segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Com futuro em aberto, Jobson muda rotina, malha e garante: "Me cuidando"


Atacante passa a usar estrutura de Saferj para manter a forma enquanto aguarda veredicto da Fifa. Sindicato faz apelo por jogador junto à FifPro




Jobson malha em academia: treino com outros
atletas desempregados (Foto: GloboEsporte.com)
Jobson aguarda desde abril um pronunciamento da Fifa sobre o recurso contra sua pena de quatro anos de suspensão. Mas o atacante decidiu deixar de esperar passivamente e, por isso, nesta segunda-feira vai dar início a uma nova rotina. Ao lado de outros 30 jogadores desempregados, o atacante vai utilizar as instalações do Sindicato dos Atletas Profissionais do Rio de Janeiro (Saferj) para manter a forma, ao passo em que aguarda um veredicto definitivo sobre seu futuro.


Enquanto Jobson trabalha no sindicato, o sindicato trabalha por Jobson. O presidente Alfredo Sampaio disse que foi encaminhado à Federação Internacional dos Jogadores Profissionais de Futebol (FifPro) – com sede na Holanda – um pedido de revisão da punição junto à Fifa. A ideia é explicar os malefícios da pena ao jogador, que chegou a ser detido em Conceição do Araguaia (PA), sua cidade natal, sob acusação de dirigir embriagado.


- A punição por doping químico tem de ser tratada de outra maneira que não a punitiva. Tirar do convívio com os atletas pode levar o jogador à marginalidade. Mas com o fato de treinar diariamente com outros jogadores vai melhorar a autoestima do Jobson. No sindicato ele terá uma ótima estrutura, enquanto esperamos aguardamos a resposta do pedido feito à FiFPro - explicou Sampaio.


Jobson tem se reunido com a diretoria do Botafogo com frequência, praticamente uma vez por semana. Nas conversas, além de ficar informado sobre o andamento do processo, o atacante discute pagamentos atrasados e mantém a ligação afetiva com o clube. Embora não exista um vínculo formal entre as partes – o contrato se encerrou dia 24 de junho –, o Alvinegro tem arcado com algumas custas do processo e recentemente enviou à Fifa uma notificação informando sua intenção de firmar um novo vínculo com o atacante, assim que a suspensão for revogada. Enquanto isso, o atacante espera boas notícias em breve.


- Vou manter a forma no sindicato esperando voltar logo. Enquanto isso vou me cuidando. Sei que o Botafogo estaria disponível para que eu pudesse treinar, mas infelizmente não é possível. Isso me faz muita falta - disse Jobson, que antes de iniciar os treinos no Saferj faz musculação numa academia.


A programação do sindicato estabelece dois treinos com bola por semana – num campo alugado na Zona Oeste do Rio de Janeiro –, além de treinos na praia e musculação. Suspenso sob acusação de se recusar a fazer exame antidoping quando atuava pelo Al Ittihad, da Arábia Saudita, em 2014, o atacante afirma estar disposto a melhorar seu comportamento enquanto aguarda um pronunciamento da Fifa.


- Depois do que aconteceu na minha cidade, estou mais tranquilo, apesar de ser difícil ter controle emocional nessa situação. Estou tentando me equilibrar, mais quieto, mas sempre com a esperança de voltar logo - afirmou Jobson.


Por Gustavo Rotstein Rio de Janeiro/GE