quarta-feira, 10 de fevereiro de 2016

Acerto com Salgueiro encorpa o time, mas Botafogo ainda busca camisa 9


Ricardo Gomes diz que uruguaio trará qualidade e experiência, mas ainda espera por um centroavante para aliviar a pressão sobre os mais jovens: "Vai chegar"






Juan Salgueiro desembarca no Rio de Janeiro nesta quinta-feira. Na bagagem, trará qualidade e experiência. O uruguaio, três meses mais novo que Jefferson, será o segundo jogador mais velho do atual elenco do Botafogo. Salgueiro, no entanto, não chega para suprir a posição mais carente do Alvinegro: a de centroavante. Até por isso, a busca por um camisa 9 continua.

- O Salgueiro é um bom jogador, experiente. Mas vamos conhecê-lo melhor. Ele vem para jogar. É mais uma mudança. O time está em fase de construção. É um jogador técnico, vamos ver como ele está fisicamente e se consegue desenvolver o que é preciso. Ele é um meia com boa chegada ao ataque. Ele vai jogar por alí. São muitas trocas. Temos que esperar. Mas a busca por um camisa 9 continua. Com dificuldade financeira, é preciso criatividade. Mas esse jogador vai chegar. Até para tirar o peso de cima dos garotos - garantiu Ricardo Gomes.

Ricardo, sobre Salgueiro: "É um meia com boa chegada ao ataque" (Foto: EFE)


Há cerca de dez dias, o Botafogo apresentou proposta por Rafael Moura e aguarda uma posição. O atacante, em vias de rescindir com o Inter, não deve mais ir para o Atlético-MG. Isso não significa, no entanto, que o clube carioca não tenha concorrência. O Vitória já verbalizou a vontade de contar com He-Man. Goiás e Sport seriam outros interessados.

- O Botafogo é uma possibilidade. Uma das possibilidades - disse o empresário de Rafael Moura, Francis Melo, sem estipular prazo para um desfecho.

Enquanto a direção busca um camisa 9 no mercado, Salgueiro chega ao Botafogo para ocupar uma faixa de campo em que o Ricardo Gomes já conta com algumas opções. Lizio, Gervasio, Salgueiro, Gegê e Neilton devem disputar três vagas no setor ofensivo. 

Lizio será titular nesta quarta contra o Macaé (Foto: Vitor Silva/SSPress)


Ricardo Gomes ainda busca conhecer melhor as características de cada jogador, especialmente em relação aos estrangeiros, que chegaram nesta temporada. A ideia é fazer com que todos atuem juntos, distribuídos da melhor maneira em campo. Porém, se as peças ainda estão em estudo, o estilo de jogo está definido.


- Ou você sai em velocidade ou na qualidade de toque de bola. Temos dois caminhos. Escolhemos jogar com toques de bola. Não temos grandes velocistas. Escolhemos sair com qualidade e toque de bola. Essa é nossa filosofia. O Botafogo até pode ganhar um ou dois jogos sem uma dessas situações. Mas nosso trabalho é deixar bem claro o nosso jeito de jogar na cabeça dos jogadores. Começamos a temporada em cima disso - concluiu.


Por Marcelo Baltar/Rio de Janeiro/GE