sábado, 23 de maio de 2015

Erros do Atlético-GO, erros do Bota: equipes jogam pouco e ficam no 0 a 0


Em tarde pouco inspirada, no Mané Garrincha, em Brasília, times goiano e carioca abusam de equívocos e empatam pela Série B





 Poucas partidas nesta Série B tiveram tantos erros como Atlético-GO e Botafogo, neste sábado, no Mané Garrincha, em Brasília. Passes, cruzamentos, finalizações... até laterais foram mal executados. O pouco futebol das duas equipes fez jus a um gramado em péssimo estado, algo difícil de compreender em uma grandiosa arena construída para a Copa do Mundo. Não à toa o placar de 0 a 0 resumiu os 90 minutos (veja melhores momentos acima). Ninguém merecia ganhar.

Com o resultado, o Bota perdeu o 100% de aproveitamento. Tem, agora, sete pontos em três partidas, digno da terceira colocação no campeonato. O Dragão é o oitavo, com quatro pontos. As duas equipes voltam a campo no próximo sábado. No Engenhão, às 16h30 (de Brasília), o Botafogo recebe o Vitória. Mesmo horário em que o Atlético-GO, no Heriberto Hülse, desafia o Criciúma.

Daniel Carvalho e Ailton disputam lance em Atlético-GO X Botafogo (Foto: Adalberto Marques / Estadão Conteúdo )

Sonolento, devagar, desinteressante... Não faltaram adjetivos negativos para resumir o primeiro tempo. Em um péssimo gramado, aparentemente mal cuidado, Botafogo e Atlético-MG abusaram dos passes errados, da falta de criatividade e do futebol burocrático. Não houve jogadas trabalhadas, individuais ou improvisadas. O chutão e a bola parada ditaram o ritmo. Lulinha, em chute cruzado, foi quem mais levou perigo ao gol de Márcio. O camisa 1 do Atlético-GO, aliás, após a metade da etapa inicial virou espectador. Foi quando seu time abandonou a postura defensiva e tentou atacar. Arthur, ao receber livre, finalizou com força, mas parou em Jefferson. O ex-atacante do Fla, ainda, marcou gol, corretamente anulado por impedimento.

Com Diego Jardel no lugar de Daniel Carvalho, René Simões tentou apostar mais na qualidade técnica na etapa final. Mas foi o Atlético-GO quem assustou: Rafinha tentou cruzar e acertou o travessão. O Bota passou a pressionar. Diego Jardel e Elvis, em chute de fora, quase abriram o placar. Arthur, em contragolpe, após driblar Jefferson, perdeu outra chance. No fim, o empate sem gols foi o máximo que a partida mereceu. Sem mais.

Por GloboEsporte.com Brasília/GE