sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Botafogo paga R$ 400 mil a Willian Arão e renova com volante até 2017


Clube notifica pai do jogador e deposita, nesta sexta-feira, valor previsto em cláusula no contrato. Flamengo e atleta questionam legalidade, mas Alvinegro se diz seguro




A novela envolvendo a renovação de Willian Arão teve, nesta sexta-feira, o seu principal capítulo. O Botafogo notificou o pai do jogador, exerceu, nesta tarde, a cláusula de prioridade prevista em contrato e pagou R$ 400 mil ao jogador (algumas horas depois, Arão devolveu a quantia ao Alvinegro).

Flávio Arão, pai e empresário de Willian, foi comunicado nesta manhã. A ideia era buscar a renovação com um novo acordo salarial. Em busca de um acerto amigável, o Botafogo iria esperar até o até último momento para exercer sua prioridade. A princípio, o depósito seria feito apenas na segunda-feira – último dia de contrato. No entanto, com o assédio cada vez maior do Flamengo, o clube mudou a estratégia e decidiu antecipar o pagamento.

- O Arão já pode gastar esse dinheiro no fim de semana – disse um integrante da diretoria.

Botafogo vai depositar ainda nesta sexta-feira R$ 400 mil na conta de WIllian Arão (Foto: Vitor Silva / SSPress)



O contrato de Willian Arão com o Botafogo prevê renovação automática por dois anos (até o fim de 2017), mediante pagamento de R$ 400 mil. Com isso, o clube vai adquirir mais 20% dos direitos econômicos do volante - totalizando 70%, uma vez que 50% já haviam sido estabelecidos no primeiro contrato. O valor da multa rescisória passa a ser de R$ 20 milhões.

- O momento de negociar já passou – disse o presidente Carlos Eduardo Pereira.

Willian Arão está apalavrado com o Flamengo, que oferece R$ 150 mil mensais ao jogador. Com a concorrência, o Botafogo aumentou a oferta e acena com R$ 130 mil. Flávio Arão chega ao Rio de Janeiro nesta sexta e vai se encontrar, até domingo, com o vice de futebol Antônio Carlos Azeredo, o Cacá.

O pagamento, no entanto, não significa que a novela teve seu capítulo final. Flávio Arão e o Flamengo questionam a legalidade da cláusula. Com a nova regulamentação da Fifa, desde o dia 1º de maio a entidade exige que os clubes sejam donos de 100% dos direitos econômicos dos atletas. No caso de Arão, Botafogo e jogador dividem, com 50% cada.

O Botafogo, no entanto, tem outra visão jurídica do caso. O clube confia na legalidade da cláusula, uma vez que o contrato com Willian Arão foi assinado em janeiro, antes da nova regulamentação da Fifa entrar em vigor. A regra não tem efeito retroativo, e o contrato está registrado na CBF e na Federação Carioca.

Por Gustavo Rotsten e Marcelo Baltar Rio de Janeiro/GE