quarta-feira, 4 de maio de 2016

Emerson ou Renan? Virtudes distintas vão pesar na decisão de Ricardo


De um lado, técnica e posicionamento. Do outro, liderança e entrosamento. Titulares na primeira partida, apenas um dos dois começará no domingo ao lado de Carli









A disputa está aberta. Emerson Silva ou Renan Fonseca? Um dos dois será titular ao lado de Joel Carli, na decisão contra o Vasco, no domingo. Características diferentes, com prós e contras, que devem pesar na decisão de Ricardo Gomes.

Se antiguidade é posto, Renan Fonseca, em um primeiro momento, larga na frente. Opção de Ricardo Gomes para substituir o jovem Emerson em outras oportunidades, “Barba” tem o entrosamento e a liderança que exerce sobre o time a seu favor. Em um momento decisivo, sua experiência como um dos pilares do Botafogo na conquista na Série B pode pesar. Por vezes, costuma balançar as redes. Já foram três com a camisa alvinegra. Um, contra o Bangu, na atual temporada.


Renan Fonseca, porém, teria de jogar improvisado pelo lado esquerdo. Não que o posicionamento seja novidade para ele, neste Carioca, mas é um ponto contra. Pelo setor, Renan teve atuações seguras e outras nem tanto. No empate contra o Flamengo, por exemplo, ele esteve mal e quase comprometeu o Botafogo. Renan, no entanto, conta com a confiança de Ricardo Gomes.

Emerson Silva tem a seu favor a perna esquerda. Canhoto, o zagueiro entraria no time em sua posição original. Substituto natural de seu xará mais novo, ele foi preterido por Renan Fonseca em diversas oportunidades. Na ocasião, Ricardo Gomes alegou a falta de ritmo de jogo. Desde então, porém, Emerson Silva teve sequência de quatro partidas na reta final da Taça Guanabara, além de ter iniciado no domingo, ao lado de Renan, contra o Vasco.
 
Emerson Silva e Renan no treino desta terça. Apenas um dos dois começa no domingo (Foto: Marcelo Baltar)


O posicionamento, no entanto, não é a única vantagem de Emerson Silva. Se não exerce a mesma liderança de Renan, o zagueiro – ainda um pouco tímido no Botafogo - é mais técnico, tem velocidade e é bom no jogo aéreo. Apesar de ainda não ter deixado sua marca com a camisa do Botafogo, os gols de cabeça foram recorrentes ao longo da carreira.

As fichas estão na mesa. Resta a Ricardo Gomes fazer sua aposta.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago Lima/Rio de Janeiro