segunda-feira, 7 de novembro de 2016

Airton chega a 30 jogos no ano e será preparado para suportar mais em 2017


"Menino dos olhos de ouro" de Jair no Botafogo, volante encanta comissão técnica e torcedores e tenta afastar de vez as lesões em trabalhos com preparador e fisiologista



Airton vem fazendo trabalho especial no Botafogo
 para afastar as lesões (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)
Airton é, sem dúvida nenhuma, um dos maiores destaques do Botafogo em 2016. Mesmo jogando muito em qualidade e pouco em quantidade. Enquanto Neilton e Bruno Silva já fizeram 51 partidas na temporada, o volante completou no último sábado, no clássico sem gols com o Flamengo no Maracanã, apenas o seu compromisso de número 30 em quase 10 meses. Se entrar em campo nas quatro rodadas restantes do Campeonato Brasileiro, ele chegará perto de seu ano mais participativo no clube, quando disputou 35 duelos em 2014 – no ano passado, foram apenas cinco partidas.


Mas projetando 2017, que pode ter a volta do Botafogo à Taça Libertadores, todos querem mais. Para isso, o Alvinegro vem fazendo um trabalho especial com a preparação física, chefiada por Ednilson Sena, e a fisiologia, comandada por Manoel Coutinho, de forma a tentar reduzir as lesões do jogador. Airton neste ano perdeu muitos jogos por causa de problemas na coxa esquerda, local onde precisou até fazer cirurgia durante o Carioca.


– Vinha sofrendo com algumas lesões por não ter jogado ano passado. Não tive sequência, esse ano estou tendo. Estamos trabalhando para que no ano que vem seja sem lesões – revelou.

Airton já jogou ao todo 2.321 minutos até o momento em 2016, o equivalente a 25 partidas inteiras


A intenção é ter Airton não só em mais partidas, como também durante mais tempo nos jogos. Dos 30 compromissos que tem na temporada, por exemplo, só em 14 ele suportou os 90 minutos – isso considerando o duelo com o Bragantino pela Copa do Brasil, em que foi substituído aos 44 do segundo tempo. Ou seja, menos que a metade do total. Sua saída no clássico do último sábado, aos 28 da etapa final, também foi por desgaste, segundo Jair Ventura. O técnico lamenta, principalmente pelas atuações de gala que o volante vem tendo.


– Foi físico (motivo da substituição). O Airton paga um preço pelo ano que ficou parado. Fico triste, mas que partida que ele fez. Que jogador! É tentar cada vez mais a parte física e fisiológica para ele jogar os 90 minutos – disse o treinador, encantado com o volante.


Ao todo, Airton jogou 2.321 minutos em 2016, equivalente a 25 partidas inteiras. Mas só uma vez na temporada ele conseguiu engatar uma sequência maior do que três jogos seguidos: foi entre agosto e setembro, quando entrou em campo 10 vezes consecutivamente. O elenco alvinegro ganhou folga domingo e segunda-feira, e o volante se reapresenta junto dos demais companheiros na tarde de terça, em General Severiano.

Fonte: GE/Por Thiago Lima/Rio de Janeiro