sexta-feira, 25 de novembro de 2016

Botafogo procura nome de peso e abre negociação por Walter Montillo


De saída da China, argentino fica sem contrato no fim do ano e interessa ao clube carioca para uma eventual disputa de Libertadores. Contatos já foram iniciados.




Montillo deixa o futebol chinês no final
do ano (Foto: Reprodução/Sina.com)
Enquanto vê parte de seu elenco ser assediada por outros clubes, o Botafogo também se movimenta para temporada de 2017. A vaga para Libertadores ainda não está garantida, mas o Alvinegro já definiu as prioridades: dois atacantes e um meia experiente para ajudar Camilo na armação. Perfil em que se enquadra o argentino Walter Montillo, alvo alvinegro para o ano que vem.


Não é a primeira vez que o Botafogo procura Montillo. No ano passado, o clube sondou a situação do meia. Desta vez, o projeto ainda é embrionário, mas as conversas já começaram. O Botafogo abriu negociações com o empresário Sérgio Irrigotia, que cuida da carreira do argentino. Após dois anos na China, Montillo está de saída do Shandong Luneng. Seu contrato termina nesse mês, e ele tem a intenção de retornar ao futebol brasileiro. A Universidad de Chile – clube em que fez história – é outra opção.


Montillo gosta muito do Rio de Janeiro e no ano passado esteve perto do Flamengo. Fato é que ele é uma das opções para dar peso ao elenco do Botafogo em uma eventual disputa de Libertadores. O nome de outro argentino, Jesus Dátolo, também foi citado em reuniões da cúpula de futebol, mas o interesse não foi adiante. Apesar de estar de saída do Atlético-MG, os constantes problemas físicos esfriaram o interesse.


Até o momento, o Botafogo já acertou com o atacante Roger, da Ponte Preta, e tem encaminhada a contratação do meia João Paulo, do Santa Cruz. Por outro lado, o clube está encontrando dificuldades para segurar alguns destaques. Diogo Barbosa, por exemplo, não deve ficar. Sidão está na mira do São Paulo, enquanto Neilton e Victor Luís dificilmente terão seus empréstimos renovados.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago Lima/Rio de Janeiro