quarta-feira, 26 de julho de 2017

Jair celebra primeiro tempo "impecável" e destaca importância do planejamento


Técnico diz que atuação na etapa final contra o Atlético-MG foi uma das melhores desde que assumiu a equipe: "Nosso time estava muito leve, descansado"





Os gols de Botafogo 3 x 0 Atlético-MG pelas quartas de final da Copa do Brasil


Após a boa partida contra o Atlético-MG e a vitória por 3 a 0 que garantiu vaga na semifinal da Copa do Brasil (confira os gols no vídeo acima), Jair Ventura celebrou o planejamento feito pelo Botafogo até o jogo decisivo. Para o técnico, foi importante o time chegar descansado para reverter a vantagem construída pela equipe mineira no jogo de ida.


- Planejamento. Poupamos os titulares contra o Atlético-GO (pelo Campeonato Brasileiro) e corremos riscos. Por causa do planejamento, vencemos. Nosso time estava muito leve, descansado. Isso foi muito bom para nossa grande performance. É logico que tem a entrega dos atletas, grandes responsáveis, mas dentro de um planejamento.


Jair ainda elogiou bastante a atuação de seus comandados na etapa inicial nesta quarta-feira no Nilton Santos.


- Um dos meus melhores primeiros tempos desde que assumi o Botafogo. Impecável. Os atletas estão de parabéns. No segundo, o time ficou mais com a bola. Não pedi para recuar, mas o Atlético-MG entrou no jogo. Entrei com o Guilherme e com o Gilson - reumiu.



Jair Ventura durante a vitória por 3 a 0 do Botafogo sobre o Atlético-MG no Nilton Santos (Foto: André Durão)


Confira outras respostas de Jair Ventura:


Formação do Atlético-MG
- Temos um estudo muito forte do adversário. Ficou essa dúvida com a mudança de treinador. A imprensa acabou ajudando com essa situação de que não entraria com o Rafael Moura. O Micale mudou um pouco o sistema. Foi uma situação que tivemos dois minutos para identificar e conseguimos. Criamos muito dentro dessa situação. Eles perderam em estatura. E aproveitamos as bolas paradas.


Motivação
- Nossa preleção foi em cima disso. Sempre tem um tema. Qual o tema? Falei: “Zagallo”. Faltam cinco. Estamos muito próximos. Nossa análise fez um vídeo maravilhoso. Campeonato começou com 92 equipes. Estamos no caminho. Temos limitações financeiras, mas não limitações de entrega e de vontade.


Opções na escalação
- Eu tenho o Luis Ricardo que é da posição e entro com o Emerson. Se eu perco, eu sei que terei uma conta para pagar. Mas não posso abrir mão do que eu penso. Mas é legal quando você faz o que não seria o mais comum e as coisas acontecem. Depois entrei com o Gilson no meio. É legal, é gratificante.


Superação
- Trabalhamos para não sofrer. Mas nem sempre dá. Às vezes a gente faz um gol e muita gente acha que a gente para de jogar. Derrubamos um dos melhores elencos do país. Jogadores na faixa de R$ 700 mil e R$ 1 milhão por mês. Dois jogadores desses pagam nossa folha salarial.


Poupar jogadores
- Temos nossos indicadores. Não podemos correr riscos. Se eu coloco o Luis Ricardo teria uma grande chance de lesões. Não posso ir contra a nossa fisiologia. Teremos que poupar. É uma pena. Teremos que abrir mão do Brasileiro, que é um campeonato que queremos ir bem. Mas ninguém consegue jogar na mesma intensidade segunda, quarta e domingo. Infelizmente, teremos que poupar em algum momento.


Fonte: GE/Por Felippe Costa e Marcelo Baltar, Rio de Janeiro