quarta-feira, 19 de agosto de 2015

Fechar atrás e ter talento na frente: o segredo das vitórias, segundo Giaretta


Zagueiro vê dificuldade maior no returno do campeonato, pois as equipes sabem como o Botafogo atua. Atleta ainda enxerga time já "com a cara" de Ricardo Gomes



Diego Giaretta enxerga uma maior dificuldade
no returno da Série B pelas equipes já se conhecerem
 (Foto: Jessica Mello)
Fechar-se atrás, no setor defensivo, e ter talento e qualidade na frente, com os atacantes, para finalizar e marcar. Até parece simples, mas não é. Exige muito treino e muito trabalho para tal. Mas para Diego Giaretta, que desfalcou o Botafogo em apenas uma partida nesta Série B, contra o Macaé, o segredo para as vitórias virem é esse. Até porque, para o zagueiro, o returno é ainda mais complicado na competição, uma vez que as equipes já sabem como as outras costumam atuar. Assim, a qualidade individual acaba se tornando mais importante neste momento.


- A questão tática nossa já é conhecida, até a característica de cada jogador, a nossa forma de atuar. Eles nos estudam, da mesma forma como estudamos os adversários. A questão individual, agora, o talento individual, fará muita diferença. As equipes vêm totalmente fechadas quando jogam com a gente aqui (no Nilton Santos) e buscam um erro nosso para marcar. Contra o ABC foi assim, em uma bobeira da nossa defesa, da nossa linha de quatro. Assim, precisamos nos sobressair na parte defensiva e contar com o talento do pessoal lá da frente - explicou.


O Botafogo é a defesa menos vazada da Série B até o momento, com 12 gols apenas sofridos. O feito pode ser analisado também pelo fato de que Renan Fonseca e Diego Giaretta atuaram lado a lado na zaga na maioria das partidas - em algumas, Giaretta atuou no meio. Para o atleta, a sequência de jogos ajuda no entrosamento e para aumentar a confiança.


- Estamos jogando juntos há um tempo, temos uma sequência grande de jogos, e isso dá mais confiança, mais ritmo de jogo, mais harmonia. Mas temos de seguir atentos a cada jogo, não vamos encontrar jogos fáceis. Temos sempre de conversar bastante - disse.

A dupla de zaga do Botafogo após o treino: Renan Fonseca e Diego Giaretta (Foto: Jessica Mello)

No treino desta quarta-feira, em determinado momento da atividade, os zagueiros passaram a trabalhar em separado, com atividades específicas. Uma delas era visando a proteção na área em bolas alçadas. Giaretta observou na entrevista coletiva após o treinamento que o Botafogo vem tomando gols de bola aérea, que antes não aconteciam. Por isso, o trabalho específico, buscando corrigir o problema.


O zagueiro também afirmou que a equipe já está "com a cara" de Ricardo Gomes e que os atletas estão compreendendo bem o que o técnico expõe nos treinamentos.


- Hoje, posso dizer que está com a cara do Ricardo. Seu sistema de trabalho, sua metodologia, agora está sendo implantado. E os atletas estão cientes do pensamento do treinador. O pessoal está mais entrosado. O treino de hoje foi bem específico, mais do setor defensivo. Trabalhamos a questão das linhas, não abrir muito, estar sempre próximos. Estamos tomando muito gol de cabeça, de cruzamento, algo que não vinha acontecendo. Contra o Santa Cruz foi assim, contra o América-MG e o Bahia também... É uma questão que precisamos atentar, assimilar, aprender e evitar que volte a acontecer - contou.


Sol forte e calor no domingo


Visando uma melhor preparação para o jogo de domingo, que será às 11h, o Botafogo treina toda a semana pela manhã, às 10h. É uma maneira de acostumar os jogadores à diferença de calor e da posição do sol. Um fator ainda que pode prejudicar os atletas em campo, uma vez que nunca atuaram neste horário na Série B.


- Nos treinos a gente vem percebendo a sensação de calor. O sol desgasta muito. Não é nem a questão física, pois nisso estamos muito bem. Sem dúvida alguma um fator contra será a questão climática, calor muito grande. Isso vai nos impedir de fazer, muitas vezes, o que estamos acostumados. Vamos sofrer de qualquer jeito, sem dúvida - disse Giaretta.


O zagueiro ressaltou que os treinos realizados neste horário ajudam na adaptação, tanto na parte física, em campo, quanto na rotina de casa, no dia a dia:


- Ainda bem que tivemos a semana cheia para nos adaptarmos, com o horário do treino mudando. Estamos tendo todo o cuidado com o pessoal da fisiologia também, sobre o que fazer em casa, criar o hábito para chegar domingo e não sofrermos. Diante das dificuldades, temos de fazer um bom jogo em casa. Precisamos da vitória.


Por Jessica Mello Rio de Janeiro/GE