segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Bota reage a assédio e renova com Fernandes. Multa é R$ 60 milhões


Contrato de apoiador de 20 anos agora vai até dezembro de 2018, com aumento de salário





Rindo à toa: Fernandes teve contrato ampliado
pelo Botafogo (Foto: Vitor Silva / SSPress)
O Botafogo fecha a temporada interessado não somente em dispensar e contratar jogadores. O clube também deu um passo importante para manter uma de suas promessas. Na última sexta-feira o Alvinegro registrou na CBF um novo contrato do apoiador Fernandes. Prata da casa, ele agora tem vínculo até 31 de dezembro de 2018 e recebeu aumento de salário. Um dos motivos dessa ampliação foi defender-se do interesse de alguns clubes no atleta, e, assim, evitar sua saída.


Por conta dos novos termos de contrato de Fernandes, a multa rescisória relativa a transferências para clubes do exterior passou de R$ 35 milhões para quase R$ 60 milhões. O Botafogo decidiu se movimentar depois de, nas últimas semanas, terem se intensificado nos corredores de General Severiano os rumores sobre a possibilidade de alguns clubes do Brasil tentarem a contratação do apoiador.


Esta foi a segunda ampliação do contrato de Fernandes em menos de 10 meses. No início de fevereiro, o apoiador assinou um compromisso válido até dezembro de 2017, quando tinha somente três partidas oficiais como profissional do Botafogo. Naquela ocasião, a multa rescisória passou de R$ 10 milhões para R$ 35 milhões.


Desde então, Fernandes viveu altos e baixos. Foi titular em boa parte do Campeonato Carioca, mas perdeu espaço no fim do primeiro turno do Brasileirão. Depois conquistou a confiança de Ricardo Gomes e recuperou o posto na equipe principal, marcando gols importantes nas vitórias sobre Boa Esporte, em Varginha (MG) e Macaé, no Estádio Nilton Santos (assista ao vídeo abaixo). Mas sofreu uma lesão no joelho que o tirou da equipe na reta final da competição. Voltou nas últimas partidas, mas nem sempre de início. Ele fechou 2015 com 36 jogos disputados e cinco gols marcados.




 Depois de mostrar seu valor dentro de campo, Fernandes tem um novo desafio pela frente: passar na prova da autoescola e tirar sua primeira carteira de habilitação. Na semana passada ele chegou a ser dispensado de um treino para fazer o exame, mas foi reprovado. Se com a bola nos pés a joia tirou nota 10, atrás do volante ainda pode ser melhor.


Por Gustavo Rotstein Rio de Janeiro/GE