quarta-feira, 5 de abril de 2017

Com fissura no pé, Carli está fora da Taça Rio e preocupa para Libertadores


Zagueiro desfalca o Botafogo contra o Fluminense e corre contra o tempo para estar em campo contra o Atlético Nacional, na Colômbia, na volta do torneio sul-americano






Há duas semanas, Carli sofria uma pancada de Richarlison e deixava o Clássico Vovô mais cedo (relembre o lance no vídeo abaixo). Desde então, não tem sido mais visto. Desfalcou o Botafogo nos últimos três jogos, e continuará fora no reencontro com o Fluminense neste domingo, pela semifinal da Taça Rio. A situação do argentino a princípio não preocupava, mas o GloboEsporte.com apurou que a situação mudou após um segundo exame, desta vez de tomografia, detectar uma fissura no pé direito do argentino. Por isso, ele sequer tem treinado em campo com os demais.


Carli leva a pior em dividida com Richarlison em lance que termina com gol de Roger contra o Fluminense


A lesão no osso é pequena. Carli já não sente mais dores e caminha sem mancar. Mas há uma preocupação para evitar uma precipitação e calcificar 100% o pé, de forma a evitar novos problemas. Por isso, o xerife vem sendo poupado não só das partidas, como também dos trabalhos de maior exigência nos treinos. Porém, restam só sete dias para a viagem à Colômbia, e o zagueiro corre contra o tempo para estar à disposição contra o Atlético Nacional, na volta da Libertadores.


É provável que mesmo sem condições de jogar diante dos colombianos, Carli viaje com o grupo, já que a delegação irá direto da Colômbia para o Equador, onde o Alvinegro enfrentará o Barcelona de Guayaquil. Assim, ele também ficaria fora de uma eventual final do segundo turno do Campeonato Carioca. Em entrevista coletiva na semana passada, o técnico Jair Ventura explicou a cautela com o defensor argentino, mas apostava em um retorno do gringo contra o Resende.


– A dor é muito subjetiva, uma pancada para um é diferente para outro. E foi forte, tanto que ele teve que sair do jogo. A gente não tem porque precipitar uma situação. Se fosse uma final, acho que ele ia para o sacrifício. Lógico que é importante vencer, mas você entende quando fala em correr riscos. Vamos dar o tempo dele, estar 100% para voltar e não sentir a lesão novamente. Foi só a pancada mesmo, nada grave. Domingo já vai estar em melhor condição para jogar – disse, sem acertar a previsão.

Carli vem treinando só internamente, na academia, e poupando o pé direito e exercícios
mais pesados (Foto: Vitor Silva/SSPress/Botafogo)
O passado serve de exemplo no caso de Carli. No segundo jogo da final do Carioca do ano passado, no dia 8 de maio, contra o Vasco, o argentino sentiu dores na coxa esquerda ainda no primeiro tempo, mas foi até o fim no sacrifício. Porém, o preço veio depois. Ele ficou fora da estreia no Brasileiro e sentiu novamente a coxa na segunda rodada, diante do Sport. Saiu no início do segundo tempo e só voltou a jogar no dia 13 de julho, contra o Bragantino pela Copa do Brasil.


Se Carli não tiver condições de jogo até a partida contra o Atlético Nacional, no dia 13 de abril, Jair pode se ver pressionado a usar Emerson Santos, que perdeu espaço diante do impasse de sua renovação. Seja como zagueiro ou lateral-direito. Isso porque a posição de ala agora está carente no elenco devido às lesões dos três jogadores do setor; e na defesa o titular atual, que é o Renan Fonseca, sequer está inscrito no torneio. Marcelo, que voltou a treinar na terça, deve ser o dono de uma das duas vagas. O jovem Igor Rabello, de 21 anos, é a outra alternativa.

Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago Lima, Rio de Janeiro