terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Botafogo prevê receitas de R$ 190 mi e margem para investir em reforços


Orçamento para 2017 tem quase R$ 40 milhões a mais do que 2016. Futebol deve custar R$ 99 milhões, e clube vai voltar a adquirir direitos econômicos de jogadores



Com João Paulo, o Botafogo voltou a investir
 na aquisição de direitos econômicos 
(Foto: Marlon Costa/ Pernambuco Press)
O Botafogo, aos poucos, coloca a casa em ordem e começa a viver dias melhores no que diz respeito a sua saúde financeira. O clube aprovou o orçamento para 2017, com previsão de receitas na ordem de R$ 191 milhões. Carro-chefe, o futebol vai gerar cerca de R$ 166 milhões. E há a previsão de aquisição de reforços.


Após passar pelo Conselho Fiscal, o orçamento para 2017 foi aprovado por unanimidade no Conselho Deliberativo. Com a volta à Série A e novos patrocinadores, o Botafogo prevê para a próxima temporada cerca de R$ 40 milhões a mais de receita. No cálculo não estão incluídas premiações. Neste ano, o Botafogo gerou R$ 155 milhões.


A previsão de despesas do Botafogo para 2017 é de R$ 134 milhões. No orçamento, o futebol alvinegro vai gastar R$ 99 milhões, incluindo salários e encargos de jogadores e comissão técnica do elenco profissional e da base. No pacote, o clube prevê a aquisição de direitos econômicos de atletas, algo que ainda não tinha acontecido na gestão de Carlos Eduardo Pereira - com exceção de alguns atletas da base -, antes do acerto com João Paulo, do Santa Cruz.


- O orçamento operacional para 2017 vai nos permitir continuar o processo de redução da dividas, o pagamento de nossos compromissos trabalhistas e do Profut, e ainda haverá uma margem para investimento em aquisição de atletas – disse o vice de finanças do Botafogo, Luiz Felipe Novis.


Na semana passada, o Botafogo comprou 60% dos direitos econômicos de João Paulo. O clube vai pagar duas parcelas de R$ 1,5 milhão ao Santa Cruz. A boa notícia é que o investimento será feito com o dinheiro das receitas de 2016 e não afetará o orçamento da próxima temporada, que ainda prevê o investimento em jogadores. As luvas de Gatito Fernández e Roger também não estão nas contas para a próxima temporada.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar/Rio de Janeiro