sábado, 21 de março de 2015

Jobson ou Pimpão? René reduz dor de cabeça: "Dá para jogarem juntos"


Técnico do Botafogo não vê concorrência entre atacantes, mas adia teste da dupla como titular para quando Pimpão estiver 100%: "Agora não aguenta os 90 minutos"






Jobson ou Rodrigo Pimpão? Indaga-se o torcedor do Botafogo. Um começou o ano de titular, ficou um mês fora por lesão, mas já voltou balançando as redes. O outro cresceu de produção justamente na ausência do companheiro e virou o artilheiro do time no Campeonato Carioca com seis gols em sete partidas. Promessa de dor de cabeça para René Simões? Nem tanto. Apesar de exercerem a função de segundo atacante e jogarem mais pelas laterais do campo, o técnico alvinegro não vê concorrência entre eles. E se mostrou disposto a escalar os dois juntos na equipe.

- São dois jogadores de características diferentes: o Jobson é muito mais agressivo, um jogador mais intuitivo, que trabalha mais com o emocional; o Pimpão é mais racional, mais tático, muito técnico, excelente finalizador. Então dá para juntar esses dois, eles não são parecidos. Quando você tem dois que são parecidos, aí é mais difícil colocar os dois na equipe. Mas eles são muito diferentes na parte de entendimento do jogo, composição tática, dá para os dois jogarem juntos, sim - analisou o comandante, comparando os estilos de cada um.

René vê Jobson e Pimpão lado a lado no ataque alvinegro (Foto: Vitor Silva/SS Press)

A dupla atuou lado a lado nos 15 minutos finais da vitória por 3 a 0 sobre o Resende, que contou com um gol de cada. Pimpão também marcou no jogo-treino contra o Minnesota United, dos Estados Unidos, na última quarta-feira, no estádio Nilton Santos - como o clube rebatizou o Engenhão. Enquanto tenta recuperar espaço após ter ficado um mês se recuperando de um estiramento na coxa direita, o atacante já havia admitido durante a semana que poderia fazer outra função para atuar ao lado de Jobson.

- Não vejo disputa, somos companheiros. Ele entrou no meu lugar, mas consigo fazer outras funções. Se for para jogar junto a ele, não vejo problema - disse recentemente o jogador, que no ano passado pelo América-RN atuava mais perto do gol e chegou a balançar a rede 20 vezes na temporada, sendo 15 na Série B.




Porém, os ansiosos pela dupla vão precisar esperar. René adiantou que não pretende fazer o teste neste domingo, contra a Cabofriense, e adiou os planos para quando Pimpão estiver readquirido o ritmo de jogo. Segundo o treinador, o atacante ainda não aguenta disputar uma partida inteira. Para o setor, o clube tem ainda Bill, Tássio e Sassá como opções.

- Agora, ele não aguenta os 90 minutos, acho precoce ainda. Estamos com muito cuidados com o Pimpão, que vem de uma contusão. Cuidados com o Roger (Carvalho), com o Bill, (Marcelo) Mattos... O Botafogo tem um elenco muito enxuto, então a gente tem que ter cuidado para não perder jogadores, principalmente depois que voltam do departamento médico. Se dá uma reincidência, aí o tempo (para voltar) é muito maior.

Com Tássio ao lado de Jobson no ataque, o Botafogo encara a Cabofriense neste domingo, às 16h (de Brasília), no Moacyrzão, em Macaé, pela 11ª rodada do estadual. Com 25 pontos e a um do líder Vasco, o Alvinegro pode voltar ao topo da tabela neste final de semana se vencer e torcer por um tropeço do Vasco no clássico com o Flamengo

Por Chris Mussi e Thiago Lima Rio de Janeiro/GE