partir da terceira fase, quando os confrontos passarão a ter duelos de ida e volta, o gol fora de casa não valerá mais como critério de desempate. Além disso, a CBF ampliou a data limite para inscrição de jogadores na competição. Em 2017, os clubes tiveram até o dia 24 de abril para registrar os atletas. Na próxima edição, as equipes poderão inscrever jogadores até o dia 30 de julho, antes das quartas de final.


Fonte: GE/Por Felippe Costa, Rio de Janeiro

    Botafogo prepara trocas no comando do futebol para 2018; Cacá é o primeiro a sair


    Diretor jurídico Gustavo Noronha será o novo vice de futebol. Antônio Lopes também não continuará no clube ano que vem e clube já estuda substitutos: Autuori, Ximenes, Angioni, Ricardo Gomes...







    Cacá Azeredo não é mais o vice-presidente de futebol do Botafogo (Foto: Marcelo Baltar)


    Não é só dentro de campo que o Botafogo terá mudanças em 2018. O clube prepara trocas no comando do futebol a partir de janeiro, e a reestruturação já começou: Antônio Carlos Azeredo, o Cacá, que vinha há quase três anos acumulando as pastas de vice-presidente de remo e futebol, ficará só com a do esporte olímpico. Em reunião nesta sexta-feira em General Severiano, o dirigente foi comunicado do desligamento de uma de suas funções. Diretor jurídico, Gustavo Noronha assumirá o cargo.


    E as mudanças não param por aí: o gerente de futebol, Antônio Lopes, será o próximo. Ele ainda não foi comunicado, mas o GloboEsporte.com apurou que seu contrato, que termina agora em dezembro, não será renovado. Felipe Ximenes, ex-Flamengo e Fluminense, foi ventilado para a vaga. Outros nomes analisados foram: Paulo Autuori (ex-Atlético-PR), Anderson Barros (Vasco); Rui Costa (Chapecoense); Alexandre Farias (Sport); Paulo Angioni (ex-Vasco) e o técnico Ricardo Gomes.



    Antônio Lopes não terá seu contrato renovado com o Botafogo para 2018 (Foto: Marcelo Baltar)


    As mudanças já eram analisadas no clube para a troca de comando, quando Carlos Eduardo Pereira passará o bastão ao novo presidente, Nelson Mufarrej. Mas a queda de rendimento do Botafogo no final da temporada, junto com a perda da vaga na Libertadores de 2018, aumentou a pressão sobre o comando do futebol e seus homens fortes, Cacá e Lopes. O gerente, inclusive, virou alvo de ofensas e ameaças na internet e prestou queixa-crime na delegacia nesta semana.


    Fonte: GE/Por Felippe Costa, Marcelo Baltar e Thiago Lima, Rio de Janeiro

    Quer pagar quanto? Botafogo vê inflação no mercado como obstáculo por atacantes


    Rafael Moura, Rildo, Gilberto, Bergson... Propostas apresentadas não seduzem principais alvos para setor mais carente do time, e divergências salariais fazem com que eles saiam do radar alvinegro








    Quer pagar quanto? Não é aquele famoso comercial de uma rede de varejo, exibido na TV no início dos anos 2.000, mas sim a realidade de um mercado brasileiro inflacionado no futebol. E um dos clubes que mais vem sofrendo com isso na busca por reforços é o Botafogo. Em dificuldades financeiras, a diretoria prioriza jogadores em fim de contrato, mas vem esbarrando em divergências salariais na hora de conseguir fechar negócio. E, assim, vê seus principais alvos saírem do radar, especialmente os atacantes.


    Rafael Moura: o plano A para a vaga de Roger, por exemplo, era He-Man, que está de saída do Atlético-MG. O centroavante chegou a abrir negociações com o clube, mas a pedida salarial na faixa dos R$ 250 mil, fora luvas, assustou e fez melar a tratativa;

    Bergson: o plano B era o artilheiro da Série B do Campeonato Brasileiro, com 16 gols pelo Paysandu. Porém, o Alvinegro ofereceu menos da metade do que pretendia ganhar o atacante, por volta de R$ 140 mil. Ele acabou fechando com o Atlético-PR;

    Rildo: a corrida atrás de um camisa 9 não impedia a busca por um homem de lado, para suprir a saída de Guilherme. E o atacante, ex-Corinthians e de saída do Coritiba, entrou forte na pauta. O Botafogo ofereceu R$ 165 mil, ele pediu R$ 200 mil, e não houve acordo;

    Gilberto: elogiado por Jair Ventura, ele virou alvo antes mesmo da saída de Roger. As conversas começaram ainda em outubro, voltaram após o Brasileiro, mas a oferta na casa dos R$ 200 mil não encheu os olhos do atacante, que prioriza o exterior e não fez contraproposta.



    Pretendido pelo Botafogo, Bergson acertou com o Atlético-PR (Foto: Mauricio Mano/Site Oficial do CAP)


    Anselmo Ramon, em fim de contrato com o Hangzhou Greentown, da China, virou a bola da vez pela camisa 9, mas as negociações ainda estão em estágio inicial. Fato é que o Botafogo tem pressa. Em recente entrevista ao GloboEsporte.com, o presidente Carlos Eduardo Pereira admitiu a urgência por um centroavante e projetou a contratação ainda para o mês de dezembro.


    – Sem dúvida, quanto mais rápido tivermos uma definição melhor. Temos algumas opções, o Antônio Lopes (gerente de futebol) e o Antônio Carlos Azeredo (vice de futebol) estão tratando com nomes aprovados pelo Jair. Dependemos das outras partes, mas nossa vontade é entrar o ano com essa definição – disse CEP no fim do mês passado.



    Anselmo Ramon virou a bola da vez do Botafogo para ser o camisa 9 em 2018 (Foto: sina.com)


    Outro fato que também pode virar obstáculo é o receio de certos empresários em negociar com o Botafogo, após acumularem dívidas nas gestões anteriores do clube. A reportagem vira e mexe é questionada por agentes ou pessoas envolvidas em negociações a respeito da situação atual do Alvinegro, que há dois anos não tem mais salários atrasados.


    As saídas já certas de Roger, Renan Fonseca, Jonas, Victor Luis e Guilherme abrem uma folga de cerca de R$ 500 mil na folha, porém, o clube precisará buscar ainda reforços em outras posições. Sem a vaga na Libertadores, o orçamento para 2018 será menor, por isso a diretoria finca os pés no chão nas negociações. Mas internamente há quem admita ter de investir um pouco mais uma hora.


    Fonte: GE/Por Felippe Costa e Thiago Lima, Rio de Janeiro

    quinta-feira, 14 de dezembro de 2017

    Com Gilberto distante, Botafogo mira Anselmo Ramon para a camisa 9


    Centroavante ex-Cruzeiro está em fim de contrato após quatro anos na China e pode ser a referência do ataque alvinegro em 2018. Diretoria aguarda avaliação do setor de inteligência para fazer proposta







    Perto de Rony, o Botafogo agora concentra suas forças em um centroavante. Com Gilberto cada vez mais distante, a diretoria alvinegra vira seu foco agora para Anselmo Ramon, ex-Cruzeiro. O atacante de 29 anos ficará livre no mercado em janeiro após quatro temporadas no futebol chinês, pelo Hangzhou Greentown. O nome está sob avaliação do setor de inteligência do clube para se formalizar uma proposta.


    Anselmo se destacou no Cruzeiro entre 2011 e 2013, principalmente por gols sobre o Atlético-MG – ser herói nos clássicos, curiosamente, marcou a passagem de Roger esse ano pelo Botafogo. O sucesso aumentou na Ásia, e na Primeira Divisão chinesa foram 35 gols em 67 jogos. Mas em 2016 o Hangzhou Greentown foi rebaixado. Com o clube em mais uma temporada na Segundona, a tendência é que time e centroavante abram mão da renovação de contrato.



    Anselmo Ramon marcou 35 gols na Primeira Divisão chinesa (Foto: Reprodução/Sina.com)


    O nome agrada internamente pela experiência e faro de gols, e a diretoria já entrou em contato com os representantes do jogador. Anselmo Ramon tem Sérgio Coré como empresário, mas também é agenciado por Otávio Rigoni, da "Traffic Sports", empresa que intermediou sua transferência para a China por cerca de R$ 7,8 milhões em 2014.


    O Botafogo segue atrás de um camisa 9 desde que perdeu Roger, seu artilheiro em 2017 com 17 gols, para o Internacional. De saída do São Paulo, Gilberto era o primeiro nome da lista, e os primeiros contatos começaram ainda em outubro, mas o jogador tem a preferência de atuar no exterior. Desde então, o Alvinegro tentou sem sucesso trazer Rafael Moura, do Atlético-MG, e Bergson, goleador da Série B pelo Paysandu.


    Fonte: GE/Por Felippe Costa, Marcelo Baltar e Thiago Lima, Rio de Janeiro

    Ligeirinho, ex-dupla de Bergson e algoz do Vasco: quem é o provável reforço do Bota


    Envolvido em troca encaminhada com Cruzeiro por Bruno Silva, jovem atacante já foi carrasco de rival em 2016, fez parceria com artilheiro cobiçado no mercado e está empolgado para jogar no Alvinegro







    O Botafogo está perto de fechar com o seu primeiro reforço para 2018: o atacante Rony, envolvido na troca encaminhada com o Cruzeiro por Bruno Silva. Mas quem é o jovem de 22 anos que virou xodó no futebol japonês, é pouco conhecido no Brasil, nunca disputou a Série A do Campeonato Brasileiro e foi escolhido pela diretoria alvinegra como grande aposta para a próxima temporada, justamente no setor mais carente da equipe de Jair Ventura?


    Ronielson da Silva Barbosa usa o nome artístico de Rony no futebol. Natural de Magalhães Barata, pequena cidade no nordeste do Pará, ele foi revelado no Remo como atacante de lado. Muito veloz, chamou a atenção do Cruzeiro, que em 2015 comprou seus direitos econômicos por R$ 700 mil. Mas na Raposa jogou só pelo sub-20 e, antes de estrear nos profissionais, acabou emprestado ao Náutico. Foi pelo Timbu que ganhou sua maior projeção a nível nacional:




     Assista aos 11 gols de Rony pelo Náutico na Série B de 2016


    Em 51 jogos, fez 14 gols. Sendo 11 deles na Série B, onde fez dupla de ataque com Bergson, atual artilheiro da Segunda Divisão e que foi o jogador mais cobiçado da atual janela de transferências até acertar com o Atlético-PR – segundo seu pai e empresário, ele recusou 19 propostas, entre elas um do próprio Botafogo. Foi lá também que virou carrasco do Vasco: marcou duas vezes na vitória por 3 a 1 na Arena Pernambuco, e na rodada seguinte o Cruz-Maltino perdeu de vez a liderança.


    Desempenho que despertou o interesse do futebol asiático e o levou para o Albirex Niigata, da "J League", Primeira Divisão japonesa. O clube investiu cerca de R$ 4 milhões em um contrato de empréstimo de um ano, mas com opção de renovação. Embora a equipe tenha ido mal na temporada, terminando em penúltimo lugar e rebaixada para a Segundona do país, Rony se salvou. Foi o artilheiro do time com sete gols em 32 jogos e virou xodó da torcida.




    Filho Rony de Jesus nasceu no Japão em agosto (Foto: Divulgação / Albirex Niigata)


    O Botafogo não o escolheu agora. Diretoria e comissão técnica já o acompanham há um ano e tentou sua contratação no fim de 2016, mas ele já estava acertado com os japoneses. Em 2018, o negócio tem tudo para enfim acontecer. Com o rebaixamento, fica mais difícil para o Albirex Niigata manter o atacante, que no último mês de agosto acabou de ser pai do pequeno Rony de Jesus. A chance de educar o filho no Brasil também pesa na vontade do jogador.


    E a oportunidade de jogar no Botafogo já mexe com a cabeça do jovem, que passa férias no Pará e está muito motivado com a possibilidade concreta de desembarcar em General Severiano. Segundo o GloboEsporte.com apurou, o jovem já procura apartamento no Rio de Janeiro e será chamado para realizar os exames médicos no clube nos próximos dias. Porém, ainda falta um acerto salarial entre as partes e burocracias a resolverem com Cruzeiro e Albirex Niigata.



    Rony em ação pelo Albirex Niigata: atacante foi o artilheiro do time japonês (Foto: Getty)


    Fonte: GE/Por Marcelo Baltar, Felippe Costa e Thiago Lima, Rio de Janeiro

    quarta-feira, 13 de dezembro de 2017

    Cruzeiro aceita contraproposta do Botafogo e fica perto de Bruno Silva


    Dia do pagamento à vista dos R$ 4 milhões, aprovação nos exames médicos de Rony, envolvido na troca, e "ok" da Ponte Preta são os últimos entraves para sacramentar a negociação





    Falta pouco para o fim da novela Bruno Silva. É o que acredita o Cruzeiro, que espera finalizar a negociação ainda esta semana. A Raposa aceitou a contraproposta do Botafogo de pagar R$ 4 milhões à vista pelo volante, de 31 anos e destaque do Campeonato Brasileiro, e ceder parte dos direitos econômicos do atacante Rony, de 22, que ainda precisa ser aprovado nos exames médicos. Falta principalmente acertarem a data da transferência bancária: no próximo dia 4, como o Alvinegro quer, ou em 10 de janeiro, como ofereceu o clube mineiro.



    Botafogo x Bahia Bruno Silva (Foto: Agência Estado)


    Outros detalhes restantes para anunciarem a troca é a aprovação de Rony nos exames médicos, que ainda serão marcados pelo Botafogo, e o "ok" da Ponte Preta, dona de 60% dos direitos econômicos de Bruno Silva e por isso precisa autorizar a transferência. Entretanto, o Cruzeiro está confiante em um final feliz ainda nesta semana. Os departamentos jurídicos dos dois clubes já estão, inclusive, em contato para alinhavar as situações e confecção do contrato de venda.


    Na negociação, o Cruzeiro aceitou pagar R$ 1 milhão a mais do que havia oferecido de forma parcelada. O GloboEsporte.com apurou que o Botafogo tomou conhecimento de alguns atrasos salarias na Raposa e por isso exigiu o pagamento à vista. Além disso, vai ceder parte dos direitos de Rony, que está emprestado ao Albirex Niigata, do Japão, até 1º de janeiro, mas com cláusula de renovação. Porém, o jogador tem tudo para voltar ao futebol brasileiro e vestir a camisa alvinegra.


    Bruno Silva foi um dos mais importantes do Botafogo na temporada: disputou 60 jogos, fez nove gols, deu oito assistências e foi eleito para a seleção do Campeonato Brasileiro. Ele tem contrato até o fim de 2018, com multa rescisória de R$ 20 milhões – a ideia do Cruzeiro é comprar os 40% dos direitos econômicos que pertencem ao Alvinegro, o restante é da Ponte Preta. Outro interessado no volante, o Internacional desistiu do negócio. A vontade dele em jogar em Belo Horizonte pesou.


    Fonte: GE/Por Gabriel Duarte, Marcelo Baltar e Thiago Lima, de Belo Horizonte e Rio de Janeiro

    Sem Bergson, Botafogo consulta valores por outro destaque da Série B


    Atacante Rodolfo pertence ao Capivariano e estava emprestado ao Boa Esporte, onde marcou 10 gols na Segunda Divisão. Alvinegro estuda comprar 50% dos direitos econômicos do jogador






    Enquanto espera respostas de Rildo e Gilberto, o Botafogo se movimenta no mercado atrás de nomes para compor o elenco. Após perder Roger e Guilherme, o ataque continua sendo a prioridade da diretoria, que viu o alvo Bergson, artilheiro da Série B, acertar com o Atlético-PR. O Alvinegro não quis entrar em leilão e estuda outro destaque do torneio como alternativa: Rodolfo.


    O atacante de 25 anos marcou 10 gols em 30 jogos com o Boa Esporte na Segunda Divisão (veja no vídeo acima) e chamou a atenção do Botafogo pela velocidade e finalização. Ele joga flutuando pelos lados do campo e tem no chute de longa distância a sua especialidade. A diretoria já consultou valores para um contrato de dois anos e estuda investir R$ 700 mil na compra de 50% dos seus direitos econômicos.



    Rodolfo marcou 10 gols na Série B deste ano (Foto: Ari Ferreira/ GloboEsporte.com)


    Rodolfo pertence ao Capivariano, de São Paulo, e estava emprestado ao Boa Esporte, onde foi campeão da Série C do ano passado, até o fim da temporada. O atacante também acumula passagens por Jacutinga-MG, Elosport-SP, Rio Branco-SP, Bragantino-SP, CRB e São Bernardo-SP. O Botafogo pode ser seu primeiro grande clube no futebol brasileiro.


    Mapa da Série B

    Fora da Libertadores e com poucos recursos para investir, o Botafogo vislumbra na Segundona uma espécie de peneira mais viável para novas apostas. Por isso, não é de hoje que o clube vem mapeando jogadores no campeonato. O atacante André Luis, do Santa Cruz, por exemplo, chegou a ter um acordo apalavrado, mas o negócio esfriou. Silvinho, atacante do Criciúma, e Giovanni, meia ex-Náutico, foram outros nomes analisados.


    Fonte: GE/Por Felippe Costa, Marcelo Baltar e Thiago Lima, Rio de Janeiro

    terça-feira, 12 de dezembro de 2017

    Botafogo faz contraproposta ao Cruzeiro e inclui Roni em negociação por Bruno Silva


    Empresário do jogador, Carlinhos Sabiá se reune com clube carioca e apresenta oferta mineira. Além de quantia em dinheiro, Alvinegro pede atacante que está no Japão para fechar negócio





    Negociação entre Botafogo e Cruzeiro por Bruno Silva se arrasta (Foto: André Durão)


    A novela envolvendo Bruno Silva ganhou um novo capítulo e está mais perto do fim. Em reunião na tarde desta terça-feira, em General Severiano, o empresário Carlinhos Sabiá levou ao Botafogo uma proposta oficial do Cruzeiro pelo volante. A oferta inclui uma quantia em dinheiro e mais um jogador, que não teve o nome revelado, mas foi recusado pelo Alvinegro.


    Não houve acordo, mas é possível dizer que a negociação avançou. O Botafogo enviou uma contraproposta e pediu a inclusão do atacante Roni, que está emprestado pelo Cruzeiro ao Albirex Niigata, do Japão. A bola está com a diretoria da Raposa, que estuda a pedida e deve responder nas próximas horas. A expectativa é de que o acordo seja fechado até esta quarta.



    Roni estava emprestado ao Náutico antes de ir para o Japão (Foto: Aldo Carneiro / Pernambuco Press)


    Roni tem contrato no Japão até 1º de janeiro, e com o Cruzeiro, até 8 de abril de 2018. Na época da negociação, o clube mineiro informou que havia vendido os direitos dele aos japoneses, mas a reportagem confirmou que o atacante realmente está emprestado. A diretoria vai solicitar o retorno do atleta, porém, provavelmente precisará compensar o clube asiático financeiramente.


    No primeiro encontro, na semana passada, o Cruzeiro colocou uma lista de jogadores que poderiam entrar na negociação. Entre eles, nomes com Rafael Marques e Elber. Nenhum deles empolgou o Botafogo. Outro interessado em Bruno Silva, o Inter praticamente desistiu do negócio. A vontade do jogador em jogar em Belo Horizonte pesou.


    BRUNO SILVA


    Fonte: GE/Por Felippe Costa, Gabriel Duarte, Marcelo Baltar e Thiago Lima, Rio de Janeiro e Belo Horizonte

    Gatito ou Jefferson em 2018? Jair diz já ter a resposta, mas a esconde


    Treinador do Botafogo terá que escolher entre o ídolo e o paraguaio, que brilhou em 2017. No ano que vem, ao contrário deste, os dois goleiros partem em condições de igualdade




    Jefferson e Gatito Fernández (Foto: Satiro Sodré/SSPress/Botafogo)


    Uma das muitas dúvidas que circulam entre os torcedores do Botafogo neste fim de ano é saber quem será o titular na meta alvinegra em 2018: o ídolo Jefferson, dono do maior salário do clube, que começou esta temporada com uma lesão ou o paraguaio Gatito Fernández, que defendeu oito de 14 pênaltis em 2017, ganhou dois prêmios individuais e "roubou" a vaga após Helton Leite se machucar contra o Olimpia? O técnico Jair Ventura diz já estar decidido, mas faz mistério e ainda explica o que pesou para a decisão: meritocracia.

    - Já está definido. Na cabeça do treinador está sempre definido. Não posso revelar, vocês vão ter que esperar até o primeiro jogo. É uma decisão difícil, são dois grandes atletas, um com história recente, outro com história mais do passado, mas são dois grandes atletas. O Botafogo está muito bem servido, isso é o importante. Quando sair a escalação eu vou explicar o porquê. Se eu falar agora, você já vai saber quem é – comentou o técnico, em entrevista à Rádio Tupi.

    Os dois têm contrato com o Glorioso até o final de 2018, mas alguns torcedores demonstram certa insegurança: será que algum dos goleiros vai querer deixar o time, insatisfeito com a reserva? Além do ídolo, que fará 35 anos no próximo dia 2, e do paraguaio, o Botafogo conta com Saulo, Helton Leite e Daniel. O segundo, porém, pode ser emprestado ao São Caetano, enquanto o primeiro, quarto na hierarquia da posição neste ano, tem contrato se encerrando no próximo dia 31 e ainda não sabe se fica pro ano que vem.


    Fonte: Lancenet/Rio de Janeiro (RJ)

    Fábio vive bom momento na Inglaterra, mas diz: "Sonho jogar no Botafogo"


    Ex-Manchester United, irmão gêmeo de Rafael, lateral é titular no Middlesbrough, afirma que quer renovar contrato por três anos, mas balançaria com proposta do time de coração




    Há quase 10 anos, os gêmeos Rafael e Fábio deixaram o Brasil para atuarem no Manchester United. Eram jovens de apenas 17 anos e cercados de expectativa para se tornarem grandes nomes do futebol brasileiro. O primeiro, lateral-direito, atuou em 170 partidas pelos Red Devils e hoje é titular do Lyon, na França. Fábio, lateral-esquerdo, jogou menos pelo clube inglês: 56 vezes. Depois, rodou por equipes menores da Inglaterra até chegar ao Middlesbrough, onde está atualmente. Apesar de não ter alcançado o mesmo sucesso que o irmão, vive boa fase na segunda divisão do país e acredita estar no auge de sua carreira.



    Fabio assumiu a titularidade do Middlesbrough na atual temporada (Foto: Getty Images)


    A verdade é que Fábio teve sim bons momentos, mas jamais atingiu o nível que se esperava. Teve chances no Manchester United, como na decisão da Liga dos Campeões de 2010/11, quando foi titular na derrota para o Barcelona. Na Seleção, foi chamado por Mano Menezes e atuou em amistosos contra Gabão e Costa Rica, em 2011. Mas, ficou devendo. Agora, em equipes menores e com menos pressão sob seus ombros, o lateral brasileiro parece ter se encontrado. Virou titular absoluto no Middlesbrough, na segunda divisão inglesa, e tem colecionado boas atuações, segundo ele próprio analisa.


    - Acho que estou no auge da minha forma física, com 27 anos, aprendi muito com esses 10 anos na Inglaterra. Me assistindo, e vendo o que tenho jogado, acho que estou no meu melhor momento sim (...) Quando cheguei no Manchester, acho que fiquei tímido, vinha do Fluminense, Seleção, capitão (do Brasil sub-17)... no Manchester, eu perdi um pouco a confiança, não evoluí o que esperavam. Depois, eu fiquei tendo altos e baixos. Joguei final de Champions, mas não tive consistência. Fui para a Seleção com o Mano, mas eu não estava bem naquela época e fui mal, não joguei bem. Quando fui para os outros times, tiveram os rebaixamentos, perdia a confiança - explicou o lateral em entrevista por telefone ao GloboEsporte.com.




    No Middlesbrough, Fábio é querido pela torcida. Não poderia ser diferente com um clube que sempre abraçou jogadores brasileiros e tem como um de seus maiores ídolos Juninho Paulista, que disputou finais da Copa da Inglaterra e Copa da Liga Inglesa na temporada de 1996/97. O lateral se disse impressionado com o carinho e afirmou que fotos do ex-meia estão espalhadas pelo CT e pelo estádio do "Boro" e o nome do ex-são-paulino e é sempre falado e lembrado pelos torcedores.


    - O Juninho é o Pelé para eles. Não estou exagerando. É o maior ídolo da história do Middlesbrough. É como é o Zico para o Flamengo. Os caras falam do Juninho aqui o tempo todo, é impressionante. Eu não sabia que era tão grande assim (...) Não sei se por ser brasileiro também, mas o torcedor gosta muito de mim. Disso não dá para reclamar. No Cardiff também acontecia. Até no Manchester, mesmo não jogando tanto, a torcida sempre gostou muito de mim - afirmou.



    Fabio ficou no Manchester United entre 2008 e 2014 (Foto: Reuters)


    Porém, o pensamento de Fábio volta e meia está no Brasil. Apesar de ter crescido nas divisões de base do Fluminense, o lateral é torcedor confesso do Botafogo. Nas redes sociais, posta com frequência mostrando seu amor pelo Alvinegro do Rio de Janeiro, assim como seu irmão Rafael. O lateral confessa que ambos sonham em, no futuro, atuarem juntos no clube de coração. Com contrato perto do fim - em junho de 2018 - ele espera renovar com o Middlesbrough, mas diz que balançaria com uma proposta do Glorioso.


    - O Botafogo me balança sempre. Eu sou botafoguense e meu sonho é jogar no Botafogo. Eu penso em fazer um contrato de mais três anos, ficar até os 30 anos (no Middlesbrough). Depois, quero jogar no Botafogo e encerrar minha carreira lá. Claro que eu e o Rafael temos o sonho de jogar juntos sim. Jogamos em funções parecidas, na lateral, mas de repente eu me mudo para volante (risos). Mas temos sim esse sonho de jogar juntos pelo Botafogo - confessou.



    Fabio não esconde a torcida pelo Botafogo nas redes sociais (Foto: Reprodução / Instagram)


    O maior problema para deixar a Inglaterra neste momento é o próprio Middlesbrough. Apesar do contrato próximo do fim, o clube pode exercer uma cláusula de renovação automática e ainda negocia uma extensão de vínculo com o lateral. Em junho deste ano, após a queda para a segunda divisão, Fábio pediu para deixar a equipe e, com proposta de fora, como do Sporting, de Portugal, e do Cruzeiro, pensou em voltar ao Brasil. No entanto, a saída foi dificultada pelos ingleses, que pediram um valor acima da realidade para liberá-lo.


    No entanto, a ideia de sair do Middlesbrough já deixou de ser prioridade para Fábio. O lateral explica que sua boa fase o fez ter mais paciência e vontade de permanecer por mais tempo na Inglaterra. Somado a isso, o momento vivido pelo Brasil, com crises políticas e de violência, o deixa com o pé atrás para retornar ao país.


    - Me deixa triste ver como está o Brasil. Se o país estivesse melhor, tanto na parte política como de violência, talvez eu teria voltado há mais tempo. A qualidade de vida é boa aqui na Inglaterra, mas tem o frio, sempre chovendo... tem poucas coisas para fazer. Sou muito ativo, gosto da praia, de bater um futevôlei, de sair com os amigos. Eu quero voltar para o Brasil. Minha opinião já mudou várias vezes, então não sei se voltaria agora. Há quatro meses eu estava pensando muito em voltar. Hoje, eu já penso de outra maneira - disse, deixando claro que deve permanecer mais tempo na Inglaterra.


    E, se aparecesse uma proposta do Flamengo? Será que a idolatria de Fábio pelo Botafogo atrapalharia uma negociação? Sem pensar duas vezes, o lateral garantiu:


    - Sem ser no Botafogo, eu só jogaria no Fluminense (no Rio). Por ter começado a carreira lá, tenho esse carinho. Mas só.

    MANCHESTER UNITED


    Fonte: GE/Por Thiago Quintella, Rio de Janeiro

    segunda-feira, 11 de dezembro de 2017

    Em "noivado" com Bruno Silva, Cruzeiro agenda reunião para apresentar proposta


    Clube mineiro escolhe modelo de proposta que será apresentado ao Botafogo, nesta terça-feira, pelo empresário do jogador, no Rio de Janeiro



    A novela envolvendo Bruno Silva, Cruzeiro e Botafogo pode ter um desfecho nesta terça-feira. É que o Cruzeiro, por meio do empresário do jogador, Carlinhos Sabiá, pretende apresentar uma proposta oficial ao clube carioca, nesta terça-feira, no Rio de Janeiro. Quem confirmou a informação foi o empresário do atleta em entrevista ao GloboEsporte.com. O modelo a ser apresentado e planejado é oferecer uma quantia mais um jogador.



    Bruno Silva pode ter a situação definida nesta terça-feira 
    (Foto: André Durão / GloboEsporte.com)


    Em conversa com a reportagem, Carlinhos Sabiá preferiu não entrar em detalhes da proposta a ser apresentada ao Botafogo. Entretanto, a reportagem apurou que o clube mineiro escolheu comprar os direitos pertencentes ao clube carioca oferecendo uma parte em dinheiro, além de um jogador.


    - Amanhã (terça-feira) eu vou estar no Rio e vou apresentar a proposta oficial do Cruzeiro. Detalhes eu não posso passar da proposta, mas será a proposta do Cruzeiro. Valores eu não posso falar.


    Uma pessoa ligada à diretoria cruzeirense confirmou que a situação está adiantada com Bruno Silva. O negócio poderá ser finalizado ainda esta semana. O presidente eleito do clube, Wagner Pires de Sá, confirmou no último domingo que a negociação com Bruno Silva está caminhando. O clube carioca, em resposta, disse não ter recebido ainda a proposta oficial.


    O Cruzeiro, por meio do empresário de Bruno Silva, irá apresentar uma pequena lista de nomes a ser escolhida pelo Botafogo. O nome do atacante Rafael Marques, cogitado a ser envolvido na negociação, está descartado. Outro cogitado é o de Elber, meia cruzeirense. O empresário do atleta, Fabiano Gudjenian, informou que não recebeu nenhuma proposta ou sondagem pelo jogador.



    Bruno Silva aguarda a proposta do Cruzeiro (Foto: CELSO PUPO/FOTOARENA/ESTADÃO CONTEÚDO)


    Bruno Silva, nesta segunda-feira, explicou o vídeo em que provocava o Atlético-MG e disse estar esperando a negociação ser resolvida. O vínculo do volante com o Botafogo é até o fim de 2018, com o Botafogo possuindo 40% dos direitos econômicos. A multa da rescisão contratual é de R$ 8 milhões. Na temporada de 2017, Bruno Silva tem 59 jogos e nove gols.

    BRUNO SILVA


    Fonte: GE/Por Gabriel Duarte, de Belo Horizonte

    domingo, 10 de dezembro de 2017

    Média de 23 anos e 'reforços' da base: os zagueiros do Botafogo para 2018


    Dos cinco jogadores que o plantel alvinegro tem nesta posição, quatro são meninos da base e dois ainda vão subir: Igor Rabello, Marcelo, Kanu e Helerson. Capitão, Carli é o outro





    Kanu, ao lado de Marcelo, comemora gol nas categorias de base do Botafogo (Foto: Divulgação/Botafogo)

    A zaga do Botafogo versão 2018 terá uma peculiaridade: Quatro dos cinco jogadores da posição são garotos, todos formados nas categorias de base do Alvinegro. São eles: Helerson e Kanu, ambos de 20 anos, que serão promovidos aos profissionais nesta pré-temporada, e os 'veteranos' Igor Rabello, de 22 anos, e Marcelo, que fará 22 no próximo dia 07. O quarteto se une ao argentino e mais experiente Joel Carli, capitão do Glorioso, de 31 anos. Diante deste cenário, a média de idade dos jogadores da posição é 23.

    A pré-temporada do Botafogo começa no próximo dia 04 e três dias depois, o Alvinegro se muda para Domingos Martins-ES, onde ficará até a estreia no Carioca, contra a Portuguesa, no Nilton Santos, no dia 17/01. O time de Jair Ventura terá essa configuração na próxima temporada porque Renan Fonseca não teve o contrato renovado, Emerson Silva terá o mesmo destino e Emerson, outro formado em General Severiano, acertou com o Palmeiras. E a julgar pela movimentação do Botafogo no mercado, mais focado no setor ofensivo, o Alvinegro não trará ninguém para o setor. 


    Inexperiência de Kanu e Helerson vai pesar?


    A inexperiência do quarteto comprometerá o próximo ano? Isso só o tempo dirá, mas o certo é que os quatro têm boas credenciais. Kanu e Helerson chegaram a completar um treino da Seleção Brasileira principal, em outubro, na Granja Comary. O primeiro até foi inscrito no último Campeonato Carioca, mas não chegou a jogar. Treinar com os principais não será uma novidade para ele, que fez o gol do título do Brasileirão Sub-20 de 2016 e talvez seja por isso que o segundo, Helerson, crava: a inexperiência não vai atrapalhar o Botafogo.

    - Eu e o Kanu subimos agora, ainda não tivemos a chance de jogar nos profissionais, mas o convívio lá em cima e os treinos diários nos darão experiência para quando a oportunidade pintar a gente não comprometer. É bom saber que o Botafogo está dando essa chance aos jovens. Isso mostra que acredita no nosso potencial. E dos quatro, dois já têm uma boa experiência - contou Helerson, em contato com o LANCE! 


    Marcelo, o homem de gelo

    Marcelo é conhecido pela 'personalidade'. Ele foi eleito o melhor em campo na primeira final do Brasileirão Sub-20 do ano passado, temporada que oscilou entre base e profissional, após chegar por empréstimo do Fluminense, no início de 2016. Convenceu e o Alvinegro comprou 60% dos direitos do jogador, que terminou aquela temporada com um jogo no profissional, justamente contra o Flu, e relacionado para mais outros 11 jogos.

    Ele foi promovido em definitivo no início de 2017. Em março, veio uma renovação até o fim de 2020 e aumento da joia. Há torcedor, inclusive, que implora para que Jair Ventura o escale ao lado de Igor Rabello, que já é mais conhecido do torcedor, titular. 


    Igor Rabello tem 2017 especial

    Recém formado em Educação Física, o 'General' é frio e já mostrou que um dos seus pontos fortes é a jogada aérea. Talvez por isso tenha recebido uma proposta da Udinese, da Itália, no meio deste ano, e é monitorado por outras equipes como o Anderlecht, da Bélgica.

    No clube desde 2012, ele foi promovido em 2014, relacionado para alguns jogos, mas não estreou. No ano seguinte, com o time na B, revezou entre os profissionais e a base, mas tudo o que colheu nos profissionais foi ser relacionado para um jogo na Copa BR. Nos 'Aspirantes', marcou no Flamengo.

    No ano passado, nova promoção - agora em definitivo. Foi relacionado para dois jogos, atuou em outros dois, mas foi emprestado para o Náutico disputar a Série B. Brilhou por lá, deixou saudade e voltou no início de 2017, mas para ser reserva. Conquistou a titularidade, virou queridinho dos torcedores e dos europeus, fez dois gols e ainda concluiu a graduação.

    Igor Rabello - 50 jogos e dois gols - 22 anos
    Marcelo - 27 jogos e um gols - 21 anos
    Helerson e Kanu- Ainda não estrearam - Ambos têm 20 anos
    Carli - 79 jogos e quatro gols - 31 anos


    Fonte: Lancenet/Rafael Bortoloti /Rio de Janeiro (RJ)

    sábado, 9 de dezembro de 2017

    Premiado como melhor gringo do Brasileiro, Gatito crê em 2018 ainda melhor


    Goleiro é eleito pela Agência EFE o melhor estrangeiro do campeonato. Apesar do fim de temporada ruim do Botafogo, pagaruaio comemora fase da carreira e acredita em evolução






    Gatito passa férias com a família nos Estados Unidos (Foto: Arquivo Pessoal)


    A temporada não acabou da forma como imaginava, com o Botafogo fora da Libertadores 2018, mas individualmente Gatito tem motivos para comemorar. O goleiro paraguaio se firmou como titular, teve um grande ano tecnicamente e foi premiado pela agência de notícias “EFE” como o melhor estrangeiro do Campeonato Brasileiro.


    De férias com a família e com a namorada em Orlando, nos Estados Unidos, o ficou surpreso com a notícia.


    - Eu me surpreendi. Fico feliz pelo reconhecimento, foi um ano especial para mim. Atuar e ir bem num clube enorme como o Botafogo sempre foi um objetivo na carreira.


    +++ Especial sobre os pênaltis defendidos por Gatito


    O ano, de fato, foi especial para Gatito. Ao longo da temporada foram oito pênaltis defendidos. O paraguaio crê em voos ainda maiores nos próximos anos.


    - Chego aos 29, na melhor idade para um goleiro, quando a experiência passa a ser aliada importante e a tendência é só melhorarmos. E espero ficar muitos anos ainda mantendo esse nível de 2017.


    Gatito tem contrato até dezembro de 2018 com o Botafogo. No meio do ano, ele teve a situação consultada pelo Napoli, mas o negócio não foi adiante.


    Ranking da EFE de melhores estrangeiros do Brasileirão


    1. Roberto Fernández (PAR) - Botafogo - 64

    2. Martín Silva (URU) - Vasco da Gama - 63

    3. Lucas Pratto (ARG) - São Paulo - 58

    4. Santiago Tréllez (COL) - Vitória - 57

    5. Stiven Mendoza (COL) - Bahia - 54,5

    6. Juan Cazares (ECU) - Atlético Mineiro - 50,5

    7. Jonathan Copete (COL) - Santos - 49,5

    8. Fabián Balbuena (PAR) - Corinthians - 49

    9. Rómulo Otero (VEN) - Atlético Mineiro - 47,5

    10. Ángel Romero (PAR) - Corinthians - 47,5


    Fonte: GE/Por GloboEsporte.com, Rio de Janeiro

    sexta-feira, 8 de dezembro de 2017

    Próximo de uma década no Botafogo, Jair analisa ano: "Um mês não pode apagar 10"


    Com 99 jogos à frente do time, treinador admite que time não fez por merecer vaga na reta fica e revela que não consegue rever gol do Grêmio na Libertadores: "Não olho. É sofrer demais"





    Jair Ventura na praia do Leme. Treinador não frequenta o local há mais de um ano (Foto: Marcelo Baltar)


    Tão surpreende quanto o ano do Botafogo foi a queda na reta final. Deixar a vaga na Libertadores escapar na última rodada manchou o bom trabalho de toda uma temporada. Hora de juntar os cacos, aprender com os erros e ... trabalhar.


    Enquanto jogadores desfrutam de férias, Jair Ventura vem se reunindo com a direção para avaliar saídas e chegadas. Na próxima semana participará mais uma vez do curso de treinadores da CBF, antes de tirar cinco dias para viajar com a esposa. Ele não terá tempo, por exemplo, para curtir a praia do Leme, onde costuma (ou costumava) jogar futevôlei. Há mais de um ano pisa na areia.


    E foi justamente no local que ele conversou com o GloboEsporte.com. Na entrevista, analisou a temporada, reconheceu que o Botafogo não fez por merecer a vaga, admitiu que não consegue rever o gol do Grêmio que o eliminou da Libertadores e falou sobre os planos para 2018, quando completará 100 jogos (tem 99) à frente do time e dez anos de General Severiano.


    Análise de 2017

    Resumo o ano em duas partes. Dez meses maravilhosos e um mês muito ruim. Nos primeiros dez meses passamos pela Pré-Libertadores, primeiro lugar na fase de grupos, oitavas de final e paramos nas quartas para o atual campeão da América. Não lembro de uma equipe que tenha feito jogo tão duro contra o Grêmio. Fomos até a semifinal da Copa do Brasil. Saímos por causa do drible do Berrío. Estudo muito os adversários, mas foi um drible que ninguém nunca tinha visto. Nos custou a vaga.

    No Brasileiro sempre brigamos na parte de cima da tabela, mas novembro foi muito ruim, tivemos apenas uma vitória. Fomos muito abaixo do que fizemos no decorrer do ano. E com isso perdemos essa vaga e para alguns manchamos esse ano que tinha tudo para ser maravilhoso.


    Cuidado com as palavras

    Aprendi que temos que tomar cuidado com tudo o que falamos. Quando as coisas não vão bem, tudo o que você fala tem diversas interpretações. Falo o que eu penso, mas nem sempre sou interpretado da melhor maneira. Como treinador você tem que expor o que pensa.



    Jair Ventura diz que recebe carinho de todas as torcidas (Foto: Marcelo Baltar)


    Faltou um título?
    Você pode fazer um grande trabalho sem título. Lógico que o título é o mais importante. Mas o Botafogo vinha de uma Série B em 2015, quando assumi em 2016 o time estava para ser rebaixado e conseguimos a classificação para a Libertadores e fizemos um grande ano em 2017.

    Mas concordo que em novembro deixamos a desejar. Estava nas nossas mãos a vagas. Isso deu uma manchada no ano.


    Por que a vaga escapou?
    No ano passado, quando demos a arrancada para a Libertadores, caímos na Copa do Brasil para o Cruzeiro e deixamos todo o foco no Brasileiro. Nesse ano tivemos outras competições paralelas. As pessoas falam que em novembro já não estávamos mais em outras competições, mas deixamos o nosso melhor nelas. Pagamos um preço fisicamente por conta disso e também pelas perdas.


    Perdi meu artilheiro, ficamos 16 jogos sem o Roger. O nosso time sentiu. Apesar de o Brenner e o Vinícius (Tanque) terem entrado, o Roger era o meu artilheiro. É como tirar o Jô do Corinthians ou o Henrique (Dourado) do Fluminense... vai fazer falta. Perdi também o Airton, o Camilo, o Montillo, o Sassá...


    Jogadores que começaram o ano e fizeram bastante falta. É um aprendizado. O que poderia ser feito de diferente? Difícil, se você não tem outra coisa a ser feita. Pagamos o preço por ter jogado 120%, mas se não jogássemos assim, não teríamos passado por tantas coisas boas nesse ano.


    Ficamos tristes. O torcedor está triste. Mas peço para o torcedor entender. Um mês não pode apagar dez.



    Botafogo venceu apenas um jogo em novembro e ficou fora da Libertadores 2018 (Foto: Marcos Riboli)


    Peso psicológico

    Trabalhamos muito com os números da fisiologia. E mesmo com todo o cansaço, mantivemos o mesmo padrão físico, a mesma intensidade. Realmente tivemos uma queda, perdemos três jogos em casa (Fluminense, Atlético-PR e Atlético-GO), o que foi determinante. Custou caro. Mas não faltou entrega, fomos valentes, mas não conseguimos a classificação


    Mercado
    Fico preocupado. Desde o ano passado, quando assumi, digo que a grande contratação é a manutenção da equipe. Facilita a vida do treinador. Todas as perdas preocupam. Temos um mercado muito violento, e o Botafogo vive um momento muito delicado financeiramente. Temos uma grande camisa, grande história, mas um momento muito complicado financeiramente.


    Poucas pessoas falam, mas não poso esconder a realidade da minha torcida. Estamos bastante aquém financeiramente. Mas temos que nos reinventar e não errar nas contratações. Entendo que a torcida está magoada, também estamos tristes. Agora com muito trabalho e dedicação queremos resgatar a torcida e dar muitas felicidades para ela em 2018


    Saída Bruno Silva
    Ao lado do Roger, foi o jogador que mais teve participação nos gols do Botafogo nesse ano. Será uma perda significativa. O Carlos Eduardo Pereira (presidente) já falou que não vai liberá-lo de qualquer maneira. Quem quiser tirá-lo vai ter que fazer por onde. Não posso abrir mão de um jogador tão importante para a nossa equipe.


    Não adianta você me dar a quinta opção de outro time e levar uma das minhas peças mais importantes. Seria injusto. Tem que ser bom financeiramente para o clube ou que venham jogadores no mesmo nível técnico.


    Base
    Não podemos construir um time só com os meninos da base. Sou a favor de mesclar, mas temos que saber a hora de usar para não queimar os meninos. O Luís Henrique pulou do sub-17 para o profissional, e a carreira não aconteceu. Temos que ter calma. Temos o Ezequiel que marcou contra o Cruzeiro, mas fez só dois jogos. Temos que ter calma. É uma joia do Botafogo.


    Carências
    Acho que principalmente um atacante de velocidade. Eu queria, por vezes, jogar com três atacantes, mas só tinha Pimpão e Guilherme. Não podia iniciar com os dois e não ter uma outra opção no banco para uma opção mais ofensiva.


    Sei que nossa diretoria fez de tudo, mas não tínhamos condições financeiras. Dentro do que tínhamos, fizemos o nosso melhor, criamos alternativas de jogo.


    100 jogos
    Marca importante. Vou para um curso de treinador da CBF, que participei no ano passado. Eu sou o único treinador que está voltando no mesmo clube. O Eduardo Batista estava no Palmeiras, foi para o Atlético-PR e terminou na Ponte. O Roger (Machado) estava no Grêmio, foi para o Atlético-MG e já está no Palmeiras.

    Vida de treinador é muito difícil. Se esse mês ruim de novembro fosse no início, eu não estaria mais no Botafogo. Mas é a vida que escolhi, e estou mais preparado para os momentos ruins do que os bons. Os bons a gente tira de letra.

    Nota: Jair Ventura tem 99 jogos no comando do Botafogo


    Renovação até 2020?


    Jair Ventura (Foto: Marcelo Baltar)

    Eu tenho contrato até o fim de 2018. Fico feliz pela declaração do novo presidente (Nelson Mufarrej). Vamos sentar e conversar. É claro que o torcedor está magoado e não vai achar que renovar com o treinador nessa situação é a melhor solução. Mas só posso reverter isso com trabalho. Queremos títulos, que é o que a nossa torcida merece.


    Momentos marcantes em 10 anos de Botafogo
    Foram vários. Meu primeiro título na base, em 2012, com um gol do Sassá. O jogo contra o Estudiantes, uma vitória em casa no meu aniversário. A arrancada e classificação para a Libertadores no ano passado. Momentos que jamais vou esquecer.


    Trajetória
    Cheguei em 2008 como estagiário de preparação física. No ano seguinte fui efetivado como quarto preparador. No final de 2009 virei auxiliar técnico do Ney Franco. Em 2010 fiz meu primeiro jogo como interino, com apenas 30 anos. Foi nessa época que fui trabalhar nas categorias de base da CBF, onde fiquei por três anos.

    Disputei três sul-americanos e um Mundial. As coisas começaram a andar. Parece que as coisas aconteceram muito rápido, mas meu primeiro curso de treinador foi em 2005. São 12 anos percorrendo nesse caminho.



    Críticas

    Acho que aconteceram quando era para acontecer. Realmente deixamos a desejar. Vieram num momento muito ruim. Sei que no futebol não há passado. O torcedor está muito magoado por esse mês de novembro. Ele não quer saber dos últimos dez meses. E ele tem esse direito.


    Escolhi ser treinador por isso, gosto de responsabilidades. Não vou mudar minha conduta por conta das críticas. Vou buscar sempre o equilíbrio. Não me achei o melhor treinador do mundo quando levei o Botafogo da 17ª para a 5ª colocação, e agora não vou me esconder embaixo da cama.


    Futuro

    Sou muito do presente. Penso no hoje. Penso em fazer o meu melhor no Botafogo. Preciso resgatar a torcida, preciso dar alegria para eles. Vivo o momento.


    Metas para 2018

    Fazer o melhor em todas as competições


    Clima no vestiário
    O clima foi o pior possível (após o jogo contra o Cruzeiro). Sabemos que o ano foi bom, mas deixamos manchado pela reta final. Foi um clima de tristeza. O sentimento da torcida é o nosso. Deixamos escapar essa vaga. Temos que fazer diferente em 2018 e ver onde erramos


    Gol do Grêmio na Libertadores
    Não... não olho. É sofrer demais. É complicado perder uma situação de um ano por um lance.


    Fonte: GE/Por Gustavo Rotstein, Marcelo Baltar e Raphael Sibila, Rio de Janeiro

    Após críticas, Antônio Lopes reclama de preconceito: "Só falam que sou velho"


    Dirigente é um dos mais cobrados pelos torcedores após a ausência na Libertadores da América de 2018. Em carta, ele lembra feitos na carreira para se defender





    Antônio Lopes ao lado do presidente Carlos Eduardo Pereira (Foto: Vitor Silva / SSpress / Botafogo)


    O Botafogo terminou o ano sem a esperada vaga na Libertadores da América de 2018 e, consequentemente, causou uma onda de críticas por parte da torcida nas redes sociais. Um dos principais alvos dos alvinegros foi Antônio Lopes, gerente de futebol.

    Na tarde desta sexta-feira, ele escreveu um texto para se defender. Lembrou de pontos importantes na carreira, do curso preparatória que fez e fez questão de lamentar o preconceito das pessoas em relação a sua idade.


    Confira a carta na íntegra:


    "Tenho visto algumas críticas em relação à mim, principalmente em redes sociais e parado para analisar a respeito. O que me surpreende é que na maioria absoluta das ocasiões não falam a respeito da competência (ou da falta de ) do meu trabalho. Só falam que sou velho e que já tenho que estar em casa cuidando dos meus netos, com grande dose de ironia. Em um país que se combate tanto o preconceito em relação à raça, cor, opção sexual, pouco se discute o preconceito em relação à idade.


    Na minha visão, a idade (tanto para mais quanto para menos ) não interessa muito. Pelé foi campeão do mundo com 17 anos, Ronaldinho com 18 . Graças a Deus, tive a oportunidade de lançar inúmeros talentos por nunca ter medo de apostar em jovens, como Romário, Edmundo, Dener, Felipe, Pedrinho, Leonardo, Rafinha, Miranda, entre outros.

    Tenho 76 anos muito bem vividos. Com muito orgulho e agradecimento à Deus de me dar bastante saúde e disposição para praticar todas as minhas atividades. No trabalho, quem vive o meu dia-a-dia sabe que sou o primeiro a chegar e último a sair do clube. Em relação a questão física pratico religiosamente a minha caminhada de 8 km na orla Ipanema-Leblon ou pelas viagens no Brasil afora acompanhando a delegação do Botafogo. Muitas vezes acordo seis horas da manhã para fazer essas atividades e antes das nove já estou no clube para trabalhar.

    Não vou falar de todos os meus trabalhos e conquistas como treinador(quem quiser ter maiores detalhes acesse www.antoniolopes.com.br), pois a maioria das pessoas conhece minha história. Mas quero lembrar que no fim de 2011 resolvi aposentar como treinador e decidi me preparar ainda mais para a função que exerço hoje. Aos 70 anos de idade fui para uma sala de aula me preparar durante um ano inteiro fazendo o curso de gestão da IAJ ( conceituada empresa de gestão nos esportes). Tive vários convites para trabalhar como treinador em 2012 (mesmo depois disso quando já trabalhava como gestor) e nunca aceitei porque mudei definitivamente de função e não queria ficar “pulando de galho em galho” .

    No fim de 2012 , o presidente Petraglia soube que havia concluído o curso de gestão e me convidou para iniciar essa nova fase em minha vida . Trabalhei lá por um ano e meio e foi maravilhoso. O Atlético Pr é um clube de vanguarda e fizemos um trabalho elogiado por todos, planejando pela primeira vez de uma equipe sub 23 disputar toda uma competição estadual, revelando vários jogadores, que renderam frutos financeiros para o clube e conquistas importantes como o vice campeonato da copa do Brasil e terceiro lugar no campeonato brasileiro, classificando para a Copa Libertadores.

    Após sair do Atlético, com o reconhecimento do trabalho lá executado, fui convidado pelo presidente Carlos Eduardo Pereira a trabalhar no Botafogo. Eram tempos difíceis, o clube vindo de uma queda de divisão nacional, tendo feito a pior campanha da história em campeonatos estaduais e com apenas seis jogadores para o ano de 2015 . Com o trabalho fantástico do presidente, de toda a sua direção , atletas e funcionários conseguimos revitalizar o clube e conquistar resultados exemplares tanto dentro de campo como fora dele. No primeiro ano vencemos a taça Guanabara, chegamos a final do estadual e fomos campeões da série B com 3 rodadas de antecedência ( fato que alguns grandes clubes que disputaram a competição não conseguiram nos últimos anos). No segundo ano chegamos novamente à final do campeonato estadual e quando muitos achavam que tínhamos grandes chances de cair novamente de divisão em nível nacional, conseguimos classificar para a copa libertadores. No terceiro ano, as expectativas foram crescendo ao longo do ano, chegamos à semi final da copa do Brasil, quartas de finais da copa Libertadores (perdendo para o campeão e tendo sido o brasileiro que chegou mais longe na competição depois do Grêmio) e um décimo lugar no campeonato brasileiro, devido a uma queda brusca no fim da competição, que já conversamos bastante para detectar os motivos e tentar não repeti-los na próxima temporada.

    Muitas pessoas acham que o trabalho do gestor é somente o de montar o elenco. A montagem do elenco passa por muitas pessoas e setores do clube. O trabalho do gestor vai muito além disso. O dia-a-dia, a convivência com os atletas, formar um bom ambiente de trabalho generalizado. Eu, como ex treinador, tenho orgulho em dizer que nesses 3 anos o clube só teve 3 treinadores (René Simôes, Ricardo Gomes e Jair. Dos 20 clubes de série A, acho difícil algum ter tido menos treinadores nesse período). Todos três desenvolveram trabalhos muito bons.Lógico que eles e suas comissões técnicas têm o grande mérito nisso, mas tenho a consciência do suporte que lhes proporcionei. Desses 3, apenas o René não deu continuidade ao trabalho por opção do clube, já que o Ricardo teve a opção de sair e o Jair tem contrato até o fim de 2018. Além de todos esses resultados quero ressaltar o excelente trabalho de integração feito com as categorias de base do clube, que gerou e ainda vai gerar muitos lucros financeiros e no campo para o clube.

    Em 2015 fui eleito o terceiro melhor executivo do Brasil e em 2016 o segundo pela CONAFUT (Conferência Nacional do Futebol), em votações realizadas com 40 membros da imprensa de todo o país e 40 executivos do futebol (20 da série A e 20 da série B) .

    Vale lembrar ainda que exercí essa mesma função na seleção brasileira por dois anos e que teve como auge a conquista do pentacampeonato mundial 2002.

    Me desculpem por esse desabafo, quem me conhece sabe que não costumo falar das minhas conquistas, mas precisava fazer esses esclarecimentos e acima de tudo (principal objetivo deste texto) tentar fazer com que as pessoas reflitam e assim como fazem em relação à cor, raça e opção sexual, tentem minimizar também o preconceito em relação à idade.

    Excelente 2018 para todos !

    Antonio Lopes "


    Fonte: GE/Por GloboEsporte.com, Rio de Janeiro

    Gilberto volta à pauta, e Botafogo envia proposta para o atacante


    Sem acordo com Rafael Moura, Alvinegro faz nova investida por atacante, que está em fim de contrato com o São Paulo. Jogador está de férias no litoral de Sergipe, e negociação pode demorar mais uns dias





    Botafogo fez nova investida em Gilberto (Foto: Rubens Chiri / saopaulofc.net)



    A negociação envolvendo Bruno Silva, Cruzeiro e Inter tomou o noticiário do Botafogo nos últimos dias, mas, paralelamente, o clube segue atrás de um camisa 9. E um nome que parecia distante voltou à pauta: Gilberto, em fim de contrato com o São Paulo.


    O gerente de futebol Antônio Lopes enviou proposta ao atacante nesta quinta-feira. Os representantes de Gilberto já estão com oferta, mas vão analisar com calma. Outros clubes brasileiros e do exterior manifestaram interesse. Como o atacante está de férias no litoral do Sergipe, a tendência é que ele demore mais uns dias para definir seu futuro.



    Gilberto curte suas férias em Sergipe e vai decidir seu futuro na volta (Foto: Instagram)


    Gilberto era o primeiro nome da lista do Botafogo. Os primeiros contatos começaram em outubro, mas esfriaram após o atacante manifestar que sua prioridade era voltar para o exterior.


    Desde então, o Botafogo tentou sem sucesso a renovação com Roger e consultou a situação de Rafael Moura, que está de saída do Atlético-MG. No entanto, a pedida do jogador esfriou o negócio. Bergson, do Paysandu, é outro nome em pauta.


    Clube também quer Rildo


    Rildo também está nos planos do Botafogo (Foto: Divulgação/Coritiba)


    Aos 28 anos, Gilberto já passou por Vasco, Internacional, Sport, Santa Cruz e Portuguesa no Brasil e procura um time onde possa jogar com mais regularidade. Exatamente o que faltou no Morumbi, embora ele tenha sido o vice-artilheiro no ano com 12 gols, um atrás de Lucas Pratto.


    Além de um centroavante, o Botafogo busca um jogador de lado para o ataque. E a bola da vez é Rildo, do Coritiba. Após disputar o Brasileirão pelo Coritiba, o jogador, de 28 anos, ficará livre no fim do ano. O Alvinegro já enviou proposta e aguarda resposta.


    Fonte: GE/Por Felippe Costa e Marcelo Baltar, Rio de Janeiro

    Com ressalvas e 'surpreso', Airton reforça desejo de ficar no Botafogo


    Volante do Alvinegro, em fim de contrato com o time, quer permanecer, mas avisa: nada de contrato curto. Sem jogar há seis meses, ele estranha congelamento das conversas




    O volante Airton não joga desde junho (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)


    Um dos jogadores que vê o seu contrato com o Botafogo se encerrar neste final de ano é o volante Airton. Um dos jogadores mais importantes do Alvinegro nos últimos anos, o meio-campista admitiu surpresa com a indefinição da situação em pleno mês de dezembro, mas disse compreender o lado da diretoria.

    - Eu entendo o Botafogo, até porque passei por uma lesão, mas eu acho que eu era um dos principais jogadores do elenco. Estou surpreso (pela demora), mas a gente sabe que futebol tem dessas coisas. Espero que a gente chegue a um acordo, mas se não se concretizar, é sentar com o meu representante e seguir a minha carreira - comentou o meio-campista, nesta quinta-feira, em entrevista à Super Rádio Brasil, antes de completar:

    - A gente está batendo um papo, mas o que acontece é que tive uma lesão complicada, que me deixou afastado. Vinha num bom momento desde o ano passado, e nesse também. A gente já vinha conversando sobre a renovação desde antes da lesão, mas aí ela deu uma esfriada. Tenho contrato até dia 31. A princípio a negociação está parada - concluiu.

    Aos 27 anos, ele não atua desde junho, quando fraturou a fíbula em um jogo contra o Flamengo. Recuperado, ele falou que não aceitaria uma renovação com contrato curto, válido até o fim do Carioca, por exemplo.

    - O clube me procurou antes da lesão. É um clube que estou aqui há quase quatro anos. Não aceitaria um contrato até o fim do Carioca até porque estou recuperado. Já vinha treinando com o grupo e não teria porque eles fazerem isso comigo, mas a gente não sabe o que acontece. Eles devem ter as razões deles, vendo quem chega e quem sai. Estou de férias, mas continuo trabalhando até porque fiquei muito tempo machucado. É trabalhar para que essa renovação aconteça - finalizou.

    O volante chegou ao Botafogo em janeiro de 2014, vindo do Internacional, participou do grupo que acabou rebaixado, mas permaneceu e levou o time até às quartas de final da Libertadores, competição, aliás, onde marcou o seu primeiro e único gol pelo Glorioso. São 89 jogos pelo Alvinegro.


    Fonte: LANCE! Rio de Janeiro (RJ)

    Gegê, Andreazzi... Emprestados voltam fora dos planos e encabeçam barca no Botafogo


    Ao todo, seis jogadores retornam ao Alvinegro: três em fim de contrato serão dispensados; um, reemprestado, e só um, aproveitado. Apenas Gorne tem futuro indefinido: veja como fica caso a caso






    O Botafogo ainda busca seus primeiros reforços para 2018, mas neste meio tempo já vai montando a barca que deixará General Severiano. E a maioria dos emprestados que retorna ao clube neste fim de ano encabeça a lista. Nomes conhecidos da torcida alvinegra, como as antigas joias Gegê e Andreazzi. Por enquanto, só um dos que estão voltando será aproveitado: Yuri. Outro, mesmo após boa temporada, será reemprestado, e um tem a situação indefinida. Veja caso a caso:


    YURI



    Yuri fez 13 jogos pelo Santa Cruz na Sèrie B (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)


    É o único com quem Jair Ventura conta até o momento para a pré-temporada. O meia, que começou como lateral-esquerdo na base, será testado na ala, que perdeu Victor Luis e também pode ficar sem Gilson, na mira de Fluminense e Chapecoense. Nesta posição que ele foi aproveitado no Santa Cruz, onde disputou 13 jogos como titular na Série B. Antes, passou pelo Criciúma sem entrar em campo e ano passado pelo Gonçalense, onde se destacou como meia. Ele tem contrato com o Botafogo até 2019.


    GEGÊ


    Gegê se destacou no ABC no estadual, mas não manteve o rendimento (Foto: Diego Simonetti/Blog do Major)


    Promessa das categorias de base do Alvinegro, o meia sempre jogou no clube e foi emprestado esse ano para o ABC. Teve um primeiro semestre quase perfeito: foi campeão, vice-artilheiro com oito gols e eleito craque do Campeonato Potiguar. Mas na Série B nacional caiu de rendimento junto com todo o time, que trerminou rebaixado e na lanterna. Participou de 28 jogos da campanha, sendo 22 como titular, e marcou mais dois gols. Está com 23 anos e não terá o contrato que termina agora em dezembro renovado.


    ANDREAZZI


    Andreazzi passou pela Cabofriense e agora está em Portugal (Foto: Andreia Maciel / Cabofriense)


    Apontado como joia, o volante de 23 anos foi contratado do Santo André ainda para a base do Botafogo e assinou contrato por três anos. Mas nunca se firmou no profissional. Sem jogar desde 2015, foi emprestado em 2016 a Cabofriense, onde se lesionou e sequer entrou em campo, e nesta temporada negociou com o Tupi-MG, mas sem sucesso. Encostado, acabou cedido neste fim de ano ao Gil Vicente, da Segunda Divisão portuguesa, onde tem apenas treinado e deve assinar contrato após o seu vínculo com o Alvinegro terminar em dezembro.


    JEAN


    Jean foi campeão da Copa Rio pelo Boavista (Foto: Divulgação)


    O lateral-esquerdo é mais um que será dispensado pela diretoria alvinegra, mesmo com a carência para a posição no elenco atual. Destacou-se na base por ser ofensivo e ótimo cobrador de faltas, mas também nunca se firmou no profissional. Esse ano, passou pelo Oeste na Série A2 do Paulista e Boavista na Série D do Brasileiro e Copa Rio, onde foi campeão. Mas perdeu espaço com a chegada do experiente Júlio César, ex-Botafogo, Flamengo, Fluminense e Vasco. Seu contrato no Botafogo termina agora em dezembro e, aos 23 anos, ficará livre no mercado.


    ANDRÉ LUIS


    André Luis foi contratado pelo Figueirense após destaque (Foto: Luiz Henrique/Figueirense FC)


    De todos, foi quem melhor aproveitou. O atacante de 23 anos passou por três clubes em 2017: salvou o Rio Verde do rebaixamento no Campeonato Goiano com cinco gols em oito jogos; no Ypiranga-RS, foi vice-artilheiro da Série C nacional com oito gols; e no Figueirense, chegou na reta final da temporada, marcou mais duas vezes em seis partidas e roubou a posição do Henan, que era titular e artilheiro do time. Porém, não foi suficiente para convencer Jair Ventura, e o Alvinegro Catarinense tentará um novo empréstimo. Ele tem contrato até 2019.


    GORNE



    Gorne foi um dos destaques do North Carolina na NALS (Foto: Divulgação / North Carolina)


    Outro considerado como joia na base do Botafogo, onde fez 31 gols no ano passado e foi campeão brasileiro sub-20, o centroavante foi emprestado ao North Carolina, da NALS (North American League Soccer), segunda maior liga dos Estados Unidos. Lá, disputou 13 jogos, marcou seis gols e deu duas assistências. Com contrato até 2019 no Alvinegro, o jovem de 21 anos retorna um pouco mais experiente, mas ainda vai precisar convencer Jair Ventura. Ele ainda está sob avaliação para saber se será aproveitado ou reemprestado.


    OUTRAS DESPEDIDAS


    Outros nomes que estavam emprestados e rescindiram contarto ao longo da temporada foram: os meias Octávio e Marquinho, e o lateral-direito Diego. O atacante Pachu voltou do Santa Cruz para disputar o Campeonato Brasileiro Sub-23 e deve integrar o profissional na pré-temporada. Já Dierson, que disputou o Carioca pelo Macaé e estava encostado no Grupo 2, será dispensado ao fim do contrato agora em dezembro.



    Guilherme, Roger e Renan Fonseca: ex-alvinegros em pelada beneficente (Foto: Reprodução)


    A barca alvinegra ainda tem Renan Fonseca e Jonas, que não terão seus contratos renovados, além de Victor Luis e Guilherme, que retornam de empréstimo a Palmeiras e Grêmio, respectivamente. Dudu Cearense, Airton, Emerson Silva, Gilson, Luis Ricardo e Saulo são os outros jogadores do elenco que ficam sem contrato e ainda não definiram o futuro junto com a diretoria. Roger já acertou com o Internacional.


    Fonte: GE/Por Felippe Costa, Marcelo Baltar e Thiago Lima, Rio de Janeiro


    quinta-feira, 7 de dezembro de 2017

    Novo nome: Botafogo mira Rildo para o ataque em 2018 e apresenta proposta


    Atacante do Coritiba fica sem contrato e volta a ser alvo do Alvinegro, que busca concorrente para disputar posição com Pimpão. Clube desiste de André Luis e faz nova oferta para Bergson







    O Botafogo tem pressa para buscar novos atacantes no mercado, e a bola da vez é Rildo. O jogador de 28 anos está em fim de contrato com o Coritiba e ficará livre no mercado no fim do mês. A diretoria já entrou em contato com o empresário José Luiz Galante, apresentou uma proposta e espera resposta. Vasco e Bahia seriam outros dois clubes interessados.


    Após passagem apagada pelo Corinthians, Rildo reencontrou o seu futebol no Coxa, onde espantou a sina de lesões e disputou 39 partidas, sendo 37 como titular e marcando seis gols (veja todos no vídeo abaixo). Além disso, atacante também sofreu quatro pênaltis no Campeonato Brasileiro, dois deles no empate por 2 a 2 com o Botafogo no Nilton Santos, no primeiro turno.




    Veja os gols de Rildon pelo Coritiba


    Com o rebaixamento do Coritiba para a Segunda Divisão, Rildo dificilmente ficará no Coxa, que tem seus processos de renovações travados pelas eleições presidenciais do próximo sábado. Ele acumula passagens por oito clubes no Brasil e desde 2012 vem jogando a Série A: passou por São Bernardo, Fernandópolis, Ferroviária, Vitória, Santos, Ponte Preta, Corinthians e Coritiba.


    Sai André Luis, volta Bergson

    Da mesma posição de Rildo, André Luis saiu dos planos do Botafogo. A joia de 20 anos do Santa Cruz, que se salvou na campanha que culminou no rebaixamento do Tricolor para a Série C do Brasileiro, chegou a abrir conversas com a diretoria, mas o Alvinegro precisaria investir financeiramente para comprar parte de seus direitos econômicos, por ainda ter contrato. Sem a vaga na Libertadores e com menor margem para investimento, a negociação foi encerrada.



    André Luís saiu dos planos do Botafogo para 2018 (Foto: Marlon Costa/Pernambuco Press)


    Bergson, por sua vez, voltou forte à pauta, principalmente após a desistência por Rafael Moura, que pediu alto demais para chegar a General Severiano em 2018. Destaque do Paysandu e artilheiro da Série B com 16 gols, o centroavante de 26 anos está sem contrato desde a última sexta-feira. Sua primeira pedida, acima de R$ 100 mil por mês, assustou, mas o Alvinegro enviou uma contraproposta. Goiás e Vasco também procuraram os representantes do jogador.


    Fonte: GE/Por Felippe Costa e Thiago Lima, Rio de Janeiro

    Botafogo prioriza o ataque para a montagem do elenco de 2018


    Clube busca centroavante e ponta para reforçar o grupo que será comandado por Jair Ventura. Há jogadores com permanência a ser definida e saídas encaminhadas




    Atualmente, Brenner é o dono da camisa 9 alvinegra, mas deverá ter forte concorrência (Fotoarena Celso Pupo)


    O Botafogo começa a se movimentar no mercado para a montagem do elenco que vai disputar a próxima temporada. E a prioridade é clara: o ataque. A diretoria deseja ter ao menos um centroavante experiente, para o lugar de Roger, e um que atue pelos lados do campo, já que o Grêmio pretende utilizar Guilherme em 2018.

    Para o comando de ataque, Rafael Moura esteve com valores alinhavados com o Glorioso, mas relutou em acertar e, hoje, é considerado distante. Gilberto, de saída do São Paulo, é um dos nomes em pauta. Bérgson, que se destacou esse ano pelo Paysandu, também é desejado e a negociação está em curso.

    Para a posição de segundo-atacante/ponta, André Luís, jovem de 20 anos do Santa Cruz, interessou. Não houve avanço concreto, no entanto. Rodrigo Pimpão, por ora, tem as sombras de Ezequiel e Pachu, dois jovens - o segundo, de poucas chances no time principal. Para o comando de ataque, Brenner é o atual titular.

    Dentre as saídas, Helton Leite, Fernandes e Vinícius Tanque devem diminuir o tamanho do elenco, enquanto o clube pede alto por Bruno Silva. Ao esvaziar o grupo, o Alvinegro diminui os gastos. O orçamento para a próxima temporada é praticamente o mesmo deste ano: folha salarial de aproximadamente R$3,8 milhões para o departamento de futebol.

    Há situações encaminhadas e outras em análise. O zagueiro Emerson Silva não permanecerá, enquanto os laterais Arnaldo e Gilson devem ficar. O primeiro já está garantido, após início do pagamento dos direitos econômicos junto à Penapolense. O lateral-esquerdo tem tudo encaminhado para permanecer e, a princípio como a principal opção para o setor, após a saída de Victor Luís.

    Alguns jogadores com contrato encerrando no dia 31 deste mês estão no grupo de destino a ser estudado: os laterais direitos Jonas e Luis Ricardo (que já assinou, mas a documentação não foi protocolada) e os volantes Airton e Dudu Cearense. A eles se junta o centroavante Renan Gorne, de 21 anos, que teve período produtivo de empréstimo ao North Carolina (EUA), no último trimestre.


    Fonte: Lancenet/Felippe Rocha/Rio de Janeiro (RJ)

    quarta-feira, 6 de dezembro de 2017

    Botafogo encaminha empréstimos de Tanque, Fernandes e Helton Leite


    Centroavante e meia tem tudo para ficarem um ano no Atlético-GO, enquanto o atual terceiro goleiro deve passar o primeiro trimestre no São Caetano, para o Paulistão






    Vinícius Tanque renovou recentemente até 2020 com o clube de General Severiano (Vitor Silva/SSPress/Botafogo)


    Enquanto tenta se reforçar para o ano que vem, o Botafogo vai diminuindo o elenco por meio de empréstimos. Os primeiros a deixar o clube devem ser o meia Fernandes e o centroavante Vinícius Tanque. O empréstimo da dupla está encaminhado para o Atlético-GO. Pelo acordo, eles ficam até o fim de 2018, no qual o Dragão vai disputar a Série B.

    A equipe goiana deve arcar com a totalidade dos vencimentos do centroavante, que marcou três gols em 17 jogos nesta temporada, quando foi reserva de Roger e Brenner. O caso dele está mais avançado que o de Fernandes, que ainda precisa renovar o contrato - o atual vai até o fim do ano que vem - com o Glorioso antes de mudar de ares.

    Quem também vai se transferir por empréstimo é Helton Leite. Atual terceiro goleiro, ele deverá ter como destino o São Caetano para a disputa do Campeonato Paulista. Caso avance na Copa do Brasil, o Azulão poderá contar com ele por mais tempo. Os salários deverão ser divididos meio a meio.


    REVELAÇÕES SURGINDO

    ​Os dois jogadores que devem ter como destino o Atlético-GO são oriundos das categorias de base do Botafogo. Base que também promove atletas para 2018. Quatro jogadores estão estourando o limite do time de juniores, já vinham treinando com o time principal há duas semanas, e deverão participar da próxima pré-temporada: Kanu, Helerson, Victor Lindenberg e Lucas Campos.

    Os dois primeiros são zagueiros, o terceiro é lateral-esquerdo - pode ser emprestado para ganhar ritmo - e o quarto é meia-atacante. Além deles, o atacante Ezequiel também se juntou aos profissionais e se destacou com um gol contra o Cruzeiro, na última rodada do Campeonato Brasileiro.

    Quem também deve ser utilizado é Yuri. O lateral-esquerdo/meia esteve emprestado ao Santa Cruz durante a Série B do Campeonato Brasileiro, e foi titular em Recife (PE). Xodó da torcida, Renan Gorne teve boa passagem pelo North Carolina (EUA) e a situação do centroavante está sendo analisada.


    Fonte: Lancenet/Felippe Rocha e Rafael Bortoloti /Rio de Janeiro (RJ)