sábado, 2 de julho de 2016

Por que Airton faz tanta falta ao sistema defensivo? Números e análise


Com o volante em campo, Botafogo ainda não sofreu gols no Campeonato Brasileiro. Lesão atrapalha sequência, e time sofre atrás com pior defesa da competição



Airton faz falta ao time de Ricardo Gomes
(Foto: Vitor Silva/SSpress / Botafogo)
Se o ataque desencantou e marcou seis gols nos últimos dois jogos, a defesa continua sendo uma dor de cabeça para o Botafogo. Os cinco gols sofridos contra o Atlético-MG no Mineirão expuseram a fragilidade do setor. Em 12 rodadas no Campeonato Brasileiro, o Alvinegro levou 20 gols e é, ao lado de América-MG e Chapeconse, a equipe mais vazada da competição.

Os números no Brasileirão contrastam com o início da temporada. No Campeonato Carioca foi justamente a solidez defensiva que levou o Botafogo à decisão. A constante ausência de Airton é um dos fatores que levaram à queda de rendimento. Com o volante em campo, é raro o Alvinegro sofrer gols. Nas quatro vezes que jogou no Campeonato Brasileiro, o time de Ricardo Gomes não foi vazado enquanto Airton esteve em campo.


DESEMPENHO


A eficiência com Airton no time impressiona. Com ele em campo, o sistema defensivo se encaixa, e são raros os ataques adversários. Após longo período afastado por conta de uma cirurgia, o volante retornou contra o Vitória e ficou em campo até os 12 minutos do segundo tempo, quando o Botafogo vencia por 1 a 0. Com sua saída, a equipe baiana cresceu no jogo e empatou no fim. Na partida seguinte, diante do América-MG, o Alvinegro abriu 3 a 0 com Airton em campo no primeiro tempo. Ele foi substituído no intervalo, e o jogo ganhou uma nova cara na etapa final. O Coelho descontou e teve chances para mais gols.

No empate por 0 a 0 diante do Figueirense, Airton atuou por 60 minutos. Na partida seguinte, a história se repetiu. No primeiro tempo, com ele em campo, o Botafogo abriu 2 a 0 sem sustos. Substituído no intervalo com dores musculares, o Inter foi para cima, marcou dois gols e colocou em risco a vitória alvinegra por 3 a 2.


NÚMEROS


4 jogos
213 minutos
Nenhum gol sofrido

Airton disputou quatro jogos e esteve em campo durante 213 minutos no Campeonato Brasileiro. Com ele, o Botafogo não foi vazado. No Carioca, antes de se machucar, o volante foi um dos pilares do time. Foram apenas cinco gols sofridos nos dez jogos em que ele esteve presente. Na temporada, Airton disputou 14 partidas, e o Botafogo foi vazado apenas cinco vezes com ele em campo, o que dá média de quase um gol sofrido a cada três jogos.


LESÃO INCURÁVEL?

O problema é que é cada vez mais raro Airton jogar. O volante sofreu com problemas musculares na pré-temporada, mas passou toda a primeira fase do Campeonato Carioca sem qualquer lesão. A maré virou no dia 2 de abril, na 5ª rodada da Taça Guanabara, contra o Flamengo, quando ele sofreu um estiramento de grau 2 na coxa esquerda.

A lesão tirou Airton do Carioca, mas a previsão de um mês para retornar aos gramados não se concretizou. Ele voltou a sentir a lesão e passou por cirurgia no local no dia 15 de maio. O retorno aconteceu em 12 de junho, no empate diante do Vitória. No entanto, desde então, Airton não conseguiu completar uma partida e voltou a sentir dores na coxa esquerda no último domingo, contra o Inter. Desfalque contra Atlético-MG e Santa Cruz, ele tem chances de retornar na próxima semana diante do Coritiba, mas o mais provável é que esteja à disposição de Ricardo Gomes apenas no clássico contra o Flamengo, em 16 de julho.


FALA, AIRTON

"Fiquei um tempo afastado, voltei e não estou conseguindo ter sequência. Nenhum jogador gosta de se machucar, ter lesões consecutivas, mas estamos sujeitos a isso. O Botafogo tem grandes profissionais, e com certeza vou voltar com tudo, da melhor forma possível, para ter uma sequência boa e ajudar meus companheiros. Fico muito feliz por ajudar e dar minha contribuição quando estou em campo. É claro que isso não é só por minha causa. Os atacantes ajudam, mas não estamos fazendo um bom Brasileiro. Precisamos ganhar do Santa Cruz para sair da zona de rebaixamento. O Botafogo é muito grande e não pode ficar no Z-4".


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Rio de Janeiro