quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Perto da volta, Neilton faz 22 anos e sonha com Olimpíadas: "Quem sabe?"


Recuperado de lesão, aniversariante desta quarta vive a expectativa do retorno aos gramados, aponta o Bota como prioridade, mas vislumbra chance nos Jogos Rio-2016





Passagens por Santos, Cruzeiro e Botafogo, títulos brasileiros das Séries A e B... Não parece, mas Neilton ainda é bem jovem. O que o currículo esconde, a carteira de identidade escancara. O atacante completa, nesta quarta-feira, 22 anos.

A comemoração, porém, será longe dos gramados. Uma lesão na coxa esquerda afastou, desde o início da pré-temporada, o atacante dos jogos. Pouco antes do retorno, mais um problema: um desequilíbrio muscular foi diagnosticado. Recuperado, Neilton vem trabalhando diariamente a parte física para evitar novas lesões ao longo do ano. A volta está nas mãos da comissão técnica. Nesta terça, ele treinou com bola normalmente com o resto do grupo. 

Neilton completa 22 anos nesta quarta-feira (Foto: Vitor Silva / SSPress / Botafogo)


Sem jogar desde o final de novembro, Neilton não vê a hora de reencontrar a bola e o carinho do torcedor alvinegro. Apesar da pouca idade, ele foi escolhido pelo departamento de futebol do Botafogo para ser um dos líderes da equipe no retorno à Primeira Divisão. Clube e atacante, um dos protagonistas na conquista da Série B, esforçaram-se para prolongar a relação, pelo menos até o fim do ano. Após arrastada negociação, o empréstimo do Cruzeiro foi estendido até dezembro. E Neilton espera corresponder em campo a confiança depositada nele e, por que não, beliscar uma vaga nos Jogos Olímpicos do Rio de Janeiro.


Confira o bate-papo com o atacante:

GloboEsporte.com: O que o Neilton, ao completar 22 anos, quer de presente? Na vida pessoal e profissionalmente?
Neilton: Na vida pessoal sempre peço a Deus saúde e paz para todos nós, sem isso não somos nada. Profissionalmente eu quero fazer um excelente ano pelo Botafogo. Essa é a minha prioridade, mas se tratando de um ano olímpico ... Quem sabe, né? (Risos). Estou trabalhando forte para isso.

Você lutou muito para ficar no Botafogo, mas se machucou logo na pré-temporada. Bate uma frustração? Está ansioso para voltar?
Lutei mesmo viu! (risos). Me identifiquei bastante com o clube, e tenho certeza que esse ano será um ano abençoado para o Botafogo. Não tem frustração, apenas uma vontade grande de voltar logo.

Nesta terça você treinou normalmente com bola com o resto do grupo. A volta está próxima? Será que poderemos ver o Neilton em campo no domingo, contra a Cabofriense, ou talvez contra o Fluminense, na próxima semana?
(Risos). Vontade não me falta, mas essa decisão cabe ao professor Ricardo e sua comissão.

Saudade da bola: treinos físicos foram a rotina de Neilton até agora neste ano (Foto: Vitor Silva / SSPress / Botafogo)


O Botafogo contratou muitos jogadores que exercem essa função de meia-atacante. Porém, você é o único no elenco que tem a característica de velocidade. Como vê essa concorrência?
Super natural. Acho muito importante termos um elenco qualificado. Certamente jogará quem estiver melhor.

É mais fácil voltar ao time com o Botafogo líder e praticamente classificado? Como tem sido acompanhar de fora esse início de Campeonato Carioca?
Acompanhar de fora nunca é bom, nós jogadores queremos sempre estar em campo. Mas voltar com o time bem no campeonato é muito melhor, e isso é fruto do bom grupo que está sendo formado.

Até pela campanha com 100% de aproveitamento (quatro vitórias em quatro jogos), dá para apontar o Botafogo como um dos favoritos ao título carioca?
Não só pela campanha, mas sim pela dimensão do Botafogo. Isso é mais que natural. Porém, aqui, não nos apegamos a isso. O foco é trabalhar para fazer valer dentro de campo.

Por Marcelo Baltar/Rio de Janeiro/GE