terça-feira, 6 de outubro de 2015

Gramado "Maracanã", contato com a história e opções: Bota reforça base


Campo de General Severiano é reformado e conta novamente com grama natural. Jogadores já iniciam treinamentos na sede. Há ainda Caio Martins e Cefat





Nesta segunda, o time sub-16 do Botafogo já treinou
 no gramado novo de General Severiano
 (Foto: Divulgação/Botafogo)
Nesta semana, as categorias de base do Botafogo ganharam mais um reforço para seus treinamentos. Finalizaram-se as reformas no campo de General Severiano, com colocação, novamente, de grama natural. Nesta segunda-feira, o grupo sub-16 já treinou na sede social do clube, na Zona Sul do Rio de Janeiro. Nesta terça, será a vez do sub-20 e, na quinta, haverá trabalhos do sub-15, sempre das 9h às 11h. De acordo com o Botafogo, esta é uma importante iniciativa para que os jovens tenham contato com a história alvinegra e se aproximem da torcida, uma vez que os sócios-proprietários podem acompanhar gratuitamente todos os treinos.


- General Severiano é tradicional, onde jogaram todos os nossos craques. Os jovens vão ficar perto da torcida, tendo uma integração com ela. O torcedor também poderá conhecer mais os jogadores da base. Isso vai incrementar bastante - diz Marco Antonio Tristão, assessor da base.


- É uma oportunidade para os jovens treinar na sede, onde está toda a tradição do clube, sua origem - afirma Manoel Renha, diretor da base.

General Severiano (foto, durante a reforma) será usado para treinos da base, assim como Caio Martins (Foto: Divulgação)
A troca do gramado de General Severiano - de sintético para natural - iniciou no fim do primeiro semestre deste ano, estando finalizada neste começo de outubro. A polêmica sobre o campo iniciou-se no ano passado, quando a diretoria, ainda sob o comando de Maurício Assumpção, decidiu retirar a grama natural e substituir pela sintética. Na ocasião, foi assinado um contrato com uma empresa que ficaria responsável por transformar o espaço em uma área de lazer, com bares e possibilidade de aluguel para peladas, além da utilização das escolinhas do clube. Um grupo de conselheiros contestou a medida e chegou a acionar Assumpção na Justiça. O então presidente rompeu o contrato com a empresa, e durante as eleições presidenciais, a chapa de Carlos Eduardo Pereira garantiu que o gramado natural voltaria, o que se cumpriu.


De acordo com Tristão, o gramado atual está em perfeitas condições, "padrão Maracanã", nas suas palavras. Ainda na sua avaliação, a qualidade no campo de treinamento torna mais possível a formação e revelação de talentos alvinegros.


- O campo está padrão Maracanã. E Maracanã na época da Copa, hein! Está excelente. Mas é preciso um cuidado muito grande, tem de preservar e manter as condições. Esse é um caminho que o Botafogo tem de seguir porque é importantíssimo, tem de descobrir talentos. E com um gramado de qualidade, fica com as ferramentas necessárias para isso - conta.

Caio Martins é outra opção que a base alvinegra
 recebeu para treinar. Estádio de Niterói também
 será casa do time principal do Botafogo durante
 o Carioca (Foto: Vitor Silva / SSPress)
Além de General Severiano, as categorias de base ganharam o Caio Martins, em Niterói, no final de agosto. Assim como na sede social, o estádio passou por reformas, porém, não só do gramado, mas também dos vestiários e refeitórios. Como o espaço com grama conta com 20 mil metros quadrados, ele é dividido em três campos de treinamento. Pelo tamanho, é a opção que mais conta com treinos no momento. A base ainda realiza atividades no Cefar (Centro de Formação de Atletas Trops), em Várzea das Moças.


As reformas no Caio Martins contaram com o financiamento da Ambev, por meio do Movimento Por Um Futebol Melhor. É assim que o Botafogo também pretende realizar os últimos ajustes no campo de General Severiano. Conforme Manoel Renha, o alambrado ainda precisa ser arrumado, de maneira a evitar, especialmente, que as bolas chutadas nos treinamentos passem para as áreas de convívio social da sede. Para esse ajuste, o clube espera contar, novamente, com a parceria com a empresa.


- Ainda dependemos da reforma do alambrado. Fazemos os treinos pré-jogo, mais leves, lá (em General Severiano). São treinos mais controlados. A preocupação do treino normal é a bola bater em um carro, em um pedestre... Estamos conversando com a Ambev (para a reforma), por meio do Movimento Por Um Futebol Melhor. No momento, os departamentos jurídicos de clube e empresa estão-se conversando - explica.


Neste fim de 2015, não faltam opções para o trabalho diário das categorias de base do Botafogo.

Por Jessica Mello Rio de Janeiro/GE