quinta-feira, 12 de fevereiro de 2015

Vai ou fica? Perto do fim do contrato, Jobson vive momento de definição


Vínculo de atacante termina em junho, e Botafogo ainda não se manifestou sobre possível renovação. Representante do atleta diz que prioridade é permanecer



Jobson comemora passe para gol de Bill sobre o Bangu: atuação de
 destaque em vitória pelo Carioca (Foto: Marcello Dias/FuturaPress)
O gol e a atuação de destaque na vitória por 3 a 0 sobre o Bangu, na última quarta-feira, marcaram o bom início de temporada de Jobson pelo Botafogo. Mas, agora, a contagem é regressiva: faltam 132 dias para o fim do contrato do atacante com o clube que o projetou no cenário nacional. O jogador sempre deixou clara a sua vontade de permanecer, mas seu futuro ainda é uma incógnita.

O vínculo de Jobson com o Botafogo termina em 24 de junho e, por isso, o atleta tem a possibilidade de assinar um pré-contrato com outro clube. A diretoria alvinegra ainda conversa internamente de forma tímida sobre o futuro do atacante que no domingo de carnaval completa 27 anos. Nas primeiras discussões, fala-se sobre a necessidade de esperar um número maior de atuações para avançar, ou não, para uma possível renovação.

Inicialmente visto com ressalvas por René Simões, que foi seu treinador no Bahia, em 2011, Jobson foi um dos destaques da pré-temporada do Botafogo. O atacante impressionou pela dedicação aos treinos e pelas boas atuações. Assim, passou a ser uma das primeiras alternativas para o decorrer das partidas. A lesão de Rodrigo durante o jogo contra o Bangu proporcionou sua entrada ainda no primeiro tempo. Na primeira vez que tocou na bola, Jobson deu a assistência para o gol de Bill. Em seguida, por duas vezes deixou companheiros em claras condições de marcar. O desfecho da tarde da última quarta foi seu gol, que selou a vitória alvinegra por 3 a 0 (assista ao vídeo abaixo).

- Fico satisfeito por ele ter feito um gol e por ter dado pelo menos três ou quatro passes para gol perigosíssimos. Isso é um “plus” que a gente não via no Jobson. Só quero que ele entre no processo que eu gosto muito. Eu penso e falo, e faço o que falo. Nesse processo, está num bom caminho - disse o treinador.





Pelo pouco tempo disponível, o Botafogo sabe que não poderá demorar para se dirigir a Jobson e decidir se renova ou não o contrato do jogador. A ideia inicial do clube seria uma extensão até dezembro, o que possibilitaria ao atacante disputar toda a Série B do Brasileiro. Mas até o momento as negociações não tiveram início.

- Ainda não fomos procurados pelo Botafogo para tratar desse assunto. A prioridade do Jobson sempre será o Botafogo, mas tenho certeza de que tudo acontecerá naturalmente. Enquanto isso, ele precisa manter o foco - ressaltou Rodolpho Cezar, advogado e representante do atleta.

Destaque na reta final do Campeonato Brasileiro de 2009, quando surgiu marcando gols decisivos que evitaram o rebaixamento do Botafogo, Jobson sempre teve o clube como seu porto seguro em meio a uma carreira marcada por polêmicas, principalmente fora de campo. Embora tenha assinado contrato em junho de 2010, o atacante disputou apenas 49 jogos pelo Alvinegro, marcando 12 gols. Neste período foi emprestado a Atlético-MG, Bahia, Barueri, São Caetano e Al Ittihad, da Arábia Saudita.

Depois de uma passagem pelo Oriente Médio que teve episódios como uma condenação sem julgamento por supostamente se recusar a fazer exame antidoping, salários atrasados e apreensão do passaporte, Jobson retornou ao Botafogo no segundo semestre de 2014 inicialmente fora dos planos da diretoria. O bom comportamento nos treinos em separado e a necessidade de uma equipe que tentava escapar do rebaixamento, o atacante ganhou mais uma chance, mas não se destacou.

Jobson tem agora menos de 132 dias para mostrar futebol e comportamento capazes de convencer a diretoria a fazer um novo investimento em alguém que tem o carinho da torcida e a motivação como meios de mostrar que, sim, há uma mudança. E para melhor.

Por Gustavo Rotstein Rio de Janeiro/GE