segunda-feira, 11 de abril de 2016

Salgueiro é testado no meio, agrada e dá nova alternativa a Ricardo Gomes


Com entrada de Luís Henrique, uruguaio, que vem jogando como segundo atacante, é recuado e se destaca na distribuição de passes e armação de jogadas



Dizem que é nas dificuldades que surgem as oportunidades. Neste domingo, diante de um Bangu fechado, Ricardo Gomes tirou da cartola uma nova formação. Luís Henrique entrou no intervalo, no lugar de Octávio, para formar dupla com Ribamar. Com isso, Salgueiro foi deslocado para o meio de campo. Deu certo.

Com a qualidade nos passes como virtude, o uruguaio encontrou mais liberdade para buscar jogadas e atuou, praticamente, como um antigo ponta de lança, aproximando-se da dupla de garotos. Salgueiro também não precisou ficar mais aberto pelos flancos, o que gera alguma dificuldade, uma vez que a velocidade não é um dos seus pontos fortes.

- O Salgueiro é bom jogador, tem boa visão, pode jogar mais adiantado ou no meio. Ele tem essa característica, é experiente, conhece bem a posição. Aí é uma escolha minha se ele vai jogar mais à frente ou na armação. Mas com dois mais à frente, ele teve mais liberdade na armação – analisou o técnico Ricardo Gomes.

Mais recuado, Salgueiro foi melhor na etapa final (Foto: GloboEsporte.com)

Apesar do domínio territorial, o treinador enxergou uma deficiência ofensiva do Botafogo em relação à quantidade de jogadores na área. Até por isso optou por recuar Salgueiro e lançar Luís Henrique no ataque. A nova formação pode vir a acontecer em um futuro próximo.

- Isso é sequencia de trabalho, finalização, passes... Chegamos com pouca gente na área no primeiro tempo. Mas estávamos bem. Mas tivemos só duas oportunidades com o Salgueiro e uma com o Ribamar. Muito pouco. Vamos trabalhar isso com os atacantes para aumentar esse número de gols.

Com a classificação para as semifinais do Campeonato Carioca assegurada, os jogadores do Botafogo ganharam folga nesta segunda. O time se reapresenta na terça. Domingo, o Alvinegro enfrenta o Boavista, em Bacaxá, pela última rodada da Taça Guanabara.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Rio de Janeiro