quinta-feira, 9 de abril de 2015

Engasgado com o Fluminense, René enaltece conquista da Taça Guanabara


Treinador destaca "sabor muito especial" de seu primeiro título no Rio e recorda da única derrota na temporada, justamente para o Tricolor, adversário nas semifinais



Em pouco mais de três meses René Simões mudou a cara do Botafogo. A desconfiança que pairava sob o time no início da temporada deu lugar à alegria da conquista da Taça Guanabara. A campanha é praticamente irrepreensível. Em 15 jogos, o Alvinegro venceu 11, jamais deixou o G-4 e sempre esteve entre os dois primeiros colocados. O time também termina a fase de classificação com o ataque mais efetivo (31 gols) e a defesa menos vazadas (9), empatado com o Flamengo nos dois quesitos.

Após a conquista, René Simões também usou os números para enaltecer seu elenco e destacou o apoio irrestrito da torcida durante toda a campanha.

- Temos 28 jogadores de linha, com 14 fazendo gols. Isso mostra a qualidade do elenco. Todos os contratados jogaram. Isso foi outro ponto importante. Tivemos várias perdas durante a temporada, o time oscilou em alguns jogos mas uma coisa não faltou em nenhum momento: o apoio da arquibancada.

Carioca, René Simões conquistou seu primeiro título no Rio de Janeiro (Foto: Vitor Silva / SSPress)

Dos 15 jogos da campanha na Taça Guanabara, o Botafogo venceu 11, empatou três e perdeu apenas um: justamente para o Fluminense, adversário nas semifinais do Campeonato Carioca. O primeiro jogo será sábado, às 18h30, no Maracanã.

- Foi a única derrota do Botafogo. Então está guardada, já discutimos muito isso quando fizemos a análise daquela partida. Perdemos merecidamente, o Fluminense fez sua grande partida do campeonato contra nós. Agora vamos ao Fluminense.

René Simões ainda reconheceu que conquistar um título em sua cidade tem um sabor especial.

- Vejo essa conquista com muita tranquilidade, embora tenha lido que o René não tem títulos. São mais de 20. Muita gente não sabe o que conquistei no Catar, no Caribe... Mas ser campeão na minha cidade tem sabor muito especial e ainda mais num gigante como o Botafogo.


Confira os demais trechos da entrevista



Gols em todos os jogos
Fizemos gols em todos os jogos, e isso vai muito do perfil que eu quis para os jogadores, um DNA ofensivo. Por isso muitos se preocupam com a nossa zaga. Mas para atacar você se abre, é cobertor curto.

Gol do título
Estou feliz com a recuperação do Elvis. Com 16 anos ele era um espetáculo. Mas depois teve uma queda e se recuperou como jogador e como homem. Hoje fez uma partida magnífica.

Em busca de estabilidade
Não sei se o time já tem credibilidade de performance. Mas de empenho, sim. Ainda temos que melhorar a performance. Mas prometemos no início do ano que seria trabalho e dedicação, e nesse aspecto o time está com um crédito muito grande.

Contratações para a Série B
Tenho certeza absoluta que quando acabar a competições termos que fazer contratações pontuais. Não tem jeito. Mas estou tranquilo porque a equipe está subindo. Ao longo do trabalho, alguns jogadores sobem e outros estacionam, chegam ao limite. Mas o nível de toda a equipe está subindo, então é preciso fazer uma análise com cuidado. Agora vamos fazer uma primeira análise, depois das semifinais vamos fazer outra e se chegarmos à final, vamos fazer uma terceira análise do elenco, sempre com muito critério.

Palestra antes da partida contra o Macaé
Pedi que eles lessem mais sobre a história do Botafogo. Não se resgata o Botafogo dentro de campo sem conhecer sua história, sem saber que essa camisa enverga o varal. Aqui dentro de campo estamos bem porque estamos com a mesma grandeza que o Botafogo tem. Porque fora de campo ninguém mexe na grandeza do Botafogo, mas dentro de campo estamos na Segunda Divisão. Hoje tínhamos que sentir o Botafogo grande, disputando títulos, porque ele sempre foi assim. Se o momento passado não foi muito bom, vamos resgatar os bons momentos.

Vantagem do empate para semifinal e final
Nunca gostei disso de vantagem. Até porque com nosso DNA ofensivo, fica complicado trocar o chip e jogar para empatar. O Botafogo não vai sair de sua característica. O que determina é o tipo de marcação, em que zona do campo vai jogar. Esse DNA ofensivo eu não consigo tirar. Imaginar um 0 a 0 não vejo vantagem, porque essa equipe faz gols. Vamos torcer para que continue assim.

Jogo mais marcante e destaques individuais da campanha
Nosso jogo mais importante foi contra o Flamengo. Havia cinco jogadores que nunca haviam atuado no Maracanã. Foi um jogo muito difícil contra um dos grandes favoritos ao campeonato. A volta por cima do Renan foi inimaginável. Em 10 minutos a Cabofriense teve quatro oportunidades e ele fez grandes defesas, com coragem. O Jobson há muitos anos não tinha a sequência que teve agora. Na segunda-feira esteve na Bahia (para uma audiência) e antecipou o voo de volta. No dia seguinte o Bill disse que seríamos campeões, e eu perguntei por que. Ele disse que o Jobson antecipou o voo de volta e já tinha treinado, então a gente tinha que ser campeão. O Elvis cresceu, o amadurecimento do Gilberto, o Bill que deu a volta por cima depois daquele pênalti perdido... São muitos os destaques.

Por Gustavo Rotstein Rio de Janeiro/GE