sexta-feira, 2 de junho de 2017

Com Cruzeiro na frente, Botafogo vai a São Paulo para tentar fechar com Luciano


Atrás de centroavante para suprir provável saída de Sassá, clube vai enviar representante neste sábado e promete disputa com a Raposa por jogador do Corinthians que está na Espanha




Luciano em ação pelo Leganés, no futebol espanhol (Foto: Reprodução / Twitter)


Com o alvo definido para disputar a camisa 9 com Roger, o Botafogo intensifica as negociações para contratar Luciano e promete entrar forte na disputa com o Cruzeiro, que está à frente no páreo. Um representante do Alvinegro irá a São Paulo neste sábado para se reunir com a ArtSports, grupo de empresários que gerencia a carreira do jogador de 24 anos. A ideia é fechar a contratação.


A negociação, no entanto, não é simples. Luciano está emprestado pelo Corinthians ao Leganés, da Espanha, que tem até o fim do mês para exercer a prioridade de compra do atacante por € 3 milhões (cerca de 10,9 milhões). Mas a tendência é que ele retorne ao Brasil, e a concorrência é o principal entrave: o Cruzeiro largou na frente na disputa e abriu conversas pelo jogador. Há, inclusive, um representante do atleta em Belo Horizonte nesta sexta-feira.


>>> Marcos Vinícius chega ao Rio para iniciar exames no Botafogo


Luciano pertence ao Corinthians e tem vínculo até dezembro, mesmo período em que termina seu empréstimo com o clube espanhol. O jogador não está nos planos do Timão, mas para uma liberação imediata a multa rescisória é de € 3 milhões. Entretanto, estima-se que os valores podem ser reduzidos devido à proximidade do fim do contrato.


Luciano não se firmou na Espanha, tendo disputado 27 jogos, 12 como titular, e marcado quatro gols (um sobre o Real Madrid). Mas antes de ser negociado, viveu fase goleadora no Corinthians, tendo estufado a rede 19 vezes entre 2014 e 2015. Em 2016 que não manteve a média e marcou só um gol em 24 partidas. Revelado pelo Atlético-GO em 2012, o jogador também tem passagem pelo Avaí, onde fez sete gols em 28 jogos em 2013. O atacante não é aquele centroavante fixo, tem mais mobilidade e é visto como um nome para concorrer com Roger pela titularidade.


Fonte: GE/Por Marcelo Baltar e Thiago Lima, Rio de Janeiro