sábado, 15 de agosto de 2015

Ricardo Gomes vê Bota jogando bem e se anima: "Time vai subir e brigar"


Alvinegro vence o América-MG de virada por 2 a 1 no Independência. Resultado coloca o Botafogo na vice-liderança da Série B, atrás do Vitória







O Botafogo venceu mais uma partida neste sábado. A segunda na semana. A segunda de virada. A soma dos pontos importantes, desta vez, contra o América-MG, por 2 a 1, no Independência(veja os melhores momentos acima), fez o Alvinegro chegar à segunda colocação da Série B, separado por um ponto do Vitória, atual líder. Para Ricardo Gomes, a equipe jogou bem no Independência, em Belo Horizonte, o que o anima. O técnico avalia ainda que o crescimento será ainda maior.

- A vitória foi importantíssima. Mas a forma com vencemos foi mais importante do que o resultado. Isso vai dar confiança no trabalho. O Botafogo esteve na liderança, chegou a ficar fora do G-4 antes de uma rodada, mas subir na tabela é consequência. A forma como jogamos hoje e como fizemos o primeiro tempo contra o ABC me deixam animado. Jogando bem o time vai subir e vai brigar - disse.

Ricardo Gomes terá a semana para trabalhar. O próximo jogo é apenas no domingo que vem, dia 23, contra o Paysandu. O duelo será no Engenhão, às 11h (de Brasília).

Ricardo Gomes viu o Botafogo jogando bem contra
 o América-MG neste sábado
(Foto: ANDRÉ YANCKOUS/ESTADÃO CONTEÚDO)
Leia mais trechos da entrevista:

Análise da atuação
- Os primeiros 20 minutos não foram bons, temos que reconhecer. Mas antes mesmo do gol do Carleto nós já estávamos com o domínio da partida, mas demoramos a entrar no jogo. Esse foi o senão. Depois virou Botafogo. Foi um time coeso e consistente. Depois do segundo gol, o América correu riscos, mas não aproveitamos os melhores momentos para contra-atacar e foi muita pressão. O primeiro gol do América era quase uma jogada ensaiada. É um time muito bem armado pelo Givanildo.

Avaliação do início de trabalho

- O Botafogo, pelo seu porte, não deveria estar onde está. Ele é o adversário a ser batido. Consequentemente, tem jogos de intensidade que não se vê em outras partidas. Temos que ter muita atenção em relação ao comportamento do Botafogo. No Engenhão, vamos encontrar defesas mais fechadas. Temos que ter uma equipe coesa. A história do Botafogo não pode mais ser na Série B. Para mim, o Botafogo é um grande clube. É um clube que, como outros, tem momentos de dificuldades financeiras, mas os jogadores são de Série A. Essa é a minha mensagem a eles desde que cheguei. Temos que sair dessa, e bem.

Expectativa de público contra o Paysandu

- Quando o time vence fora, claro que o torcedor vai se animar, também pelo que viu nos dois últimos jogos. Recuperando nosso bom futebol, o Nilton Santos vai estar sempre cheio.

Daniel Carvalho perto do ideal?

- É um jogador de qualidade indiscutível, mas parou por um ano e meio. Isso tem um preço, e esse é o problema do Daniel. Estamos administrando, não tem segredo. Fisiologista e preparador físico estão tendo muito cuidado com o Daniel, mas é um jogador de quem não podemos abrir mão.

Evolução de Neilton

- É ágil, veloz, pequeno, mas entende de futebol. Começou muito bem no Santos e está tendo oportunidade. Está bem também na parte tática, entendendo o jogo. Sem fogos, mas é um garoto muito inteligente.

Botafogo com a cara de Ricardo Gomes?

- Tem coisas boas... Foi feito um bom trabalho com René e com o Jair. Então não consigo responder essa pergunta.

Com a volta de Luis Ricardo, formação perto da ideal?

- Sim. Mas lembrando que o Diego fez boa partida hoje, é um bom jogador, formado no clube. O Luis, que virou lateral, é um meia, um jogador inteligente, que sabe do jogo. O Botafogo tem um time de Série A. Temos que botar na cabeça dos jogadores que é um ano difícil, mas temos que superar. Vamos ser sempre o time a ser batido, e isso é muito difícil. Se você pega a observação de um adversário, é um tipo, mas quando joga contra o Botafogo, é outro.

Por Gustavo Rotstein Belo Horizonte/GE