segunda-feira, 5 de junho de 2017

À espera de Luciano, presidente do Bota prega cautela sobre futuro de Sassá


Carlos Eduardo Pereira diz que troca com Cruzeiro por Marcos Vinícius é só uma opção, espera resposta sobre atacante do Corinthians nesta semana e mostra confiança após sorteio da Copa BR





Carlos Eduardo Pereira esteve na sede da CBF para o sorteio da Copa do Brasil (Foto: Felipe Siqueira)


A semana que promete ser importante para o Botafogo começou com o sorteio das quartas de final da Copa do Brasil. Na sede da CBF, Carlos Eduardo Pereira esteve presente e viu as bolinhas colocarem o Atlético-MG no caminho do clube na busca pelo inédito título. O presidente enxerga o confronto como pedreira, mas mostrou confiança no time de Jair Ventura e falou ainda sobre contratações para o restante da temporada. Com o orçamento apertado, o mandatário confirmou a negociação com Luciano, que pertence ao Corinthians e está no Leganés, da Espanha.


– Está sendo tratado direto pelo Antônio Carlos Azeredo (Cacá), vice-presidente de futebol. Ele está tratando diretamente, claro que tem um pouco do sigilo natural, e estamos aguardando que nessa semana a gente possa ter algum tipo de desfecho.


Enquanto espera por uma resposta, Carlos Eduardo Pereira deixou em aberto o futuro de Sassá, tratando a troca com o Cruzeiro por Marcos Vinícius, que já fez parte dos exames médicos no Alvinegro, apenas como uma possibilidade. Fato é que o atacante, que está sendo cobiçado no mercado, não seguirá em General Severiano.


– (Situação do Sassá resolvida?) Não, de jeito nenhum. Temos várias pessoas anunciando propostas, negociações, gente da Europa, da Rússia, do Brasil, enfim... Nada concreto ainda. Acho difícil (permanecância do atacante) pela questão do contrato. Não houve uma aproximação, a pedida dele foi totalmente fora da realidade do Botafogo. (...) O Marcos Vinícius veio, fez alguns exames, nossos médicos pediram alguns outros exames complementares que provavelmente ele fará lá em Belo Horizonte. (Troca) É uma possibilidade, a negociação com o Cruzeiro existe.


Confira outros trechos da entrevista do presidente:


ATLÉTICO-MG NAS QUARTAS
Em um momento desses, você não tem como determinar, escolher um adversário é até perigoso. O futebol é um esporte cheio de armadilhas (risos). Na Libertadores, naquele primeiro sorteio em que a gente pegou Colo-Colo, Olimpia, Atlético Nacional... Pessoal brincou comigo: "Você foi sem meia para o sorteio?" (risos). Foi o pior caminho e felizmente a gente conseguiu superar essa primeira fase. Todas grandes equipes, grandes elencos, não tinha o que escolher. Vamos enfrentar o Atlético-MG, um elenco fantástico, mas confio muito no Botafogo e na torcida.



CASCA DA LIBERTADORES
Não tenho dúvida, acho que a equipe hoje está acostumada a decisões. Tem se saído muito bem, principalmente jogando a primeira partida em casa. Fizemos isso na Libertadores, na Copa do Brasil contra o Sport... O time está sabendo decidir fora. Então o fato de jogar em casa a primeira ou a segunda, a equipe está hoje muito preparada, com muita disposição e sabendo como se posicionar.


POSSÍVEL CLÁSSICO NA SEMI

Todos são grandes clássicos, qualquer cruzamento ali. Se passarem Botafogo e Santos também formam aquele clássico dos anos 60, que reunia a seleção brasileira. Qualquer alternativa vai produzir grandes clássicos, esperamos grandes receitas para os clubes, um belo desfecho para a Copa do Brasil.


FINAL DA CHAMPIONS
Olha, torci para a Juventus para a gente fazer uma final em branco e preto, mas não foi possível (risos). É uma outra realidade a Europa, primeiro vamos pensar aqui no Atlético-MG, o Santos na quarta-feira... Um degrau de cada vez (risos).


REFORÇOS NA LIBERTADORES
Na Libertadores temos três vagas. Uma é do Jefferson, outra do Arnaldo, e existe a possibilidade de um terceiro nome que está sendo visto pela comissão técnica. Pode ser (uma contratação), não descartaria, mas o orçamento está bem apertado. Se a gente fizer, será um esforço bastante grande do clube de um modo geral.


RIVALIDADE AFLORADA COM FLAMENGO

Clássico sempre foi assim desde a minha infância, que envolve muita paixão, um lado emocional forte, atletas, dirigentes... Sempre foi assim. Não houve nenhuma mudança e vai continuar assim, faz parte do esporte. Importante que nunca gere violência, a gente é contra aspectos que sequer lembrem violência.


TORCEU PARA O CLÁSSICO FORA DA ILHA?
Pelo contrário, o estádio da Portuguesa foi onde o Botafogo teve uma excelente campanha no segundo semestre de 2016. Não haveria problema nenhum, não entendi por que um jogador ontem tentou atribuir ao Botafogo a responsabilidade de o jogo ter sido em Volta Redonda. O Botafogo não era mandante, a responsabilidade era total do mandante. Se Volta Redonda foi escolhido, e o campo estava em mau estado, eles deveriam ter feito uma vistoria prévia ou então levado o jogo para o Maracanã por exemplo. Teria sido perfeitamente possível.


VICTOR LUIS E AIRTON

O Victor está bem, acredito que uma semana de repouso aí ele possa voltar. O Airton foi operado, infelizmente foi a baixa mais séria. (Lances com William Arão) São companheiros de profissão, acho que pode ter sido uma infelicidade, não vejo como atribuir alguma coisa diferente disso.


Fonte: GE/Por Felipe Siqueira e Thiago Lima, Rio de Janeiro