segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Patrocínio: Botafogo conversa com quatro empresas e mira acordos


De olho na próxima temporada, comercial do Botafogo negocia possíveis patrocínios com quatro empresas. Clube depende de bom acordo para ter orçamento maior



Atualmente, Botafogo tem três
patrocinadores estampados no uniforme
(Foto: Cleber Mendes/LANCE!Press)
Ainda em dificuldades financeiras, o Botafogo adotou uma política de austeridade nesta temporada. O clube não fez loucuras com o orçamento e estipulou teto salarial de cerca de R$ 60 mil. Agora, com um pé na Série A do Campeonato Brasileiro de 2016, o Glorioso começa a se organizar para chegar no próximo ano com mais recursos financeiros. Para isso, o Alvinegro depende, e muito, do departamento comercial.


O LANCE! ouviu o diretor Klay Salgado sobre os planos e negociações com possíveis patrocinadores. A expectativa é boa, apesar da crise financeira que atinge o Brasil.

O dirigente contou que o clube mantém conversas com até quatro empresas e está em busca de um patrocinador master. Neste ano, o Glorioso não conseguiu firmar um acordo para vender o principal espaço do uniforme e adotou o “Sou Botafogo”, da campanha de sócio-torcedor do clube na camisa.

– Iniciamos conversas com três, quatro empresas para o próximo ano. Acredito que podemos fechar dois ou três patrocínios mais longos para 2016. No entanto, a economia está atrapalhando. Sabemos que, em tempos de crise, as empresas cortam a exposição em mídias – comentou, referindo-se à crise.

Klay Salgado assumiu em janeiro. Ao longo deste ano, a diretoria comentou que teve dificuldades para fechar com um patrocinador master porque assumiu em novembro do ano passado, quando muitas empresas já tinham fechado as cotas de publicidade.

Atualmente, a folha salarial do futebol alvinegro é de menos de R$ 2 milhões e deve aumentar, se confirmada a volta à elite. O discurso, porém, é de manter a responsabilidade nas contas, sem exageros.

Atualmente, o Botafogo tem três patrocinadores estampados no uniforme: Guaramix, 99 Taxis e Voxx.

CLUBE NÃO VAI ABRIR MÃO DE ACORDOS PONTUAIS

Ao longo deste ano, o Botafogo fechou acordos pontuais com alguns patrocinadores, como com a Casa & Video, que estampou uma “liquidação maluca” nas costas da camisa alvinegra, com o preço de um smartphone, somente em alguns jogos. A ação chamou muita atenção e rendeu polêmica. Houve críticas e elogios, além de exposição, como o esperado pelos envolvidos.

O diretor comercial Klay Salgado disse que o Glorioso deve deixar espaço no uniforme para novos acordos pontuais em 2016. O dirigente entende que este é um caminho sem volta e que vai ocupar cada vez mais espaço no futebol brasileiro.

– Patrocínio pontual é um caminho irreversível. Não acredito que algum clube consiga vender todos os espaços de patrocínio para o próximo ano. Queremos deixar claro, o patrocínio pontual não é uma depreciação. Ele é uma realidade na Europa – afirmou Salgado.

O Alvinegro pretende fazer outras inovações para conquistar anunciantes, driblando a crise. A “liquidação maluca” pode ser apenas o início de uma série de ações. Agora, resta esperar para conferir.

CLUBE SEGUE EM BUSCA DE CERTIDÕES NEGATIVAS DE DÉBITO

Atualmente, o Botafogo não pode fechar acordo com empresas públicas, como a Caixa Econômica Federal, por não ter as certidões negativas de débito (CNDs). A expectativa é que o Glorioso consiga estes documentos até o fim desta temporada.

As CNDs são documentos emitidos pelos órgãos públicos declarando que uma determinada empresa não possui débitos ou pendências com aquela instituição na data de sua emissão.

A ideia do departamento comercial é abrir o leque de negociações com a possibilidade de fechar acordos com mais parceiros.


Paulo Victor Reis - Lancenet