domingo, 19 de julho de 2015

O "até logo" do artilheiro: Pimpão se despede com bons números no Bota


Jogador marca sete gols na Série B e nove, em toda a temporada, perdendo apenas para Bill, que também saiu do clube recentemente e fez 11




Pimpão demonstra seu carinho pela torcida na despedida
 do Botafogo e diz que quer voltar a vestir a camisa alvinegra
 um dia (Foto: DHAVID NORMANDO/FUTURA
PRESS/ESTADÃO CONTEÚDO)
Pimpão tinha comoobjetivo superar, em 2015, os 20 gols marcados pelo América-RN em 2014. Não conseguirá. Não por incompetência. Muito pelo contrário. Porque o atacante deixará o Botafogo faltando pouco mais de quatro meses para o fim da temporada. Irá jogar nos Emirados Árabes. No Rio de Janeiro, deixa seus nove gols no ano. É o vice artilheiro, perdendo apenas para Bill, que tem 11 e também deixou o clube. Na Série B, porém, é o absoluto, com sete gols marcados. Atrás dele está Lulinha, que marcou neste sábado contra o Náutico e agora soma três.

Foi justamente contra o Náutico que Pimpão fez sua despedida (veja os melhores momentos no vídeo abaixo). E foi justamente quando saiu de campo sentindo câimbras, aos 29 minutos do segundo tempo, que deu lugar a Lulinha na equipe, o autor do gol da vitória - dois minutos mais tarde. De um artilheiro para outro.

- Eu acabei sentindo câimbra. E falei para ele (Lulinha): "Você vai entrar no meu lugar e vai fazer o gol". E é assim. O jogador cansou, outro entrou e resolveu. É mais um jogo em que os reforços entram e resolvem a partida - disse Pimpão, em sua última entrevista como jogador do Botafogo.

Na tarde deste sábado, é verdade, Pimpão não esteve brilhante. Não balançou a rede, nem teve nenhuma grande chance para tal - sequer finalizou a gol. Mas deu bons passes aos companheiros e driblou bonito os adversários. Foi o jogador que mais levantou bolas, por exemplo, em sete oportunidades. Também foi o que mais teve jogadas pela linha de fundo, com quatro tentativas.

Pimpão no Fogão

26 jogos
15 vitórias
4 empates
7 derrotas
9 gols

Não é isso, no entanto, que tira o fato de ser uma das referências da equipe e um dos preferidos da torcida. Pimpão chegou ao Botafogo em janeiro deste ano, contratado do América-RN. Na sua apresentação, revelou que havia recebido propostas da Série A, mas optou pelo Alvinegro, devido ao carinho recebido no clube. Com 27 anos, o atleta rodou. Passou por Vasco, Paraná, Cerezo Ozaka, Omiya Ardja (ambos do futebol japonês), Ponte Preta, América-MG, Suwon Bluewings (Coreia do Sul) e América-RN.


No Botafogo, sua estreia foi durante a pré-temporada ainda, em amistoso realizado contra o Shandong Luneng. Atuou 26 vezes no ano. Venceu 15 vezes, empatou 4 e perdeu 7. Foi expulso apenas uma vez em toda a temporada, na vitória por 4 a 1 sobre o CRB, pela segunda rodada da Série B.

Apesar dos bons números mostrados ao longo do ano, Pimpão crê que poderia ter feito mais para ajudar. O time foi vice do Carioca e é atual líder da Série B do Brasileiro, com 27 pontos, um a mais que o segundo colocado, o Vitória.

Fica esse "até logo". Espero um dia retornar e poder vestir de novo essa camisa do Botafogo".
Rodrigo Pimpão, atacante


- Acho que até poderia ter mostrado mais. Tive problema de lesão, fiquei um tempo fora. Mas acho que consegui demonstrar um bom futebol, consegui ajudar os meus companheiros - avaliou.

No mês passado, a diretoria alvinegra se reuniu com o representante do atleta para buscar a renovação do contrato, que se enceraria em dezembro deste ano. Seriam por mais dois anos. A oportunidade de longo prazo agradou o atleta, que chegou a dizer, na época, que tinha 90% de chances dele ficar no clube. O que, no entanto, acabou não ocorrendo.

Nesta semana, chegou a proposta do clube do Oriente Médio. O presidente Carlos Eduardo Pereira exigiu o pagamento da multa contratual, de US$ 500 mil (cerca de R$ 1,5 milhão), para liberar o camisa 7. O que foi feito. Com isso, não foi possível mais segurar o jogador.





Após o jogo, ao falar na despedida do clube, disse que não é um “adeus”, mas um “até logo”. O jogador espera voltar a atuar no Alvinegro.

- É um clube em que a torcida me acolheu muito bem, a comissão também... Não posso dizer adeus. Posso dizer só um até logo. Sonho, sim (em voltar a atuar no Botafogo). Acho que posso mostrar muito. Vou para uma experiência nova, uma vida nova. Vou aprender coisas, e espero voltar, sim - falou.

E se despediu, com o "até logo" para a torcida botafoguense:

- Agradeço todo o carinho. Todo esse tempo que fiquei aqui, foi curto, mas agradeço de coração todo o carinho, de todos. Podem ter certeza que me doei ao máximo aqui, me dediquei em todos os jogos. Fica esse "até logo". Tenho certeza que vão ter pessoas que vão me criticar, mas eu preciso pensar também na minha família e no meu futuro. Espero um dia retornar e poder vestir de novo essa camisa do Botafogo.

Por Jessica Mello Rio de Janeiro/GE